Conectado com

Notícias Em 2019

Aumentar consumo é principal desafio para moinhos de trigo de São Paulo

Alta do câmbio e aumento da matéria-prima pressionaram o setor, que não repassou os custos para o mercado

Publicado em

em

Divulgação

A moagem de trigo no Estado de São Paulo em 2018 não apresentou grande crescimento em relação ao volume produzido no ano anterior, segundo números divulgados pela Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo). O levantamento mostrou que o setor fechou o ano passado com o volume estimado de 1,65 mi toneladas, pouco acima de 2017 quando a moagem total foi de 1,62 mi toneladas.

“Não constatamos uma evolução no volume da moagem de trigo no Estado. O ano foi marcado por uma elevação significativa da matéria-prima, muita dependência do trigo importado, estoques altos, além da greve dos caminhoneiros. Neste cenário, os moinhos não conseguiram repassar toda a necessidade de aumento de custo”, afirma o presidente do Sindicato da Indústria do Trigo no Estado de São Paulo (Sindustrigo), Christian Saigh.

Segundo ele, os resultados financeiros do ano passado foram catastróficos e refletiram o momento da economia nacional, onde o aumento do desemprego influenciou diretamente o consumo. “O movimento nas padarias, por exemplo sofreu uma queda muito forte, que não pode ser compensanda”, destaca ele.

“Nós do Sindustrigo temos trabalhado arduamente nos últimos anos em busca de melhorar o cenário produtivo e fiscal do setor moageiro de São Paulo, por meio de ações que envolvem toda a cadeia produtiva, como a Câmara Setorial, e também movimentações junto ao governo estadual buscando a equalização de alíquota de ICMS. Essas iniciativas auxiliam no desenvolvimento do setor e também na melhora do produto que é fornecido ao mercado”, ressalta o presidente.

Ao longo dos últimos anos a Câmara Setorial promoveu uma união da cadeia produtiva, visando a homogeneidade do grão produzido no estado, fator que auxiliou na melhora na rentabilidade e na qualidade do trigo entregue aos moinhos. “São Paulo é o maior mercado consumidor do Brasil e nossa indústria é dependente do trigo importado, pois não temos um volume produtivo que atenda a demanda dos moinhos. Esse é o nosso foco de trabalho, garantir um aumento da produção com a qualidade exigida pelo mercado”, enfatiza Saigh.

Primeiro trimestre

O primeiro trimestre de 2019 não foi muito positivo para o setor de moagem de São Paulo, principalmente pela contínua retração do mercado em relação ao consumo. O volume baixo de comercialização, impactado pela alta do preço do trigo e do câmbio, gerou aumento de custos aos moinhos que não foram repassados em sua totalidade ao preço de venda.

“O mercado não absorve mais preços acima dos que estão sendo praticados e esse cenário para a indústria é muito ruim, pois a margem está muito comprimida, em alguns momentos até negativa”, destaca Saigh.

Segundo ele, os meses de janeiro e fevereiro, devido às férias e o carnaval foram ainda piores, mas o mês de março apresentou uma leve melhora “Março foi um pouco melhor em termos de preço. Conseguimos reajustar nossos produtos em 5%, aquém da necessidade e com volume ainda reduzido. Além disso, registramos uma leve melhora nas padarias, com a volta do movimento, o que representa que o consumidor voltou a comprar”, analisa ele.

“Acredito que o nosso maior desafio neste ano será conseguir vender os produtos a preços que justifiquem a reposição dos estoques. Com a melhora da economia e uma possível redução nos números de desempregados no país, temos uma tendência de aumento de consumo, o que gera um cenário mais positivo para as indústrias moageiras”, finaliza o presidente do Sindustrigo.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três + quinze =

Notícias Mercado Interno

Mercado de milho é sustentado por alta do dólar e preços reagem

Alta do dólar e a subida em Chicago elevam as cotações nos portos para as exportações

Publicado em

em

Divulgação

O mercado brasileiro de milho teve uma semana de melhora nas referências de preço, interrompendo o ciclo de baixas. O mercado vinha bem pressionado por boa oferta e expectativa com a chegada da safrinha. Segue a pressão com a colheita adiante da safrinha, mas a alta do dólar na semana, e o avanço também visto na Bolsa de Chicago para o milho, garantiram sustentação e levaram ao aumento das cotações.

A alta do dólar e a subida em Chicago elevam as cotações nos portos para as exportações. Pouco a pouco, isso também vai passando para o mercado disponível, com produtores dosando a oferta e com os preços reagindo. Tudo isso acaba sendo limitado pela chegada da safrinha adiante, que traz um viés de baixa para as cotações.

No balanço da semana, a cotação em Campinas/CIF subiu de R$ 33,50 para R$ 36 a saca de 60 quilos na base de venda. Já na mogiana paulista, o preço avançou de R$ 31,50 para R$ 32,50.

Em Cascavel, no Paraná, o preço avançou no comparativo semanal de R$ 30 para R$ 31 a saca na venda. Já no Rio Grande do Sul, o preço se manteve em R$ 34 a saca.

Exportações

As exportações de milho do Brasil apresentaram receita de US$ 44,7 milhões em maio, até o dia 12, com média diária de US$ 6,4 milhões. A quantidade total de milho exportada pelo país ficou em 253,2 mil toneladas, com média de 36,2 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 176,40.

Na comparação com a média diária de abril, houve uma elevação de 69,1% no valor médio exportado, uma alta de 78,3% na quantidade média diária e perda de 5,2% no preço médio. Na comparação com maio de 2018, houve ganho de 1.319% no valor médio diário exportado, elevação de 1.235% na quantidade média diária de volume e valorização de 6,3% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Demanda mais fraca volta a pressionar mercado de frango

Movimento é bastante natural, uma vez que a reposição é mais lenta em um período com menor apelo ao consumo

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A avicultura de corte apresentou alguma queda das indicações de preços para os cortes negociados no atacado e na reposição ao longo da semana, bem como para os preços do frango vivo em algumas praças do país. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, esse movimento é bastante natural, uma vez que a reposição é mais lenta em um período com menor apelo ao consumo.

De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo, os preços tiveram mudanças para os cortes congelados de frango ao longo da semana. O quilo do peito no atacado passou de R$ 5,90 para R$ 5,70, o quilo da coxa de R$ 4,95 para R$ 4,90 e o quilo da asa de R$ 7,30 para R$ 7,20. Na distribuição, o quilo do peito retrocedeu de R$ 5,95 para R$ 5,80, o quilo da coxa de R$ 5,05 para R$ 5 e o quilo da asa de R$ 7,50 para R$ 7,40.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de alterações nos preços ao longo da semana. No atacado, o preço do quilo do peito passou de R$ 6 para R$ 5,80, o quilo da coxa de R$ 5,07 para R$ 5,02 e o quilo da asa de R$ 7,38 para R$ 7,28. Na distribuição, o preço do quilo do peito baixou de R$ 6,05 para R$ 5,90, o quilo da coxa de R$ 5,17 para R$ 5,12 e o quilo da asa de R$ 7,58 para R$ 7,48.

Iglesias comenta que o mercado ainda carrega otimismo em torno das exportações destinadas à China, tanto que já é perceptível um aumento do alojamento de pintos de corte para atender esse adicional de consumo. “Os custos de produção são mais amenos, observando o comportamento dos preços do milho durante as últimas semanas”, afirma.

O levantamento semanal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil indicou que, em Minas Gerais, o quilo vivo baixou de R$ 3,55 para R$ 3,50. Em São Paulo o quilo vivo seguiu em R$ 3,60.

Na integração catarinense a cotação do frango seguiu em R$ 2,56. No oeste do Paraná o preço continuou em R$ 3,25 na integração. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo permaneceu em R$ 3,20.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango cedeu em R$ 3,50 para R$ 3,45. Em Goiás o quilo vivo retrocedeu de R$ 3,50 para R$ 3,45. No Distrito Federal o quilo vivo caiu de R$ 3,55 para R$ 3,50.

Em Pernambuco, o quilo vivo permaneceu em R$ 4,55. No Ceará a cotação do quilo vivo continuou em R$ 4,55 e, no Pará, o quilo vivo seguiu em R$ 4,65.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Safra de Inverno

Plantio do trigo avança no PR e clima atrapalha preparos no RS

Liquidez tende a permanecer lenta até o ingresso da nova safra, devido à maior disponibilidade do produto

Publicado em

em

Divulgação

O mercado brasileiro de trigo acompanha o plantio no Paraná e os preparos no Rio Grande do Sul. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Jonathan Pinheiro, a liquidez tende a permanecer lenta até o ingresso da nova safra, devido à maior disponibilidade do produto, atualmente escasso nas principais praças de comercialização do país.

Paraná

O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que o plantio da safra 2018/19 do estado atinge 46% da área prevista de 1,023 milhão de hectares, deve cair 6% frente aos 1,101 milhão de hectares cultivados em 2018.

Segundo o Deral, 97% das lavouras apresentam boas condições de desenvolvimento e 3% condições médias, na fase de germinação (43%) e crescimento vegetativo (57%).

Rio Grande do Sul

A semana apresentou clima chuvoso e úmido no Rio Grande do Sul, não dando condições para o início do plantio de trigo nas regiões da Fronteira Noroeste e Missões, onde se aguarda clima seco para iniciar a implantação da safra. Assim, se o tempo firmar e a umidade do solo permitir, deverá ser iniciado o plantio de trigo da safra 2019 nessas regiões.

Continua a busca de crédito para custeio das lavouras junto aos agentes financeiros, com encaminhamento de documentos (atualização da Declaração de Aptidão ao Pronaf – DAP) e a coleta das amostras de solo para análise. Recursos de custeio para compra de insumos para as lavouras de trigo foram liberados para alguns produtores.

Conforme o levantamento semanal de preços da Emater/RS-Ascar, o preço do trigo é em média R$ 40,98/sc. no Rio Grande do Sul, leve queda em relação à semana anterior.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Biochem site – lateral
Conbrasul 2019
Ecobiol- Evonik

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.