Conectado com

Notícias Cooperativismo

Associados aprovam números da Alfa de 2019

Receita Total da cooperativa aumentou 12,4% sobre 2018 e as sobras tiveram forte recuperação no segundo semestre de 2019

Publicado em

em

Divulgação

A Cooperalfa aprovou as contas de 2019 dia 21 de fevereiro em Chapecó, na Assembleia Geral Ordinária presidida por Romeo Bet. Os dados foram explanados pelo gerente de controladoria e TI, Gilberto Fontana, que reportou o pagamento aos associados em 2019, de R$ 17,5 milhões de Cota-Capital, capitalizando no período R$ 61,2 milhões nas referidas contas. “Até 2030, a Cooperalfa distribuirá aos sócios R$ 214,6 milhões nessa modalidade; desde o início da Cota, já foram pagos R$ 117,4 milhões, prova do poder de partilha, de acordo com o movimento de cada um, proporcionado por este projeto empresarial-associativo, a Cooperalfa” registou o contador.

Sobras e desafios 2020

As sobras de 2019 alcançaram R$ 149 milhões, perante faturamento de R$ 3,7 bilhões, e projeção de Receita Total em 2020 de R$ 4,1 Bi (10,7%). “O ano de 2019 foi de oportunidades e início de recuperação da economia, com um primeiro semestre fraco e segundo, embalado”, disse Bet aos cooperados. No ano que passou, a Cooperalfa investiu R$ 114,4 milhões em patrimônio, incluindo silos, granjas, lojas e supermercados.  De 2020 a 2023, cerca de R$ 270 milhões deverão ser aportados para a nova indústria de soja em Chapecó, para 2 mil ton/dia, perante atual – que será desinstalada -, e hoje processa 700 ton/dia.

Produção agrícola e insumos

Em 2019, a Cooperalfa comprou 10,3 milhões de sacas de soja (-4,5% em relação a 2018); adquiriu 2,8 milhões de sacas de trigo (+30,6%) e 9,1 milhões de sacas de milho (aumento de 15,2%). O processamento da soja ficou estabilizado em 222,2 milhões de toneladas, o mesmo ocorrendo com a industrialização de trigo, de pouca variação: 132 mil ton. em 2019.

A marca Nutrialfa processou no período 401,7 mil toneladas de rações, ante 373,5 mil ton. (+7,5%). A marca Semealfa Soja, produziu em 2019 354 mil sacas de sementes (+20% sobre 2018), enquanto as vendas de sementes de milho cresceram 13,4% (121 mil sacas).

Nos fertilizantes, a Alfa movimentou em 2019 173 mil ton., ante 167 mil (3,6%); em corretivos, o aumento de vendas foi de 8,8% (Chegamos a 50 mil ton.) Somando herbicidas, inseticidas, fungicidas,  e demais itens do gênero, 3.693.000 litros foram vendidos no ano passado. Em 2018 foram 3.242.000 (13,9%).

Pecuária

Para o 1º Vice-presidente, Cládis Jorge Furlaneto, além de recuperar os prejuízos anteriores, tanto para a indústria quanto aos produtores, “a Alfa aumentou a produção entregue na Aurora em 2019 para 1.328.709 cabeças, contra 1.295.888 em 2018 (+2,5%), sendo 51.910 matrizes em produção, ante 52.266 em 2018 (-0,7%)”, avaliou o diretor. A produção de aves subiu de 100.500.000 de cabeças para 103.840.000 (3,3%). A atividade leite igualmente registrou aumento da produção recebida de 136.650.000 litros para 143.470.000 milhões (5,0%).

Os acessórios e produtos veterinários tiveram vendas em 2019, de R$ 74,7 milhões, perante R$ 67,7 milhões em 2018 (+10%). Somando premixes, núcleos, sais e suplementos minerais, as vendas de 2019 da Alfa foram de 11,8 milhões de quilos, ante 10,6 milhões(11,1%).

Consumo

Embora a lenta retomada da economia brasileira, os investimentos e estratégias trabalhadas pela Rede Superalfa registraram vendas de R$ R$ 360,6 milhões, contra R$ 329,7 milhões em 2018 (9,4%). Da mesma forma, a comercialização de ferragens e materiais de construção, passaram de R$ 35,8 milhões para R$ 39,2 milhões (9,5%). E, em combustíveis, conforme relata o 2º Vice-presidente, Edilamar Wons, a redução de custos internos ajudou a atividade na forte concorrência regional, vendendo 19, 05 milhões de  litros, contra 18,34 milhões do exercício anterior (+3,9%).

A teleconferência com o jornalista Alexandre Garcia encerrou a Assembleia.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × cinco =

Notícias Segundo FGV

Confiança do consumidor tem leve alta em maio, mas pessimismo se mantém

Pesquisa mostrou que em maio as avaliações sobre a situação presente continuaram a se deteriorar, enquanto as expectativas recuperaram parte das perdas sofridas em abril

Publicado em

em

Divulgação

O pessimismo em relação aos próximos meses diminui levemente em maio e a confiança do consumidor teve alta, em um movimento de acomodação diante dos impactos da pandemia de coronavírus, de acordo com os dados divulgados nesta segunda-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) subiu 3,9 no mês, chegando a 62,1 pontos, mas a FGV destacou que o resultado “pode ser interpretado como uma acomodação ao recuperar apenas 13,2% da queda de 29,6 pontos acumulada nos dois meses anteriores”.

A pesquisa mostrou que em maio as avaliações sobre a situação presente continuaram a se deteriorar, enquanto as expectativas recuperaram parte das perdas sofridas em abril.

O Índice de Situação Atual (ISA) perdeu 0,6 ponto e foi a 65,0 pontos, menor nível desde dezembro de 2016. Já o Índice de Expectativas (IE) subiu 6,7 pontos, para 61,7 pontos, após ter atingido mínima histórica no mês anterior (55,0 pontos).

“No momento presente, grande parte dos consumidores sentem os impactos da pandemia e avaliam piora na situação econômica geral e financeira das famílias. Com o orçamento doméstico comprometido pela necessidade de isolamento social levando a casos de redução de renda por demissão, suspensão de trabalho ou redução proporcional de salários e jornada de trabalho por pelo menos um membro familiar, as famílias de baixa renda são atualmente as que mais sentem dificuldades”, analisou a coordenadora das sondagens na FGV, Viviane Seda Bittencourt.

Em maio, houve piora da percepção sobre a situação econômica no momento e manutenção da insatisfação em relação a situação financeira das famílias.

Com relação aos próximos meses, o quesito que mede as expectativas sobre as finanças familiares foi o que mais contribuiu para a melhora da confiança, avançando após quatro meses seguidos de queda e atingido o menor nível da série histórica.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Mercado

Importações de carne suína pela China saltam 170% em abril e têm nível recorde

China importou 1,35 milhão de toneladas de carne suína nos primeiros quatro meses do ano

Publicado em

em

Divulgação

A China, principal consumidora global de carne suína, importou um recorde de 400 mil toneladas de carne suína em abril, um salto de quase 170% na comparação anual, mostraram dados de alfândegas, com compradores aproveitando os baixos preços para estocar o produto,

A China importou 1,35 milhão de toneladas de carne suína nos primeiros quatro meses do ano, depois que uma forte queda na produção doméstica manteve os preços muito mais altos que em outros mercados. A peste suína africana reduziu o rebanho de porcos da China em ao menos 40%, reduzindo a produção de carne suína e levando os preços da carne preferida no país para níveis recorde.

A China vinha comprando carne suína no exterior, incluindo dos Estados Unidos, onde os preços do produto estão entre os mais baixos no mundo, mas o ritmo de importações inicialmente caiu a partir da disseminação do coronavírus no país, que atingiu a demanda.

Embora os preços da carne suína na China venham caindo estavelmente desde o início de fevereiro, ainda estão em patamar que representa cerca do dobro dos níveis vistos há um ano atrás e de três a quatro vezes superiores aos preços nos EUA em março, antes que o fechamento de fábricas de processamento de carne norte-americanas levasse a um salto nos preços em meados de abril.

A alta nos preços dos EUA provavelmente diminuirá as importações no próximo mês, enquanto os preços da carne suína na China ainda estão em queda devido à fraqueza na demanda doméstica.

As exportações de carne suína dos EUA à China tiveram um recorde entre janeiro e abril, segundo dados do Departamento de Agricultura norte-americano (USDA).

A China também importou 160 mil toneladas de carne bovina em abril, alta de 28% na comparação anual. Nos primeiros quatro meses do ano, as importações de carne bovina cresceram em 54%, para 680 mil toneladas, segundo dados alfandegários.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Política Agrícola

Congresso aprova crédito suplementar que garante recursos para o Plano Safra 2020/2021

Serão destinados R$ 3,2 bilhões para a equalização de juros do Plano Safra, que o Ministério da Agricultura pretende anunciar no dia 15 de junho

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

O Congresso Nacional aprovou na última quinta-feira (21), em sessão conjunta virtual, a liberação de crédito suplementar de R$ 343,6 bilhões nos orçamentos Fiscal e da Seguridade Social da União. Desses recursos, R$ 3,2 bilhões serão destinados para a equalização de juros do Plano Safra, que o Ministério da Agricultura pretende anunciar no dia 15 de junho.

“Foi muito importante a aprovação desse projeto, porque retirou o último entrave que estava nos segurando para o anúncio do Plano Safra”, disse o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Eduardo Sampaio “Agora vamos concluir as medidas a serem submetidas ao Conselho Monetário Nacional, junto com as equipes do Ministério da Economia e do Banco Central”, completou.

Outros R$ 741 milhões serão usados para a subvenção ao prêmio do seguro rural em 2020, complementando os recursos previstos para o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR), já aprovado no Orçamento em R$ 957 milhões. No primeiro quadrimestre do ano, o Mapa já disponibilizou R$ 200 milhões para o PSR. Esse recurso é utilizado para subvencionar parte dos prêmios do seguro pagos pelo produtor. Graças ao PSR, somente nos anos de 2018 e 2019, as companhias seguradoras indenizaram aos agricultores em R$ 3,5 bilhões em função de problemas de perdas de produção por seca, granizo, chuva excessiva e outras adversidades climáticas.

No Projeto de Lei aprovado pelo Congresso também estão previstos R$ 400 milhões para o pagamento de indenizações do Proagro, que cresceram neste ano por causa da estiagem no Sul do país.

Também foram previstos R$ 35 milhões para ações de defesa agropecuária, R$ 13,5 milhões para a agricultura familiar, R$ 7,6 milhões para a Embrapa, R$ 6 milhões para aquicultura e pesca, R$ 5 milhões para a área de relações internacionais, R$ 5 milhões para assuntos fundiários, R$ 4,7 milhões para o Serviço Florestal Brasileiro, R$ 2 milhões para a Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação e R$ 1,5 milhão para o Incra.

O texto do Projeto de Lei do Congresso Nacional foi aprovado por 74 votos favoráveis no Senado e na Câmara dos Deputados, com 451 favoráveis e um voto contrário. O PLN 8/2020 segue agora para sanção presidencial.

Fonte: MAPA
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.