Conectado com

Notícias Cooperativismo

Associados aprovam números da Alfa de 2019

Receita Total da cooperativa aumentou 12,4% sobre 2018 e as sobras tiveram forte recuperação no segundo semestre de 2019

Publicado em

em

Divulgação

A Cooperalfa aprovou as contas de 2019 dia 21 de fevereiro em Chapecó, na Assembleia Geral Ordinária presidida por Romeo Bet. Os dados foram explanados pelo gerente de controladoria e TI, Gilberto Fontana, que reportou o pagamento aos associados em 2019, de R$ 17,5 milhões de Cota-Capital, capitalizando no período R$ 61,2 milhões nas referidas contas. “Até 2030, a Cooperalfa distribuirá aos sócios R$ 214,6 milhões nessa modalidade; desde o início da Cota, já foram pagos R$ 117,4 milhões, prova do poder de partilha, de acordo com o movimento de cada um, proporcionado por este projeto empresarial-associativo, a Cooperalfa” registou o contador.

Sobras e desafios 2020

As sobras de 2019 alcançaram R$ 149 milhões, perante faturamento de R$ 3,7 bilhões, e projeção de Receita Total em 2020 de R$ 4,1 Bi (10,7%). “O ano de 2019 foi de oportunidades e início de recuperação da economia, com um primeiro semestre fraco e segundo, embalado”, disse Bet aos cooperados. No ano que passou, a Cooperalfa investiu R$ 114,4 milhões em patrimônio, incluindo silos, granjas, lojas e supermercados.  De 2020 a 2023, cerca de R$ 270 milhões deverão ser aportados para a nova indústria de soja em Chapecó, para 2 mil ton/dia, perante atual – que será desinstalada -, e hoje processa 700 ton/dia.

Produção agrícola e insumos

Em 2019, a Cooperalfa comprou 10,3 milhões de sacas de soja (-4,5% em relação a 2018); adquiriu 2,8 milhões de sacas de trigo (+30,6%) e 9,1 milhões de sacas de milho (aumento de 15,2%). O processamento da soja ficou estabilizado em 222,2 milhões de toneladas, o mesmo ocorrendo com a industrialização de trigo, de pouca variação: 132 mil ton. em 2019.

A marca Nutrialfa processou no período 401,7 mil toneladas de rações, ante 373,5 mil ton. (+7,5%). A marca Semealfa Soja, produziu em 2019 354 mil sacas de sementes (+20% sobre 2018), enquanto as vendas de sementes de milho cresceram 13,4% (121 mil sacas).

Nos fertilizantes, a Alfa movimentou em 2019 173 mil ton., ante 167 mil (3,6%); em corretivos, o aumento de vendas foi de 8,8% (Chegamos a 50 mil ton.) Somando herbicidas, inseticidas, fungicidas,  e demais itens do gênero, 3.693.000 litros foram vendidos no ano passado. Em 2018 foram 3.242.000 (13,9%).

Pecuária

Para o 1º Vice-presidente, Cládis Jorge Furlaneto, além de recuperar os prejuízos anteriores, tanto para a indústria quanto aos produtores, “a Alfa aumentou a produção entregue na Aurora em 2019 para 1.328.709 cabeças, contra 1.295.888 em 2018 (+2,5%), sendo 51.910 matrizes em produção, ante 52.266 em 2018 (-0,7%)”, avaliou o diretor. A produção de aves subiu de 100.500.000 de cabeças para 103.840.000 (3,3%). A atividade leite igualmente registrou aumento da produção recebida de 136.650.000 litros para 143.470.000 milhões (5,0%).

Os acessórios e produtos veterinários tiveram vendas em 2019, de R$ 74,7 milhões, perante R$ 67,7 milhões em 2018 (+10%). Somando premixes, núcleos, sais e suplementos minerais, as vendas de 2019 da Alfa foram de 11,8 milhões de quilos, ante 10,6 milhões(11,1%).

Consumo

Embora a lenta retomada da economia brasileira, os investimentos e estratégias trabalhadas pela Rede Superalfa registraram vendas de R$ R$ 360,6 milhões, contra R$ 329,7 milhões em 2018 (9,4%). Da mesma forma, a comercialização de ferragens e materiais de construção, passaram de R$ 35,8 milhões para R$ 39,2 milhões (9,5%). E, em combustíveis, conforme relata o 2º Vice-presidente, Edilamar Wons, a redução de custos internos ajudou a atividade na forte concorrência regional, vendendo 19, 05 milhões de  litros, contra 18,34 milhões do exercício anterior (+3,9%).

A teleconferência com o jornalista Alexandre Garcia encerrou a Assembleia.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove − 5 =

Notícias Investimento

C.Vale investirá R$ 500 milhões em indústria de farelo e óleo de soja

Nova planta industrial terá capacidade para processar 2.500 toneladas de soja por dia, com possibilidade de ampliação para até 3 mil toneladas/dia

Publicado em

em

Divulgação

A C.Vale vai construir uma indústria para esmagamento de soja em Palotina, PR. O presidente da cooperativa, Alfredo Lang, e o governador do Paraná, Ratinho Júnior, assinaram nesta quarta-feira (23), em Curitiba, protocolo prevendo tratamento fiscal diferenciado que resultará no novo empreendimento. A nova planta industrial terá capacidade para processar 2.500 toneladas de soja por dia, com possibilidade de ampliação para até 3 mil toneladas/dia. Quando alcançar a capacidade plena de operação, o consumo de soja será de 50 mil sacas/dia.

 Lang revelou que a nova estrutura exigirá investimentos de R$ 552 milhões em oito anos. Ele explicou que, numa primeira etapa, a indústria produzirá farelo de soja para a produção de rações. A cooperativa mantém sistemas de integração que produzem, atualmente, 620 mil frangos/dia e 100 mil tilápias/dia, e ainda fabrica rações para bovinos e suínos. Conforme Lang, as obras da esmagadora de soja devem iniciar já em 2021 e serem concluídas em 2023. “É um sonho antigo dos nossos associados que estamos realizando. Começaremos com a fabricação de farelo e óleo, e depois vamos ampliar o leque com outros produtos”, revelou.

O novo empreendimento resultará na criação de 70 empregos diretos, numa primeira etapa.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Sanidade Vegetal

Mapa registra 31 defensivos agrícolas genéricos, com quatro produtos biológicos

Com a publicação de hoje, 2020 soma 60 produtos de baixo impacto registrados; esse é o maior número de registros de produtos desse perfil em um mesmo ano

Publicado em

em

Divulgação/Jacto

O Ato n° 55 do Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas da Secretaria de Defesa Agropecuária, publicado nesta quarta-feira (23) no Diário Oficial da União traz o registro de 31  defensivos agrícolas formulados. A publicação divulga quais foram os produtos formulados que foram registrados e efetivamente estarão disponíveis para uso pelos agricultores.

Todos os produtos utilizam ingredientes ativos já registrados anteriormente no país. “Os novos registros são importantes pois diminuem a concentração do mercado de defensivos e aumentam a concorrência. Isso acaba resultando em um comércio mais justo e em menores custos de produção para a agricultura brasileira”, explica o coordenador-geral de Agrotóxicos e Afins, Bruno Breitenbach.

Dos produtos registrados hoje, quatro deles são compostos por microrganismos como a Beauveria bassiana, o Bacillus thuringiensis, o Metarhizium anisopliae e o vírus Spodoptera frugiperda multiplenucleopolyhedrovirus que são agente biológicos de controle de pragas que atacam os cultivos brasileiros. Os produtos poderão ser utilizados em qualquer cultura em que forem encontradas as pragas para as quais esses agentes biológicos possuem recomendação de controle. Dois desses produtos poderão ser utilizados nas produções orgânicas certificadas.

Com a publicação de hoje, 2020 soma 60 produtos de baixo impacto registrados. Esse é o maior número de registros de produtos desse perfil em um mesmo ano.

Os produtos que utilizam agentes de controle biológicos são alternativas de controle para os agricultores no combate às pragas, ao mesmo tempo que contribuem para o aumento da sustentabilidade da agricultura nacional.

Do total de produtos registrados e divulgados hoje, alguns contém mais de um ingrediente ativo. A maioria dos ingredientes ativos registrados já têm registros nos Estados Unidos, na Europa e na Austrália.

Todos os produtos registrados foram analisados e aprovados pelos órgãos responsáveis pela saúde, meio ambiente e agricultura, de acordo com critérios científicos e alinhados às melhores práticas internacionais.

Fonte: MAPA
Continue Lendo

Notícias Internacional

Processamento de soja na Argentina cai mais de 20% em agosto na comparação anual

Processamento em agosto rendeu 2,5 milhões de toneladas em farelo de soja e 657.229 toneladas de óleo de soja

Publicado em

em

Danilo Estevão/Embrapa

A Argentina, maior exportador global de soja processada, viu os volumes esmagados do grão caírem 20,6% na comparação anual em agosto, para 3,3 milhões de toneladas, segundo dados do ministério da agricultura do país.

Nos primeiros oito meses do ano, as unidades de esmagamento de soja argentinas processaram um total de 25,9 milhões de toneladas, ou 9% abaixo do visto no mesmo período do ano passado, segundo relatório mensal do governo divulgado na noite de segunda-feira (21).

O processamento em agosto rendeu 2,5 milhões de toneladas em farelo de soja e 657.229 toneladas de óleo de soja. A soja processada será fornecida a compradores na Europa e no Sudeste Asiático.

A Argentina colheu 49 milhões de toneladas de soja na safra 2019/20, encerrada em julho, abaixo das 55,3 milhões de toneladas na temporada anterior.

O plantio da safra 2020/21 começará em outubro.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.