Conectado com

Avicultura Saúde Animal

As principais diferenças entre as fontes de ácido butírico

Para driblar os fatores limitantes e se beneficiar de tais resultados, o ácido butírico é usualmente disponibilizado para os animais em duas diferentes formas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Rodrigo Slembarski, médico veterinário e gerente de Produtos Aves de corte da Auster; e Cassio Oura, médico veterinário e trainee Aves de Corte São Paulo da Auster

Os ácidos orgânicos são utilizados como melhoradores de desempenho na produção animal, buscando eficiência similar aos antibióticos promotores de crescimento de modo a não provocar resistência microbiana. Sua ação possui como principais características o controle da carga microbiana no trato digestório, inibição do crescimento de bactérias patogênicas e efeito redutor do pH gástrico, resultando em maior proteólise e consequente melhor digestão de proteínas e aminoácidos.

Entretanto, nem todos apresentam atividade antimicrobiana, sendo restrita aos ácidos de cadeia curta (C1 – C7). Como representante desta classe, o ácido butírico (C4H8O2) é derivado da fermentação microbiana de carboidratos. Por ser utilizado pelas células do epitélio intestinal como fonte de energia para diferenciação e multiplicação e se enquadrar nas características citadas, este é amplamente empregado nas criações animais. Porém, em suas primeiras utilizações nas rações foram encontrados fatores limitantes: o mau cheiro e caráter corrosivo, que dificultava sua utilização em fábricas; e a rápida absorção no estomago, que reduzia a quantidade de produto que chegava ao intestino, limitando sua atividade.

Desta forma os benefícios associados à sua utilização; como a influência no crescimento e saúde intestinal, melhor aproveitamento de cálcio e fósforo da dieta e melhor desempenho animal não eram alcançados. Para driblar os fatores limitantes e se beneficiar de tais resultados, o ácido butírico é usualmente disponibilizado para os animais em duas diferentes formas: sais microencapsulados (butirato de sódio e butirato de cálcio) e em forma de ésteres, podendo os últimos serem disponibilizados na conformação de mono-, di- e tributirina.

O butirato de sódio consiste em um produto seco por pulverização, produzido após a neutralização completa do ácido butírico com NaOH, resultando em concentrações muito baixas do ácido butírico livre. O butirato de cálcio é constituído a partir da neutralização do ácido butírico com CaC03 ou Ca (OH) 2. Sendo o processo de neutralização incompleto, resultando em níveis mais altos de ácido butírico livre. As butirinas, (mono-, di- e tributirinas) são produtos da esterificação do ácido butirico com o glicerol, onde o hidrogênio (H) do ácido butírico reage com o grupo hidroxila (OH) do glicerol, formando uma molécula de água e a ligação covalente entre o oxigênio do ácido butírico e o carbono do glicerol. Processo que forma moléculas estáveis, que são dissociados apenas por lipases pancreáticas liberando o butirato e glicerol no lúmen intestinal.

Cheiro

O cheiro é proporcionalmente relacionado com o nível de ácido butírico livre, que é uma molécula extremamente volátil e corrosiva. O butirato de sódio consiste em um produto mais estável e menos odoroso que o ácido butírico, característica importante para o uso do produto em fábricas de pré-mistura de alimentos para animais. O butirato de cálcio possui odor mais típico e característico do ácido, dificultando sua utilização. Já os ésteres não possuem relatos de problemas com o odor do produto.

Peso molecular e efeito antibacteriano

Os ácidos orgânicos com maior peso molecular possuem menor capacidade de difusão, portanto, menor facilidade em atravessar as membranas celulares e exercer efeitos anti-bacterianos. O peso molecular do butirato de sódio é de 111 g/mol, sendo o peso molecular do butirato de cálcio 214,28 g/mol, o que é aproximadamente o dobro. Já os ésteres possuem o peso molecular de 162,18 g/mol (monobutirina), 232, 37 g/mol (dibutirina) e 302,36 g/mol para a tributirina.

Solubilidade

Se o ácido butírico se encontra em forma de sais (butirato de sódio ou cálcio), é necessário que esse produto tenha alta solubilidade para que o butirato se libere do cátion (Na ou Ca) e seja utilizado ou transformado em ácido butírico (dependendo do pH). In vitro, o butirato de sódio se apresenta mais solúvel em água comparado ao butirato de cálcio. Para os ésteres, há relato apenas da solubilidade da monobutirina, citando a possível solubilidade da mesma em água atribuindo o fato ao glicerol. Porém, no caso da monobutirina, para o ácido butirico se dissociar do glicerol é necessário a ação da lipase, ineficiente neste caso, pois normalmente quebra as ligações éster de moléculas com grandes diferenças de polaridade, como triglicerídeos com cadeias de 16 carbonos ou mais, não sendo facilmente reconhecida pela enzima. Não há relatos quanto a solubilidade da dibutirina e tributirina, sendo mínimos os dados de características físico-químicas dos produtos. Porém, como citado anteriormente, as ligações entre as moléculas obtidas durante o processo de esterificação não se desfazem no estomago, sendo estas liberadas apenas com a ação da lipase intestinal. Desse modo não há disponibilização de ácido butírico livre no estomago, comprometendo a redução do pH gástrico e melhor aproveitamento de proteínas e aminoácidos. Pois com a redução do pH há a maior ativação de pepsina (enzima proteolítica) no estômago e menor secreção do suco gástrico, tendo menor diluição do bolo alimentar. Passos cruciais para o controle microbiano, uma vez que, com menos substratos proteicos há menor desenvolvimento de bactérias patogênicas no intestino. Etapa disponível somente para os sais de ácido butírico, resultando em menor velocidade de esvaziamento gástrico e redução da taxa de passagem do alimento, melhorando assim sua digestibilidade.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
1 Comentário

1 Comentário

  1. Antonio Guerreiro

    2 de outubro de 2020 em 13:12

    Alguns questionamentos sobre o material:
    Quais os teores de ácido butírico, íons de sódio e gordura em um butirato de sódio?
    Os pesos moleculares das butirínas realmente importam já que a ação da lipase irá resultar em ácidos butíricos livres com peso de 88,10 e monobutirínas com peso de 162,18?
    A monobutirína por ser ser um monoglicerídeo não tem boa afinidade para penetrar na parede celular bacteriana composta por fosfolipídeos?
    Como a lipase não reconhece os triglicerídeos?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × três =

Avicultura A estação quente voltou

Estresse por calor gera perdas para avicultura: saiba como agir em cada fase produtiva para se livrar dos prejuízos

Ampla parte da produção de aves no Brasil se encontra em regiões onde o estresse calórico pode causar problemas aos animais, influenciando o seu desempenho

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A ampla parte da produção de aves no Brasil se encontra em regiões onde o estresse calórico pode causar problemas aos animais, influenciando o seu desempenho. Para falar sobre os cuidados e parâmetros a serem seguidos durante os períodos mais quentes do ano, o Presente Rural entrevistou o pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, Paulo Giovanni de Abreu, que justifica: “Experiências têm mostrado que a produtividade das aves é afetada e a taxa de mortalidade é consideravelmente alta. No entanto, algumas medidas básicas podem remediar e até eliminar esses problemas”.

Uma das premissas é saber o que é a zona de conforto térmico. “Para determinada faixa de temperatura efetiva ambiental, a ave mantém constante a temperatura corporal, com mínimo esforço dos mecanismos termorregulatórios. É a chamada Zona de Conforto Térmico (ZCT) ou de termoneutralidade, em que não há sensação de frio ou de calor e o desempenho animal em qualquer atividade é otimizado”, explica.

O pesquisador explica: “Na figura 1 observa-se que a Zona de Conforto Térmico é limitada pelas temperaturas efetivas ambientais dos pontos B e B’; a Zona de Homeotermia, pelas temperaturas efetivas ambientais dos pontos C e C’; e a Zona de Sobrevivência, pelas temperaturas efetivas ambientais dos pontos D e D’. Nas temperaturas efetivas ambientais situadas na faixa limitada pelos pontos A e D, o animal está estressado por frio e nas de A’ a D’, por calor. A temperatura efetiva ambiental do ponto B é a Temperatura Crítica Inferior (TCI) e abaixo desta o animal aciona seus mecanismos termorregulatórios para incrementar a produção e a retenção de calor corporal, compensando a perda de calor para o ambiente, que se encontra frio. Nessa faixa, a capacidade do animal de aumentar a taxa metabólica torna-se relevante para a manutenção do equilíbrio homeotérmico”.

“Para temperaturas efetivas ambientais abaixo daquela definida no ponto C, o animal não consegue mais balancear a sua perda de calor para o ambiente e a temperatura corporal começa a declinar rapidamente, acelerando o processo de resfriamento. Se o processo continua por muito tempo ou se nenhuma providência é tomada, o nível letal D é atingido e o animal morre por hipotermia. A temperatura efetiva ambiental do ponto B’ é denominada Temperatura Crítica Superior (TCS). Acima dessa temperatura o animal aciona seus mecanismos termorregulatórios para auxiliar a dissipação do calor corporal para o ambiente, uma vez que, nessa faixa, a taxa de produção de calor metabólico normalmente aumenta, podendo ocorrer, também, aumento da temperatura corporal. Nessa faixa, entram em ação mecanismos de defesa física contra o calor, como a vasodilatação e a ofegação. Quando a temperatura ambiental atinge o ponto C’, por mais que esses mecanismos funcionem, não conseguem obter o resfriamento necessário para a manutenção do equilíbrio homeotérmico e a temperatura corporal aumenta cada vez mais. Na temperatura ambiental do ponto D’, o animal morre por hipertermia. Na Zona de Hipertermia, os mecanismos de controle da temperatura não são capazes de providenciar suficiente resfriamento para manter a temperatura corporal em seu nível normal”.

Figura 1 – Esquema das temperaturas efetivas ambientais críticas

Exigências das aves

De acordo com Paulo Giovanni de Abreu, a ave tem habilidade para manter constante a temperatura dos órgãos internos, o que é conhecido como homeotermia. O mecanismo de homeostase, entretanto, é eficiente somente quando a temperatura ambiente está dentro de certos limites. “A temperatura do núcleo corporal de aves é igual a 41,7oC. Na Tabela 1 são apresentados os valores da Temperatura Crítica Inferior (TCI), Zona de Conforto Térmico (ZCT) e Temperatura Crítica Superior (TCS) de acordo com a fase da ave. Portanto é importante que os aviários tenham temperaturas ambientais próximas às das condições de conforto das aves (Tabela 2). Nesse sentido, o aperfeiçoamento dos aviários com adoção de técnicas e equipamentos de condicionamento térmico ambiental tem superado os efeitos prejudiciais de alguns elementos climáticos, possibilitando alcançar bom desempenho produtivo das aves”, menciona.

Estresse térmico (calor)

 O estresse devido ao calor se produz quando existem temperaturas ambientais acima da zona de termoneutralidade das aves e se intensifica na presença de alta umidade relativa e ausência de movimento do ar, destaca Paulo Giovanni de Abreu. “Fisiologicamente as aves respondem ao estresse calórico aumentando os mecanismos de dissipação de calor e diminuindo a produção de calor metabólico. Durante os períodos quentes o estresse térmico depende grandemente da ave. Isto é, idade e tamanho, estágio produtivo e das instalações. Entretanto, as respostas ao estresse térmico variam de formas específicas entre esses diferentes grupos”.

O pesquisador da Embrapa frisa que para o conforto fisiológico das aves é considerado que a temperatura no interior da instalação seja correspondente à zona de termoneutralidade da ave. “Esta é a temperatura média a qual a taxa metabólica é mantida constante pelo controle vaso motor (vasodilatação e vasoconstrição periféricas, movimentação das penas e mudança postural) e evaporação da água dos pulmões. O ponto o qual a temperatura ambiental esta abaixo desta zona é chamado temperatura crítica e aumenta a taxa metabólica para manutenção da temperatura corporal. O ponto o qual a temperatura está acima desta temperatura é chamado ponto de hipertermia e aumento na taxa metabólica na tentativa de eliminar o excesso de produção de calor”.

Efeito da idade

“A combinação de temperatura ambiente e umidade relativa capaz de produzir estresse por calor depende da idade das aves. A temperatura ambiente ideal varia desde 32 – 35oC ao nascer até que se estabiliza aos 20 – 24oC na quarta semana. A magnitude do estresse calórico depende não somente da estação do ano, mas também do status fisiológico (isto é, estágio de crescimento, desenvolvimento e produção) das aves. Em muitas aves jovens o estresse calórico é menos provável de ocorrer durante períodos quentes e úmidos. Isto porque as aves recém-nascidas são mais sensíveis ao frio. Como as aves jovens possuem uma temperatura crítica superior maior que aves adultas a diminuição de mortalidade por estresse calórico é menor”.

Segundo Paulo Giovanni, a medida que as aves crescem, tornam-se menos sensível ao frio. “Isso ocorre por causa da ineficiência dessas aves em dissipar rapidamente o calor produzido por seu organismo. Essa ineficiência na dissipação do calor pode ser devido ao acúmulo de gordura subcutânea, da falta de glândulas sudoríparas e da cobertura de penas do corpo. As consequências é que com a idade ou aves grandes tonam-se mais suscetíveis ao estresse por calor”.

Umidade

A umidade é fator determinante na termorregulação. “No Brasil quando a temperatura ambiente está por volta de 32oC e a umidade relativa do ar mais que 80%, essa condição causa um aumento da severidade do estresse por calor. Como consequência a ingestão alimentar é reduzida e a taxa respiratória desses animais aumenta na tentativa de resfriar-se pela evaporação do vapor d’água dos pulmões. As aves tenderão a se mover para locais mais frescos nos aviários e mudarão a sua postura. Em casos extremos, com temperaturas ambientes próximas de 40oC, as aves podem morrer de exaustão física causada pelo calor. Além disso, a mortalidade durante períodos quentes pode também estar relacionada indiretamente com outros fatores de estresse que são relacionados com condições de calor e umidade. Esses outros efeitos indiretos incluem a redução na ingestão alimentar e aumento da incidência de doenças no plantel. Uma redução na ingestão alimentar torna as aves mais suscetíveis a doenças nesse ambiente”, orienta.

Temperatura ambiente VS proteína e gordura da dieta

“Em relação aos componentes da dieta, de forma similar ao que ocorre para a mantença, há uma diferenciação nas eficiências com que a EM dos carboidratos, gorduras e proteínas é utilizada para a deposição. Quanto maior a proporção de proteína na deposição e quanto maior a quantidade de proteína na dieta maior o incremento calórico esperado. Mantido os níveis dos demais nutrientes limitantes, com maior gordura dietética o incremento calórico diminui, e consequentemente aumenta a eficiência de retenção”.

Em condições de estresse calórico, cita, há um aumento mais discreto na produção de calor total (PC) pelo aumento na energia necessária para termorregulação (PCt), mas o incremento calórico associado à retenção ou deposição nos tecidos passa a ser uma parcela importante da PC. “Esta contribuição, de acordo com a temperatura ambiente, conduz à hipertermia, e a principal forma da ave reduzir este incremento é pela redução do consumo de energia metabolizável (EMc). A redução na EMc e aumento na PC levam, por consequência, a uma menor (ou nula) exigência de energia para retenção ou produção (EMr)”.

O pesquisador explica que outra forma de reduzir a PC é pela utilização de componentes dietéticos de baixo incremento calórico de mantença e retenção, como a gordura. “Isto pode ter efeito positivo sobre a sobrevivência e/ou desempenho em condições de estresse calórico. Por outro lado, o grau de redução da EMc que vai ser apresentado pelos animais não é normalmente previsível, e pode comprometer a EMr pela deficiência dos demais nutrientes. Consequentemente, em condições de estresse pelo calor, a concentração das dietas, especialmente em proteína, pode trazer benefícios à produção, mas é necessário que se tenha controle sobre os níveis de EMc. No caso do uso de componentes de baixo ICr, como a gordura, o maior efeito benéfico é justamente relacionado com a manutenção pelos animais de um nível de consumo mais compatível com a produção”.

Paulo Giovanni orienta: “A perda de apetite devido ao bloqueio do centro do apetite localizado no hipotálamo e a redução brusca do nível sanguíneo de vitamina C seriam em termos nutricionais os fatores mais importantes. A ave sob condições de estresse calórico seria uma ave deficiente em energia, portanto, a manipulação das rações, proporcionando a ingestão de níveis nutricionais de acordo com a exigência das aves, seria a solução para combater o baixo consumo de ração, tendo como base o conceito de ‘incremento calórico ou ação dinâmica específica dos alimentos’ as gorduras passaram a ser o ingrediente de eleição na formulação de rações de alta energia e concentração de nutrientes. Tal prática vem sendo adotada nas condições adversas de criação quando ocorre o fator queda de consumo”.

Considerando que as aves não possuem glândulas sudoríparas, explica, a dissipação de calor ocorre por meio dos processos sensíveis e dos mecanismos evaporativos respiratórios. “Com o aumento da temperatura ambiente, a dissipação de calor pelos processos sensíveis é diminuída, enquanto que pelos mecanismos evaporativos é aumentada”.

Vitamina C

A vitamina C, conhecida como a vitamina do estresse devido às suas peculiaridades principalmente na fase de alerta do estresse, cita o especialista, é uma vitamina sintetizada nos rins das aves e no fígado da maioria dos mamíferos, por isso, a adição de vitamina C nas rações em condições normais não ocorre. “Entretanto, em condições adversas de meio, a sua adição é aconselhada, porém as respostas nem sempre são esperadas. De um modo geral, a vitamina C encontra-se em níveis normais no sangue circulante, mas na fase de alerta do estresse, os níveis reduzem drasticamente ou mesmo desaparecem; existe uma relação entre estresse, adrenais e vitamina C. É sabido que as adrenais são glândulas do estresse, pois elas aumentam de tamanho na fase de acomodação do estresse e esgotam o teor de vitamina C. Assim, é uma tendência lógica adicionar a vitamina C às rações. Porém, a resposta plasmática à adição de vitamina C é quase que imediata, favorecendo, às vezes, o desempenho”, destaca.

“Em condições de estresse, a suplementação de vitamina C pela água de beber ou pela ração tem demonstrado aliviar os efeitos de fatores de estresse, apresentando benefícios no desempenho de frangos de corte”, aponta.

“As aves possuem habilidade própria para sintetizar a vitamina C e, consequentemente, esta tem sido tradicionalmente excluída das dietas de aves. Entretanto, numerosas referências sugerem que uma fonte alimentar pode ser necessária em certas condições de estresses em que aumenta a necessidade metabólica para a vitamina C ou diminui a própria capacidade de sintetizá-la”, amplia.

Arraçoamento

 A temperatura ambiente estando mais baixa estimula o centro de apetite, ocorrendo a ingestão normal de ração. “Embora o uso do jejum forçado durante períodos pré-definidos durante as ondas de calor possa ser útil para frangos de corte e possivelmente para frangas em reposição, tal técnica não funciona para poedeiras em produção”.

Paulo Giovanni explica que a prática de retirada da ração tem sido amplamente empregada com bons resultados na avicultura de corte. “Além de já haver uma redução natural no consumo com o aumento da temperatura, a restrição controlada visa compensar a alcalose respiratória pela acidose metabólica. Durante o jejum, o organismo utiliza-se das reservas lipídicas para seu metabolismo, liberando corpos cetônicos (ácido acetacético hidroxibutírico) na corrente sanguínea, reequilibrando a relação ácido-base. É importante ter conhecimento da extensão do jejum, sendo ineficiente quando realizado no momento do estresse calórico, e antieconômico quando prolongado demais. Vários trabalhos têm demonstrado a necessidade de se iniciar o jejum pelo menos três horas antes do início do estresse de calor. Os animais devem ficar sem acesso a dieta até que a temperatura ambiente volte a um nível adequado”, sustenta o pesquisador.

A redução do consumo alimentar, continua, “diminui os substratos metabólicos ou combustível disponível para o metabolismo, desta forma reduzindo a produção de calor. Como resultado, muitos consideram a ave capaz de regular seu próprio consumo alimentar. Entretanto, como as aves não têm capacidade de prever ou controlar as condições climáticas e são necessárias aproximadamente 6 horas para que diminua o aumento de calor provocado pela ração, a refeição do meio da manhã pode ser certamente um impacto sobre a carga de calor do meio da tarde. Por isso, o jejum pode representar uma ferramenta de manejo potencial para os frangos de corte em condições de estresse calórico”.

Forma física da ração

“Sabe-se que a peletização aumenta o consumo energético, a taxa de crescimento e a eficiência alimentar. Frangos alojados em altas temperaturas diminuem o ganho de peso e de gordura abdominal, enquanto as rações peletizadas propiciam maior consumo, ganho de peso e gordura na carcaça. De acordo com vários autores esses resultados indicam que devem ser fornecidas rações peletizadas e com altos níveis de energia aos frangos criados em temperaturas elevadas. Dessa forma, o processo de peletização proporciona um aumento da densidade das rações, melhorando eficiência alimentar”.

Cloreto de cálcio, bicarbonato de sódio, água carbonatada

O pesquisador explica que o tratamento da água não pode ser esquecido, mas que precisa ser melhor estudado. “Uma variedade de tratamentos da água tem sido utilizada para avaliar as condições de desequilíbrio ácido-básico associado com a ofegância termorregulatória. Entretanto, nenhum tratamento foi completamente bem-sucedido em eliminar o desequilíbrio biológico e suas consequências econômicas associadas”.

Água resfriada

“A água exerce papel fundamental na absorção e eliminação de calor corporal durante períodos de altas temperaturas. As evidências sugerem que o aumento no consumo de água beneficia a ave ao atuar como um receptor de calor. A temperatura da água é outro importante fator na regulação da temperatura das aves, devendo estar sempre abaixo da temperatura corporal das mesmas. A presença de água fresca (25oC) é eficaz em atenuar o aumento da temperatura corporal e a perda de peso dos frangos submetidos ao estresse calórico”, destaca.

Ainda: “O consumo de água acima da necessidade de manutenção do equilíbrio osmótico limita a taxa de crescimento, quando existe estresse calórico. Considerando que a ave dissipa calor ao consumir água, esta deverá apresentar-se com temperaturas inferiores à corporal, sendo tanto mais eficiente quanto maior a diferença. Uma medida que surte bons resultados em dias críticos é a adição de gelo à água, reduzindo a mortalidade significativamente, quando incorporado a 10%”.

Importância da água no resfriamento das aves

De acordo com Paulo Giovanni, em condições normais a água é o nutriente mais importante, porém muitas vezes passa despercebida. “Em condições de alta temperatura a ave aumenta seu consumo. A água nesse caso atua como um receptor calórico que ajuda a baixar a temperatura corporal. Resfriar a água abaixo da temperatura ambiente aumenta sua capacidade para dissipar calor e melhorar significativamente o desempenho das aves. É recomendável que em condições de estresse calórico, a temperatura da água se encontre 5oC abaixo da temperatura ambiente”.

O profissional explica que aves em restrição alimentar normalmente ingerem grande quantidade de água, muito mais ainda quando a temperatura ambiente está elevada. “As aves bebem menos água quando a temperatura dela se eleva. O manejo das aves mostra, portanto, que a água resfriada é viável todo o período. Algumas medidas para amenizar os efeitos do aquecimento da água consistem em: 1) a caixa d’água deve estar protegida dos raios solares. Sombrear a caixa d’água quando essa estiver localizada fora do aviário. A caixa d’água pode também estar no interior do aviário. 2) Quando instalada fora do aviário, a caixa d’água deve ser pintada externamente com tinta branca ou reflexiva que absorvem menor radiação solar ou ser utilizado algum isolante térmico. E 3) alguns avicultores depositam blocos de gelo na caixa d’água para resfriar a água e têm obtido bons resultados”.

Controle de peso

 “A resposta ao estresse por calor está relacionada ao peso vivo e ao ritmo de crescimento das aves. Assim, os machos são mais vulneráveis que as fêmeas e os de maior idade (peso maior) mais suscetíveis que os mais jovens. Isso significa que em condições de estresse é preferível que as aves não expressem todo o seu potencial genético, pois podem comprometer a sua sobrevivência. Aves com sobrepeso são menos aptas a suportar períodos quentes em situações de estresse calórico que aves magras”.

Instalações

O pesquisador destaca que o aviário deve ser orientado com seu eixo principal no sentido leste-oeste de forma que os raios solares não incidam no interior da instalação. “A altura do pé direito deve ser adequada ao clima da região e aos sistemas de condicionamento térmico do aviário. Isolamento é outro fator físico que deve ser considerado na escolha dos materiais para a construção do aviário”, orienta.

“A ventilação é imprescindível para a manutenção tanto da temperatura como da umidade do ar no interior do aviário. Todas as obstruções à ventilação natural devem ser removidas. Cobertura de grama ao redor do aviário é desejável para reduzir a carga térmica radiante refletida ao aviário. Ventiladores devem distribuídos no interior do aviário para permitir boa movimentação do ar interno. Se necessário adotar um sistema de resfriamento evaporativo”, enumera.

Transporte das aves

Durante o transporte até o abatedouro, as aves estão sujeitas a uma série de fatores estressantes, frisa Paulo Giovanni, e a condição térmica é a de maior importância, principalmente porque pode ocorrer estresse por calor. “Condições de estresse induzem ao aumento dos níveis plasmáticos de corticosteroides e do índice heterófilo/linfócito. Frangos submetidos a altas temperaturas ambiente e umidade relativa do ar durante o transporte apresentam elevação da temperatura corporal, entram em alcalose respiratória e ocorre aumento do índice heterófilos/linfócitos. Assim, durante o transporte é necessária uma adequada taxa de ventilação para evitar o estresse por calor e consequente estresse fisiológico, com prejuízos para o bem-estar animal”, assinala.

Paulo explica que os prejuízos são inúmeros nessa fase caso não adotadas boas práticas. “O transporte causa desde leve desconforto, com alterações na qualidade final da carne, até a morte das aves”.

Além da distância de transporte, destaca, outros fatores podem contribuir com o aumento da mortalidade, como a condição de saúde do animal, estresse térmico, injúrias e traumas ocorridos nas etapas de apanha e carregamento dos frangos.

Para garantir o bem-estar das aves o carregamento deve ocorrer nos horários mais frescos do dia. “Tanto no inverno como no verão o transporte das aves no período da tarde é o mais estressante. Distâncias longas a serem percorridas até o abatedouro devem ser realizadas à noite e no início da manhã. A operação de pré-abate e de transporte de aves até o abatedouro pode ser realizada em diferentes condições e combinações de distâncias e períodos do dia. Essas combinações terão um reflexo direto na qualidade do produto final (carne), e na maioria dos casos será responsável pelas perdas (mortes) durante a viagem”.

Paulo Giovanni lembra ainda que a área de espera no abatedouro deve ser equipada com nebulizadores e ventiladores para evitar o estresse por calor das aves.

Temperatura da cama

A temperatura da cama deve ser considerada para o bom desempenho dos lotes. “Em condições normais, deve estar próxima à temperatura ambiente para proporcionar condições de bem-estar animal e não interferir adversamente no desempenho das aves. A ave troca calor por condução com a cama. Para que as trocas térmicas ocorram é necessário um gradiente térmico da ave para a cama. Assim, a cama deve ter temperatura menor que a do corpo da ave para que as trocas térmicas ocorram. Porém, a fermentação da cama é um processo biológico de decomposição da matéria orgânica em ambiente anaeróbico, gerando calor. Esse calor deve ser eliminado pelos sistemas de condicionamento térmico do aviário de forma a proporcionar o conforto térmico das aves, evitando o estresse e eliminando os gases resultantes da fermentação”, sugere.

É de se esperar, garante o pesquisador, que quanto menor a densidade de aves menor será a temperatura da cama devido a menor produção de excretas e consequentemente menor geração de calor. “Dessa forma existe interação entre a temperatura da cama, densidade de aves e temperatura ambiente. A umidade relativa da cama deve estar entre 50 -70%, não sendo muito seca ou emplastrada. Umidades muito baixas podem proporcionar a produção de poeira e aumento do número de microrganismos em suspensão, tornando as aves suscetíveis a doenças respiratórias. No verão, podem ocorrer sérios problemas de aumento de mortalidade caso a temperatura esteja muito alta e o sistema de ventilação não esteja sendo suficiente para manter a temperatura de conforto. Neste caso, após um pequeno tempo a umidade relativa pode chegar a 90% ou mais, o que pode levar os animais a morrerem por hipertermia e/ou hipoxia”.

Sistemas de criação

 Paulo Giovanni explica que o empreendimento tecnológico adotado para criação de frangos de corte objetiva obter os aviários de tal forma que as aves se situem dentro da zona de conforto térmico para que possam expressar todo seu potencial genético de produção. “Dessa forma, para a concepção desses aviários é necessário uma sistematização dos dados climáticos da região onde será implantada a criação e comparar esses dados com as exigências das aves para definir quais as soluções construtivas necessárias para se promover o conforto térmico das aves com menor custo. O Brasil possui grande diversidade climática. Apesar dessa diversidade climática a temperatura e a intensidade de radiação são elevadas em quase todo ano e têm sido associadas ao estresse calórico. Esse problema tende a ser mais intenso no regime de criação em alta densidade, face ao número de aves no aviário e a maior produção de calor”, pontua.

De acordo com ele, novas tecnologias adotadas permitem reduzir o impacto das altas temperaturas proporcionando à ave condições ideais de conforto térmico. “Os produtores brasileiros tem consciência que antes de adotar mecanismos sofisticados de condicionamento térmico para controlar o estresse calórico devem ser considerados para a concepção dos aviários, a localização, a orientação, as dimensões, o pé-direito, beirais, telhado, lanternim, fechamentos, quebra-ventos, sombreiros, características dos materiais a serem utilizados no aviário e outros que permitam o condicionamento térmico natural. Porém, essas alternativas em muitos casos, principalmente em regiões quentes, são insuficientes para manter a temperatura ambiente de acordo com as exigências das aves. Neste sentido, vários equipamentos e métodos de ventilação e de resfriamento do ar têm sido propostos. As indústrias fornecedoras de equipamentos avícolas estão cada vez mais evoluídas e em conjunto com as entidades de pesquisas têm propostos soluções e equipamentos para controle da ventilação e resfriamento do ar cada vez mais eficientes e econômicos, que têm permitido o desenvolvimento da avicultura brasileira mediante a redução do estresse calórico e melhorando os índices de desempenho das aves. Ventiladores e nebulizadores de última geração já são realidade na produção avícola. A adoção de túnel de ventilação conjugado ao sistema de resfriamento evaporativo (pad cooling ou nebulização) e inlets, tem sido bem aceitos e apresentando bons resultados de produtividade das aves. Com adoção desse processo buscam-se aviários cada vez mais isolados sem serem influenciados pelas condições climáticas externas. Neste sentido a procura por materiais com bom isolamento térmico, como o poliuretano, poliestireno, fibra de vidro, isopor, entre outros, tem sido constante”, destaca o pesquisador.

Com a implantação de aviários cada vez mais independentes da temperatura externa, amplia paulo Giovanni, a automação se faz necessária para que o controle interno das características físicas ambientais seja mais preciso, deixando a ave dentro de sua zona de conforto térmico. “As aves criadas em sistemas totalmente automatizados ficam menos suscetíveis a erros ou às más medidas de manejo com resultados mais padronizados e aves de melhor qualidade por todo ciclo de produção”.

“Aviários convencionais, blue house, green house, dark house, brown house, são tecnologias hoje existentes na avicultura. “A adoção dessa ou daquela tecnologia vai depender do nível tecnológico que produtor vai querer adotar e ter condições financeiras de adquirir. É possível criar aves em todos os sistemas desde que respeitadas as necessidades das aves e os manejos exigidos de cada sistema. A concepção desses sistemas é para que a aves possam expressar todo seu potencial genético, com maior eficiência, de modo a manter as condições térmicas ambientais dentro da faixa de conforto exigida pela ave, sem estresse térmico e proporcionando bem-estar animal”.

Novas tecnologias – avicultura 4.0

Para o pesquisador, novas tecnologias permitem reduzir o impacto das altas temperaturas proporcionando à ave condições ideais de conforto térmico. “As novas tecnologias têm permitido o desenvolvimento da avicultura brasileira mediante a redução do estresse calórico, proporcionando, dessa forma, melhoria dos índices de desempenho das aves. Os aplicativos para smartphones ou tablets, que monitoram o ambiente, as aves e emitem sinais de alerta para temperaturas altas com antecedência permitem maior precisão da informação, podendo o produtor atuar rapidamente, evitando o estresse calórico. Com a implantação de aviários cada vez mais independentes da temperatura externa, a automação se faz necessária para que o controle interno das características físicas ambientais seja mais preciso, oferecendo uma zona de conforto térmico ideal para as aves”, comenta.

Paulo Giovanni avalia que novas tecnologias têm surgido para tornar a tomada de decisão dos avicultores e técnicos mais precisa e facilitada por informações em tempo real por meio de sensores, internet das coisas (IoT), inteligência artificial (AI) e robótica. “Dentre essas tecnologias os sensores representam, provavelmente, a mais fácil de ser utilizada devido aos baixos custos e aos benefícios que são imediatamente reconhecidos”.

Para ele, o monitoramento do ambiente por meio de imagem e do comportamento das aves têm sido aplicações práticas dessas tecnologias. “Na avicultura 4.0, os robôs poderiam realizar tarefas repetitivas e monótonas nos aviários como o pastoreio das aves, retirada de aves mortas, revolvimento de cama, limpeza e desinfecção do ambiente, controle das condições térmicas ambientais evitando estresse calórico e proporcionando maior bem-estar à ave e ao avicultor”, comenta.

Para se obter máxima eficiência produtiva e maiores retornos econômicos na atividade avícola, garante o pesquisador da Embrapa, os efeitos adversos do clima sobre os animais devem ser evitados. “Além dessas medidas, pesquisas devem estar empenhadas no estudo e descoberta de outras alternativas que minimizem as situações de estresse calórico para as aves, contribuindo para o crescente desenvolvimento da avicultura”, menciona Paulo Giovanni.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Avicultura

Melhoramento genético das aves foca eficiência e sanidade do plantel

O melhoramento genético busca maior eficiência no pacote como um todo, da conversão alimentar à saúde das aves

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

Por muitos anos a genética avícola pautou seus esforços na eficiência produtiva dos animais. Quanto mais a ave crescer, com menos quantidade de ração e água, melhor. Nos últimos anos, os geneticistas das maiores casas genéticas do mundo, no entanto, começaram a debruçar seus esforços na saúde dos animais, que passaram a ser mais tolerantes e reagir melhor quando confrontadas com determinadas enfermidades. O resultado: a sanidade dos planteis melhorou acentuadamente.

O diretor associado de Produto América do Sul da Cobb-Vantress, Rodrigo Terra, explica que o melhoramento genético busca maior eficiência no pacote como um todo, da conversão alimentar à saúde das aves. “Tudo em que trabalhamos o foco final é a rentabilidade do produtor. Para isso, investimos esforços para melhorar o bem-estar animal e a saúde das aves. São características que estão agregadas ao melhoramento genético ao longo dos anos, incluindo saúde corporal, saúde respiratória, entre outras frentes”, argumenta Terra.

De acordo com ele, a competitividade da empresa está na antecipação de demandas de mercado, como o próprio melhoramento da saúde das aves. “Precisamos saber sobre o que se quer no futuro, pois o melhoramento genético não é uma ação instantânea, demora anos até chegar ao destino do consumidor”, destaca.

Saúde para produzir mais

O profissional explica que, com saúde plena, as aves conseguem expressar todo o potencial genético e transformar menos ração em mais carne. “Para chegar a isso, precisa ter uma boa sanidade”, justifica. “A variabilidade genética vai sempre caminhar para termos um produto melhor. Estamos realmente preocupados com o resultado do cliente”, reforça.

O frango do futuro

Aliando saúde e desempenho, na opinião de Terra, o “frango do futuro” será ainda mais eficiente. “Não acredito que vai ser muito diferente do frango de hoje, mas será mais eficiente, com ainda mais qualidade. O frango é uma das fontes de proteína mais sustentáveis por consumir menos alimento e menos água. Acreditamos no aumento do consumo de carne de frango. Vejo nosso mercado já maduro em consumo, com aceitação mundial, o que nos permite uma expansão muito interessante”, argumenta.

Mais avanços

Os avanços da indústria e as crescentes exigências do consumidor moderno têm levado a empresa a ampliar a quantidade de características para medir e selecionar as aves. Como exemplo, características relacionadas ao bem-estar e à produção livre de antibióticos têm se tornado o foco da indústria nos últimos anos.

O progresso genético é a base da sustentabilidade e a gestão dos recursos do mundo é sustentada através da melhoria da conversão alimentar, do melhor bem-estar das aves, das melhorias no rendimento da carne e através de um frango de corte mais forte e resistente. “Todas estas características aliadas à excelência no atendimento fazem parte do nosso DNA”, cita Terra.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Avicultura Postura

Novas tecnologias focam bem-estar animal e melhor desempenho nos incubatórios

Novas tecnologias ganham cada vez mais espaço para atender exigências como bem-estar animal, melhor desempenho e eficiência produtiva no campo

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Eduardo Costa, médico veterinário e diretor de Produção de Incubatório da Cobb-Vantress na América do Sul

Todas as pesquisas e novas tecnologias voltadas para os incubatórios seguem o irreversível caminho do atendimento a demandas como bem-estar animal, melhor desempenho e eficiência produtiva no campo. As novas tecnologias ganham cada vez mais espaço para atender essas exigências. Neste artigo listo tendências e mudanças que já estão em curso nos incubatórios.

Um dos entraves na produção de pintinhos de um dia está com os dias contados. Nas chamadas incubadoras de estágio múltiplo, ainda bastante populares no Brasil, a mesma máquina é incubada diversas vezes em dias alternados, apresentando ovos de diferentes idades de incubação dentro do mesmo equipamento, impossibilitando fornecer as condições ideais às distintas necessidades de cada fase do desenvolvimento embrionário. Aos poucos, os equipamentos de estágio múltiplo vêm sendo substituídos pelas incubadoras de estágio único, onde toda a carga é incubada em um mesmo momento. Dessa forma é possível atender por completo as exigências dos embriões em cada fase de desenvolvimento até o nascimento.

Incubadoras de Estágio Único

Essa tecnologia nos permite controlar aspectos como CO2, temperatura ambiental e dos ovos, além de possibilitar trabalhar perfis de incubação fornecendo estímulos desses parâmetros em determinadas fases do desenvolvimento embrionário a fim de produzir pintos com capacidade de expressar todo o seu potencial genético. Essas e outras cinco fronteiras da avicultura começam a ser ultrapassadas por ciência e muita tecnologia empregada desde o início da cadeia produtiva.

Os incubatórios vivem uma fase de migração de incubadoras de estágio múltiplo para incubadoras de estágio único. Esta tecnologia já vem sendo usada com inúmeros benefícios. Ao trabalhar em estágio único as incubadoras estão trabalhando para atender as necessidades de requerimentos do embrião com benefícios como melhor nascimento, principalmente em lotes mais velhos e também melhor qualidade de pintinho, com impacto em melhor performance desta ave no campo.

Sexagem In Ovo

A sexagem in ovo está no campo das novas tendências. Muitas empresas estão investindo bastante no desenvolvimento de diferentes métodos de sexagem in ovo e as primeiras máquinas já começam a aparecer no mercado, focando no segmento de poedeiras comercias com a finalidade de atender a demanda de bem-estar animal, pois com ela se descarta os ovos sem a necessidade de descartar os machos. O avanço dessa tecnologia e o surgimento de novos métodos deve baratear os custos do equipamento, que deve chegar em incubatórios de matrizes pesadas e de frangos de corte em escala comercial. O uso da sexagem in ovo vai trazer uma redução muito relevante de mão-de-obra, além de atender ao bem-estar animal.

Automação

No Brasil estamos passando por uma transformação bastante interessante no que diz respeito a automação dos incubatórios. A automação já atua em diferentes frentes, como na vacinação em ovos. No entanto, ainda há desafios.

Quando uma empresa busca a automação, mais do que a redução do quadro de funcionários, ela procura também aumento da produção, padronização, melhor qualidade, redução de erros, maior produtividade e flexibilidade. No final, esses fatores significam redução do custo de produção, maior eficiência e lucro. Outra grande vantagem dos sistemas automatizados é a melhor ergonomia e satisfação dos colaboradores, ou seja, menor rotatividade, proporcionando melhor especialização da equipe.

Nutrição In Ovo

A nutrição in ovo está no campo das novíssimas tendências. Temos muitas pesquisas em campo, mas nada concreto no mercado. Trata-se da injeção de micronutrientes in ovo para o embrião já começar com aporte de aminoácidos e vitaminas antes de nascer. O objetivo é melhorar o sistema inume das aves e a performance no campo. Estudos demonstram que a técnica se traduz em uma ave mais robusta e com melhor eficiência produtiva no campo. Uma das barreiras é o volume de nutrientes necessários a ser aplicado no ovo e sua capacidade limitada de comportar esses micronutrientes.

Alimentação Precoce ou Early feeding

A alimentação precoce também está em destaque entre as novas tendências. A ave passa a ter acesso a água e ração imediatamente após o nascimento. Em alguns países da Europa isso já uma exigência de clientes (redes de supermercado, fast food, etc) e governos para atender diretrizes de bem-estar animal.

A alimentação precoce também pode trazer benefícios zootécnicos. Com o estímulo precoce, o sistema digestivo tem um melhor desenvolvimento, trazendo melhor performance das aves no campo. O fornecimento de água ou alimentos com altos níveis de umidade também ajudam a prevenir a desidratação das aves, impactando a mortalidade de primeira semana.

Nascimento na granja ou On farm hatching

O nascimento na granja é uma linha de trabalho que vem ao encontro com a essência da nutrição precoce. No caso desta inovadora forma de criação, ao invés de ir para o nascedouro, os ovos vão diretamente para a granja.

Essa prática traz vantagens de biosseguridade para o incubatório por não ter aves ou plumas dentro da unidade, mas também pode ser bastante desafiadora. Ela vai exigir um controle de ambiência muito mais preciso nos caminhões de transporte desses ovos embrionados e nos galpões, além de aumentar o ciclo de cada lote para o produtor e subir o seu custo com dificuldade de realizar a seleção das aves e o controle preciso do número de aves alojadas em cada aviário, entre outros. Essa é uma tendência que ainda pode demorar um pouco a chegar no Brasil, mas deve chegar.

O bem-estar animal tem papel fundamental nos avanços de tecnologias. Nos avanços e pesquisas de todo o setor, basicamente, as novas tecnologias e automações estão buscando redução de custo, melhor produtividade e bem-estar animal, além de melhor desempenho das aves em nível de campo. Somando todas estas tecnologias com os constantes ganhos genéticos, o frango do futuro será um animal mais eficiente, trazendo melhores resultados zootécnicos desde a conversão alimentar no campo até o rendimento das aves no abatedouro.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Evonik Guana

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.