Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias Artigo

Artigo: O sucesso das tecnologias alternativas para redução do uso de antibióticos na pecuária

Com destaque para a nutrição animal, algumas classes de antibióticos consideradas seguras são também permitidas para serem utilizadas como melhoradores de desempenho ou promotores de crescimento

Publicado em

em

Por Luis Eduardo Ferreira

 

Na pecuária, a utilização dos aditivos antibióticos vem sendo discutida por profissionais de diversas áreas científicas, envolvidas ou não com este setor produtivo, e por pecuaristas preocupados com a manutenção da saúde e da qualidade do rebanho. Entre os consumidores finais, o assunto tem ganhado cada vez mais repercussão devido a dúvidas geradas em relação a possibilidade da presença de resíduos destas substâncias deixados nos produtos derivados da criação bovina, como a carne e o leite, e também no meio ambiente. Por este motivo, o uso destas substâncias na pecuária se torna cada vez mais questionado sobre até que ponto essa prática pode comprometer ou afetar a saúde e a qualidade de vida do ser humano e dos animais, como isso pode acontecer, quais as consequências disso na sociedade e quais seriam as soluções para evitar sérios problemas às nossas futuras gerações.

Primeiramente, é importante separar as finalidades pelas quais os antibióticos são utilizados na clínica veterinária daqueles antibióticos utilizados na nutrição dos animais como aditivos zootécnicos. Além disso, antes que a utilização destas substâncias possa ser entendida como sendo uma prática abusiva ou indiscriminada, é fundamental que seja feito um breve esclarecimento que fale não apenas dos principais riscos, mas também sobre as necessidades e as vantagens do uso destas substâncias pela pecuária.

Na clínica veterinária, os antibióticos são utilizados para garantir a saúde e o controle de qualidade dos animais, evitando que sérias doenças possam se alastrar no rebanho, minimizando perdas e prejuízos financeiros ao pecuarista, além de garantir a qualidade e a segurança do produto final oferecido ao consumidor. Neste caso, os antibióticos podem ser prescritos em três tipos de terapias: farmacológica, usada para tratamento contra infecções bacterianas nos animais infectados; metafilática, usada para o tratamento contra infecções bacterianas nos animais infectados e profilaxia geral para todo rebanho; e profilática, apenas para prevenção geral de doenças bacterianas no rebanho.

Para estas condições, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) estabelece que todos os animais do rebanho submetido ao tratamento com estas substâncias sejam abatidos após um período mínimo de carência pré-estabelecido para cada classe de antimicrobiano. Tal protocolo é adotado como medida de segurança para que toda substância aplicada no animal possa ser fisiologicamente excretada do organismo até atingir o limite de resíduo aceito nos produtos derivados (ANVISA 2018). Dessa forma, obedecidos os prazos de abate e ou venda de leite, são excluídos os riscos quanto a presença de resíduos tóxicos deixados nos produtos derivados da criação, garantindo o controle de qualidade, procedência e a segurança do produto destinado para o consumidor.

Com destaque para a nutrição animal, algumas classes de antibióticos consideradas seguras são também permitidas para serem utilizadas como melhoradores de desempenho ou promotores de crescimento, podendo, assim, serem classificados como aditivos zootécnicos, segundo a Instrução Normativa 13/2004 do MAPA. Neste caso, a presença dos aditivos antibióticos na dieta irá ajudar na manutenção da saúde intestinal dos animais através do melhor equilíbrio de toda dinâmica metabólica entre as espécies microbianas presentes no ecossistema ruminal.

É importante contextualizar que todo conteúdo alimentar consumido pelos ruminantes passa por um processo chamado de fermentação ruminal, que é realizado graças a presença de uma rica flora microbiana que se relaciona simbioticamente com estes animais no rúmem. Por este motivo, no rúmem, os aditivos antibióticos terão efeitos seletivos, podendo inibir o metabolismo de algumas espécies microbianas desnecessárias ou prejudiciais para o metabolismo ruminal, e favorecer o metabolismo de outras espécies microbianas mais importantes para o melhor desempenho metabólico da fermentação ruminal. Na prática, essa condição será favorável para o aumento dos níveis energéticos da dieta dos animais através do melhor aproveitamento de todo conteúdo alimentar consumido, melhorando os índices dos ganhos de peso e qualidade de acabamento na carcaça dos animais, aumentando a produtividade do rebanho em geral e, sobretudo, a rentabilidade nos lucros da propriedade.

Além disso, a presença dos aditivos na dieta dos animais pode também contribuir para tornar as práticas de manejo mais sustentáveis e vantajosas do ponto de vista ambiental, pois os efeitos seletivos dos aditivos antibióticos sobre a flora microbiota ruminal podem resultar na inibição de forma indireta de espécies microbianas secundárias no metabolismo ruminal, que são os metanogênicos. Nesta condição, os aditivos poderão também melhorar os índices de eficiência do metabolismo ruminal em relação a quantidade de gases entéricos que são produzidos e liberados para o meio ambiente, como o gás carbônico (CO2) e o gás metano (CH4), que são considerados produtos secundários da fermentação, fazendo com que os animais possam aproveitar o conteúdo da dieta com a mesma quantidade de gás produzido.

Apesar das vantagens sobre a utilização dos antibióticos na pecuária, o principal ponto que deve ficar claro para o criador e consumidor é que a inclusão destas substâncias na dieta dos animais na forma de aditivos não é uma prática indiscriminada, pois as dosagens são previamente calculadas de acordo com as recomendações dos profissionais da área. Além disso, mesmo sendo prolongado o período de consumo na dieta, estas substâncias não trazem nenhum risco para a saúde dos animais, pois são fornecidas dosagens muito baixas, e minimizam também os riscos da presença de resíduos na carne e leite. Em contrapartida, a utilização de antibióticos pela clínica veterinária acontece em dosagens maiores, mas com menor tempo de exposição e, por este motivo, caso não seja respeitado o período mínimo de carência para abate dos animais ou consumo do leite, poderá, sim, haver chances de conter resíduos na carne ou leite destes animais. No entanto, isso pode acontecer geralmente em abatedouros clandestinos, onde não há presença de fiscalização.

Na verdade, o principal risco sobre o uso dos antibióticos na forma de aditivos é que estas substâncias, quando ingeridas pelo animal na dieta, passam por todo trato gastrintestinal, exercem seus efeitos biológicos sobre a microbiota no rúmem e, posteriormente, são excretadas para o meio ambiente por meio das fezes. É neste momento que a utilização destas substâncias na nutrição dos animais pode se tornar prejudicial, pois os resíduos delas presentes nos dejetos dos animais podem contaminar o solo e a água. Sendo assim, considerando que estes compostos levam um certo período para serem degradados no meio ambiente, a permanência deles por um longo período contribui para a evolução de resistências microbianas.

Em definição, a resistência microbiana é a capacidade de os microrganismos sobreviverem e se multiplicarem mesmo após a administração in vivo dos agentes antimicrobianos nas dosagens máximas permitidas. Neste contexto, as consequências diretas causadas são a perda da eficácia terapêutica dos atuais antibióticos disponíveis no mercado, ausência de novas classes de antibióticos capazes de curar diversas doenças infecciosas, principalmente aquelas causadas pelas chamadas “superbactérias” em hospitais e, de forma indireta, trazer sérios riscos de saúde pública, podendo comprometer a qualidade de vida das nossas futuras gerações.

De acordo com Hilal-Dandan e Brunton (2015), todo ser vivo, quando sujeito a algum tipo de pressão química ou de outra etiologia que possa ameaçar sua extinção, tem a habilidade de desenvolver mecanismos capazes de se adaptarem e sobreviver a este estresse e, dessa forma, resistir às armas químicas utilizadas para destruí-los. Diante disso, podemos entender que a evolução da resistência microbiana pode ser tratada como sendo um processo natural e intrínseco de cada ser vivo, que acontece em decorrência de algumas alterações genéticas, geralmente espontâneas, causadas por mutações cromossômicas que serão bioquimicamente expressas através da resistência.

Dessa forma, estas alterações genéticas tendem a ser passadas para as gerações seguintes de modo que, ao longo do tempo, todos os indivíduos de uma determinada população possam conter em seu genoma todos os genes responsáveis por conferir a resistência microbiana. Esse processo se torna mais acelerado ainda quando é considerado o tempo necessário que uma população de microrganismos necessita para se reproduzir, pois, em torno de algumas horas, podemos ter várias gerações de microrganismos de uma determinada população, aumentando a probabilidade de acontecer mutações e variabilidade genéticas entre os indivíduos.

Portanto, é necessário ficar claro que o agente antimicrobiano não induz a resistência, mas apenas seleciona os indivíduos mais resistentes existentes no meio de uma população (TRABULSI, L. F.; ALTERTHUM, F., 2002). Neste caso, são as práticas clínicas inadequadas e indiscriminadas através de sub dosagens, periodicidade inadequada e manejo geralmente sem acompanhamento zootécnico ou veterinário, que contribuem cada vez mais para acelerar o processo de evolução das resistências microbianas.

Na história, desde a sua descoberta ao acaso pelo médico microbiologista Alexander Fleming, há quase 100 anos atrás, até a sua utilização pela medicina, os antibióticos foram responsáveis por salvar milhares de vidas, principalmente no período da Segunda Guerra Mundial. No entanto, atualmente sabemos que, se por um lado o uso de antibióticos pode contribuir para diversos efeitos benéficos para a saúde humana, clínica veterinária, nutrição animal, entre outros setores da agropecuária, por outro lado, o uso contínuo e incorreto destas substâncias pode de fato trazer ao longo do tempo os riscos para a evolução de resistências microbianas.

Preocupada com este cenário, a comunidade científica tem investido, nos últimos anos, em diferentes linhas de estudos aplicados em pesquisas por novas classes de aditivos que pudessem ser alternativos aos atuais antibióticos. Além disso, foram elaborados novos métodos de manejo que tornaram a prática pecuária mais segura e eficiente, melhorando, inclusive, a saúde dos animais, o aumento da produtividade do rebanho com qualidade e a prevenção a evolução das resistências microbianas. Neste sentido, os estudos em zootecnia, associados a modernas áreas da biotecnologia, têm contribuído para um avanço de pesquisas para o desenvolvimento de novas tecnologias de aditivos e que possuem diferentes mecanismos de ação biológica no rúmem e intestino dos animais, reduzindo os impactos ambientais e minimizando os perigos de resistência.

A utilização de extratos vegetais na forma de ácidos orgânicos, óleos essenciais, taninos, entre outros, estão sendo considerados uma opção bastante segura, favorável e vantajosa para serem aplicados na nutrição animal, podendo também ser classificados como aditivos zootécnicos melhoradores de desempenho, e potencial substitutos dos antibióticos. Na prática, por serem compostos de origem natural, são facilmente biodegradados quando lançados ao meio ambiente e, por este motivo, tendem a oferecer menores riscos de contaminação e de surgimento de resistências. Além disso, pesquisas realizadas com este tipo de bioativos têm apresentado bons resultados na produtividade e redução de emissão de gases entéricos a partir da fermentação ruminal.

Os aditivos zootécnicos classificados como “equilibradores de flora” são também uma tecnologia que há anos vem sendo avaliada para serem incluídas na nutrição dos animais. Neste caso, os probióticos são compostos por microrganismos vivos não patogênicos que, quando introduzidos no trato gastrintestinal, competem com os microrganismos indesejáveis no rúmem, promovendo o melhor equilíbrio da microbiota, favorecendo a população de espécies microbianas mais benéficas para a fermentação ruminal. Além disso, temos também os prebióticos, que são compostos não digeridos pelo organismo dos animais, mas que são fonte de substrato para serem consumidos pelos micro-organismos benéficos, responsáveis pela fermentação ruminal. Diversas pesquisas envolvendo enzimas digestivas, sequências de peptídeos microbianos e anticorpos policlonais, são também modernas tecnologias dessa nova geração de aditivos que estão sendo cada vez mais estudadas e que oferecem riscos cada vez menores de contaminação ao meio ambiente e, principalmente, minimizam os riscos de evolução para resistências microbianas.

Atualmente, novas opções de aditivos mais modernos e seguros tanto para a saúde dos animais como para o meio ambiente são oferecidas ao criador para serem aplicados no campo. No entanto, o uso destas tecnologias carece não apenas de investimento, mas também em confiar e acreditar que irá valer a pena não somente na melhoraria da produtividade e rentabilidade para o pecuarista, mas também na sustentabilidade do setor, reduzindo os impactos ambientais, tanto na liberação de gases entéricos como na evolução de resistência.

Preocupada com o agronegócio nacional, a Premix é uma empresa que investe na aplicação de novas tecnologias para este setor, seguindo sempre as tendências do mercado para uma pecuária de valor cada vez mais sustentável. É o caso do Fator Premium, produto que foi projetado e desenvolvido utilizando tecnologia 100% de origem natural e matéria prima nacional, formado por uma combinação de ácidos graxos essenciais como ômega 3 e ômega 6, probióticos, prébióticos e minerais orgânicos. Neste sentido, a aplicação desta tecnologia tende a ser uma prática cada vez mais elegante, segura e confiável para o pecuarista, associando produtividade, rentabilidade e sustentabilidade.

Portanto, considerando que a evolução das resistências microbianas pode ser entendida como sendo um processo natural, e tendo em vista que a utilização de antibióticos será continuamente uma prática necessária na pecuária, a principal estratégia para evitar os riscos de resistência microbiana será sempre a utilização de forma mais prudente e responsável dos antibióticos em geral. Sendo assim, esta conscientização será incessantemente uma das medidas básicas para preservar o valor terapêutico dos atuais antibióticos utilizados no mercado e, sobretudo, evitar que essa situação possa comprometer a qualidade de vida das futuras gerações.

Fonte: Por autor: Luis Eduardo Ferreira
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 + 6 =

Notícias

Mais de mil inscritos assistem ao Simpósio de Avicultura da ACAV

Publicado em

em

Abertura contou com a presença on-line de diversas autoridades. (Fotos: Divulgação)

Coordenador geral do Simpósio, Bento Zanoni.

A programação do Simpósio de Qualificação Técnica da ACAV (Associação Catarinense de Avicultura) abriu oficialmente nesta terça-feira (21) com um público virtual recorde de mais de mil pessoas. Reconhecido como um dos grandes eventos do setor avícola brasileiro, reunirá entre esta terça e quarta-feira os melhores especialistas do mercado para debater as tendências desta, que é uma das principais cadeias produtivas do mundo.

Os “Cenários atuais e os próximos desafios no Brasil” foram o tema da palestra de abertura, proferida pelo presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, e pelo presidente da ACAV, Ricardo Castellar de Faria, com mediação do presidente do Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados no Estado de Santa Catarina (SINDICARNE), José Antônio Ribas Junior.

Participaram José Antônio Ribas Júnior, Ricardo Castellar de Faria e Ricardo Santin.

Eles debateram os desafios logísticos do Brasil olhando para os grãos e para o escoamento da produção de aves, custos, desabastecimento de milho, concorrência mundo afora, a importância do mercado chinês, questões tributárias e biossegurança.

“O objetivo da ACAV é colocar a avicultura no papel de protagonismo que ela merece. Nosso setor vem sendo muito desafiado ao longo dos anos e, mesmo diante de tantos empecilhos, a exemplo da pandemia, continuamos sendo um setor que gera emprego e alavanca a economia”, afirmou Ribas.

Presidente da ACAV, Ricardo Castellar de Faria.

Faria ressaltou que a avicultura brasileira é um dos poucos setores que, apesar de sofrer um aumento de custo de 100%, consegue repassar menos ⅓ desse aumento ao consumidor, graças à sua eficiência. Além de ressaltar o vanguardismo e a relevância da produção avícola no país, o presidente da ACAV abordou a elevação dos custos, que tem impactado o setor. “O Brasil perdeu uma considerável parcela da estimativa que tínhamos da produção de milho, junto disso tivemos uma alta de commodities e para somar a essa tempestade houve a depreciação da nossa moeda. Precisamos ser estratégicos para superar todo esse cenário.”

Santin destacou que, apesar dos gargalos, o Brasil, com o avanço da vacinação contra a covid, está entrando numa retomada da economia e a avicultura brasileira será ainda mais  requisitada. “Temos que preparar nossa infraestrutura para termos condições de crescer.

Ribas ainda trouxe à discussão os negócios com a China. “Olhar para o mercado chinês é absolutamente relevante para entender como ficarão os mercados no futuro. Considero que, independentemente do nível de recuperação que a China exercerá nos seus plantéis, continuará sendo expressiva a demanda pela proteína de frango e também de suíno e bovino do Brasil.”

O presidente da ABPA complementou a ponderação de Ribas, ao reforçar que a China, apesar da quebra de preços, não diminuiu o volume de compra. “Enxergo uma retomada dos negócios. Vejo a China como um mercado muito positivo, puxando tanto os crescimentos da avicultura como da suinocultura do nosso País”.

 

AUTORIDADES

Presidente da Cidasc, Antônio Plínio de Castro Silva.

Durante a abertura do evento, o coordenador geral, Bento Zanoni, destacou que esses dois dias do Simpósio irão englobar temas relacionados à incubação, matrizes e nutrição. “É motivo de muito orgulho promovermos esse evento e traremos informações atualizadas para capacitar profissionais que fazem a diferença no dia a dia da avicultura brasileira. Serão dois dias com muitas trocas de conhecimento e aprendizado para todos nós”.

Presidente da Epagri, Edilene Steinwandter.

O presidente da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (CIDASC), Antônio Plínio de Castro Silva, elogiou a organização da avicultura catarinense e tomou o estado como referência para o País”. Em seu pronunciamento, a presidente da Epagri, Edilene Steinwandter, fez referência à expressiva contribuição da avicultura para a economia de Santa Catarina e a importante participação dos agricultores familiares na atividade.

Secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e Desenvolvimento Rural, Altair Silva.

Representando o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés da Silva, o secretário de Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Rural do Estado, Altair Silva, salientou os esforços da ACAV em fortalecer o segmento e contribuir para que Santa Catarina conquiste cada vez mais mercados. “Somos o segundo maior produtor do País e continuamos expandindo e consolidando nossa presença como exportadores. No acumulado do ano, já embarcamos mais de 400 mil toneladas de carne de frango. É uma cadeia que gera emprego, que movimenta muito a economia”, concluiu.

 

PROGRAMAÇÃO

O Simpósio é transmitido virtualmente, a partir dos estúdios da BS Áudio, em Chapecó (SC). Para esta quarta-feira (22) estão programadas mais cinco palestras. Quem tiver interesse ainda pode participar desta reta final do Simpósio. As inscrições devem ser feitas pelo site www.simposioacav.com.br. O valor é R$ 300,00 (profissionais) e R$ 150,00 (estudantes).

Às 14 horas, Marco Aurélio Romagnole de Araújo abordará “Manejo de machos reprodutores para alta performance”.

Às 14h30, Fábio Luiz Bittencourt falará sobre “Construindo uma incubação de alta performance com foco em qualidade de pintos”.

Às 15 horas, Tiago Gurski, Evair Basso e Carlos de Oliveira abordarão “A influência da qualidade e contaminação de ovos e o impacto na primeira semana de vida da progênie”.

Após intervalo, às 16h10, inicia a exposição sobre “Atualização da epidemiologia no Brasil e perspectivas para os próximos anos”, a cargo de Joice Leão.

Às 16h40, Andre Luiz Della Volpe falará sobre “Manejo adequado para a prevenção de doenças em áreas endêmicas”.

 

Fonte: MB
Continue Lendo

Notícias Produção

Pragas têm potencial para provocar prejuízos de até R$ 200 bilhões aos cereais durante armazenagem

Dados são do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg)

Publicado em

em

Divulgação

Arroz, feijão, milho, soja e trigo estão presentes todos os dias na alimentação dos brasileiros. Não à toa, os agricultores colhem, por ano, mais de 234 milhões de toneladas desses cereais, informa o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mas para que esses alimentos, mesmo que processados, cheguem à mesa, é essencial ter atenção às pragas também na armazenagem desses grãos. “O correto e seguro armazenamento é essencial para a manutenção da oferta regular de alimentos à população. A presença de insetos nesses ambientes pode levar até a perda total da produção de cereais, estimada em R$ 200 bilhões ao ano. Mais do que prejuízo para os agricultores, esse desperdício elevaria o custo ao consumidor dos grãos e dos seus derivados”, afirma Julio Borges, presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg).

O dirigente complementa que o manejo inadequado das chamadas “pragas do armazenamento” tem potencial para causar riscos à própria segurança alimentar do país. “O arroz e o feijão são a base das refeições dos brasileiros. Além disso, as farinhas de trigo e de milho estão presentes na cesta básica, assim como o óleo derivado da soja, os pães e o macarrão. Autossuficiente e importante exportador, o Brasil poderia se transformar em um grande importador desses produtos se não cuidar corretamente dos desafios fitossanitários nas várias etapas da cadeia da produção de alimentos”.

A principal praga que ataca os cereais e os produtos acabados no ambiente de armazenagem é o gorgulho (Sitophilus oryzae). Presente em todo o mundo, esse inseto de 2,5 milímetros consegue depositar até 400 ovos dentro de grãos durante seu curto período de vida (cerca de 30 dias). Diversas outras espécies dos chamados gorgulhos, mas também de besouros e carunchos, preocupam igualmente os produtores rurais de Norte a Sul do país.

“Há um fator comum entre todas essas espécies: elas se disseminam mais facilmente em períodos mais quentes e úmidos, como na primavera e principalmente no verão. Contudo, o outono e o inverno brasileiro, menos rigoroso que em outros países, favorece a reprodução dessas pragas ao longo de todo o ano. Investir em soluções de alta tecnologia e comprovação científica são as chaves para evitar prejuízos e garantir o fornecimento de alimentos”, destaca Julio.

Proteger os ambientes de armazenagem dos produtos agrícolas é essencial, concorda a diretora executiva do Sindiveg, Eliane Kay. “A indústria, por meio da ciência e da tecnologia, está empenhada em auxiliar os produtores a vencer mais esses desafios. Temos recursos modernos para controlar pragas em todas as etapas do ciclo agrícola. Afinal, sabemos que esses problemas se alastram mesmo após a transferência da colheita para outros ambientes.”

Eliane aponta que defensivos agrícolas, usados de forma correta e segura, protegem as culturas sem causar prejuízo à qualidade dos cultivos e à segurança dos alimentos oferecidos à população. “Antes de ser comercializadas, as soluções são testadas e submetidas a um longo e rigoroso processo de avaliação, que leva em média cinco anos até a liberação para uso. Essa é a garantia de que esses insumos são benéficos para agricultores, comerciantes e consumidores”, informa.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Produção

Estudo mostra bom desempenho da balança comercial associado principalmente à soja e às proteínas

Pecuária conta com demanda externa aquecida, porém com custos elevados e oferta reduzida, o que propicia preços elevados, principalmente para carne bovina.

Publicado em

em

Fotos: O Presente Rural

Segundo estudo feito pelo Banco Inter, o bom desempenho da balança comercial está associado principalmente à soja e às proteínas, enquanto o crescimento das compras de milho se destaca nas importações.

Boi Gordo

O preço do boi gordo se manteve acima de R$ 300 por arroba em 2021. As oscilações no valor interferem diretamente no consumo do mercado interno, o que causa uma substituição das preferências por proteínas alternativas, como frango e ovos. No entanto, com a demanda aquecida e desvalorização do real, a demanda externa por produtos brasileiros continua alta. Na esfera de produção, o Brasil passa por um ciclo negativo do gado, com baixa oferta devido às retenções em 2019 e 2020. Além disso, as questões climáticas dificultam a criação e elevam os custos para o setor, o que fez o preço do arroba continuar elevado em 2021. Em contrapartida, o cenário de exportações continua positivo para o Brasil, tendo em vista a recuperação da atividade econômica dos Estados Unidos e China, bem como a baixa produtividade da Austrália na oferta de proteínas.

Suíno

Abate de suíno no segundo trimestre desse ano atingiu novo recorde desde 1997, porém, a redução da demanda do mercado interno por carne suína e o aumento dos custos em razão do encarecimento do milho, ocasionou oscilações no preço, com uma variação de R$ 6 a R$ 8 no ano. No âmbito das exportações, a procura por produtos brasileiros continua elevada, sobretudo por conta da desvalorização do real e da forte demanda da China. Por fim, segundo as perspectivas da Cepea, é esperado que o segundo semestre seja similar ao primeiro, porém com riscos de aumento dos custos da ração, devido ao valor do milho, assim como possibilidades de uma redução temporária das exportações de suínos pela China, tendo em vista a reação dos locais diante da nova variante da peste suína africana.

Frango

Segundo estudo, em detrimento da elevada demanda do mercado interno e externo, juntamente com a alta produtividade das aviculturas, a produção do 2T21 evoluiu 11,6% em termos interanuais. No entanto, em razão da alta dos preços do milho e farelo de soja, que representam cerca de 90% da alimentação das aves, ocorreu um aumento dos custos de produção. Além disso, a demanda aquecida pela carne de frango, por conta do encarecimento das proteínas substitutas, principalmente a bovina, ocasionou o atingimento de preços recordes em setembro. Com a demanda aquecida, é esperado que os preços se mantenham em alta no segundo semestre.

Ovo

Com a queda na demanda doméstica no 1T21, o aumento do preço do ovo representa o acúmulo dos custos produtivos, assim como a captação das perdas pelas adversidades climáticas. Em vista disso, as perspectivas do Cepea para o segundo semestre apresentam um possível aumento dos preços, em razão de uma maior preferência dos consumidores por proteínas mais baratas e de uma recuperação generalizada na demanda.

Leite

A redução da oferta de leite no período sazonal e o aumento da demanda das indústrias levou o preço do leite a R$ 2,4 por litro em agosto. Além disso, no 1T21 houve uma redução do consumo doméstico, o que ocasionou uma inclinação dos pecuaristas pelo mercado de corte ou para deixarem o setor, o que consequente proporcionou a elevação do preço para o segundo semestre. A elevação dos custos e barreiras climáticas intensificaram a redução da oferta de leite no período, o que elevou o valor do produto. Por fim, após período sazonal de baixa produção e o início da primavera com mais chuvas, é esperado que o preço do leite se reduza ou mostre alguma estabilização.

Fonte: OP Rural com informações Banco Inter
Continue Lendo
Suinos Tlaks

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.