Conectado com

Notícias Internacional

Aprosoja rebate Biden e aponta baixa competitividade agrícola dos EUA e UE

Avaliação do presidente da Aprosoja ecoou posição do presidente Bolsonaro, que classificou a declaração de Biden como “desastrosa” e “gratuita”

Publicado em

em

Divulgação

A Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja) rebateu nesta quarta-feira ameaças do candidato à Presidência dos Estados Unidos Joe Biden relacionadas à Amazônia e apontou que muitas críticas ambientais feitas por países do Hemisfério Norte estariam relacionadas à baixa competitividade em relação à agricultura do Brasil.

A avaliação do presidente da Aprosoja, Bartolomeu Braz Pereira, ecoou posição do presidente Jair Bolsonaro, que classificou a declaração de Biden como “desastrosa” e “gratuita”. Questionado em uma coletiva de imprensa para esclarecer motivos que levaram a Aprosoja a deixar a Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), em meio a divergências sobre como o setor produtivo deve se portar diante dos desafios ambientais, Braz Pereira disse que Biden está “fazendo política” ao ameaçar o Brasil.

Biden propôs em debate com Donald Trump na véspera que países de todo mundo se reúnam para fornecer 20 bilhões de dólares para a preservação da Amazônia e disse que o Brasil enfrentará “consequências econômicas significativas”, caso o país não pare a destruição da floresta e se ele for eleito.

“O Joe Biden está ali fazendo política, vimos pelo debate um nível muito baixo para uma potência mundial”, afirmou Braz Pereira. Ele acrescentou que muitos países do Hemisfério Norte não têm uma agricultura competitiva e por isso atacam o Brasil sob o ponto de vista do meio ambiente.

E lembrou que o presidente francês, Emmanuel Macron, também fez declarações nessa linha recentemente, já que a França não seria competitiva no meio rural, despejando bilhões por ano em subsídios. “A França e a União Europeia têm dificuldade de seus produtores serem competitivos… colocaram os produtores com tantos subsídios… A Europa hoje dá mais de 100 bilhões de dólares de subsídios àqueles produtores, e produz muito menos que nós…”, afirmou.

Ele apontou também que os EUA dariam 90 bilhões de dólares de subsídios aos seus produtores, supostamente devido à baixa competitividade. “Além de termos florestas, nós nos tornamos competitivos. Eles não têm florestas e não são competitivos, então cria-se algo para atacar o modelo brasileiro”, completou.

O Brasil é o maior produtor e exportador global de soja, à frente dos EUA, que por sua vez têm uma produção de milho que supera a brasileira em mais de três vezes.

Reservas ambientais

Pereira argumentou que o modelo do Brasil, com delimitação de reservas ambientais dentro das propriedades rurais, é vencedor sob o ponto de vista da produção e da preservação ambiental. Com relação a queimadas, o presidente da Aprosoja disse que quem mais perde com o fogo são os produtores rurais, por conta da queima da palha usada no plantio direto, base da agricultura brasileira altamente produtiva.

E por isso não há interesse de agricultores atearem fogo em qualquer área, afirmou ele. Quando a palha deixada de uma safra para a outra queima, as terras perdem umidade com mais facilidade e a lavoura tem sua produtividade reduzida, algo que leva anos para ser recuperado. Por isso, ele ressaltou que o setor rural tem aparato de combate a incêndios maior que o Estado e tem realizado operações contra fogo.

Ele ainda defendeu a regularização fundiária para que se possa saber o que é desmatamento legal e o que é ilegal, algo que defendeu que deve ser punido. Bartolomeu disse que os produtores devem exercer seu “direito de propriedade”, incluindo desmatar áreas dentro da legalidade, respeitando os limites estabelecidos para cada região do país, conforme o Código Florestal.

Sobre especificamente a saída da Aprosoja da Abag, o líder agrícola disse que isso ocorreu porque a associação do agronegócio não estava ouvindo os anseios do setor de soja, e isso, segundo ele, não colabora com uma necessária mudança de visão de que o agricultor não somente produz no Brasil, mas também preserva o meio ambiente. “A Abag representa o negócio e não entende o que é produção”, disse ele, ressaltando que não faltou diálogo antes dos associados da Aprosoja votarem pela saída da Abag. O presidente da Aprosoja disse ainda que outras entidades do agronegócio estão agora buscando uma união para mostrar à sociedade que o setor produz e preserva.

Procurada, a Abag afirmou que todos os membros da associação estão sujeitos às mesmas regras, e que os participantes ganham e perdem nos diversos temas, e “isso é o que caracteriza uma associação de diálogo”. “Nossa credibilidade, ação pela sustentabilidade, legalidade e atuação apolítica do Agro nacional no Brasil e no exterior é histórica e dispensa comentários, é conhecida e transparente. Portanto mais uma vez somente lamentamos a saída de um membro da mesa de diálogo.” A Abag disse também que continuará a “luta em defesa total por um só agronegócio”, que seja “responsável, sustentável e legal, características do Agro nacional”.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 2 =

Notícias Saúde Animal

Santa Catarina tem a menor prevalência de brucelose animal do Brasil

Classificação do Mapa demonstra excelência da bovinocultura e qualidade da produção agropecuária catarinense

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Destaque internacional no cuidado com a saúde animal, Santa Catarina conquista mais um título: o estado tem a menor prevalência de brucelose animal do Brasil. A classificação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) demonstra a excelência da bovinocultura e a qualidade da produção agropecuária catarinense.

“O reconhecimento do Ministério da Agricultura é extremamente importante para o agronegócio de Santa Catarina, com impactos diretos na nossa produção leiteira. Podemos dizer que temos um produto de qualidade, originado de um animal sem doenças e com alta sanidade. Isso é fruto de um trabalho muito grande do setor produtivo e do Governo do Estado para diminuir cada vez mais a incidência de brucelose no nosso rebanho”, destaca o secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Ricardo de Gouvêa.

De acordo com o Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e da Tuberculose Animal, do Ministério da Agricultura, os estados podem ser classificados de A até E de acordo com a prevalência das doenças. Santa Catarina é o único estado brasileiro com classificação A para brucelose e, junto com outros quatro estados, também obteve nota máxima para tuberculose.

As zoonoses acometem menos de 2% do rebanho bovino catarinense. Esse é o resultado de um grande esforço no Governo do Estado, através da Secretaria de Estado da Agricultura, da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) e do setor produtivo para erradicar as doenças.

Santa Catarina contabiliza mais de mil propriedades rurais certificadas como livres de brucelose e tuberculose. O reconhecimento acontece após realização de testes em todos os animais, com intervalos de 6 a 12 meses, e sem nenhum caso positivo.

Diferencial competitivo

A intenção do Governo do Estado é que esse seja mais um diferencial competitivo do agronegócio catarinense na conquista de mercados exigentes, principalmente para exportação de produtos lácteos. A presidente da Cidasc, Luciane Surdi, explica que há um grande esforço do poder público estadual e da iniciativa privada para melhorar ainda mais a sanidade dos rebanhos.

“A Cidasc e a Secretaria da Agricultura vêm realizando importantes discussões com o setor produtivo catarinense buscando melhorar a qualidade e a sanidade dos nossos rebanhos leiteiros. O relatório do Ministério da Agricultura demonstra a nossa eficiência, porém seguimos focados em produzir leite com cada vez mais qualidade, cuidando do rebanho e da saúde do produtor rural e do consumidor”, ressalta.

Investimentos para erradicar a brucelose e a tuberculose

Ainda em 2020, a Secretaria aportou mais R$ 283 mil para aumentar a cadeia de vigilância e localização de propriedades com suspeitas de focos das doenças, realizações de diagnósticos definitivos e abates sanitários dos animais contaminados, reduzindo os riscos à saúde pública e elevando o status sanitário da pecuária catarinense.

Todos os anos são realizados aproximadamente 500 mil exames para analisar a presença das zoonoses no rebanho catarinense.

Indenizações aos produtores

Os animais acometidos de brucelose ou tuberculose são abatidos sanitariamente e os proprietários indenizados pela Secretaria da Agricultura, com apoio do Fundo Estadual de Sanidade Animal (Fundesa). Com a compensação, os produtores podem adquirir animais sadios para continuarem a produção de carne e de leite.

De janeiro a outubro deste ano, o Governo do Estado investiu mais de R$ 8,4 milhões na indenização de produtores pelo abate sanitário de animais doentes.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Cooperativismo

Cooperalfa completa 53 anos

Cooperativa tem hoje 20.500 cooperados nos estados de SC, PR, RS e MS

Publicado em

em

Matriz da Cooperalfa em Chapecó-SC- Foto: Divulgação

Formada por 39 agricultores do Oeste catarinense, a Cooperalfa – com sede em Chapecó -, completa 53 anos amanhã, dia 29 de outubro. Com estratégia de crescimento e credibilidade junto a seus 20.500 cooperados de SC, PR, RS e MS, a cooperativa prospecta obter 35% de incremento em seu volume de receitas em 2020, frente aos R$ 3,7 bi de 2019.

Assim como os demais atores econômicos que têm interface com o agro, parte desse crescimento se deve à escalada cambial e ao incremento de preços de produtos e mercadorias ligados ao universo agropecuário. Outro tanto, conforme constata o gerente de controlaria e TI da Cooperalfa, Gilberto Fontana, se deve à estratégia adotada pela diretoria no incremento dos negócios ligados ao fornecimento de insumos, sementes, ”bem como, ao acréscimo de volume de cereais recebidos, ampliação dos volumes industrializados, e maior participação no aquecido mercado de consumo”.

O contador percebe que, mesmo com adversidades, particularmente a COVID-19, a Cooperalfa tomou os cuidados possíveis, engajou seus times de vendas, mudou a estratégia de divulgação, preencheu espaços e “tem melhorado a gestão logística e das equipes internas, além de manter os investimentos e controlar gastos”.

Para Fontana, junto com o agricultor, fica o desafio de encarrar o último bimestre de 2020 e primeiros meses de 2021, com previsões climáticas que sugere certa preocupação, tendo em vista a confirmação do fenômeno La Ñina na região do Sul e, por isso, tendência de menos chuvas.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Segundo Conab

Monitoramento Agrícola atribui atraso de plantio da safra ao período seco

Anomalias do Índice de Vegetação refletem tanto o atraso na semeadura dos cultivos de verão quanto os impactos nos cultivos de inverno

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

O início de semeadura da safra 2020/21 está em compasso de espera de chuvas mais abundantes na maioria das regiões produtoras de grãos do país.  A ajuda da natureza até a primeira quinzena deste mês ficou abaixo da média esperada, assim como a umidade de solo ideal para cultivo, sobretudo nas maiores regiões produtoras como Centro-Oeste e Sudeste.

A análise está no Boletim de Monitoramento Agrícola, produzido e publicado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). As anomalias do  Índice de Vegetação, de acordo com a publicação,  refletem tanto o atraso na semeadura dos cultivos de verão quanto os impactos nos cultivos de inverno. Por outro lado, o tempo firme favorece as lavouras na maturação e a colheita do trigo nos três estados da região Sul.

Evolução das lavouras

O estado do Paraná é o que mais adiantou a colheita do trigo, com 79% da área cultivada, cenário que é semelhante ao da safra passada. No Rio Grande do Sul, cujo desenvolvimento do cereal foi favorecido pelo tempo firme, radiação solar e significativas amplitudes térmicas na maturação dos grãos em alguns locais, a colheita atingiu 19% e, em Santa Catarina, 12% das lavouras estão em condições de colheita.

Para a soja, em Mato Grosso, com a semeadura lenta até o final da primeira quinzena, foram registrados atrasos de 14% em relação à safra anterior, em grande parte das localidades produtoras. Em Goiás,  as previsões de chuvas volumosas não se confirmaram e o plantio da oleaginosa ocorreu de forma lenta em grande parte do estado. Já em Mato Grosso do Sul, muitos produtores iniciaram a semeadura, mas permanece a expectativa de previsões climáticas favoráveis. Em Minas Gerais, o plantio está estimado em torno de 15%, e São Paulo sofre também com atraso em relação ao ano anterior.

Quanto à evolução do milho primeira safra, com risco de comprometimento das condições regulares ou ruins das lavouras, devido o baixo volume pluviométrico, melhor situação encontra-se no Paraná, que não sofreu atraso significativo no plantio em relação à safra passada. Minas Gerais estima o plantio em 25%, e em Goiás, a jornada deve ocorrer após o plantio da soja.

Fonte: Conab
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.