Conectado com
OP INSTAGRAM

Avicultura Avicultura Paranaense

Após 18 anos à frente do Sindiavipar, Domingos Martins passa o cargo de presidente a Irineo da Costa Rodrigues

O Presente Rural conversou com exclusividade com as duas lideranças para saber sobre o que foi feito e qual será o futuro do Sindiavipar

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O Paraná é atualmente o maior produtor e exportador de carne de frango do Brasil. Aproximadamente 40% de todo o frango exportado é do Paraná, que abastece 160 países. Além disso, a avicultura também representa 1/5 do Valor Bruto da Produção Agropecuária paranaense. Todo esse sucesso do setor teve muitos responsáveis, que lutaram e trabalharam para a avicultura ser o potencial produtivo que é hoje. Uma destas entidades, sendo, inclusive, uma das principais do país, é o Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar).

E neste ano, o Sindicato troca a sua diretoria. Em setembro Domingos Martins deixou a presidência da entidade após 18 anos à frente da categoria. O atual diretor-presidente da Lar Cooperativa Agroindustrial, Irineo da Costa Rodrigues, foi eleito, em julho, como o novo presidente do Sindiavipar e empossado em 1° setembro.

Além de Rodrigues como presidente, a nova Diretoria é composta por José Antônio Ribas Junior, como vice-presidente; Rafael Santos na função de secretário e Roberto Kaefer exercendo o cargo de tesoureiro. O Conselho Fiscal Efetivo é constituído pelos profissionais: Alfredo Lang, Gerson Muller e Adroaldo Paludo. Dilvo Grolli, Valter Pitol, Sidnei Donizete Bottazzari, Ciliomar Tortola, Ricardo Chapla, Hugo Leonardo Bongiorno e Fabio Stumpf são os novos suplentes.

Para saber mais sobre como foram os anos de Domingos Martins, e o que Irineo da Costa Rodrigues espera para sua gestão, a reportagem de O Presente Rural conversou com exclusividade com as duas lideranças. Acompanhe:

Formado em Direito pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), Domingos Martins, que também é diretor da Integra e proprietário da Frango a Gosto, deixa a presidência do Sindicato após 18 anos. Neste período, o Paraná passou de terceiro maior produtor e exportador de carne de frango do país para a liderança no segmento. Além disso, destaca-se ainda a criação do Fundo de Assistência Sanitária para a Avicultura do Estado do Paraná (Funasavi-PR), da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) e do Instituto Paranaense de Reciclagem (InPAR), ao longo destes anos.

O Presente Rural – Faça um resumo desses 18 anos à frente ao Sindiavipar.

Domingos Martins – Acho que foram várias experiências para a vida. Dezoito anos é bastante tempo, e passamos por várias coisas. Tive a satisfação em fazer parte disso, com uma equipe maravilhosa. Verificar o crescimento da avicultura nesses 18 anos foi extraordinário. No início, o Paraná era o terceiro Estado na produção de avicultura e agora somos o primeiro.

Partimos de coisas básicas. Nós saímos de uma produção de frangos de galinheiros e passamos para aviários. Houve uma evolução genética, de ambiência, alimentar e de nutrição tão fantástica que possibilitou que nestes 18 anos crescêssemos violentamente. Saímos de 150 mil frangos abatidos por mês para praticamente 80 milhões de frangos abatidos por mês. Isso é a força da avicultura no Paraná.

Hoje representamos 38% da exportações nacionais, somos o Estado mais importante, exportamos para mais de 160 países, são mais de 10 mil famílias que trabalham na atividade, empresas médias foram crescendo e outras nascendo e, principalmente, nesse período nós tivemos o privilégio de ter as cooperativas, que enxergaram também na avicultura uma grande oportunidade. Porque as cooperativas sempre foram grandes produtores de soja e milho e exportavam esses produtos ou comercializam no mercado interno e resolveram transformar esse milho e essa soja em frango. Todas elas participam da nossa sociedade e vieram fortalecer a nossa estrutura, o que possibilitou que a gente crescesse de forma harmônica e juntos, ocupando os espaços que o agronegócio nos dava e, consequentemente, dando oportunidade de crescermos junto com todas as empresas. O próprio Sindiavipar foi crescendo e hoje temos uma sede própria maravilhosa, na parte central de Curitiba.

Participamos ainda de forma institucional muito forte a nível de Brasil, temos uma participação muito grande na ABPA, temos relacionamento com todas entidades estaduais de avicultura de forma expressiva. O Sindiavipar sempre foi ouvido em todos os governos, junto com ABPA, junto com Sociedade Paulista de Avicultura, a Sociedade Gaúcha, Catarinense e Mineira. Todos nós juntos. E o Paraná era o carro chefe puxando esse pessoal. Para nós é motivo de grandeza em todos estes anos e para mim um privilégio de ser o líder disso.

Nós também temos uma atuação constante junto a Federação das Indústrias do Paraná, ajudamos a estruturar a Adapar, sempre trabalhamos muito em conjunto com o Governo do Estado, principalmente a Secretaria de Agricultura, onde todos os secretários foram nossos grandes incentivadores e amigos. A avicultura foi observada e sentida pelos governos. Lá atrás, quando começamos, os deputados não sabiam o que era avicultura, e hoje temos um bom trabalho de divulgação, onde tivemos a oportunidade de divulgarmos nossos feitos e recordes. Nós costumávamos brincar que a avicultura do Paraná crescia a ritmo chinês. Isso é muito gratificante para mim como cidadão e como ser humano.

Fundamos o Fundo de Assistência Sanitária para a Avicultura do Estado do Paraná (Funasavi-PR), que é um fundo de assistência à avicultura para algumas calamidades, e é um dos fundos mais importantes nesse sentindo hoje no Brasil. Esse fundo já possibilitou ajudar a própria Adapar, com a doação de equipamentos de análise ultramodernos. Fizemos eventos, em especial o Workshop Sindivapiar, que é o ponto alto do que desenvolvemos, exatamente para dar transparência, publicidade e mostrar o que tem na avicultura paranaense para o Brasil e para o mundo. Nós só temos motivos para comemorar e, principalmente, agradecer a todos tudo o que aconteceu nestes anos e as oportunidades que surgiram para nós.

O nosso lema é “juntos somos mais fortes” e essa é a grande realidade de todo esse trabalho que foi desenvolvido ao longo destes anos pelo Sindiavipar junto com o avicultor, o produtor rural, o chefe da cooperativa, da empresa. Todos são importantes.

Eu vivi um sonho agradabilíssimo, onde conheci muitas pessoas dentro da minha atividade e fora dela também, todos que colaboraram para que a avicultura fosse mais forte e tenho certeza de que ela vai ser ainda mais brilhante e tem espaço para isso. É uma atividade excelente pela qual sou apaixonado.

O Presente Rural – Quais foram os maiores desafios que o senhor enfrentou frente ao Sindiavipar?

Domingos Martins – Foram inúmeros desafios. Tivemos problema de falta e escassez de matéria prima, a alta das comodities, foram coisas complicadas para nós. Diversas greves que enfrentamos, mas isso fez com que a gente crescesse junto, desenvolvesse junto para uma instituição mais forte. Foram coisas que atrapalharam, mas conseguimos aprender a conviver com todas as circunstâncias e dificuldades.

Fizemos um comitê exatamente para trabalhar soluções. Porque é muito importante quando você se senta com um adversário, uma pessoa que pensa diferente de você, é você fazer ele ver que você está fazendo coisa certa, que você trabalha com honestidade, alimenta o povo, produz a proteína animal mais acessível ao povo brasileiro. Nós temos o privilégio de poder produzir, sabemos o significado que tem de cuidar disso.

Foram algumas dificuldades que atravessamos, mas junto com essas dificuldades acho que marcamos as nossas maiores vitórias. Procuro falar que não houve dificuldades, mas sim as batalhas e vitórias que tivemos em cima das dificuldades. Sempre achamos uma solução que deixou a avicultura melhor e mais forte.

O Presente Rural – Qual o sentimento de repassar o cargo que o senhor ocupou por 18 anos?

Domingos Martins – Eu tenho o sentimento de dever cumprido. Que cumpri a minha tarefa. Eu passo o cargo ao Irineo, que é uma pessoa supercompetente, e ele prova essa competência na Lar, com segurança e a certeza de que a cada dia que passa ele vai engrandecer ainda mais o nome do Sindivipar e da avicultura paranaense. Ele com certeza vai compor uma equipe muito competente. Porque isso é possível notar no Sindiavipar, não temos nenhum CEO, ninguém de fora, é somente pessoas da avicultura e isso tem um valor impressionante. Porque é importante você colocar no cargo alguém que entenda da atividade, saiba como funciona, e isso nós vemos no Irineo.

O Presente Rural – Qual legado o senhor deixa para a avicultura paranaense?

Domingos Martins – Eu diria que o espírito de companheirismo, de gratidão, e os outros pontos que já foram citados, como a criação do Funasavi-PR, a sede própria e a nossa grande representatividade na avicultura brasileira. Além da forma transparente com que administramos e cuidamos das coisas da avicultura paranaense. Esse é o grande legado.

Formado em agronomia, Irineo da Costa Rodrigues possui experiência na chefia regional da Acarpa, atual Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-PR). Além disso, foi presidente da Sudcoop (atual Frimesa), atuou como diretor na Confepar Agro-Industrial Cooperativa Central, da Credifronteiras – Sicredi Medianeira, da Cotrefal; da Coodetec e também da Cotriguaçu Cooperativa Central. Atualmente, exerce a função de presidente da Cotriguaçu e da Lar Cooperativa Agroindustrial; de membro do Conselho Diretivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) e do Conselho de Administração da Gazin.

O Presente Rural – Quais são os planos para o Sindiavipar?

Irineo da Costa Rodrigues – A avicultura paranaense é a mais importante do nosso país, vez que nós produzimos mais de 35% da produção de frango do nosso Brasil, e nos exportamos praticamente 40% de todo o frango que o país envia na exportação. Nós já temos mais de 20 mil produtores de frango no Paraná, mais de 40 empresas associadas ao Sindiavipar e exportamos para mais de 160 países. Nós vamos agora de começo construir um planejamento estratégico e definir prioridades ouvindo os associados. Somos, portanto, o Estado que mais produz, mais exporta e que mais traz divisas nas exportações de frango para o resto do mundo.

Um dado bem recente que nós temos, nós sabíamos que a avicultura do Paraná representava 16% do Valor Bruto da Produção do Estado e agora, segundo dados que nos foi passado pelo secretário Norberto Oritgara, em 2019 nós atingimos praticamente 20% do VBP do Estado, ou seja, 1/5 da produção bruta do Paraná vem da avicultura, o que mostra a enorme importância que esse  setor tem, e que emprega 69 mil pessoas diretamente nas indústrias. E se é verdadeiro que para cada emprego na avicultura nós temos 17 empregos indiretos, então estamos falando que a avicultura traz para o Estado do Paraná um total de empregos diretos e indiretos na ordem de 1,3 milhão de pessoas. É um setor seguramente que mais emprega e mais distribui renda. A avicultura constrói e distribui renda e gera empregos.

O Presente Rural – Pretende continuar o que foi feito na gestão anterior?

Irineo da Costa Rodrigues – O que foi feito até agora desde que foi constituído o Sindiavipar é a base para nós fazermos um trabalho planejado para termos um setor mais robusto. Certamente esse setor que é mais pujante hoje, mais robusto, exigirá muito mais. Temos muitos problemas a serem superados, como a própria Covid-19 que está aí, que não foi superado. E sempre quando ocorre algum evento, como ocorreu no Dia das Mães, Corpos Christi, Dia do Trabalho, com as famílias se visitando, se alguém tinha o vírus, passou para outros familiares, e a medida que as pessoas foram trabalhar nas plantas frigoríficas, que elas tenham um sistema de fazer diagnóstico muito apurado, se identificava o problema e a avicultura passou como aquela que fosse a geradora ou transmissora dos vírus. Não, era entrar nos frigoríficos que ela já era diagnosticada e a partir dali era tratado.

Temos muito o que fazer, buscar compreender e levar a realidade da indústria, do setor avícola e do produtor para o Ministério da Agricultura, que precisa saber do Estado do Paraná, por ser o mais representativo, quais são as dores do setor. Hoje o Ministério pode nos ajudar não somente na sanidade ou na questão do serviço da inspeção federal. Mas veja bem, alguns países, notadamente na Ásia, por exemplo na China, tem surgido muitas doenças como peste suína africana, gripes aviárias e agora o próprio Covid-19. Enquanto no Brasil nós estamos de certa forma blindados, não temos tido que essas doenças, quando se trata de doença que contaminam os animais. Mas isso não quer dizer que não haja o risco, tem o risco sim e o Ministério da Agricultura tem um trabalho muito bom de vigilância e controle, mas não podemos descuidar. Em hipótese alguma podemos admitir que o nosso país venha a ter um problema desses de sanidade, porque então todo esse patrimônio que envolve a indústria, o produtor, sofreria um baque enorme e o país seguramente teria desemprego grande, falta de arrecadação, enfim, não dá para pensar.

Questão da sanidade tem a maior importância, e nós temos que comemorar, como agora nós sendo um Estado livre de aftosa sem vacinação, buscando esse status em Bruxelas. Mas isso que foi buscado para enfermidades, como aftosa, não podemos baixar a guarda e permitir que o outro problema venha a acontecer. Então temos um trabalho intenso para sensibilizar o Ministérios da Agricultura.

O Presente Rural – Como o senhor vê a importância do Sindicato para a avicultura paranaense?

Irineo da Costa Rodrigues – O Estado do Paraná até bem pouco tempo era o terceiro maior produtor de frango do país, agora é o maior produtor e maior exportador, é o que mais emprega também e, portanto, o que gera mais empregos indiretos. Por ser um Estado que evoluiu muito, também temos a avicultura mais moderna, porque desde nossos aviários a nível de produtor rural, desde indústria, laboratórios, nossa logística de entrega de ração, recolha de frango, é nova. Dessa forma, o Sindicato tem uma grande importância porque representa a avicultura que mais cresceu e certamente aquela que mais vai crescer nos próximos anos.

Tenho um dado importante que sempre analiso: o Sul do país tem a característica de ter pequenas propriedades, agricultura familiar, então tem mão de obra para fazer uma pecuária de pequeno porte qualificada. Mas o Sul do país, principalmente Santa Catarina e Rio Grande do Sul, não tem grãos abundantemente, isso está no Centro-Oeste. Mas no Estado do Paraná nós fazemos duas safras de grãos por ano, então nós também temos matéria prima. Dessa forma, nós temos as condições necessárias de ter matéria prima abundante e mão de obra qualificada e familiar que precisa da avicultura para viabilizar as pequenas propriedades.

Assim, é no Paraná que a avicultura mais vai continuar crescendo e o Sindicato tem uma grande importância porque ele precisa organizar a indústria desse setor. Mas a indústria não vive sozinha, ela precisa também ter um olhar para o produtor e um olhar para o mercado e exportações, para poder crescer com todos os elos e se desenvolvendo juntos.

O Presente Rural – Quais as frentes que o senhor pretende tomar frente ao Sindiavipar?

Irineo da Costa Rodrigues – Nós temos principalmente que atuar junto com as demais associações de avicultura nos outros estados. No Paraná é sindicatos, mas nos demais estados são associações. Então nós temos associações muito pujantes, de Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Claro que outros estados também tem suas associações, mas as mais representativas estão na região Leste e um pouco do Centro-Oeste do nosso país, além da região Sul. Dessa forma temos que ter uma aproximação com essas associações, ter prioridades juntos e atuar fortemente junto com a ABPA, seja apoiando ou levando nossas demandas. Também precisamos visitar entidades públicas e privadas que fazem parte de algo que influi muito nos elos de produção.

Tivemos uma audiência com o governador do Estado no dia da posse e ele pediu se pudéssemos de novo ir ao Palácio, agora para mostrar com mais detalhe a avicultura, com números, gráficos e demonstrações para ver o que estado poderia fazer para ajudar, já que acreditamos que é o Paraná que vai continuar se destacando cada vez mais.

Temos gargalos na logística, temos hoje uma mateira prima muito cara, temos uma logística deficiente, inclusive a nível de estradas municipais, e falta recursos para a indústria poder estocar matéria prima, como soja, milho e farelo de soja, que agora está com preço muito alto. Então havendo recursos para que essas indústrias possam estocar matéria prima elas não sofreriam tanto essas altas de preços que seguidamente acontece. Nós também precisamos levar a sociedade uma mensagem da nossa avicultura, que ela é a melhor do mundo, do Brasil, do Paraná, e temos uma avicultura com muita sanidade.

O Presente Rural – Quais os desafios que a avicultura paranaense ainda enfrenta? De que forma o Sindiavipar ajuda indústria e produtor nisso?

Irineo da Costa Rodrigues – No momento os grandes desafio são encarar o custo alto da matéria prima, com elevação do preço do milho e da soja, nós também temos preços muitos elevados por causa da Covid-19, que obrigou empresas a dispensarem muitos funcionários para ficar em casa porque estavam no grupo de risco, e isso encareceu muito o custo das indústrias. Nós também temos ajudado uma grande desuniformidade na interpretação das normas do Ministério da Agricultura pelos SIF locais. Precisa haver uma padronização, um treinamento que tem muitas equipes novas que foram contratadas recentemente. E nós ainda temos o consumo que poderia ser maior, mas devido à falta de renda e desemprego pela pandemia ainda é um problema. Então o que precisamos fazer é trabalhar propostas, algumas são mais de médio e longo prazo, para superar estas dificuldades junto com outras associações, junto com a ABPA porque temos uma pauta comum e com ela temos ações que precisam ser tratadas a nível federal e outros assuntos precisam ser tratados a nível de estado e muitas vezes até a nível de município.

O Presente Rural – Qual o sentimento ao ocupar o cargo de presidente de um dos mais importantes sindicatos avícolas do país?

Irineo da Costa Rodrigues – O sentimento é muita responsabilidade e também a convicção de que juntos nós somos capazes de ter propostas que venham ajudar o setor, mas também o governo a entender melhor as nossas dores e ajudar o governo em buscar subsídios, sem buscar nenhuma beneficie ou benefício especial, ajudar o governo a ter propostas que possam ajudar o setor. Um exemplo de uma proposta: nós precisamos ter linhas de financiamento que a gente possa financiar sobretudo estocagem de matéria prima para a gente fugir um pouco desses preços muito elevados quando ocorre como agora onde o milho e a soja tem preços muito elevados o que encarece muito o custo de produção.

Em linhas de financiamento de longo prazo, da mesma forma, nós temos no país hoje linhas de financiamento que são diferentes nas regiões. Por exemplo, no Centro-Oeste uma linha de financiamento que é chamada de FCO que tem o juro mais adequado. Mas hoje o Centro-Oeste se desenvolveu muito. Então precisaria que essas linhas de custos mais adequados sejam estendidas a todo o país e não uma região que se no passado ela precisava de juros mais adequados e até subsídios para se desenvolver, hoje já se desenvolveram, e infelizmente algumas regiões de outros estados ficaram para trás.

O Presente Rural – De que forma pretende fazer sua gestão frente ao Sindiavipar?

Irineo da Costa Rodrigues – Com conhecimento, dedicação e foco no futuro da atividade, certamente teremos uma avicultura que será mais forte. Nos últimos anos a avicultura do Paraná tem se destacado em relação aos demais Estados a cada ano. E como nós já nos referíamos, somos o Estado que tem matéria prima, grãos que são ingredientes da ração, nosso Estado tão produtor quanto a região do Centro-Oeste, mas nós temos uma gestão da pequena propriedade, da mão de obra familiar e que precisa da avicultura para viabilizar as pequenas propriedades.

Então não tenho dúvida de que essa gestão do sindicato que agora se inicia, que tem três anos pela frente, quer juntar todos esses pontos que precisam ser melhor desenvolvidos e levarmos propostas para que o governo possa fazer suas políticas públicas que entendam a nossa atividade e o nosso Estado de uma forma a ajudar.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro − um =

Avicultura Avicultura

Importância dos ângulos de viragem para melhor eclodibilidade e qualidade do pintinho

Ângulos de viragem incorretos reduzem eclodibilidade, qualidade do pintinho e fluxo de ar dentro da incubadora e aumentam o número de pintinhos mal posicionados

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Scott Jordan, especialista em Incubação e Serviços Técnicos da Cobb-Vantress

Ângulos de viragem incorretos reduzem a eclodibilidade, a qualidade do pintinho e o fluxo de ar dentro da incubadora e aumentam o número de pintinhos mal posicionados. Infelizmente, o impacto negativo das falhas de viragem na primeira semana não pode ser corrigido posteriormente durante a incubação.

O ângulo de viragem ideal para a maioria das incubadoras é de 39-45 graus. Os ângulos de viragem devem ser verificados pelo menos a cada 90 dias em uma máquina de estágio múltiplo. Esta verificação pode ser feita em coordenação com a calibragem de uma máquina de estágio múltiplo.

Enquanto espera que a sonda de temperatura se iguale à temperatura da máquina, aproveite para verificar o ângulo de viragem dentro da máquina. Em máquinas de estágio único, o ângulo de viragem pode ser verificado antes de cada carga ou na transferência.

Registre o ângulo de viragem e quaisquer ajustes feitos nos livros de registro da incubadora. Se ajustes frequentes de correção para o ângulo de viragem forem necessários, verifique se há barras tortas, problemas de mecanismo de viragem, peças desgastadas ou outros problemas mecânicos.

Existem várias ferramentas que podem ser usadas para verificar o ângulo de viragem, incluindo localizadores de ângulo manuais e digitais. Alguns aplicativos estão disponíveis para download e uso em seu telefone que podem ser usados para verificar o ângulo e até mesmo armazenar dados históricos.

Dicas para verificar o ângulo de viragem:

  • Em uma máquina com carrinhos portáteis, verifique o carrinho quando estiver carregado de ovos. Um carrinho vazio normalmente vira no ângulo correto, mas quando carregado com ovos, pode não conseguir atingir o ângulo correto.
  • Em uma incubadora de prateleiras fixa, verifique os ângulos de giro quando carregada com ovos. Permita que a máquina faça um ciclo completo de viragem a partir do controle. Não vire os ovos manualmente usando a chave de controle antes de verificar o ângulo. Algumas máquinas atingirão o ângulo correto quando viradas manualmente, mas não o farão quando viradas automaticamente.
  • Coloque o localizador de ângulo na bandeja de metal onde fica a bandeja de ovos. Se isso não for possível, coloque o localizador de ângulo na extremidade da bandeja.
  • É importante verificar todos os carrinhos da máquina. Em alguns casos, o carrinho mais próximo do braço giratório virará corretamente, enquanto o carrinho mais distante do braço giratório virará menos de 39 graus.
  • Em uma incubadora de prateleiras fixa, é importante verificar as seções frontais, intermediárias e posteriores em ambos os lados da máquina.

Eclodibilidade

Os ângulos de viragem inferiores a 39 graus reduzem a eclodibilidade em 1-2% e o número de pintinhos de primeira qualidade em 0,5-2,0%. Se o ângulo de viragem for inferior a 39 graus, virar os ovos duas ou quatro vezes por hora pode reduzir o número de embriões mal posicionados.

Algumas incubadoras de prateleiras fixa possuem um design muito simples para ajustar o ângulo de giro. Algumas incubadoras possuem carrinhos individuais que requerem manutenção de buchas de giro ou acopladores para corrigir o ângulo de viragem. Consulte o manual do operador da incubadora para obter detalhes específicos sobre como corrigir o ângulo de viragem.

A viragem do ovo é necessária para o desenvolvimento adequado do embrião, mas o ângulo de giro correto é igualmente importante. Garantir que o ângulo seja de 39-45 graus pode aumentar a eclodibilidade e a qualidade do pintinho, o que maximizará o número de pintinhos comercializáveis produzidos.

Outras notícias você encontra na edição de Avicultura de abril/maio de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Mulheres do Agro

Time 100% feminino comanda Centro de Diagnóstico de Sanidade Animal

São 42 colaboradoras dentro de um dos mais importantes elos do agronegócio, diretamente responsável pela sanidade animal e qualidade dos alimentos

Publicado em

em

Divulgação

Há 15 anos dentro do Centro de Diagnóstico de Sanidade Animal (Cedisa), em Concórdia, SC, a médica veterinária Lauren Ventura Parisotto comanda um time formado 100% por mulheres. São 42 colaboradoras dentro de um dos mais importantes elos do agronegócio, diretamente responsável pela sanidade animal e qualidade dos alimentos.

Lauren conta sua trajetória no agronegócio e revela como é o dia a dia de uma organização integralmente tocada por elas. Apesar da circunstância, a gerente técnica e administrativa do Cedisa, que também é presidente da Associação Brasileira de Médicos Veterinários Especialistas em Suínos (Abraves) Nacional, garante que o mais importante é lidar com seres humanos, independente do gênero. “O ambiente 100% feminino é desafiador. Acredito que por sermos mulheres somos capazes de nos perceber e constantemente usamos o nosso sexto sentido, lançando um outro olhar sobre o cotidiano. Também acredito que o desafio é liderar pessoas independente de gênero. Hoje, mais do que nunca, precisamos de líderes humanos, que buscam entender a cada um e a todos. Nossa missão é fazer com que os liderados evoluam e cresçam como pessoas e profissionais”, frisa.

O Presente Rural – Conte um pouco sobre sua vida profissional.

Lauren Ventura Parisotto – Graduei em Medicina Veterinária na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUC-RS em 1998. No mesmo ano fiz meu estágio curricular na Embrapa Suínos e Aves com o doutor Nelson Morés, meu querido e eterno mestre e a quem chamo carinhosamente de chefe até hoje. Após o período de estágio, retornei à Embrapa como estagiária do Cedisa. No ano seguinte surgiu a oportunidade de uma vaga de trabalho num convênio entre a Associação Catarinense de Criadores de Suínos – ACCS e a Embrapa e, o meu querido chefe me chamou em sua sala e disse que pelo meu empenho e dedicação a vaga era minha. Nunca mais esqueci estas palavras e as levo comigo até hoje. Neste período trabalhei no projeto de Pesquisa Linfadenite em Suínos e depois veio o Programa de Erradicação da Doença de Aujeszky em Santa Catarina. Neste último tive uma atitude corajosa, sabendo do projeto tive a ousadia de buscar a doutora Janice Ciacci Zanella e oferecer a ela os meus serviços. Disse-lhe que sabia que precisavam de uma médica veterinária para o trabalho e que eu buscava mais uma oportunidade. Este especialmente foi um período de muito aprendizado e amadurecimento.

Além destes, outros trabalhos surgiram, e sempre me coloquei a disposição para colaborar, ajudar e aprender. Nessa época conheci a Associação Brasileira de Veterinários Especialistas em Suínos – Abraves, entidade que nutro um sentimento de gratidão e carinho muito grande. A partir daí também tive oportunidade de atuar e contribuir com outras entidades de classe como o Conselho Regional de Medicina Veterinária de Santa Catarina e Núcleos Regionais de Médicos Veterinários.

O Presente Rural – Por que decidiu trabalhar com a produção animal?

Lauren Ventura Parisotto – Desde minha formação básica em Técnica Agrícola, que cursei na Universidade Federal de Santa Maria – UFSM, sabia que esta área seria meu caminho profissional. Muito além da escolha da área havia meu sonho de ter uma formação e tornar-me independente. Foi desta forma que optei pela Medicina Veterinária e durante a graduação a suinocultura sempre foi minha escolha. A ela, devo todas as minhas conquistas.

O Presente Rural – Sentiu alguma resistência na profissão por ser mulher?

Lauren Ventura Parisotto -Não digo por ser mulher, mas ao exercer cargo de liderança, confesso que senti algumas resistências e enfrentei grandes desafios, que com resiliência, atitude e os meus valores consegui superá-los.

O Presente Rural – Como entrou no Cedisa?

Lauren Ventura Parisotto –  Em 2005, através de um convite feito pelo doutor Paulo Roberto Souza da Silveira, então pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, que naquele momento também assumiu a Presidência da Oscip/Cedisa. Confesso que levei um susto e pedi a ele um tempo para pensar. Então busquei alguns oráculos e neste momento mais uma vez meu “chefe” foi essencial na decisão, disse-me: “vai que estamos contigo”.

Quando percebi que meus conhecimentos técnicos, competência e atitudes não eram suficientes para a função, iniciei uma jornada de aprendizado em gestão, liderança, comunicação, inteligência emocional e todos os temas que me tornariam uma profissional melhor. Até hoje, todos os anos invisto parte do meu tempo em capacitação.

O Cedisa é mais que um trabalho, é uma relação de amor, respeito, admiração, verdade e muitas realizações junto ao grande time que construímos ao longo destes quase 15 anos de gestão e 31 de existência da entidade, que foi constituída e construída por muitas mãos. Sou grata a todos que me deram a oportunidade de conhecer o verdadeiro sentido da palavra realização profissional.

O Presente Rural – Qual a função do Cedisa? Explique algumas funções de cada profissional.

Lauren Ventura Parisotto – O Cedisa é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) que presta serviços na área de análises laboratoriais de suínos e aves. Atende os ensaios dos Programas Nacionais de Sanidade Avícola e Suídea e o diagnóstico de doenças da produção desta duas espécies.

Nossa equipe é formada hoje por cinco médicas veterinárias, responsáveis técnicas pelas diversas áreas de serviços, tais como Sorologia, Bacteriologia, Patologia, Reprodução, Parasitologia e Biologia Molecular.

Além das RTs, contamos com auxiliares, assistentes e analistas de laboratório das áreas de Biologia, Tecnologia e Engenharia de Alimentos, entre outras. Ainda temos a equipe do setor administrativo que completa o nosso time.

O Presente Rural – O Cedisa é 100% mulheres desde quando?

Lauren Ventura Parisotto – Desde o ano de 2016 nossa equipe é 100% feminina, não foi uma escolha, foi circunstancial. No mercado de serviços laboratoriais, as mulheres são maioria.

O Presente Rural – Como é trabalhar somente entre mulheres no dia a dia?

Lauren Ventura Parisotto – O ambiente 100% feminino é desafiador. Acredito que por sermos mulheres somos capazes de nos perceber e constantemente usamos o nosso sexto sentido, lançando um outro olhar sobre o cotidiano. Também acredito que o desafio é liderar pessoas independente de gênero, hoje mais do que nunca precisamos de líderes humanos, que buscam entender a cada um e a todos e nossa missão é fazer com que os liderados evoluam e cresçam como pessoas e profissionais.

O Presente Rural – Como é pertencer a uma entidade tão importante formada só por mulheres?

Lauren Ventura Parisotto – É lindo, desafiador, motivo de orgulho e inspiração para fazer mais e melhor por cada uma delas que se dedicam, entregam e fazem do Cedisa uma empresa de grandes valores e que acredita no potencial humano. E tudo isso se reflete na nossa prestação de serviços, no atendimento aos nossos clientes e nas parcerias construídas ao longo destes 31 anos de história. Nossa missão é servir.

O Presente Rural – Como a senhora observa a evolução da participação da mulher nos vários ramos do agronegócio nos últimos anos?

Lauren Ventura Parisotto – Penso que não deve haver uma disputa com os homens, ambos temos limitações e acredito que não é o mundo que as impõe. É fato que a nossa sociedade de maneira geral ainda mantém o machismo em sua cultura, principalmente no que se refere a remuneração e oportunidades, infelizmente. Por outro lado, muitas de nós já suplantaram essa questão e hoje são líderes respeitadas no mercado, e o agro é um grande exemplo disso.

Sinto alegria e orgulho por nossas conquistas, podemos ser o que quisermos, e junto aos homens equilibramos, somamos e conseguimos uma sinergia que gera excelentes resultados.

A transformação da sociedade é lenta e por isso nossos movimentos precisam ser mais céleres.

O Presente Rural – Uma mensagem.

Lauren Ventura Parisotto – Tenho hoje quase 23 anos de carreira como médica veterinária e completarei 15 anos à frente do Cedisa. Minha gratidão é enorme a todos os colegas e amigos que cruzaram e cruzam o meu caminho. Aprendi errando, acertando, desaprendendo, voltando a aprender, convivendo, tentando, mas acima de tudo buscando e fazendo.

No fim, o mais importante da viagem é o caminho, os cargos, os títulos, tudo é passageiro, fica apenas o que você é, foi e fez enquanto pessoa.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de abril/maio de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Mercado

Produção de ovos de galinha chega a 978 milhões de dúzias, mostra IBGE

Alta é de 0,3% em relação ao 1º trimestre de 2020 e queda de 1,3% em relação ao trimestre imediatamente anterior

Publicado em

em

Divulgação

No 1º trimestre de 2021 a produção de ovos de galinha foi de 978,25 milhões de dúzias.  Alta de 0,3% em relação ao 1º trimestre de 2020 e queda de 1,3% em relação ao trimestre imediatamente anterior.

O resultado foi recorde para um 1º trimestre, cujo pico foi registrado no mês de março. A produção de 340,09 milhões de dúzias foi a maior já registrada para esse mês, levando em consideração a série histórica da Pesquisa, iniciada em 1987. Apesar de uma alta nos custos de produção, a demanda segue aquecida pelo preço acessível da proteína.

A produção nacional de 3,31 milhões de dúzias de ovos a mais quando se comparam os 1os trimestres de 2021 e 2020 foi resultado de aumentos em 18 das 26 UFs da pesquisa. Quantitativamente, os maiores acréscimos ocorreram em Mato Grosso do Sul (+5,87 milhões de dúzias), Bahia (+5,34 milhões), Ceará (+4,84 milhões) e Amazonas (+3,59 milhões). As maiores quedas ocorreram em São Paulo (-16,85 milhões) e Paraná (-3,52 milhões).

Apesar da retração, São Paulo se manteve como maior produtor de ovos no 1º trimestre de 2021, com 27,6% da produção nacional, seguido agora por Minas Gerais (9%) e Espírito Santo (9%). O Paraná caiu da segunda para a 4ª posição, com 8,6% do total nacional.

Fonte: IBGE
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.