Conectado com
FACE

Bovinos / Grãos / Máquinas Mercado

Apesar de ano atípico, 2020 foi positivo para o setor pecuário

De acordo com o consultor em gerenciamento de risco da área da pecuária da StoneX, Caio Toledo, este ano foi marcado por uma baixa oferta de gado disponível no Brasil

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Dois mil e vinte foi um ano muito bom para alguns e bastante desafiador para outros. Entender o comportamento do mercado foi crucial para definir em qual destes dois grupos o pecuarista esteve. Por isso, é importante que o produtor entenda o que está acontece o veja o que pode acontecer para que 2021 seja um ano melhor.

De acordo com o consultor em gerenciamento de risco da área da pecuária da StoneX, Caio Toledo, este ano foi marcado por uma baixa oferta de gado disponível no Brasil. “São dois os pontos chaves para essa baixa: a reposição e os insumos, principalmente o milho, que é basicamente 30% do custo do pecuarista”, comenta.

O primeiro ponto destacado pelo profissional quanto a reposição é a retenção de fêmeas e o ciclo pecuário. “Essa questão de alta ou baixa no abate de fêmeas vem muito envolvido com a questão do preço do bezerro e com a questão da rentabilidade da atividade da cria. Então o que podemos perceber, desde o primeiro trimestre de 2019, é que nós já tínhamos um mercado naquele momento que já se posicionava num topo de abate de fêmeas e dali em diante deveria, por si só, começar a ter uma baixa oferta de fêmeas dado que os pecuaristas deveriam reter elas dentro da fazenda, uma vez que a expectativa futura sobre o boi gordo era extremamente positiva e fora isso a atividade de cria começava aos poucos a ser muito rentável”, analisa.

Toledo explica que a alta do preço do bezerro e a possibilidade de alta da arroba tem corroborado, desde 2019, para uma retenção de fêmeas para o abate. “Ou seja, em 2020 nós já esperávamos e sabíamos que seria um mercado de baixa oferta de fêmeas disponíveis, isso é, a oferta de fêmeas nós não teríamos, nós teríamos que contar para o ano inteiro, falando em oferta, com os animais machos, uma vez que as fêmeas estariam praticamente fora do jogo”, diz.

Além disso, o consultor comenta que ao longo dos anos, de 2012 a 2020, foi possível observar uma queda na produção de bezerros de 43% em São Paulo. “Ou seja, a pecuária está saindo aos poucos do Estado de São Paulo. Se pegarmos o abate de fêmeas podemos ver ele progredindo em alguns Estados e em outros retendo, em uma dinâmica de ciclo de mercado onde o ano de 2020 nós não teríamos fêmeas. Se olharmos que a tempos também já não temos bezerro em São Paulo, tudo nos mostra que ao longo dos anos faltaria gado disponível para o abate no Estado”, afirma.

Toledo informa que hoje São Paulo acaba sendo abastecido por animais de fora, como do Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. “São Paulo vive um momento crônico de falta de oferta de gado que não é algo de hoje, é algo que podemos observar de anos para trás, onde a produção de bezerros é cada vez menor. Então isso tem levado o mercado a um certo ponto que para se abastecer, principalmente os frigoríficos que estão na região de São Paulo, buscarem animais fora”, conta. Atualmente, explica, o Estado não consegue se sustentar apenas com animais internos. “Assim, se pegarmos o ano de 2020 nós tínhamos a primeira coisa que impactou muito o mercado, foi a questão de retenção de fêmeas, ou seja, não tinha animal fêmea para o abate ao longo do ano. Aí nós temos um segundo ponto, que São Paulo, em especial, tinha menos animais ainda principalmente macho, porque a pecuária tem se tornado menor, ou seja, a pecuária no Estado tem deixado de ser uma atividade como no Centro-Oeste, no Mato Grosso”, diz.

O consultor comenta que assim é possível observar ao longo de 2020 que esse problema crônico de São Paulo mexeu com o preço do bezerro. “Se a gente for olhar ao longo dos anos, desde 2011, o Estado tem uma falta de oferta de bezerros. E quanto menos bezerros a demanda acaba puxando o preço total que é pago por esse animal”, comenta. Além do mais, explica Toledo, 2020 foi um ano peculiar, onde houve uma falta de fêmeas e um bezerro com preço valorizado. “Este foi um ano em que todo mundo foi ao mercado comprar bezerro na época do coronavírus, entre maio e agosto. E 2020 foi marcado pela questão da pandemia e os impactos que ela trouxe na oferta de gado, que foi grande”, conta.

Toledo lembra que se olhar para este período de maio a agosto, é um momento em que havia muita dúvida do que iria acontecer e isso gerou um obstáculo na oferta de gado para o segundo semestre, principalmente no confinamento. “A situação deste ano foi que estava faltando gado em São Paulo, um período onde todo mundo está buscando bezerro e o boi gordo não está subindo na mesma velocidade que o bezerro”, menciona.

De acordo com o consultor, o preço do bezerro e do boi gordo futuro acabou prejudicando o pecuarista, que olhava que aquela compra não seria rentável a longo prazo, porque não havia perspectiva de melhora de preço. “Isso principalmente em maio, discutindo qual seria a demanda interno do Brasil, com muitas regiões em lockdown, não sabíamos o futuro da demanda interna”, comenta. Além disso, Toledo diz que as projeções para 2020 mostram queda nos animais confinados no Brasil. “A reposição é um entrave forte para o pecuarista e pode ser um entrave em 2021”, diz.

Quanto a reposição, ele explica que 2020 não foi um ano fácil, principalmente quanto a questão da perda do poder de compra do pecuarista. “Temos a questão da baixa oferta de fêmeas disponíveis, que por um lado interferiu muito o pecuarista, principalmente aquele que não se planejou, que foi a alta do milho”, comenta. Segundo o consultor, este ano o preço do milho acabou prejudicando o pecuarista. “Tivemos perda do poder de compra da reposição e do milho. Tudo isso acaba interferindo no mercado que refletiu na queda do confinamento”, afirma. Segundo ele, isso afetou a pecuária porque o país está vivendo um momento que não tem gado e nem fêmea disponível porque há uma redução no confinamento nesse ano. “Isso acabou trazendo o mercado para o patamar que está, mas ele vai mostrar muito do que está acontecendo na frente, porque não é somente de oferta que o preço sobe, precisamos olhar do outro lado da moeda, que são as demandas”, explica.

Comportamento do mercado externo

Lá fora, a situação foi um pouco diferente. Toledo conta que em 2020, muito mais que em outros anos, as exportações têm sido o foco principal dos frigoríficos. “Principalmente o mercado asiático”, diz. Este tem sido um ano bom para as exportações, o que também é bom para o Brasil. “Metade foi para o mercado asiático. A China é o principal mercado em questão de volume, e todos sabem os problemas de China com a questão sanitária com os suínos. Isso é bom para o Brasil”, afirma.

O consultor explica que o país asiático é um grande consumista da carne brasileira. “Mas eles não pagam a mais pela nossa carne. Eles compram cortes de menor valor agregado. A Europa é um país que compra uma carne mais cara, então é melhor o Brasil exportar carne para a Europa do que para a China”, menciona. Porém, mesmo assim, em setembro de 2020 45% do faturamento das exportações brasileiras vieram do mercado asiático. “Hoje a China acaba sendo o nosso puxador da pecuária, principalmente em relação a demanda externa”, diz.

E não somente a China, mas outro fator que ajudou 2020 foi a questão do câmbio. “O dólar teve um impacto positivo nas exportações brasileiras de carne bovina. Temos a China nos ajudando na questão externa e temos o câmbio jogando a nosso favor. O que é muito bom, principalmente a questão que temos, que é delicada, do mercado doméstico”, afirma.

Toledo acende um alerta quanto a questão do spread entre a carne que vai para a China e a carne que vai para o mercado doméstico. “Esse spread, dependendo do corte, ele já fica até no negativo, ou seja, valeria mais a pena vender aqui do que para o mercado asiático. O grande problema disso é que em algum momento pode bater no volume exportado. Então essas altas que estamos vendo nas exportações pode em algum momento se tornar uma barreira, um teto, justamente porque a carne que vende para lá acabaria sendo mais rentável vender aqui”, conta.

O consultor explica que o grande problema disso é que o Brasil não aceita volume, mas sim preço. “Hoje a demanda interna brasileira, se vermos por classes da sociedade, a classe média deixou de consumir alguns cortes enquanto as classes atrás dela voltaram a impulsionar um pouco essa conta”, comenta. Dessa forma, na demanda interna foi possível notar que o preço da carne no atacado acabou dando sustentação também para a arroba. “Temos a falta de oferta, as exportações e o preço pago pela carne no mercado doméstico jogando a favor da arroba. Eu estou falando de preço, não de volume. É importante lembrar que este ano a produção de carne bovina reduziu 17%. O mercado doméstico não necessita de tanta carne como no passado. Hoje o mercado doméstico aceita muito preço. E isso acontece por conta do impacto do auxílio emergencial nos alimentos”, afirma.

De uma maneira geral, o consultor explica que alguns pontos que geram preocupação na pecuária para o fim deste ano e o início do ano que vem é quanto a diminuição do auxílio emergencial, que foi um fator que ajudou nos preços da carne, a redução das expectativas de crescimento econômico interno e o aumento do desemprego. Já do lado externo, o que preocupa é quanto a valorização cambial, a paralização das altas contínuas dos preços dos suínos na China e a pi01ora no spread da carne no mercado interno x mercado externo, com destaque para a China.

Outras notícias você encontra na edição de Nutrição e Saúde Animal de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 9 =

Bovinos / Grãos / Máquinas Mercado

Aumento expressivo dos grãos gera descompasso com outras atividades

Saca de milho lidera valores significativos registrados de um ano para cá, com recorde de 259,46%; soja acumula alta de 85,14% e trigo subiu 51,66%

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Análise divulgada há pouco mais de uma semana pelo Sindicato Rural de Toledo, no Oeste do Paraná, destaca, comparativamente, os valores expressivos que as commodities tiveram de um ano para o outro. Considerando as datas de 23 de abril de 2020 e 23 de abril de 2021, o milho registrou o maior aumento, passando de R$ 37 a R$ 96, ou elevação de 259,46%. A saca da soja saltou de R$ 87,50 a R$ 162, ou 85,14% de elevação. Já o trigo avançou de R$ 60 para R$ 91 a saca, perfazendo 51,66% de aumento.

O preço do quilo do suíno pago ao produtor aumentou de R$ 3,61 para R$ 6,72 (86,14%), a arroba da vaca passou de R$ 170 para R$ 285 (67,64%) e a arroba do boi gordo aumentou de R$ 180 para R$ 300 (66,66%). Já o litro do leite pago ao produtor avançou de R$ 1,33 para R$ 1,60, o que significa 20,30% de expansão.

Descompasso

Para o presidente do Sindicato Rural de Marechal Cândido Rondon, também no Oeste do Estado, Edio Chapla, o aumento das commodities ao longo dos últimos meses gerou discrepância em relação aos outros ramos da agricultura. “Desde o início de 2020 acompanhamos uma grande alta principalmente nas sacas do milho e da soja, o que motivou descompasso considerável nas outras atividades que dependem desses itens que fazem parte da ração para alimentar os animais”, expõe.

O que vem acontecendo desde o ano passado, pontua Chapla, é um aumento de custos ao agricultor em termos de aquisição de produtos e insumos diversos seja na parte agrícola, como adubos, nitrogenados, pois praticamente todos são importados e por isso cotados em dólar. “O alto valor dessa moeda também contribuiu à elevação de custos na aquisição desses produtos, assim como ao que diz respeito aos produtos veterinários utilizados nas atividades pecuárias”, observa.

Segundo ele, isso tudo gera maior desgaste ao produtor de leite, especialmente, porque a venda do leite do início do ano passado para este não teve aumento na mesma proporção do que os custos de produção da soja e do milho, incluindo o quesito forragem. “O produtor é quem mais sofre com essa questão da alta de preços, não tendo seu produto elevado a níveis que garantam receita e um bom resultado. Claro que nos suínos e nas aves também impacta, porque milho e soja representam em torno de 60% a 70% do custo total dos insumos de alimentação para esses animais”, pontua.

Chapla comenta que a indústria não tem como repassar este custo por não conseguir comprar com valor mais elevado, então não tem como fornecer aos produtos custos menores. “Além disso, a região tem parcerias com integradoras, que também têm custo elevado”, destaca.

Reajuste 

O presidente do Sindicato Rural lamenta o cenário atual para a bovinocultura. “A gente vê no mercado o leite praticado muitos anos a esse preço, a exemplo de derivados como o queijo. Muito queijo consta com valor agregado, talvez o consumidor vê como se o produtor ganhasse muito dinheiro. Acreditamos que o atacado esteja ficando com a fatia maior de resultado, portanto há desproporção de preços, mas não é o que a indústria e o produtor estão ganhando. Vamos ter de sentar com o varejo, com os supermercados, para alinhar esta questão e ver quais os custos para equilibrar esta cadeia para todo mundo ter resultado na atividade”, expõe.

Liquidez de mercado

Especialista em agronegócio, João Luiz Raimundo Nogueira afirma que os preços das commodities dos grãos estão nos níveis mais altos da história. “O milho a R$ 98 é algo que não poderíamos imaginar um ano e meio atrás, bem como a soja a R$ 162 a saca. Isso é devido à altíssima liquidez nos mercados interno e externo. Exportou-se muito no ano passado e neste ano o ritmo segue. O consumo interno aumenta, mesmo que a exportação tenha subido, pois tais insumos são usados na produção de carnes, lácteos e outros. Além do mais, países como a China não são autossuficientes na produção de insumos como milho e soja para atender a própria demanda na produção de carnes”, explica.

Nogueira destaca que Brasil e Estados Unidos se tornaram referências de produção para a China, assim como o Norte da África, para quem o Brasil exporta. “Temos no mercado uma liquidez sem precedentes, então não sabemos onde vai parar. O custo para quem produz carne e leite está muito elevado. Nós temos de levar em consideração na cadeia alimentar a produção, transformação e o consumidor que está dentro dessa cadeia alimentar, seja o externo, mas sobretudo o consumidor interno. Temos dificuldades em relação aos insumos básicos para produtos com maior valor agregado, o que gera mais empregos e renda, algo que precisamos muito no Brasil”, evidencia.

O complexo de produção nacional tem muita qualidade, avalia o especialista. Prova disso, aponta ele, é que o frango brasileiro é exportado para mais de 150 países. “Mas estamos com problema no abastecimento interno, que está chegando até o bolso do consumidor, que também faz parte dessa cadeia. Se torna sério porque a renda está baixa devido à pandemia do coronavírus e ao desemprego. Há um mês a Confederação Nacional do Comércio divulgou pesquisa na qual 63,3% das famílias brasileiras estão endividadas, e com dívida o consumo cai. No setor leiteiro, por exemplo, em que não existe exportação, há uma barreira na hora que chega ao consumo. O produtor é pressionado por baixo com consumo elevado e você tem uma demanda restrita pela baixa renda no mercado interno”, analisa.

Disparidade

Ele comenta que os preços pagos pelo suíno e frango aos produtores não acompanham o aumento de valores dos insumos. “Isso mostra que devemos cuidar um pouco mais dos nossos insumos. É preciso haver mecanismos para segurar parte dos insumos para o nosso abastecimento sem custo tão elevado na produção de carnes. Esse peso fica para os produtores de carnes. Os frigoríficos devem melhorar essa questão e o governo federal deve trabalhar melhor os estoques reguladores, assunto no qual historicamente há desempenho muito bom. Porém, de alguns anos para cá foi abandonada essa política de estoque regulador, que em momentos difíceis com escassez o governo abre mão dos estoques através de leilões, e com preço mais acessível ao pequeno produtor é possível reduzir um pouco as dificuldades que o produtor passa em momentos como este”, salienta.

De acordo com o especialista, não há como mensurar quanto tempo vai durar esse cenário, no entanto, tudo sinaliza que 2021 terá alta liquidez desses produtos nos mercados nacional e internacional em virtude da demanda. “Portanto, vamos passar por um ano muito difícil. Dependemos e muito dessa safra de milho que está em curso, todavia o clima seco é um problema e isso vai influenciar muito os preços. A safra de milho é importantíssima para o abastecimento interno. Além da safra norte-americana, que deve ser semeada entre o final de abril e o início de maio”, menciona.

Até a semana passada, informa Nogueira, regiões nos Estados Unidos apresentavam dificuldades de semeadura em virtude do clima muito gelado. “Precisamos acompanhar a nossa safra de milho que ainda tem caminho longo a ser percorrido, e com clima seco que preocupa, além da safra americana”, enaltece.

Essas variáveis que chegam aos agentes de mercado dão suporte aos preços. “Os três fatores são demanda aquecida, estoques baixos e clima que afeta a nossa safra de milho. Falta chuva e o mercado trabalha com essas informações, deixando o preço sustentado. Em função disso também há a expectativa da safra americana. A Argentina também está no radar dos grandes consumidores de milho, soja e trigo. E hoje os produtores de carne estão de olho no trigo para substituir o milho na formulação de rações”, comenta o especialista.

Ele espera, assim como todos os produtores da região, que o clima colabore daqui para frente. “É urgente que nos próximos dez dias ocorram chuvas de forma mais abrangente no Oeste”, frisa.

Fonte: O Presente
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Mercado Interno

Com oferta limitada, preço do leite reage e sobe 2,3% em abril

Esse valor é recorde para um mês de abril e supera em 28,4% o registrado no mesmo período de 2020

Publicado em

em

Divulgação

Depois de acumular queda de 10,7% no primeiro trimestre do ano em termos reais (dados deflacionados pelo IPCA de março/21), o preço do leite captado em março e pago aos produtores em abril subiu 2,3% na “Média Brasil” líquida, chegando a R$ 1,9837/litro. Esse valor é recorde para um mês de abril e supera em 28,4% o registrado no mesmo período de 2020.

Segundo pesquisa do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, a inversão na tendência do preço se deve a um cenário de oferta limitada de leite no campo. O Índice de Captação Leiteira (ICAP-L) caiu 3,7% de fevereiro para março e já acumula queda de 8,8% desde o início deste ano.

Tipicamente, a partir de março, verifica-se redução no volume de chuvas e, consequentemente, menor disponibilidade de pastagens – cenário que prejudica a alimentação do rebanho e a produção de leite no Sudeste e Centro-Oeste. Assim, o avanço da entressafra da produção leiteira é, sazonalmente, um fator de desequilíbrio entre oferta e demanda e, portanto, de elevação de preços entre março e agosto. Contudo, neste ano, essa situação tem sido agravada por conta da valorização considerável e contínua dos grãos, principais componentes dos custos de produção da pecuária leiteira. Pesquisas do Cepea mostram perda substancial na margem do produtor nos últimos meses, o que tem freado investimentos na atividade, prejudicado o manejo alimentar dos animais e estimulado o abate de vacas.

Com a oferta de leite limitada, a competição das indústrias pela compra de matéria-prima se acirrou em março, levando, por conseguinte, à retomada dos preços pagos ao produtor em abril. As negociações do leite spot se elevaram nas duas quinzenas de março, e a média mensal superou em 10,4% a de fevereiro/21.

Nesse contexto, as indústrias tentaram repassar as altas nos preços dos lácteos negociados. A pesquisa do Cepea realizada com apoio financeiro da OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras) mostrou que os preços médios mensais do leite UHT e do leite em pó negociados junto ao atacado de São Paulo subiram 7,5% e 7,6%, respectivamente, de fevereiro para março. No caso do queijo muçarela, o movimento de valorização se intensificou a partir da segunda quinzena de março, de modo que, na média mensal, a tendência de alta não foi observada, e o preço do lácteo caiu 5% na mesma comparação (dados deflacionados pelo IPCA de março/21).

O setor lácteo atravessa um momento delicado: de um lado, os custos de produção elevam o preço do leite no campo e as indústrias precisam manter preços atrativos aos seus fornecedores; de outro, a grande pressão dos canais de distribuição dificulta o repasse da valorização da matéria-prima ao consumidor, que, por sua vez, está com menor poder de compra, diante do atual contexto econômico.

Apesar de haver, portanto, uma tendência de retomada dos preços do leite no campo, esse movimento de valorização deverá acontecer de forma comedida, sendo possivelmente freado pela demanda fragilizada.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Sanidade Vegetal

Brasil desenvolve primeira soja com tecnologias para manejo de percevejo e ferrugem

Cultivar reduz o uso de químicos, diminuindo custos e impactos ambientais, além de despertar interesse do mercado orgânico

Publicado em

em

Divulgação/Embrapa

Pesquisadores brasileiros desenvolveram a primeira cultivar de soja do País com as tecnologias Block e Shield embarcadas, ou seja, possui resistência à ferrugem asiática da leguminosa – a mais severa doença dessa cultura – e tolerância ao percevejo, considerado uma das principais pragas do setor. A nova soja BRS 539 já está disponível para a safra 2020/2021.

Desenvolvida em parceria entre a Embrapa e a Fundação Meridional, a BRS 539 é uma soja convencional que agrega a tecnologia Shield, linha de cultivares de soja que apresentam genes de resistência à ferrugem-asiática, oferecendo uma proteção extra para o produtor. A tecnologia não dispensa o uso de fungicidas, mas proporciona maior segurança no manejo da ferrugem da soja. “A cultivar Shield é uma ferramenta genética importante no contexto do manejo integrado. Essa tecnologia proporciona maior eficiência e segurança ao manejo químico da doença”, explica o pesquisador da Embrapa Soja Carlos Lásaro Pereira de Melo.

Outro diferencial é que a BRS 539 é do portfólio da tecnologia Block, presente apenas nas cultivares Embrapa. “As cultivares BRS com essa genética ampliam a proteção da lavoura ao ataque dos percevejos que sugam as vagens e os grãos de soja, provocando perdas de qualidade e produtividade. Apesar de não dispensarem o uso de inseticidas, as cultivares Block permitem melhor convivência com os insetos no campo”, explica Melo.

Características

Além de aliar as tecnologias Shield e Block, a cultivar apresenta alto potencial produtivo e manutenção de estabilidade de produção. Em testes experimentais realizados por três safras, em diferentes ambientes de produção das macrorregiões sojícolas (1 e 2), a BRS 539 mostrou altas produtividades. “Inclusive apresentou, em alguns desses ambientes, potencial produtivo acima de 90 sacas/ha (ou 5.400 kg/ha), superando as cultivares mais produtivas do mercado com as quais foi comparada”, relata Melo. Na safra 2019/2020, de acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a média de produtividade da soja brasileira foi de 3.379 kg/ha.

O pesquisador Rafael Petek reforça ainda que essa cultivar é convencional (não transgênica) e pertence ao grupo de maturidade 6.1. “É uma cultivar precoce, que permite semeadura antecipada, viabilizando plantio do milho safrinha na melhor época, nas regiões de indicação da cultivar na macrorregião sojícola 2 (Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul) e viabiliza a sucessão/rotação com culturas de inverno na macrorregião 1 (Paraná, Santa Catarina e São Paulo)”, detalha Petek ressaltando que a cultivar, além da ferrugem, também é resistente a outras doenças da soja como: cancro da haste, mancha “olho-de-rã”, podridão parda da haste, podridão radicular de Phytophthora e moderadamente resistente ao oídio e ao nematoide-das-galhas (Meloidogyne javanica).

Interessante à produção orgânica

A BRS 539 pode atrair o interesse dos produtores de soja em sistema orgânico, porque além de ser não transgênica, as características desse lançamento facilitam o manejo fitossanitário de pragas e doenças, portanto, podem reduzir o uso de químicos. “Dessa forma, entendemos que a BRS 539 pode viabilizar o cultivo do grão orgânico e ainda agregar mais rentabilidade ao produtor de soja orgânica”, destaca Melo.

Por ser uma cultivar convencional, a BRS 539 pode ser comercializada por trades brasileiras e internacionais para diferentes nichos de mercado que demandam soja não transgênica. A Integrada Cooperativa Agroindustrial, presente há 25 anos em 50 municípios do Paraná e de São Paulo, conta com cerca de 11 mil cooperados e é um dos exemplos que mantém um programa de bonificação para a soja convencional. Em 2020, a Cooperativa gerou 1,3 milhão de sacas de soja convencional, o que representa entre 5% e 6% do total de recebimento e pagou R$ 6,00 a mais por saca recebida. “Esse é um programa que existe há mais de 20 anos na cooperativa, de extrema importância para a Integrada porque cria fidelização e gera valor ao cooperado”, explica o gerente comercial da Integrada, Alcir Antônio Chiari.

Parceria

De acordo com Ralf Udo Dengler, gerente-executivo da Fundação Meridional, esse é um dos lançamentos que traz inovações tecnológicas. “Tanta inovação só é possível devido à expertise da equipe técnica e à variabilidade genética do Banco Ativo de Germoplasma, localizado na sede da Embrapa Soja, em Londrina”, ressalta Dengler. “Há 21 anos, temos muito orgulho de sermos parceiros fortes e atuantes nesse trabalho, que oferece aos produtores um portfólio completo de cultivares em todas as plataformas (convencional, RR e Intacta), com elevado rendimento (conceito TOP 5000), sanidade, estabilidade e adaptação às mais diferentes condições de solo e clima”, declara o executivo.  A Fundação Meridional atua em sete estados brasileiros (SC, PR, SP, MS, MG, GO e MT), por intermédio de 38 produtores de sementes.

Desempenho a campo

Produtores que usaram as sementes da BRS 539 em testes de avaliação comprovaram a alta performance dessa cultivar. A Sinovatec Produtos Agrícolas, de Medianeira (PR), por exemplo, avaliou 11 cultivares e a BRS 539 foi a campeã desse ensaio, indicando a relevância das tecnologias Shield e Block presentes na cultivar. Além de apresentar o rendimento mais elevado, de 78 sacas/ha, não houve necessidade de aplicação de fungicida e nem de inseticida, o que mostra o elevado potencial de sanidade da nova cultivar. Além de produzir mais, também impacta no custo de produção, porque reduz os gastos com produtos químicos.

A nova cultivar também apresentou seu excelente desempenho na propriedade do produtor Fabio Von Gaevernitz Tanja, de Cambira (PR), nesta safra 2020/21. Tanja semeou a BRS 539 em um hectare da propriedade para avaliar seu desempenho e o resultado foi surpreendente, com rendimento de 85 sacas/ha.

Fonte: Embrapa Soja
Continue Lendo
CBNA 1

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.