Conectado com

Notícias

Anec vê exportação de milho do Brasil abaixo de 30 mi t por fretes; soja sofre menos

Impacto sobre os embarques de milho do Brasil em 2018 já é um fato, e a Anec está revisando suas projeções, de 30 milhões de toneladas, para algo em torno de 28 milhões

Publicado em

em

As exportações de milho do Brasil devem fechar 2018 abaixo dos 30 milhões de toneladas anteriormente previstos, já que as incertezas quanto aos fretes limitam os negócios de uma safra que ainda está em fase de colheita, disse à Reuters a Anec, sugerindo uma iminente revisão das previsões feitas pelo setor.

“Há 40 dias que não se precifica nada de milho no mercado interno. Ou seja, não há aquisições junto aos produtores em função das incertezas com os fretes. Se isso demorar a ser resolvido, ficaremos com uma janela muito curta para exportar, e as vendas ficarão para o ano que vem”, disse o assistente executivo da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais, Lucas Trindade.

Para ele, o impacto sobre os embarques de milho do Brasil em 2018 já é um fato, e a Anec está revisando suas projeções, de 30 milhões de toneladas, para algo em torno de 28 milhões. Em junho, por exemplo, as exportações brasileiras de milho totalizaram 140 mil toneladas, apenas um quarto do observado um ano atrás, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex). O Brasil, segundo maior exportador de milho depois dos Estados Unidos, deve colher 58,2 milhões de toneladas de milho na “safrinha” deste ano, de acordo com o governo.

Soja escapa

A questão dos fretes afetou menos o segmento de soja, que em junho registrou embarques expressivos, a despeito das indefinições em torno dos custos com transporte, disse Trindade, da Anec. O Brasil é o maior exportador global da oleaginosa. Em junho, as vendas ao exterior cresceram 13,3% na comparação anual, segundo a Secex, contrariando previsões que apontavam para uma queda diante dos fretes mais caros.

Trindade explicou que boa parte da oleaginosa colhida neste ano já estava negociada e armazenada em pontos logísticos “estratégicos” quando começaram a ocorrer aumentos no preço de frete, o que permitiu aos compradores escoar a produção. “Foi um prejuízo absorvível”, disse ele, referindo-se ao custo do frete, acrescentando que o desempenho no mês passado foi também em parte impulsionado por cerca de 1 milhão a 1,5 milhão de toneladas que deixaram de ser exportadas em maio por causa dos protestos de caminheiros, e acabaram adiadas para junho.

O gerente de economia da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), Daniel Amaral, comentou que algumas rotas de transporte estão com fretes acima daqueles estipulados em tabela da ANTT, “viabilizando pontualmente” o escoamento. “Em algumas rotas, basicamente em Mato Grosso, o frete já estava acima da tabela, então nessas rotas ocorreu (escoamento). Nas rotas onde o mercado está abaixo, não houve transporte”, comentou.

Segundo o pesquisador Samuel da Silva Neto, da Esalq-Log, da Universidade de São Paulo (USP), a rota entre Lucas do Rio Verde (MT) e o Porto de Santos (SP) viu o frete aumentar para R$ 310 por tonelada em junho, de R$ 290 reais em maio. Entre Rio Verde (GO) e Paranaguá (PR), o valor passou de R$ 198 para R$ 210. “O mercado de fretes de grãos, antes mesmo da paralisação (dos caminhoneiros), já estava em patamares altos. Isso porque vínhamos de safras volumosas de soja e milho, no ano passado e neste também”, afirmou o pesquisador. “O que vimos em junho foi uma retomada dos embarques, com os embarcadores, tradings e produtores tirando o atraso nas entregas (de soja)”.

Para Amaral, da Abiove, o momento segue incerto para o setor, mesmo com as exportações tendo se mantido firmes em junho. “A metodologia (da ANTT) não está clara, foi uma mudança de regras no meio de uma safra já contratada, as empresas não sabem como trabalhar”, comenta. A tabela de fretes foi elaborada pelo governo como uma das medidas para encerrar os protestos de caminhoneiros.

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse na quarta-feira (04) que é importante um “entendimento” sobre o assunto para não “aumentar os problemas” da agropecuária.

Fonte: Reuters

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + três =

Notícias Mercado

Poder de compra do suinocultor frente a insumos de alimentação sobe pelo 5º mês

Preços do milho e do farelo de soja, importantes insumos de alimentação da suinocultura, seguem em alta

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Os preços do milho e do farelo de soja, importantes insumos de alimentação da suinocultura, seguem em alta. Apesar disso, cálculos do Cepea mostram que o poder de compra do produtor do estado de São Paulo se mantém em elevação.

Segundo pesquisadores, esse movimento de avanço no poder de compra, inclusive, vem sendo observado há cinco meses e está atrelado à escalada de preços do suíno. A forte valorização do animal vivo no mercado independente, por sua vez, se deve à oferta reduzida de animais para abate e às aquecidas exportações da proteína nos últimos meses.

Na parcial de setembro, o preço médio do suíno negociado na região SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba) já subiu quase 10%.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Preços da arroba de boi e de carne se aproximam em setembro

Valores da arroba do boi gordo no mercado paulista têm subido de forma um pouco mais intensa que os da carne

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

Os valores da arroba do boi gordo no mercado paulista têm subido de forma um pouco mais intensa que os da carne (carcaça casada, no atacado da Grande São Paulo). Diante disso, dados do Cepea mostram que, depois de a carcaça casada de boi registrar vantagem de 3,6 Reais/arroba sobre o boi gordo em agosto, essa diferença diminuiu para apenas 54 centavos de Real/arroba em setembro.

Ao longo deste ano, a maior vantagem da carne sobre o boi, de 12 Reais/arroba, foi observada em abril. Já em julho, a arroba do boi gordo foi negociada acima da carcaça casada, em 4,17 Reais – esse, ressalta-se, foi o único momento em 2020 em que o boi mostrou vantagem sobre a carne.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Segundo Cepea

Competitividade da carne de frango cresce pelo 4º mês seguido

Diferença entre os preços do frango inteiro e os das carcaças bovina e suína vem se ampliando de forma consecutiva há quatro meses

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A diferença entre os preços do frango inteiro e os das carcaças bovina e suína vem se ampliando de forma consecutiva há quatro meses. Em setembro, dados do Cepea mostram que a diferença observada foi recorde, quando consideradas as séries mensais.

Esse contexto garante elevada competitividade à carne de frango frente às substitutas e, consequentemente, maior liquidez no mercado doméstico.

A demanda internacional também está aquecida, o que vem resultando em altas generalizadas nos preços dos produtos avícolas.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.