Conectado com

Notícias Opinião

Alimentos para o mundo

Em pouco menos de cinco décadas, o país deixou de ser um importador líquido para se tornar um dos maiores produtores de alimentos, fibras e bioenergia do mundo

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Celso L. Moretti, presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa)

Com tecnologia moderna, a agropecuária brasileira alimenta hoje mais de 1,5 bilhão de pessoas em todo o mundo, o que equivale a um Brasil e uma China juntos. Em pouco mais de 10 anos, a população mundial chegará a 8,5 bilhões de pessoas. O processo de urbanização se acelerará. A melhoria de renda, associada ao aumento da longevidade e mudanças nos padrões de consumo, produzirá crescimento na demanda por alimentos (35%), energia (40%) e água (50%).

Nem todos os países conseguirão enfrentar os desafios sociais, ambientais e geopolíticos impostos por essas mudanças. Disputas localizadas e migrações crônicas e em massa ocorrerão em busca de segurança alimentar. Ainda hoje, o flagelo da fome atinge mais de 1 bilhão de pessoas em todo o mundo. Mais do que produzir em quantidade e com qualidade, o grande desafio está na distribuição e na redução do desperdício, que pode chegar a 20% na produção de grãos e a estratosféricos 50% na produção de frutas e hortaliças.

Apenas alguns países, nas últimas décadas, desenvolveram tecnologia de produção agropecuária e estão preparados para enfrentar tais desafios. Eles podem alimentar sua população e a de outros países. É o caso do Brasil, exemplo único no cinturão tropical do globo.

Em pouco menos de cinco décadas, o país deixou de ser um importador líquido para se tornar um dos maiores produtores de alimentos, fibras e bioenergia do mundo. A agropecuária brasileira produz excedentes e exporta para mais de 180 países. O agronegócio responde por quase 25% do PIB nacional, emprega um terço da população ativa e é responsável por quase metade de tudo que é exportado. E faz isso de forma sustentável. O Brasil protege, preserva e conserva 66,3% de sua vegetação e florestas nativas. Mais de um quarto do território brasileiro está dedicado à preservação da vegetação nativa dentro das propriedades rurais. Na semana em que celebramos o Dia Mundial da Alimentação é importante reafirmar, com base em dados robustos, que o Brasil produz alimentos e preserva o meio ambiente como poucos países ao redor do globo.

O país só chegou a esta situação porque investiu de forma consistente e contínua em ciência, tecnologia e inovação agropecuária nas últimas décadas. Graças à tecnologia, incorporou à matriz produtiva brasileira 45% dos 200 milhões de hectares de cerrados, área inóspita e desacreditada até a década de 70. Em 2019, os cerrados produziram mais de 50% dos grãos e da cana-de-açúcar do Brasil.

Com tecnologia, a tropicalização do gado europeu e indiano tornou o país um grande produtor de leite e o maior exportador de carne bovina. Com tecnologia, soja, pastagens e, mais recentemente, o trigo foram tropicalizados e colocaram o país na posição de  um dos maiores produtores de commodities do mundo.

A Embrapa e seus parceiros do setor público e privado tiveram responsabilidade decisiva nesse processo. Tecnologias foram e são geradas, transferidas e adotadas pelo setor produtivo. Em 2018, quase 50% da área agrícola e pecuária do país adotava pelo menos uma tecnologia da Embrapa e seus parceiros. Não é pouco. Esses números demonstram, de forma inequívoca, a conexão da pesquisa com o mundo rural.

A pesquisa pública contribui para que o agro seja uma potência, um dos setores mais competitivos da economia, colocando alimentos baratos na mesa do brasileiro. É estratégica para o desenvolvimento sustentável do Brasil. Nos bancos genéticos da Embrapa, por exemplo, estão armazenados o futuro da segurança alimentar das novas gerações de brasileiros. É lá que estão conservados genes ou microrganismos para enfrentar as mais de 400 pragas e doenças que batem à porta do país, querendo entrar pelos portos, aeroportos e fronteira seca. Manter esse banco genético e a expertise em utilizá-lo sob controle do Estado brasileiro é questão de Segurança Nacional.

A demanda por alimentos crescerá nas próximas décadas. Acordos comerciais, como o que está em negociação entre o Mercosul e a União Europeia, e que contou com grande protagonismo da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, possibilitarão que os alimentos produzidos no Brasil contribuam para a segurança alimentar de um número crescente de pessoas em todo o mundo.

A pesquisa agropecuária continuará a ter um papel central para liderança e competividade do país na produção de alimentos. Seguir investindo em pesquisa e desenvolvimento agropecuário garantirá, não somente ao Brasil, mas também a vários outros povos ao redor do globo, a manutenção da segurança alimentar e da paz.

Fonte: Embrapa
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 2 =

Notícias Cooperativismo

AGO confirma 2019 como um dos melhores anos à Coopavel

Faturamento da Coopavel em 2019 foi de R$ 2,67 bilhões

Publicado em

em

Divulgação

Se o ano de 2019 marcou o início de um aguardado e bem-vindo processo de recuperação da economia brasileira, para a Coopavel ele consolidou a força, o trabalho e a determinação de uma das maiores cooperativas do Paraná. O desempenho da Coopavel em 2019 foi apresentado na manhã de quarta-feira (22), durante Assembleia Geral Ordinária, no prédio Paraná Cooperativo, estrutura construída na área que de 3 a 7 de fevereiro abrigará a 32º edição do Show Rural. E os resultados do ano foram excepcionais, afirmou o presidente Dilvo Grolli.

A AGO contou com a participação de cerca de 500 cooperados e de líderes dos mais diversos setores, entre eles o prefeito Leonaldo Paranhos, o deputado estadual Coronel Lee e o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken. “Os números são excelentes e fazem de 2019 um dos melhores anos da história da cooperativa, que em 15 de dezembro vai comemorar os seus 50 anos de fundação”, disse Dilvo. Alguns dados apresentados na Assembleia chamaram atenção, entre eles o que aponta para crescimento de 280% nos resultados financeiros no comparativo de 2018 a 2019.

O faturamento da Coopavel em 2019 foi de R$ 2,67 bilhões. Em 2018 foi de R$ 2,52 bilhões. Os investimentos cresceram significativamente, chegando a R$ 113,3 milhões enquanto que em 2018 somaram R$ 44,5 milhões. O lucro da cooperativa no exercício de 2019 foi de R$ 85,2 milhões. E em 2018 atingiu a cifra de R$ 22,4 milhões. “Esses números demonstram a força de uma cooperativa 100% paranaense”, ressaltou o presidente Dilvo Grolli.

“Temos quase cinco décadas de história, e sempre estivemos alinhados com os princípios do cooperativismo. Com coragem, determinação e trabalho, vencemos crises e hoje estamos entre as 12 maiores cooperativas brasileiras”, destacou o presidente. As sobras de 2019 repassadas aos cooperados chegam a R$ 30 milhões. Com isso, a saca da soja foi agregada em R$ 2, a do milho e trigo em R$ 1,50, o suíno terminado em R$ 7, o leitão entregue na cooperativa em R$ 1,50 e o frango em R$ 0,10 por ave.

Conselho e investimentos

A Assembleia aprovou por unanimidade a formação do novo Conselho Fiscal, que ficou assim constituído: Gustavo Riepenhoff, Ademir Sebold, Ênio Pereira da Silva, Francisco Leonel Ferreira, Luis Felipe Orsatto e Leonir Antônio Felini.

Os cooperados também aprovaram novos investimentos da Coopavel que incluem a aquisição de unidades da Sementes Guerra no Sudoeste. Com essa expansão, a cooperativa agrega capacidade de um milhão de toneladas na recepção de grãos. A AGO também apresentou estimativa de receitas e custos para 2020. O total das receitas deverá ficar em R$ 3 bilhões.

Os objetivos e metas para esse exercício são os seguintes: ampliação e melhorias de filiais do Oeste e Sudoeste, de agroindústrias de soja, trigo e rações, dos frigoríficos de aves e suínos, de matrizeiros e unidades de produção de leitões e ovos férteis e de unidades de produção de sementes.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Preços do boi gordo seguem pressionados por menor demanda no Brasil

Pecuária de corte ainda se depara com intenso movimento de correção nos preços

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A pecuária de corte ainda se depara com intenso movimento de correção nos preços. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, esta é uma situação natural, levando em conta a mudança do perfil de consumo no decorrer do primeiro bimestre.

“No geral, o consumidor médio está descapitalizado nesse período do ano estrangulando a demanda. É um perfil muito mais comedido se comparado ao período de festividades”, disse.

O analista destaca, ainda, a notícia de que a China pretende renegociar os contratos de importação de carne bovina brasileira. Para ele, isso justificaria o ritmo mais lento de compra no decorrer de janeiro, com exportações abaixo do esperado.

“Com o arrefecimento do consumo, tanto interno quanto externo, o escoamento da carne torna-se mais lento, levando os frigoríficos a testar o mercado de maneira mais enfática”, finalizou o analista.

Exportações

As exportações de carne bovina “in natura” do Brasil renderam US$ 369,9 milhões em janeiro (14 dias úteis), com média diária de US$ 30,8 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 73 mil toneladas, com média diária de 6,1 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 5.068,80.

Na comparação com dezembro, houve baixa de 13,8% no valor médio diário da exportação, perda de 14,2% na quantidade média diária exportada e alta de 0,4% no preço. Na comparação com janeiro de 2019, houve ganho de 76,6% no valor médio diário, alta de 30,6% na quantidade média diária e ganho de 35,2% no preço médio.

Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Trigo tem negócios limitados por spread entre pedidas e oferta

Mercado brasileiro de trigo segue com firmeza nos referenciais de preços

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de trigo segue com firmeza nos referenciais de preços. No interior do Rio Grande do Sul os negócios reportados saem por volta de R$ 850 por tonelada (t) no FOB. No Paraná negociado a R$ 980/t no CIF de Ponta Grossa.

Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Élcio Bento, o ritmo dos negócios segue limitado devido ao spread largo entre as pedidas e as ofertas. Além disso, no Paraná os produtores começam a focar nos trabalhos de colheita e comercialização da safra de verão.

Ele destaca o anúncio da venda de estoques públicos no próximo dia 28. Serão ofertadas 1,2 mil t de trigo em grão melhorador (PH 82) da safra 2017 de Ponta Grossa/PR. O preço de abertura será definido pela Conab, em R$/kg sem ICMS, e divulgado na próxima sexta-feira (31).

“A depender desse preço estipulado como mínimo para a venda, a tendência é que o leilão seja bastante disputado. A venda de estoque por parte do governo ocorre em momentos de altas significativas do produto. No caso do trigo, os estoques em mãos do Governo neste momento são de apenas 2,849 mil t, volume que, mantidas as outras variáveis, não terá força para mudar o comportamento dos preços. A realização do leilão, no entanto, pode ser uma sinalização de que o governo está atento à escalada de alta das cotações”, explicou o analista.

Argentina

O Ministério da Agroindústria da Argentina estimou, em seu relatório de janeiro, que a área de trigo na safra 2019/20 do país deve ocupar 6,75 milhões de hectares, alta de 7,3% em relação aos 6,29 milhões de hectares plantados na temporada anterior. O Ministério informou ainda que a produção na temporada 2019/20 deve ficar em 19,5 milhões de toneladas, com avanço de 0,2% sobre o ano anterior, de 19,46 milhões de toneladas.

Levantamento semanal divulgado pelo Ministério indicou que a colheita de trigo da safra 2019/20 do país somava 99% até o dia 23 de janeiro, da área total prevista de 6,759 milhões de hectares. Na semana anterior, a colheita estava em 98%. No mesmo período do ano passado, atingia 100% dos 6,287 milhões de hectares projetados para a temporada 2018/19.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Mais carne
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.