Conectado com

Notícias Segundo Embrapa

Alimentar o planeta com sustentabilidade dependerá de inovação

Soluções devem envolver todos os atores do processo: produtores, indústrias, trabalhadores, investidores, governos e consumidores

Publicado em

em

Divulgação

Alimentar a população do planeta sem exaurir seus recursos é um desafio bem mais complexo do que simplesmente oferecer soluções inovadoras ao mercado. Essa é uma das conclusões de estudo realizado por um grupo de 48 cientistas de 13 países publicado na revista Nature Food. Eles demonstraram que a adoção de tecnologias não depende somente dos trabalhos nos laboratórios, mas necessita de uma relação de múltiplos atores envolvidos. Os sistemas produtivos devem ser olhados em sua totalidade da produção no campo até a gestão de desperdício nas casas, passando pela indústria, trabalhadores, investidores, governos e consumidores.

“A simples melhoria incremental contínua – como pequenos aumentos nas produções de lavouras, criações e indústrias – não será suficiente para tornar os sistemas alimentares globais capazes de alimentar a crescente população mundial de maneira sustentável”, relata o pesquisador da Embrapa Maurício Antônio Lopes, único brasileiro a participar do estudo. “Em vez disso, será necessária uma transformação radical do sistema alimentar”, alerta Lopes que foi presidente da Empresa (2012 a 2019) e atua hoje na Embrapa Agroenergia.

Para chegar às conclusões, os cientistas fizeram um detalhamento de tecnologias relacionadas ao setor desde o período Neolítico (entre 8 mil a 5 mil anos antes de Cristo) até o presente, avaliando seus impactos positivos e negativos. Eles também listaram 75 tecnologias em desenvolvimento antecipadas para as próximas décadas e as caracterizaram em detalhes. Fizeram parte temas como: impressão molecular, internet das coisas, nano-drones, sequenciamento genômico, nanofertilizantes, impressão 3D e outras. Elas foram catalogadas de acordo com a estala TRL, metodologia que avalia o grau de maturidade de cada tecnologia. A partir daí, os cientistas propuseram oito fatores capazes de acelerar a transição para um sistema alimentar mais sustentável. “O artigo faz uma abordagem equilibrada da dimensão tecnológica e das demais dimensões transformadoras ou aceleradoras das mudanças pretendidas com a tecnologia”, resume Lopes.

Muito além da tecnologia

Embora o estudo se concentre no potencial transformador das tecnologias, os autores reconhecem que a inovação, por si só, não é suficiente para transformar os sistemas alimentares. “A transformação do sistema de produção de alimentos não será puramente tecnológica. No centro desse processo está o formato de inovação que envolve mudanças profundas nos diversos componentes do sistema (tecnologias, infraestrutura, habilidades e capacitação) e uma ampla reforma de valores, regulações, políticas, mercado e governança envolvida”, declara o artigo.

Muitas tecnologias atuais apresentam forte potencial de promover mudanças importantes. Porém, isso não garante que sejam adotadas ou, se o forem, que surtam os efeitos esperados. Por isso, uma das conclusões do trabalho é que os esforços para acelerar as mudanças tecnológicas deve estar alinhados com os processos políticos e sociais. “Eles podem tanto impedir como catalisar os sistemas de inovação”, alertam os cientistas.

Esse amplo acordo, dizem os autores, será crucial para a evolução dos sistemas produtivos, uma vez que a produção de alimentos envolve preocupações éticas e ambientais de muitos grupos.

É um caminho complexo, mas que vale a pena empreender, de acordo com os autores. A adoção simultânea de várias tecnologias pode levar a avanços na sustentabilidade, redução de desperdício de alimentos, melhorias no bem-estar humano e ainda criação de novas oportunidades locais de negócios, muitos deles ligados à bioeconomia.

Os pesquisadores listaram oito fatores capazes de promover um fluxo virtuoso de inovações que acelere a transformação do sistema alimentar mundial aumentando sua produtividade e garantindo sua sustentabilidade. São elas: construção de confiança; transformação de mentalidades; adesão social e diálogo com os atores envolvidos; garantias de políticas e de regulamentações para as mudanças; criação de incentivos para o mercado; proteção contra efeitos indiretos indesejados; estabilidade no financiamento e desenvolvimento de vias de transformação.

Os fatores decisivos para transformar os sistemas alimentares

  • Construção de confiança 

Produzir alimentos envolve amplas e complexas cadeias de produção e atores com diferentes interesses. Empresas privadas procuram boas oportunidades de negócios, governos buscam bem-estar da população e desenvolvimento, cidadãos direcionam a produção por meio de mudanças de comportamento de consumo, além de muitos outros participantes que influenciam o sistema. Gerenciar expectativas de diferentes atores será essencial para que o processo inovativo ganhe legitimidade e confiança, acreditam os autores do artigo.

Os cientistas acreditam que a transformação no sistema requer busca por consenso e ampla colaboração de base. Para isso, eles recomendam diálogo e transparência entre os atores durante todo o processo. Governos, por exemplo, devem explicar aos seus cidadãos como e por que estão implantando as inovações.

  • Transformação de mentalidades

Pessoas possuem relações biológicas, psicológicas e culturais com os alimentos. Portanto, para se tornar efetiva, qualquer tecnologia tem que levar em conta esses aspectos, sob o risco de ser socialmente rejeitada. “São fatores que vão muito além das questões sobre sanidade e preço”, afirma o artigo.

As mudanças de mentalidade são necessárias, especialmente, em relação a tecnologias cujas características são desconhecidas da maioria da população, é o caso, por exemplo, da edição genética.

  • Adesão social e diálogo com os atores

O aumento da conscientização pública das questões alimentares é capaz de gerar pressão de consumidores, trabalhadores, investidores e dos próprios governos para orientar a inovação para diferentes direções. Sem o engajamento desses diferentes atores em prol de uma inovação responsável, tecnologias de grande potencial podem simplesmente não ser adotadas, alertam os autores do trabalho.

A adesão a uma tecnologia envolve saber como utilizá-la efetivamente. Com isso, soluções sofisticadas que exigem maior grau de domínio podem ser um desafio maior para trabalhadores com menor nível educacional, como aqueles de países mais pobres.

  • Garantias de políticas e de regulamentações para as mudanças

Investir em tecnologias de baixa emissão de carbono só será atraente se o setor privado perceber que emissões e preços atraentes estarão estáveis ao longo do tempo. Se as políticas para o setor não se mostrar estável e confiável, dificilmente as tecnologias envolvidas encontrarão investidores e usuários no mercado.

Com essa preocupação, os cientistas recomendam que as políticas ajudem a direcionar as expectativas incentivando o desenvolvimento, de maneira consistente, por meio de seus mecanismos como subsídios ou investimentos diretos.

  • Criação de incentivos de mercado

O artigo ressalta que em mercados competitivos como o de alimentos e energia, as empresas, com frequência, investem menos em pesquisa e desenvolvimento do que seria o nível ideal. Isso ocorre porque, de maneira geral, elas acabam não sendo as únicas beneficiárias das soluções desenvolvidas partilhando os benefícios com a concorrência.

De acordo com os cientistas, cabe ao governo corrigir essas distorções elaborando incentivos adequados para o mercado investir em inovações. Há diferentes meios para isso como incentivos fiscais, compras públicas direcionadas a inovações e compensação por efeitos negativos inesperados, as chamadas externalidades, entre muitas outras opções.

Para os autores, as incubadoras e as aceleradoras de empresas de inovação exercem um papel-chave na entrega de novas soluções para o mercado. Drones, algas alimentícias, alimentos vegetais que simulam o sabor da carne são alguns exemplos que se desenvolveram em empreendimentos nesses ambientes.

  • Proteção contra efeitos indiretos indesejados

As políticas setoriais e estruturas de investimento estão sujeitas a provocar consequências não intencionais que são difíceis de prever. Como solução, os cientistas recomendam o estabelecimento de um amplo diálogo público capaz de mostrar a complexidade envolvida e os efeitos prováveis na adoção e na não adoção de uma determinada solução tecnológica.

  • Estabilidade de financiamento

O mote “falhe rápido e recomece”, usado na administração inovativa, não se aplica ao agro, submetido a produções sazonais e regulações complexas. Testes a campo que demandam mais tempo são necessários e os ciclos de adoção da solução são mais demorados, tornando fundamental a oferta estável de financiamentos de longo prazo para esse tipo de inovação.

  • Desenvolvimento de vias de transformação

Muitas análises sobre o futuro dos alimentos antecipam impactos de cenários possíveis e os efeitos de diferentes estratégias de ação. Porém, esses trabalhos raramente mostram como implementar as mudanças desejadas. O modo de se fazer isso, chamado de transition pathway (caminho de transição), é crucial, segundo os pesquisadores, para a realização de transformações.

Esse caminho deve envolver o necessário entendimento das tecnologias e seus impactos, objetivos científicos, custos de transição, identificação de beneficiários e prejudicados, estratégias para mitigar efeitos adversos, diferentes passos de adoção pelos diferentes atores e a inovação sistêmica necessária para se alcançar a inovação esperada.

O sucesso de todas essas ações resultará em melhores resultados em saúde, geração de riqueza e proteção do meio ambiente; “o fracasso resultará em muito mais do que a falta de alimentos”, conclui o estudo.

Fonte: Embrapa
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 + 15 =

Notícias Rio Grande do Sul

Estado reestrutura serviço de defesa agropecuária

Nesta nova estruturação, os municípios gaúchos serão classificados de acordo com uma análise multicritério que atribuirá pontuação numa escala de um a dez.

Publicado em

em

Reestruturação deve ser concluída até final deste mês - Foto: Fernando Dias

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) está encaminhando todos os procedimentos necessários para concluir a reestruturação do serviço de defesa agropecuária do Rio Grande do Sul, feita a partir de estudo do departamento de defesa agropecuária da Seapdr que levou em consideração auditoria realizada pelo Ministério da Agricultura. A reestruturação foi estipulada pela Instrução Normativa 11/2020 e deve entrar em vigor no final deste mês.

“A reestruturação atende a uma recomendação do Ministério da Agricultura para a retirada da vacina da aftosa. Ela passa por uma mudança de nomenclatura de algumas inspetorias veterinárias, mas garante a continuidade de todos os serviços que hoje são oferecidos nos municípios, sem qualquer prejuízo ao produtor”, destaca o secretário Covatti Filho.

Nesta nova estruturação, os municípios gaúchos serão classificados de acordo com uma análise multicritério que atribuirá pontuação numa escala de um a dez. Os critérios técnicos para mensuração da pontuação são área territorial; distanciamento da linha de fronteira internacional; número de propriedades rurais; quantitativo de populacional de animais de interesse do Serviço Veterinário Oficial; movimentação animal; e análise de risco de ocorrência de doenças.

Cada inspetoria de defesa agropecuária será constituída pelos municípios cuja soma de pontuação atinja, no mínimo, dois e, no máximo, 20 pontos. A definição dos municípios abrangidos pela inspetoria e qual deles será sua sede se baseará em critérios estruturais, administrativos e de defesa sanitária animal. A inspetoria será classificada, pela soma da pontuação de seus municípios, em três classes: classe I, unidade com pontuação entre dois e três; classe II, unidade com pontuação entre quatro e nove; classe III, unidade com pontuação entre dez e 20.

Estas pontuações servirão de referência para definir quantidades mínimas e máximas de médicos veterinários, técnicos agropecuários e auxiliares administrativos que devem ser alocados nas inspetorias. O atendimento aos municípios continuará ocorrendo sem qualquer prejuízo logístico para o produtor.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Cooperativismo

A força da cooperação no combate a Covid-19 no Paraná

26º Dia Internacional das Cooperativas da ONU

Publicado em

em

Foto: Divulgação

José Roberto Ricken – Presidente do Sistema Ocepar

Todo primeiro sábado do mês de julho comemoramos o Dia Internacional do Cooperativismo, desta vez, neste sábado (04/07). Nosso movimento está presente em 150 países ao redor do mundo, com 3 milhões de cooperativas, 1,2 bilhão de cooperados e 280 milhões de colaboradores. No Brasil, os dados mais recentes do Sistema OCB revelam que o país soma 6.828 cooperativas, aproximadamente 15 milhões de cooperados e 425.318 colaboradores. E, no Paraná, temos atualmente 220 cooperativas registradas no Sistema Ocepar, 2,1 milhões de cooperados, empregando diretamente mais de 107 mil trabalhadores.

As cooperativas existem para viabilizar economicamente os negócios de um grupo de pessoas. Foi assim que esse modelo começou, em 1844, na Inglaterra, quando alguns tecelões se uniram e criaram a Sociedade dos Probos Pioneiros de Rochdale, com 28 associados, em Rochdale, que, em 1852, deu origem à Cooperativa de Rochdale, considerada historicamente a primeira cooperativa formal no mundo.

E, dessa forma, o cooperativismo vem evoluindo em sua trajetória, contribuindo para gerar riqueza, empregos e prosperidade nas regiões em que atua. Mas, além do aspecto econômico, as cooperativas pautam a sua atuação em princípios e valores que as distinguem de outros segmentos. E um deles, muito importante e que está cada vez mais em evidência, especialmente nesse momento difícil de pandemia que vivemos, é o nosso sétimo princípio: o interesse pela comunidade.

Para nós, as pessoas estão no centro de nossas preocupações. E cooperar é algo que já faz parte do nosso DNA, seja para impulsionar nossas atividades comerciais, seja para nos ajudar para que todos possamos crescer juntos, também como seres humanos.

Quem imaginaria, no início deste ano, que estaríamos vivenciando tempos tão adversos como os atuais? O novo coronavírus modificou completamente nossa rotina. Estamos tendo que nos reinventar a cada dia. E o que tem nos proporcionado um grande alento é justamente a cooperação, a empatia demonstrada por pessoas e empresas, que estão dispendendo suas energias para amenizar o impacto da pandemia.

Não poderíamos deixar de externar nosso mais profundo sentimento a todas as famílias que perderam seus entes queridos neste momento tão difícil. O país soma 1.502.424 diagnósticos confirmados e 62.045 mortes por Covid-19. Mas com fé, união, trabalho e muita cooperação vamos superar este difícil momento.

Nós acreditamos que, com atitudes simples, movemos e transformamos o mundo. Esse é o lema do Dia C – Dia de Cooperar, uma iniciativa do cooperativismo brasileiro de responsabilidade social e de estímulo ao voluntariado e ao bem comum. E neste sábado, no Dia do Cooperativismo, também estaremos celebrando o Dia C. Para nós, é um momento muito especial para dar visibilidade a todas as atividades que executamos em benefício da comunidade e que fazem parte da nossa rotina porque, para nós, todo dia é dia de cooperar. E, desta vez, o nosso Dia C também tem como foco o combate ao novo coronavírus e o isolamento social não nos impediu de continuar contribuindo com a sociedade naquilo que ela necessita.

Nossas cooperativas, que sempre praticaram a cooperação, também se uniram, por meio do movimento nacional do Dia de Cooperar, à mais esta causa e se mobilizaram para fabricar e distribuir máscaras e álcool em gel, repassar recursos para a aquisição de equipamentos hospitalares, arrecadar doações para entidades beneficentes e famílias mais carentes, entre tantas outras ações. Ao todo, o sistema cooperativista paranaense já disponibilizou no combate à Covid-19 cerca de R$ 7 milhões em doações, por intermédio de 174 cooperativas de sete ramos, com 511 inciativas, 768.442 beneficiados, reunindo 36.202 voluntários.

Esse aspecto social do cooperativismo tem sido relevante nesse momento e acreditamos que a força do movimento também será imprescindível na retomada da economia, seja em âmbito estadual e nacional.

Gostaria de lembrar também que a Aliança Cooperativa Internacional (ACI) e a Organização das Nações Unidas (ONU) definiram para este ano o tema “As cooperativas e a ação contra as mudanças climáticas” para marcar a passagem do 98º Dia Internacional do Cooperativismo da ACI e do 26º Dia Internacional das Cooperativas celebrado pela ONU. Desde 2016, os temas escolhidos fazem referência aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Este ano, o ODS selecionado foi o 13, Ação Contra a Mudança Global do Clima. Dessa forma, a ACI convida as cooperativas do mundo todo a continuar promovendo ações para combater as mudanças climáticas, para preservar os ecossistemas, tão vitais para os seres humanos e para o planeta.

O Dia C também é vinculado aos ODS. Isso demonstra, mais uma vez, a nossa conexão com a promoção do bem comum. Vamos sempre nos empenhar para tornar nosso mundo melhor e mais fraterno. Assim é o cooperativismo que, ao longo de sua história, vem se consolidando cada vez mais como uma opção equilibrada de progresso econômico, social e sustentável.

Aproveito para convidar todos para comemorar o Dia Internacional e o Dia de Cooperar. O Sistema Ocepar preparou uma programação especial, com eventos virtuais, que serão transmitidos neste sábado, das 13h às 15h, e a longo da semana que vem, a partir das 14h, por meio da TV Paraná Cooperativo. Vamos celebrar juntos essas importantes datas.

 

Fonte: Ocepar
Continue Lendo

Notícias Solidariedade

Coopavel e parceiros doam alimentos a quatro entidades

Publicado em

em

A entrega das 2,2 mil toneladas de macarrão ocorreu na manhã de sexta-feira, 3 de julho - Foto: Divulgação

Os momentos de adversidade são pródigos em gerar lições e ensinamentos. A dificuldade faz aflorar um dos sentimentos mais nobres ao homem, a solidariedade, que costuma aparecer seguida de outra manifestação igualmente nobre, a gratidão. Atenta ao atual cenário, a Coopavel, por meio do moinho de trigo e de dois de seus parceiros (Liane Alimentos e Pastifício Selmi – marcas Galo e Renata), decidiu contribuir com entidades assistenciais que há anos prestam um serviço de enorme valor e relevância à comunidade de Cascavel.

O Recanto da Criança, a Uopeccan, o Provopar e a Apae receberam nesta sexta-feira, 3 de julho, a doação de 2,2 mil quilos de macarrão. “Esse gesto tão generoso vai alimentar pessoas em tratamento de saúde, famílias de baixa renda e outras em situação de vulnerabilidade que precisam de ajuda para seguir com as suas vidas”, diz o presidente da União Oeste Paranaense de Estudos e Combate ao Câncer, Leopoldo Nestor Furlan. Todos da Uopeccan se sentem honrados com a lembrança e agradecem à Coopavel e aos seus parceiros, diz Leopoldo.

A responsável pelo Departamento Comercial do Moinho de Trigo da Coopavel, Mary Sheila, afirma que a solidariedade é uma característica presente no cotidiano da cooperativa. Ela se refere, entre outras ações, às mais recentes que fizeram com que doasse 15 mil litros de álcool 70 a unidades hospitalares e de saúde do Parana e também a cooperados e a colaboradores; à entrega de equipamentos para a estruturação do hospital de campanha de Corbélia, e de sua recente participação no Dia de Cooperar. Nessa ação, a Coopavel e a Credicoopavel conseguiram, em conjunto com seus associados e colaboradores, mais de duas toneladas de materiais de higiene e limpeza e também alimentos não perecíveis.

“Quero agradecer aos nossos parceiros, que também são grandes clientes da Coopavel, e a todos que contribuíram para tornar ações tão belas e admiráveis possíveis”, diz o presidente Dilvo Grolli. Mary Sheila informa que o Moinho de Trigo e seus parceiros se sentem felizes em poder estender a mão a pessoas que tanto precisam e que são assistidas por quatro instituições que são referências em projetos ligados à filantropia.

Fonte: Assessoria Coopavel
Continue Lendo
Evonik Biolys

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.