Conectado com

Notícias Sanidade Vegetal

Alerta máximo para alta incidência de doenças da soja

Redução da eficácia de controle de qualquer fungicida que ajude a classe produtora no manejo impacta diretamente na produtividade da soja

Publicado em

em

Divulgação

Quando se trata de doenças da soja, tudo que o produtor rural e sua equipe puderem fazer é muito válido, pois não há uma única recomendação técnica que garanta a melhor estratégia de controle. De acordo com fitopatogistas algumas ferramentas de manejo dos fatores limitantes da produção estão perdendo eficiência em razão da seleção das pragas e dos fungos resistentes.

A redução da eficácia de controle de qualquer fungicida que ajude a classe produtora no manejo do complexo de doenças impacta diretamente na produtividade das plantas de soja. Para especialistas no assunto o momento é de alerta diante dos problemas fitossanitários.

“A variabilidade dos resultados dos ensaios em rede tem sido muito alta em razão da variabilidade dos fungos nas diferentes regiões. Muitos produtores não enxergam a consequência da resistência porque o escape da principal doença que é a ferrugem tem sido alto pelo plantio de soja precoce no início da safra, mas a eficiência dos fungicidas para o controle dessa doença vem reduzindo a cada safra”, afirmou Claudia Vieira Godoy, pesquisadora da Embrapa Soja.

Outras doenças que não eram problemas antes têm surgido em uma frequência maior em consequência da intensificação de plantio, sucessão com culturas que muitas vezes hospedam o mesmo fungo como soja e algodão e da redução de controle em função da resistência. Segundo Claudia, essa situação só tende a aumentar nas próximas safras para os fungicidas sítio-específicos por apresentarem alto risco de resistência e pelas mutações estarem se acumulando no genoma dos fungos.

No uso de fungicidas, além da rotação de produtos, a adoção de fungicidas multissítios deve ser feita para tentar atrasar o processo de seleção de resistência de acordo com Ivan Pedro Araújo Junior, pesquisador da Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso, Fundação MT. “Outro alerta é para a necessidade de integração de ferramentas e tecnologias para assegurar maior longevidade das moléculas no campo e consequentemente sustentabilidade da cadeia, com liquidez e renda ao produtor.”

Na palestra realizada durante o XIX Encontro Técnico Soja Fundação MT, foi apresentado os desafios do ponto de vista climático e fitossanitário para a sojicultora. De acordo com Erlei Melo Reis, professor da Universidade de Buenos Aires, o manejo das doenças da soja deve ser integrado, portanto o uso de fungicidas apenas, não garante o controle sustentável das doenças e pode aumentar os casos de resistência. “Só o controle químico não resolve.”

Portanto a redução do risco de resistência deve incluir, conforme os três pesquisadores, todos os métodos de controle de doenças dentro do programa de manejo integrado. “É importante utilizar sempre misturas comerciais formadas por dois ou mais fungicidas com modo de ação distintos, como também aplicar doses e intervalos recomendados pelo fabricante.  Os fungicidas devem ser usados preventivamente. As aplicações em alta pressão de doença e de forma curativa devem ser evitadas. Sugiro também a não utilização dos mesmos modos de ação e ingredientes ativos em sequência e a limitação do número de aplicações ao longo da safra”, reforçou Claudia Godoy.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis + oito =

Notícias Dia 10/09

IV Encontro Técnico Abraves SP debate mitigação de riscos na suinocultura

Evento vai reunir profissionais da suinocultura e especialistas de renome internacional para debater ferramentas de biosseguridade

Publicado em

em

Divulgação

Em um cenário de preocupações diante do aparecimento de doenças emergentes e reemergentes em vários países do mundo, estratégias de biosseguridade para proteger o plantel brasileiro de suínos têm sido cada vez mais procuradas. Desta maneira, o tema ganhou um painel inteirinho durante o IV Encontro Técnico da Abraves – Regional São Paulo para debater com especialistas de renome internacional a melhor maneira de manter nosso status sanitário diferenciado.

O Painel Mitigação de Riscos vai ser aberto pelo professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Luiz Gustavo Corbellini, que vai destacar “Gestão de Risco – Visão Epidemiológica”. Em seguida, a zootecnista Fernanda de Andrade vai discutir “Programa de Segurança do Alimento em Fábricas de Ração”. Logo depois, o médico veterinário com mestrado em Produção Animal pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Lisandro Haupenthal, vai debater “Biosseguridade em Grandes Sistemas”.

As apresentações deste painel serão encerradas pela médica veterinária com PhD pela Universidade de Minnesota, Laura Batista. Ela vai apresentar “Status Sanitário: Ferramentas para Manutenção do Nosso Maior Patrimônio”. Na sequência, haverá um debate com os participantes moderado pelo médico veterinário com PhD em Epidemiologia pela Universidade de São Paulo (USP), Maurício Dutra.

O IV Encontro Técnico da Abraves – Regional SP vai ser realizado no próximo dia 10 de setembro, em Nova Odessa, no interior de São Paulo. O objetivo é reunir profissionais da cadeia produtiva para um debate sobre as medidas e as ferramentas de biosseguridade mais eficientes para a suinocultura moderna, disse o médico veterinário membro da diretoria da Abraves – Regional São Paulo, Amilton Silva. “Para esta edição vamos trazer os principais especialistas em epidemiologia para discutir as melhores estratégias para manter elevado nosso status sanitário”.

Outras informações sobre o IV Encontro Técnico da Abraves – Regional São Paulo estão disponíveis no site do evento ou através do e-mail abraves.sp@hotmail.com.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Julho tem queda nos custos de produção de suínos e de frangos de corte

ICPFrango fechou o sétimo mês do ano em 215,89 pontos e o ICPSuíno chegou aos 221,47 pontos

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Os custos de produção de suínos e de frangos de corte calculados pelas CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa, voltaram a cair em julho depois de registrarem uma alta considerável no mês anterior. Assim, o ICPFrango fechou o sétimo mês do ano em 215,89 pontos (-1,41% em relação a junho). Já o ICPSuíno chegou aos 221,47 pontos (-0,10% em comparação a junho).

O gasto com a alimentação dos animais, principal item dos componentes do custo de produção, causou a maior influência nos índices. No caso dos frangos de corte, a variação foi de -2,14%, chegando a -0,11% para os suínos.

Em 2019, o ICPFrango acumula uma variação de -0,93%. O custo de produção do quilo do frango de corte vivo no Paraná passou de R$ 2,83 em junho para R$ 2,79 em julho, valor calculado a partir dos resultados em aviário tipo climatizado em pressão positiva.

Já o custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina se manteve praticamente estável, passando de R$ 3,88 em junho para R$ 3,87 em julho. Neste ano, o ICPSuíno acumula alta de 1,03%.

Fonte: Embrapa Suínos e Aves
Continue Lendo

Notícias Avicultura e Suinocultura

Segundo dia do SIAVS terá palestrante internacional e Painel dos CEOs

Painel Caminhos da Competitividade Brasileira Grãos e Proteínas, será moderado pelo secretário de Comércio e Relações Internacionais do MAPA, Orlando Leite Ribeiro

Publicado em

em

Divulgação

O Estrategista Global de Proteína Animal do Rabobank, Justin Sherrard será um dos palestrantes internacionais a se apresentar durante o Salão Internacional de Avicultura e Suinocultura (SIAVS), que será realizado entre 27 e 29 de agosto, no Anhembi Parque, em São Paulo, SP.

Justin Sherrard é responsável pela análise de questões de importância estratégica para empresas de proteína animal em todo o mundo. Em suas pesquisas, Justin concentra-se em levantar informações para aumentar a eficiência da produção, melhorar o acesso a mercados em crescimento e fortalecer modelos de cadeia de suprimentos.

Programado para o segundo dia do SIAVS (28 de agosto), o painel Caminhos da Competitividade Brasileira Grãos e Proteínas, será moderado pelo Secretário de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Orlando Leite Ribeiro. O Diretor Presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, apresentará dados do mercado mundial de grãos. A abordagem sobre a competitividade no mercado de proteínas, ficará por conta de Justin Sherrard.

“Há uma equação em constante variação na produção e no comércio de proteína animal: a demanda e os custos de produção. Estas e outras perspectivas estarão em debate neste painel, que apresentará as visões de uma das principais instituições financeiras de agronegócio global”, analisa Francisco Turra, presidente da ABPA.

Painel dos CEOs

Também no dia 28, os CEOs das maiores agroindústrias de aves e de suínos do Brasil debaterão o futuro da cadeia produtiva em um dos mais tradicionais painéis do SIAVS. Em pauta estarão as perspectivas dos líderes com relação ao setor produtivo, ao mercado interno e internacional, entre outros pontos. Estão confirmados para o painel o Presidente da Aurora Alimentos (maior cooperativa de proteína animal do País), Mário Lanznaster, o CEO da BRF, Lorival Nogueira Luz, e o CEO Global da JBS, Gilberto Tomazoni.

Saiba mais sobre a programação do SIAVS pelo site do evento.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
AB VISTA Quadrado
POLINUTRI CAMPANHA
TOPIGS – BRASIL PORK EVENT 2019
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.