Conectado com

Notícias Opinião

Agroconectividade: a bola da vez

Agroindústria e os serviços agroalimentares brasileiros ocupam mais de 7 milhões de postos de trabalho ligados ao campo

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Alberto Meneghetti, publicitário e diretor da Associação Brasileira de Marketing Rural & Agronegócio (ABMRA) e conselheiro da Associação Latino-Americana de Publicidade (ALAP)

O nosso agronegócio é forte e pujante, não tem como negar. Sempre me surpreendo com o dado que são mais de 5 milhões de propriedades rurais espalhadas pelos 5.701 municípios brasileiros e que em todas as cidades há pelo menos uma atividade produtiva. Para efeito comparativo, nos EUA as propriedades rurais somam um pouco mais de 2 milhões.

A agroindústria e os serviços agroalimentares brasileiros ocupam mais de 7 milhões de postos de trabalho ligados ao campo, informa o IBGE.

A 7ª Pesquisa Hábitos do Produtor Rural, da Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA), ajudou a elucidar um pouco mais o perfil do homem do campo, mostrando que a entrada da tecnologia na fazenda fez os jovens estarem mais presentes nas decisões de propriedade rural. E são mais preparados do que a gerações anteriores, pois em média 26% destes jovens têm superior completo, em comparação aos pais e avôs: apenas 12% têm curso superior completo.

E não se trata de um fenômeno global. Nos países da Comunidade Europeia, o que se percebe é que o envelhecimento da população no campo é um fato recente, mas difícil de mudar. Na Itália, por exemplo, 62% dos responsáveis pelas fazendas têm mais de 55 anos.

Mas, como este produtor rural, cada vez mais conectado e informado, recebe as iniciativas mercadológicas dos players do segmento, que os tem com público-alvo principal? E como criar narrativas impactantes que capturem valor e – talvez o mais difícil nestes tempos em que a transformação digital está revolucionando o universo da comunicação – distribuí-las entre as centenas de opções existentes, utilizando uma estratégia multiplataforma?

Estes e outros temas foram discutidos no último dia 25 de outubro, em mais um Agromarketing Meeting ABMRA, promovido pela Associação Brasileira de Marketing, que tem como missão disseminar as boas práticas da comunicação do agronegócio do nosso país. Neste Workshop, do qual participaram associados, não-associados e convidados da entidade, os palestrantes foram as empresas mais premiadas na 18° Mostra de Comunicação Agro ABMRA, que mostraram toda a estratégia por trás de seus cases de sucesso. A Rede Globo, com seu Ouro em TV & Vídeo, com o projeto “Agro é Tech, Agro é Pop”, a Amaggi, com seu case vencedor na categoria de Endomarketing: “Kit do Conhecimento”, a BASF, apresentando seus 3 Ouros, a Campanha Integrada e Áudio “Legado” e a Campanha Promocional “Troca BASF”, e finalizando com o Canal Rural, com seu premiado projeto de conteúdo que uniu a ciência e o agronegócio, o “Além do AlimBoa ento”.

O segredo dos cases vitoriosos, a meu ver, foi o perfeito entendimento da jornada do consumidor, que, no caso, foi tanto o produtor rural como o público urbano e até mesmo, no caso da Amaggi, uma das maiores empresas do agronegócio brasileiro, com produção de grãos e fibra, comercialização de commodities e outras atividades, o seu público interno, para o qual direcionou uma estratégia de comunicação multimídia completa para divulgar o seu premiado “Kit do Conhecimento”.

Uma das questões debatidas – e não esgotadas – neste Workshop foi a participação cada vez maior da mídia digital versus a mídia tradicional. Sabemos que o smartphone virou uma extensão do corpo. Estamos sempre conectados, consumindo online e querendo tudo na palma da mão. No campo, não é muito diferente, mesmo sabendo que a conectividade no campo ainda é um desafio a ser vencido neste imenso território brasileiro. A produtividade pode ser bastante afetada nas áreas com déficit de conectividade, atrasando a adoção de recursos tecnológicos pelos produtores rurais, de plataformas virtuais a instrumentos de gestão que facilitam o trabalho no campo.

Mesmo assim, segundo pesquisa da ABMRA, nada menos do que 96% dos produtores usam aplicativos de mensagens e 7 em cada 10 estão presentes nas mídias sociais.

Os profissionais do agronegócio costumam acessar a Internet – a maioria diariamente – para buscar informação e atualização sobre seu mercado.

Esse índice é um grande marco na mudança do consumo de conteúdo por parte do produtor rural, que agora não olha apenas televisão, ouve rádio e lê jornais e revistas: a Internet está alcançando a popularidade dos meios mais tradicionais. Ele é conectado e consome cada vez mais conteúdos na Web sobre o segmento agribusiness.

E a tendência é que essa transformação digital se expanda, amadureça e se consolide. Por isso, a pertinência das marcas pensarem em estratégias de comunicação nesse novo contexto desde agora.

Novas estratégias para impactar o novo perfil de produtor rural

Não adianta você aumentar o investimento, você precisa direcioná-lo de forma eficiente. Considerando as mudanças no comportamento do profissional do agronegócio, consequentemente, mudanças no modo de anunciar e se conectar a ele são fundamentais. E, no início de 2020, mais luz sobre o tema será dado pelos resultados que virão da 8ª Pesquisa Hábitos do Produtor Rural.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + dois =

Notícias Mercado Interno

Preço do suíno despenca 2,8% no Brasil, com queda na demanda

Mercado brasileiro de carne suína registrou mais uma semana de viés negativo para os preços no atacado

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de carne suína registrou mais uma semana de viés negativo para os preços no atacado e para o quilo vivo pago ao produtor no Centro-Sul, em linha com um ritmo lento de negócios ao longo da cadeia. “Com o fraco escoamento da carne no mercado interno, os frigoríficos atuaram de maneira mais cautelosa nas negociações envolvendo animais, pressionando as cotações”, justifica o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia.

Levantamento de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil passou de R$ 5,27 para R$ 5,12, baixa de 2,86%. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado recuou 0,77%, de R$ 9,29 para R$ 9,21. A carcaça registrou um valor médio de R$ 8,63, queda de 2,89% ante os R$ 8,88 praticados na semana anterior.

O analista entende que a demanda doméstica tende a seguir sentindo o efeito da descapitalização das famílias no curto prazo, contando neste início de ano com gastos extras e pagamentos de impostos, como o IPVA. “Também houve uma desaceleração das exportações brasileiras de carne suína na última semana, ainda que os números, de maneira geral, permaneçam positivos”, pontua.

Maia afirma que os chineses diminuíram um pouco o ritmo nas compras, após a forte importação ocorrida em dezembro, onde buscaram uma posição para o Ano Novo Lunar, que acontece no próximo final de semana. Vale destacar que o rebanho e a produção de carne suína na China continuam reduzidos, consequência da peste suína africana, o deve levar o país a atuar de maneira intensa nas importações ao longo de 2020.

As exportações de carne suína “in natura” do Brasil renderam US$ 90,9 milhões em janeiro (14 dias úteis), com média diária de US$ 7,6 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 34 mil toneladas, com média diária de 2,8 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.671,80.

Em relação a dezembro, houve queda de 7,1% na receita média diária, baixa de 9,7% no volume diário e avanço de 2,9% no preço. Na comparação com janeiro de 2019, houve aumento de 98,1% no valor médio diário exportado, ganho de 49,0% na quantidade média diária e elevação de 33% no preço. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

A análise de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo ao longo da semana baixou de R$ 118,00 para R$ 113,00. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo recuou de R$ 4,20 para R$ 4,15. No interior do estado a cotação baixou de R$ 5,60 para R$ 5,40.

Em Santa Catarina o preço do quilo na integração permaneceu em R$ 4,30. No interior catarinense, a cotação recuou de R$ 5,70 para R$ 5,60. No Paraná o quilo vivo retrocedeu de R$ 5,70 para R$ 5,60 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo retrocedeu de R$ 4,15 para R$ 4,10.

No Mato Grosso do Sul a cotação na integração permaneceu em R$ 4,30, enquanto em Campo Grande o preço caiu de R$ 4,50 para R$ 4,40. Em Goiânia, o preço baixou de R$ 6,20 para R$ 6,00. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno teve queda de R$ 6,30 para R$ 6,00. No mercado independente mineiro, o preço recuou de R$ 6,40 para R$ 6,00. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis baixou de R$ 4,85 para R$ 4,80. Já na integração do estado a cotação seguiu em R$ 4,10.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Com ausência da China, soja acumula perdas em Chicago

Bolsa de Mercadorias de Chicago vai encerrando a quarta semana de janeiro acumulando perdas em torno de 2,5%

Publicado em

em

Hugo Harada

A Bolsa de Mercadorias de Chicago vai encerrando a quarta semana de janeiro acumulando perdas em torno de 2,5% para s soja em grão, em meio à ausência de demanda da China pelo produto dos Estados Unidos, mesmo com a assinatura da primeira fase do acordo entre os dois países. Para piorar a situação, o feriado Lunar chinês iniciou na sexta-feira (24) e vai até o dia 30 de janeiro, o que deve manter a procura escassa por parte do país asiático.

Também pesa o início da colheita da soja no Brasil, que deve colher uma safra cheia. O alastramento do coronavírus na China completa o quadro negativo, pois afasta os investidores dos mercados de risco, como a soja, devido aos temores do impacto da doença na economia local e mundial.

Os casos do vírus subiram para mais de 800, com 25 mortes. As autoridades chinesas reagiram e colocaram cidades da província de Hubei em quarentena. Na quinta-feira, a Organização Mundial de Saúde (OMS) disse que o surto ainda não é uma emergência de saúde pública para além da China.

Hoje foram divulgadas as exportações líquidas norte-americanas de soja, que ficaram dentro do esperado por analistas. Referentes à temporada 2019/20, com início em 1º de setembro, ficaramem 790.000 toneladas na semana encerrada em 16 de janeiro. Representa uma elevação de 23% frente à semana anterior e um avanço de 59% ante à média das últimas quatro semanas. A China liderou as importações, com 225.900 toneladas.

Para a temporada 2020/21, são mais 120.700 toneladas. Os analistas esperavam exportações entre 600 mil a 1,120 milhão toneladas, somando-se as duas temporadas. As informações foram divulgadas pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Preços do frango perdem força no atacado, refletindo consumo

Mercado brasileiro de frango registrou mais uma semana de declínio nas cotações no atacado

Publicado em

em

Divulgação

O mercado brasileiro de frango registrou mais uma semana de declínio nas cotações no atacado, em meio ao cenário de fraqueza no consumo. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, no mercado de frango vivo os preços se mantiveram, de modo geral, e até reagiram em São Paulo, com os produtores procurando ajustar suas margens em meio à forte alta registrada no preço do milho. “Esse e o grande ponto de preocupação ao setor neste momento”, avalia.

De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo os preços tiveram boas alterações para os cortes congelados de frango na semana frente à anterior. O quilo do peito no atacado passou de R$ 5,95 para R$ 5,55, o quilo da coxa de R$ 5,90 para R$ 5,20 e o quilo da asa de R$ 9,50 para R$ 9,10. Na distribuição, o quilo do peito retrocedeu de R$ 6,15 para R$ 5,60, o quilo da coxa de R$ 6 para R$ 5,40 e o quilo da asa de R$ 9,75 para R$ 9,20.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de mudanças ao longo da semana. No atacado, o preço do quilo do peito caiu de R$ 6,05 para R$ 5,65, o quilo da coxa de R$ 6,02 para R$ 5,32 e o quilo da asa de R$ 9,58 para R$ 9,18. Na distribuição, o preço do quilo do peito retrocedeu de R$ 6,25 para R$ 5,70, o quilo da coxa de R$ 6,12 para R$ 5,52 e o quilo da asa de R$ 9,83 para R$ 9,28.

As exportações de carne de frango “in natura” do Brasil renderam US$ 267,6 milhões em janeiro (14 dias úteis), com média diária de US$ 22,3 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 159,8 mil toneladas, com média diária de 13,3 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.674,80.

Na comparação com dezembro, houve queda de 19,5% no valor médio diário da exportação, perda de 22,5% na quantidade média diária exportada e alta de 3,9% no preço. Na comparação com janeiro de 2019, houve alta de 20,2% no valor médio diário, ganho de 12,4% na quantidade média diária e ganho de 6,9% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil indicou que, em Minas Gerais, o quilo vivo permaneceu em R$ 3,50. Em São Paulo o quilo vivo subiu de R$ 2,65 para R$ 2,70.

Na integração catarinense a cotação do frango seguiu em R$ 2,54. No oeste do Paraná o preço se manteve em R$ 3,09. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo permaneceu em R$ 2,80.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango seguiu em R$ 3,15. Em Goiás o quilo vivo permaneceu em R$ 3,45. No Distrito Federal o quilo vivo permaneceu em R$ 3,50.

Em Pernambuco, o quilo vivo continuou em R$ 3,80. No Ceará a cotação do quilo vivo permaneceu em R$ 3,80 e, no Pará, o quilo vivo seguiu em R$ 4.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Biochem site – lateral
Mais carne

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.