Conectado com

Notícias

Agroceres PIC reúne elite do setor no RS para discutir desafios sanitários da suinocultura nacional

Publicado em

em

A suinocultura brasileira tem no seu status sanitário uma grande vantagem competitiva. Com uma estrutura sanitária oficial heterogênea, porém robusta e eficiente, o Brasil segue livre dos principais patógenos de impacto econômico na suinocultura, como o PRRSv, o PEDv, o TGEv e o Delta Coronavírus. Quando o assunto é saúde animal, no entanto, não existe risco zero. Ao contrário. É um equívoco estratégico acreditar que sempre será assim.
Frente às ameaças impostas pela escalada de enfermidades emergentes e reemergentes é imperativo ao País aperfeiçoar seus mecanismos de controle sanitário. E isso só se faz de maneira conjunta, colaborativa, através de uma maior interação entre o setor privado e o serviço oficial.
A bem-sucedida modernização da Estação Quarentenária de Cananéia, no litoral sul de São Paulo, mostra que o setor suinícola está no caminho certo. Mais do que isso; que já possui a maturidade necessária para, ao lado do poder público, criar as bases para a formação de um fundo capaz de financiar a modernização de programas de monitoria, vigilância e contenção de doenças no País, garantindo assim a manutenção de nosso privilegiado status sanitário.
Esta foi, em resumo, a conclusão a que puderam chegar os participantes do Seminário Especial Agroceres PIC “A Sanidade de Suínos no Brasil: Como Manter o País Livre de Desafios Exóticos”. Realizado em Porto Alegre (RS) no dia 12 de maio, em paralelo às atividades do IX Simpósio Internacional de Suinocultura (SinSui), o evento reuniu cerca de 100 pessoas, entre suinocultores, técnicos e profissionais das principais agroindústrias e cooperativas e representantes de órgãos de defesa sanitária federal e estadual. 
“Procuramos promover uma discussão abrangente, com a participação dos produtores, da indústria, das entidades oficiais e dos órgãos de defesa sanitária. Foi uma boa oportunidade para entender melhor o funcionamento de nosso sistema atual de prevenção sanitária, para discutir o que estamos fazendo e, principalmente, como podemos melhorar para reduzir os riscos sanitários”, afirma Alexandre Furtado da Rosa, Diretor Superintendente da Agroceres PIC. “A suinocultura brasileira tem um status sanitário privilegiado. Somos livres das principais doenças de impacto econômico, mas precisamos trabalhar para nos mantermos assim. A questão sanitária será cada vez mais importante para a competitividade de qualquer país no mercado internacional de carnes”, finaliza.
Biossegurança: responsabilidade de todos
Com uma programação coesa e a participação de representantes de diferentes segmentos da cadeia produtiva suinícola e do setor público, o Seminário Especial Agroceres PIC promoveu uma ampla discussão acerca dos desafios sanitários enfrentados pela suinocultura brasileira.
Na primeira apresentação, Dr Daniel Linhares, gerente de Serviços Técnicos da Agroceres PIC, compôs um panorama do avanço das principais enfermidades e como elas ameaçam a atividade suinícola global e local. Segundo Linhares, o Brasil pode e deve aprender com a experiência de outros grandes players do mercado suinícola no trato com episódios sanitários. “O exemplo dos EUA nas últimas décadas é didático. Eles passaram por diferentes desafios sanitários e responderam. Temos que nos antecipar para não sofrer as perdas que eles tiveram. Não podemos esperar que os desafios sanitários cheguem aqui para iniciarmos as readequações necessárias para lidar com “grandes” vírus. Prevenir é sempre melhor e muito mais barato do que remediar. E isso nós só vamos conseguir atuando em máxima sincronia com o serviço oficial”, observa o especialista.
Linhares defendeu também a criação de um fundo público-privado para a modernização e aperfeiçoamento do sistema oficial de defesa sanitária e mostrou valores necessários para viabilização de plano de contingência sanitária, que é apenas uma pequena fração frente a soma de prejuízos anuais em caso de convivência com patógenos exóticos como PRRSv ou PEDv. “Estamos no momento certo da suinocultura brasileira para reunir as lideranças e formar um fundo necessário para financiar projetos de monitoria e contingência sanitária”, avalia.
Fundo federal de sanidade
Na palestra seguinte, Dra Adriana Cavalcanti de Souza, chefe da Divisão de Sanidade dos Suídeos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), falou sobre as ações adotadas pelo governo federal para gerenciar os riscos sanitários na área suinícola e elencou os desafios enfrentados pelo sistema nacional de vigilância.
Segundo ela, apesar de desuniforme, a estrutura sanitária do Brasil funciona bem e é eficiente, sobretudo por se tratar de um país com dimensões continentais. “O Brasil possui uma estrutura sanitária robusta, mas muito heterogênea entre os Estados. Apesar disso o trabalho tem sido bem feito. Somos vistos como um País transparente que comunica e trata com seriedade nossas ocorrências sanitárias. Isso nos dá credibilidade. A política de transparência adotada pelo Brasil é muito respeitada lá fora”, diz.   
Dra Adriana também defendeu a constituição de um fundo nacional de sanidade. “A criação do fundo é essencial, principalmente sob o ponto de vista do produtor”, argumenta. Segundo ela, a criação de um fundo, ao mesmo tempo que deixaria o produtor mais tranquilo frente aos prejuízos financeiros causados por conta de um registro sanitário, o estimularia a notificar mais rapidamente os indícios de suspeita de uma eventual doença. Dra Adriana comentou sobre a formação recente de um comitê permanente para discussão de desafios sanitários na suinocultura nacional e para formação de um plano nacional de contingência contra desafios sanitários exóticos. Drs Daniel Linhares e Nilo de Sá representando a ABEGS e ABCS, respectivamente, integram este grupo de trabalho.
Postura colaborativa
Dr Nilo Chaves de Sá, diretor-executivo da Associação Brasileiro dos Criadores de Suínos (ABCS), foi o responsável por fechar as apresentações e falou sobre os direitos e deveres dos suinocultores brasileiros diante dos riscos sanitários enfrentados pelo setor.
Segundo ele, um trabalho harmônico e em sintonia entre o setor privado e serviço oficial é essencial para manter o rebanho suinícola brasileiro livre de doenças exóticas de grande impacto econômico e comercial. “Quanto maior a distância entre a iniciativa privada e o serviço oficial, maior o risco em casos de doenças exóticas, uma vez que o fluxo de informação precisa ser melhorado”, afirma.
De acordo com Sá, estreitar essa relação é fundamental para atender as expectativas de ambas as partes. Segundo ele, o setor vive um momento ímpar de proximidade com o Mapa. O diretor da ABCS cita a modernização da Estação Quarentenária de Cananéia, realizada no ano passado, como um exemplo de como as esferas pública e privada podem trabalhar em perfeita harmonia. “Não estamos falando apenas sobre prevenção, controle ou erradicação de doenças, estamos falando sobre a credibilidade do serviço de defesa sanitária animal e esta responsabilidade precisa ser compartilhada entre o governo, Estados e iniciativa privada”, finaliza.
Repercussão
A realização do seminário agradou os participantes. O foco das discussões, os especialistas convidados e as informações apresentadas durante as palestras foram alguns dos pontos exaltados. “A Agroceres PIC, mais uma vez, acertou em cheio ao promover esse seminário. O tema sanidade é extremamente importante e motivo de grande preocupação para o setor de suínos”, comenta José Hickmann, médico veterinário da Alibem Alimentos. “Foi uma ótima oportunidade para refletirmos sobre atitudes importantes, como a criação de um fundo de sanidade nacional e como nos mobilizar e agir conjuntamente para evitar a entrada de doenças exóticas no País”, completa. 
Na mesma linha, Wanderley Martins Pessoa Júnior, médico veterinário gestor do Sistema de Produção de Leitões da Pif Paf, enfatizou a abordagem do tema e a participação de representantes de diferentes elos da cadeia suinícola. “A Agroceres PIC está de parabéns por propor um debate tão oportuno. Não é sempre que eventos, cujo foco é a sanidade, conseguem reunir pessoas de diferentes áreas como as de produção, indústria e, principalmente, dos órgãos oficiais de defesa sanitária”, avalia Pessoa. “As apresentações foram muito boas e trouxeram informações relevantes sobre como juntos – produtores, indústria e governo – podemos agir para manter o alto nível sanitário da suinocultura nacional”, conclui.

Fonte: Ass. Imprensa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − dois =

Notícias

Resistência bacteriana é tema de palestra de Jalusa Kich no 14º SBSS

Simpósio Brasil Sul de Suinocultura acontece entre os dias 16 a 18 de agosto, presencialmente, em Chapecó (SC), com transmissão on-line ao vivo. Palestra da pesquisadora da Embrapa Suínos e Aves será no segundo dia do evento

Publicado em

em

Jalusa Kich palestrará sobre resistência bacteriana no Painel Sanidade - Foto: Divulgação

O debate sobre o uso de antimicrobianos está cada vez mais em evidência e estará presente no 14º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS), que acontece entre os dias 16 a 18 de agosto, presencialmente, em Chapecó (SC). Os antimicrobianos têm sido utilizados na produção animal para tratamento de doenças por mais de 50 anos. Porém, o uso excessivo tem gerado uma preocupação mundial em diversos países, incluindo o Brasil, que buscam a redução do seu uso.

Uma das inquietações é a resistência antimicrobiana, o que fundamentou o consenso global para rever o uso dessas moléculas na produção animal. A pesquisadora da Embrapa Suínos e Aves, Jalusa Deon Kich, abordará o tema na palestra “Resistência bacteriana: uma pandemia silenciosa!”, no dia 17 de agosto, às 17h05, no Painel Sanidade do 14º SBSS.

Jalusa é médica veterinária, mestre e doutora pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com pós-doutorado na Unidade de Segurança dos Alimentos e Patógenos Entéricos do USDA. Possui experiência em medicina veterinária preventiva e segurança dos alimentos. Tem conduzido projetos de pesquisa em cooperação com universidades, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e empresas privadas. Apoia o MAPA em assuntos relacionados à segurança da carne suína e resistência antimicrobiana na suinocultura em demandas nacionais e internacionais como Codex Alimentarius e Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

Atualmente, Jalusa lidera o projeto “Estudos sobre o uso de antimicrobianos na suinocultura como subsídio para o Plano de Ação Nacional de Prevenção e Controle da Resistência aos Antimicrobianos (PAN-BR Agro)” e orienta mestrado profissional com dissertações focadas no mesmo tema.

O presidente da Comissão Científica do SBSS, Paulo Bennemann, ressalta que o debate sobre a utilização de antimicrobianos na criação animal é um tema atual e importante. “Entidades reguladoras orientam e cobram a redução do uso. Tanto o Brasil quanto diversos outros países têm adotado caminhos para cumprir essas obrigações. Entender esses processos e o impacto do uso dos antimicrobianos é fundamental. A Jalusa tem ampla experiência no assunto, está à frente de grandes discussões no cenário nacional e com certeza contribuirá com seu conhecimento”.

Simpósio Brasil Sul de Suinocultura

O 14º SBSS ocorrerá entre os dias 16 e 18 de agosto próximo. Paralelamente acontecerá a 13ª Brasil Sul Pig Fair. O evento é promovido pelo Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet) e será realizado presencialmente no Parque de Exposições Tancredo Neves, em Chapecó (SC), com transmissão on-line ao vivo. A programação científica iniciará na terça-feira (16), às 14 horas, e a palestra de abertura ocorrerá no mesmo dia, às 18h40. Na quarta-feira (17), as palestras iniciam às 8 horas e encerram no fim da tarde, seguidas de happy hour. Na quinta-feira (18), a programação será das 8h às 12 horas.

Inscrições

As inscrições para o 14º SBSS estão no segundo lote. O investimento, até hoje (10), é de R$ 530 para o evento presencial e R$ 440 para o evento virtual para profissionais e R$ 400 (presencial) e R$ 340 (virtual) para estudantes. Após essa data e durante o evento o investimento será de R$ 600 (presencial) e R$ 500 (virtual) para profissionais e R$ 460 (presencial) e R$ 400 (virtual) para estudantes.

Na compra de pacotes a partir de dez inscrições serão concedidos códigos-convites. Nessa modalidade há possibilidade de parcelamento em até três vezes. O acesso para a 13ª Brasil Sul Pig Fair é gratuito, tanto presencial quanto virtual, assim como para o pré-evento.

As inscrições podem ser feitas no site www.nucleovet.com.br.

Somando forças

O 14º SBSS tem apoio da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Santa Catarina (CRMV/SC), da Embrapa Suínos e Aves, da Prefeitura de Chapecó e da Sociedade Catarinense de Medicina Veterinária (Somevesc).

O Jornal O Presente Rural é parceiro de mídia do evento e vai trazer a cobertura completa da edição 2022.

Fonte: Ascom Nucleovet
Continue Lendo

Notícias

Tradicional banho de leite na Expointer celebra produção da raça holandesa

Entre as características essenciais para vencer o concurso da Gadolando estão o temperamento e a docilidade da vaca leiteira.

Publicado em

em

Foto: JM Alvarenga

Vacas de excelência terão sua capacidade produtiva avaliada durante a Expointer. O tradicional concurso leiteiro organizado pela Associação dos Criadores de Gado Holandês do Rio Grande do Sul (Gadolando), reunirá não só as que estão incluídas no circuito Exceleite, mas também aquelas que os produtores consideram eméritas produtoras. O ápice do certame é o Banho de Leite, que celebra o trabalho das granjas mais produtivas.

Para o concurso, as vacas são ordenhadas cinco vezes. O leite retirado é pesado e as duas maiores pesagens são descartadas. As três restantes são somadas e o animal que mais pontuar é consagrado vencedor. Marcos Tang, presidente da Gadolando, comenta que este é o grande momento da raça leiteira em suas exposições. “E o produtor quer mostrar isto, porque com isso ele está mostrando a capacidade que ele tem de conduzir uma vaca boa, com muita dedicação na criação, genética apurada e adequada e, principalmente o manejo dela”, disse o dirigente. Ele ressaltou que a vaca não dá leite. “Ela produz leite mediante a adequada condução do animal, desde o conforto, água e comida de qualidade”, acrescentou.

Tang também ressaltou que o concurso segue normas rígidas de ética e  todas as regras de bem estar animal, proibindo qualquer injeção estimulante de produção de leite, permitindo apenas a ingesta natural voluntária. Ele também exaltou a capacidade do rebanho. “E somente uma vaca leiteira consegue isso, produzir 10% do seu peso vivo em um produto tão nobre como o leite, portanto temos vacas com 700 quilos produzindo 70 ou 80 litros de leite”. O também produtor ressalta que não é só genética e manejo que fazem de uma vaca campeã de um concurso leiteiro. Ele acrescentou à fórmula, o item “o público”. “Ela tem que ter também temperamento, docilidade de fazer tudo isso que costuma fazer na prioridade, diante de um público, com ruídos e pessoas estranhas passando”, explicou.

Com relação ao tradicional Banho de Leite, marcado para o dia 30 de agosto, às 16h na pista do gado leiteiro, a Gadolando explica que é usado leite impróprio para consumo. Também é adicionado água e, dependendo da temperatura, o líquido pode ser amornado. A celebração reúne a família proprietária da vaca campeã e os funcionários da granja que comemoram o resultado do seu dedicado trabalho.

Fonte: Ascom
Continue Lendo

Notícias Análise Cepea

Com pressão internacional, valores internos do trigo caem

Cenário é reflexo da expectativa de retomada das exportações de trigo da Ucrânia, visto que os embarques de milho do país já ocorreram.

Publicado em

em

Foto: Arquivo/OP Rural

Os preços do trigo recuaram no mercado internacional, devido à expectativa de retomada das exportações de trigo da Ucrânia, visto que os embarques de milho do país já ocorreram.

Esse cenário, segundo pesquisadores do Cepea, influenciou a baixa no mercado brasileiro.

Quanto à comercialização, a lentidão permanece, com moinhos aguardando a safra nova, enquanto produtores que ainda possuem o cereal da última temporada estão desestimulados a vender com o menor preço.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Yes 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.