Conectado com
LINKE

Notícias Agricultura Familiar

Agricultor pode fazer consulta online do Programa Garantia-Safra

Consultar, corrigir dados do cadastro e saber se o benefício está disponível são os principais serviços pela internet

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Agricultores familiares beneficiários do Garantia-Safra podem consultar dados das inscrições de forma online, serviço disponibilizado pela Secretaria de Política Agrícola, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A partir de agora, o agricultor poderá obter informações referentes ao cadastro, pagamento, bloqueios do benefício pelo Sistema de Gerenciamento do Garantia-Safra.

Segundo José Carlos Mercês, coordenador-geral do Garantia-Safra, o agricultor poderá fazer consulta para saber se o benefício foi disponibilizado, verificar se o cadastro está correto, corrigir dados do Número de Identificação Social (NIS) e, eventualmente, o motivo do bloqueio do benefício, sem ter que se deslocar ao agente municipal. “Em tempos de crise da Covid-19, esse é mais um serviço remoto que ajuda o agricultor familiar”, ressalta.

Pagamento Garantia-Safra pelo NIS

O pagamento do benefício Garantia-Safra está condicionado aos agricultores familiares residentes em municípios nos quais tenha sido verificado perda severa de produção em razão de seca ou enchentes, comprovada na forma do regulamento, de pelo menos 50% do conjunto da produção de milho, feijão, arroz, mandioca ou algodão.

O benefício é pago por meio de cartões eletrônicos (Cartão Cidadão ou Cartão Bolsa Família) disponibilizados pela Caixa Econômica Federal. O agricultor que já tem Cartão Cidadão deverá verificar se o número do NIS do seu cartão é o mesmo número do NIS apresentado no cadastro para que o pagamento seja disponibilizado.

Caso o número do NIS seja diferente ou no cadastro do beneficiário não possua o número, o próprio agricultor pode fazer a atribuição manual desse número durante a consulta.

“A inclusão de um link onde o próprio agricultor possa corrigir alguma informação, como o NIS, e acompanhar sua vida no Programa Garantia-Safra é muito importante para a sua fluidez e transparência, além de desafogar os agentes municipais no levantamento dos dados dos agricultores que era feito de forma manual pelo preenchimento de planilhas e todo o processo de envio à Coordenação-Geral”, afirma o coordenador estadual da Paraíba, Alessandro Silva.

O que é o Garantia-Safra

O Garantia-Safra é uma ação do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), que tem como objetivo garantir condições mínimas de sobrevivência aos agricultores familiares de municípios sistematicamente sujeitos a perda de safra por razão do fenômeno da estiagem ou excesso hídrico.

Criado pela Lei nº 10.420, de 10 de abril de 2002, o Fundo Garantia-Safra, de natureza financeira, vinculado ao Mapa, instituiu o benefício Garantia-Safra visando atender aos agricultores familiares da Região Nordeste e norte do estado de Minas Gerais.

Fonte: MAPA
Continue Lendo
2 Comentários

2 Comments

  1. Denise

    9 de junho de 2020 em 12:42

    Queria saber quando está escrito. Status:aguardando liberação. O que quer dizer?

  2. Andreia Nunes de Araujo

    14 de agosto de 2020 em 20:07

    boa noite no nis do meu marido consta que ele recebeu o seguro safra mas na verdade não recebeu nada pois bloquearam ele falando que tinhamos emprego informal e não tinhamos. o que fazer

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 1 =

Notícias Mercado

Pecuária de leite vive incertezas com o futuro da pandemia

Desemprego elevado, a redução do valor da ajuda emergencial do governo e as fracas exportações, indicam desaquecimento no mercado

Publicado em

em

Humberto Nicoline

A reunião de conjuntura de novembro do Centro de Inteligência do Leite da Embrapa Gado de Leite demonstrou preocupação com a redução do auxílio emergencial do Governo Federal, que contribuiu para manter o setor lácteo nacional praticamente imune ao coronavírus. Segundo o analista José Luiz Bellini, o desemprego elevado, a redução do valor da ajuda emergencial do governo e as fracas exportações, indicam desaquecimento no mercado. “Nós só não sabemos ainda a força e a dimensão deste desaquecimento”, diz.

Em maio, os preços dos produtos lácteos no atacado começaram um movimento de valorização, atingindo seu pico em setembro. “Quanto à oferta, além da entressafra, a produção foi negativamente afetada no primeiro semestre de 2020 por seca em algumas regiões, alta nos custos de produção e redução da importação, sob influência da forte alta da taxa de câmbio”, diz o também analista da Embrapa Gado de Leite, Denis Rocha. O que se viu, segundo ele, foi a redução da disponibilidade interna da matéria prima, contribuindo com a elevação de preços ao longo de toda a cadeia. A partir daí os preços começaram a perder força e projetavam um novo momento econômico do setor até o início deste mês de novembro. O leite em pó fracionado, que aumentou 44,2%, apresentou um recuo de 11,8%. O queijo muçarela aumentou 77,2% e em seguida perdeu força com recuo de 14,5%. Já o preço do leite UHT (caixinha), que teve aumento 46,5%, retraiu 21,9% posteriormente. O preço do leite no mercado spot (comércio de leite entre laticínios) também foi impactado com aumento de 101,5% de maio a setembro, refletindo o aquecimento da demanda diante da redução da oferta. Entretanto, esse mercado perdeu forças a partir da segunda metade de setembro, com os preços recuando 28,6% até o início de novembro.

“Durante o período de alta mais expressiva nos preços, a busca por matéria prima se acirrou de tal forma que alguns pequenos e médios laticínios não puderam honrar com os compromissos de venda de produtos por falta de leite”, afirma Bellini. Essa procura levou a forte valorização dos preços pagos aos produtores. Segundo dados do Cepea, de fevereiro a outubro, os preços médios aos produtores no Brasil subiram 52,3%, atingindo R$2,16/litro.

Contudo, com essa mudança no patamar de preços no mercado interno, as importações voltaram a ficar competitivas e começaram a crescer de forma consistente desde maio. “Os volumes importados em setembro e outubro ficaram próximos de 180 milhões de litros equivalente, o que representa cerca de 8,5% da produção inspecionada mensal, caracterizando força importadora neste segundo semestre” relata Bellini. “Essa forte internalização de leite impactou os preços domésticos em novembro com recuo aos produtores, que enfrentam, ainda, aumento do custo de produção, advindo da expressiva elevação dos preços de insumos básicos de produção como soja e milho.”, completa Bellini.

Sobre os custos de produção, 2020 já acumula uma inflação de 14,12% (dados do ICPLeite/Embrapa).  A analista Manuela Sampaio Lana afirma que a alimentação concentrada foi o grupo que sofreu maior variação, chegando a 29,68%. “A desvalorização do real frente ao dólar, combinada ao aumento da demanda por grãos provocou essa alta, que segue firme e deve permanecer nessa tendência devido ao atraso do plantio da soja, o que pode diminuir a produção do grão e a sua consequente disponibilidade”, diz a analista.

Entretanto, a partir da segunda semana de novembro viu-se um fortalecimento dos preços dos produtos lácteos no atacado. O leite UHT chegou a valorizar 10%, enquanto que o queijo muçarela e o leite em pó fracionado registraram altas mais modestas, na casa dos 2%. Essa mudança no atacado já refletiu no mercado spot, que registrou forte valorização de 14,2% nas negociações da segunda quinzena de novembro. A recuperação de preços que vem ocorrendo mais recentemente em novembro tem algumas explicações. De acordo com João Cesar Resende, pesquisador da Embrapa Gado de Leite, há um receio de que a safra do Sudeste possa não ser tão grande, sobretudo pelo forte aumento dos custos de produção. Além disso, a seca está prejudicando a oferta de leite no Sul do Brasil.

Clima 

O pesquisador Ricardo Andrade informa que o fenômeno La Niña pode mudar o regime de chuvas, principalmente, na Região Sul. Segundo ele, os modelos do INMET indicam chuvas abaixo da média histórica (exceção para o noroeste do Paraná, onde choverá acima da média). “Vale ressaltar que, nos primeiros vinte dias de outubro, choveu menos de 25% do esperado para o mês em grande parte dos territórios de Santa Catarina e Rio Grande do Sul”, conta Andrade. Em novembro, continua o déficit hídrico na maior parte da Região.

“As safras podem ser afetadas com períodos de estiagem mais frequentes e o oeste do Rio Grande do Sul e Santa Catarina já sofrem com a falta de chuva, lembra Andrade, que completa: “É preciso chover em momentos certos para que a planta se desenvolva. Os períodos de crescimento vegetativo, floração e enchimento dos grãos demandam água. Já, na colheita, água em excesso é prejudicial. Quanto às pastagens, o sistema radicular das gramíneas tem pouca profundidade. Chuvas concentradas num período curto ou intercaladas de veranicos prolongados afetam o desenvolvimento das pastagens.”

Perspectivas

Para 2021, as perspectivas do setor estarão atreladas à pandemia e ao crescimento mundial da economia. Segundo projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI), a economia mundial deve crescer 5.2% no próximo ano. No Brasil, a previsão de crescimento é de 2.8% e na China, nosso principal parceiro comercial, a previsão é de um crescimento 8,3%.

Para Bellini, o forte crescimento esperado na Ásia (8%) garante mercado comprador para produtos agropecuários brasileiros (grãos e carnes), devendo manter os preços de milho e soja mais elevados. O boletim Focus, do Banco Central, de seis de novembro, prevê o dólar a R$5,20 em 2021, indicando que importações de lácteos podem também se estabelecer em patamares mais altos dependendo dos ajustes de preços em curso no mercado.

A conclusão dos especialistas da Embrapa é de que o cenário com demanda interna possivelmente mais fraca, exportações em baixos volumes, aumento do custo de produção, redução dos preços pagos aos produtores e importações elevadas, podem significar fortes desafios para a cadeia produtiva do leite no próximo ano. “Isso exigirá melhor coordenação da cadeia, gestão para maior eficiência dos sistemas de produção, redução do custo Brasil e esforços para aumento das exportações”, sugere Bellini.

Fonte: Embrapa Gado de Leite
Continue Lendo

Notícias Pecuária Leiteira

Método detecta resíduos de diferentes herbicidas em capim-elefante

Capaz de detectar resíduos de sete químicos diferentes, método ajudará a dar segurança à produção do capim usado em geração de energia e alimentação de gado leiteiro

Publicado em

em

Francisco José da Silva Ledo

Cientistas da Embrapa Meio Ambiente (SP) aprimoraram um método capaz de detectar múltiplos resíduos de produtos químicos por meio de uma única análise. O procedimento é voltado a identificar a presença e a quantidade de herbicidas usados para controlar plantas daninhas em cultivo de capim-elefante. Conhecida por produzir grande quantidade de biomassa, a gramínea é usada na geração de energia e muito empregada na alimentação de gado leiteiro. Por isso, é importante saber se os animais estão consumindo alimento seguro. De olho nessa aplicação, o método deve ser empregado em um projeto em parceria com a Embrapa Gado de Leite (MG).

Publicado em uma edição especial sobre herbicidas do periódico internacional Austin Environmental Science, o método multiresíduo é capaz de detectar resíduos dos sete herbicidas estudados (metsulfurom-metilico,atrazina, clorimurom-etilico, halossulfurom-metilico, metsulfurom-metilico, nicossulfurom e S-metolacloro). “Pelo que sabemos, esse é o primeiro artigo sobre a determinação de resíduos desses herbicidas nesse tipo de planta. O método poderá ser utilizado por cientistas que trabalham nessa linha de pesquisa,” conta a analista da Embrapa Marcia Assalin.

O capim-elefante (Pennisetum purpureum Schum) é uma forragem tradicionalmente utilizada na alimentação animal e matéria-prima na produção de álcool, carvão e geração de eletricidade, devido ao fato de sua biomassa possuir elevado poder energético.

Segundo o pesquisador da Embrapa Gado de Leite Alexandre Brighenti, a produtividade e a qualidade da forragem de capim-elefante são afetadas diretamente pela interferência de plantas daninhas. Essa perda pode chegar a 42% de matéria seca, caso não sejam empregadas as práticas adequadas de controle de plantas daninhas. Embora o controle químico, utilizando herbicidas, seja uma das estratégias eficientes para o controle das plantas daninhas, não existem produtos registrados específicos para capim-elefante no Brasil.

Por isso, pesquisas visando o controle químico de espécies infestantes em cultivos desse capim são extremamente importantes a fim de evitar perdas de produtividade e de qualidade de forragem. Além disso, esses estudos poderão subsidiar os trabalhos visando a obtenção de registros de herbicidas para capim-elefante no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Entretanto, quando se faz a aplicação de herbicidas no campo, há a necessidade de realizar o monitoramento de seus resíduos nas pastagens para evitar a possível contaminação de alimentos derivados da pecuária, como leite e carne, afirma a pesquisadora da Embrapa Sonia Queiroz. Além disso, o uso inadequado deagroquímicos é uma ameaça potencial ao meio ambiente e a organismos não alvo, reforçando a necessidade de pesquisas para conhecer o destino desses produtos e estabelecer doses seguras de aplicação.

A maioria dos herbicidas avaliados nesse estudo é aplicada sobre o solo (pré-emergentes) e não diretamente sobre o capim-elefante. Isso, de acordo com a pesquisadora, implica menor risco de deixar resíduos em comparação aos herbicidas pós-emergentes, que são aplicados diretamente sobre as culturas. A aplicação de herbicidas sobre o solo possibilita que as moléculas sejam degradadas, principalmente por microrganismos.

Além disso, existe um intervalo de aproximadamente 120 dias entre a aplicação dos herbicidas e a colheita do capim-elefante. Queiroz explica que, durante esse período, outros processos de degradação dos herbicidas, além do microbiano, estariam também atuando. Desse modo, as chances de não mais haver resíduos são grandes. Por outro lado, caso algum resíduo de determinado herbicida ainda persista nas plantas no momento da colheita, o método desenvolvido irá revelar a quantidade presente do químico, sendo possível avaliar se é segura para o consumo animal.

De acordo com a Assalin, o objetivo foi otimizar e validar um método multiresíduo confiável para a  determinação e quantificação de resíduos de herbicidas em capim-elefante utilizando cromatografia líquida de alta eficiência acoplada à espectrometria de massas de alta resolução (LC-QTof-MS). A implementação de um método analítico envolve um processo de avaliação que estima a sua eficiência na rotina do laboratório e assim garante que as análises reproduzam valores consistentes se comparadas a um valor de referência.

Segundo os parâmetros de validação avaliados no estudo, o método mostrou ser adequado para a determinação dos resíduos dos herbicidas estudados. Para o metsulfurom-metílico, o método mostrou ser capaz de determinar quantidades menores que o limite máximo de resíduos (LMR) estabelecido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), de 0,1 mg/Kg, sendo esse o único que apresenta registro para aplicação em pastagem no Brasil.

Assim, foi possível analisar amostras de capim-elefante coletadas no campo experimental após a aplicação dos produtos e, com isso, selecionar os herbicidas mais eficientes e que deixam menos resíduos na planta. Isso permitiu o controle das plantas daninhas com segurança em relação ao consumo de alimentos de origem bovina.

O desenvolvimento

A quantificação dos resíduos de pesticidas em capim elefante baseou-se no método QuEChERS (do inglês Quick, Easy, Cheap, Effective, Ruged and Safe), que consiste em metodologia moderna e bem conhecida de preparação de amostras na área de análise de resíduos de pesticidas, seguida da determinação por cromatografia liquida acoplada à espectrometria de massas.

Algumas modificações foram realizadas no QuEChERS de forma a otimizar o procedimento de extração em função da complexidade da matriz estudada. O método permite a extração de inúmeros compostos em uma única análise, constituída das etapas de extração, empregando um solvente orgânico; separação, por uma etapa de salting out (pela adição alguns sais); seguida da fase de limpeza, para eliminação de compostos que são coextraídos do capim-elefante e podem interferir na quantificação dos pesticidas de interesse.

A espectrometria de massas é um método de alta confiabilidade que gera resultados de forma rápida, fácil, com custo acessível e alta qualidade. A cientista salienta que no Brasil existem pouquíssimos laboratórios de análise de resíduos de agrotóxicos devido aos complexos processos envolvidos. “Para se ter uma ideia, é preciso detectar quantidades do nível de microgramas por quilo (µg/Kg), as quais exigem equipamentos sofisticados e equipe altamente especializada,” ressalta a pesquisadora ao declarar que a Embrapa Meio Ambiente abriga um dos poucos laboratórios do País desse tipo.

Fonte: Embrapa Meio Ambiente
Continue Lendo

Notícias Feira

Agrishow anuncia alteração da data de realização na edição 2021

Vários são os fatores de sucesso para que isso ocorra, as políticas públicas de investimentos contidas no plano safra é uma delas

Publicado em

em

agrishow
Divulgação

A Agrishow anuncia a alteração da data de sua 27ª edição para os dias 21 a 25 de junho de 2021. A feira estava prevista para acontecer no final de abril do próximo ano. A Agrishow é um evento propulsor de geração de negócios e relacionamentos entre fabricantes e produtores rurais, estabelecendo uma comunicação direta entre eles, proporcionando o crescimento contínuo do agronegócio brasileiro.

Vários são os fatores de sucesso para que isso ocorra, as políticas públicas de investimentos contidas no plano safra é uma delas.

Assim, após uma análise minuciosa e conversas com os expositores, as realizadoras do evento (Abag – Associação Brasileira do Agronegócio, Abimaq – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, Anda – Associação Nacional para Difusão de Adubos, Faesp – Federação da Agricultura e da Pecuária do Estado de São Paulo e SRB – Sociedade Rural Brasileira), juntamente com a Informa Markets, decidiram realizar a Agrishow no período de 21 a 25 de junho de 2021, quando o anúncio do Plano Safra 2021/2022 já terá sido realizado e os recursos, disponibilizados.

Com isso, a Agrishow espera contribuir para que os produtores rurais possam realizar de forma mais assertiva seu planejamento e suas aquisições durante a feira.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.