Conectado com

Suínos / Peixes

Aeradores não fazem mágica, mas quase

Se você está pensando em entrar para a piscicultura porque acha que o modelo de negócio é só colocar o peixe e dar a ração, é melhor pensar em outra atividade

Publicado em

em

A qualidade da água é um dos elementos primordiais para o desenvolvimento da aquicultura. Controlar os níveis de oxigênio, pH, alcalinidade, dureza e turbidez são fundamentais para que os peixes cresçam de maneira homogênea e dentro do período desejado. Se qualquer desses elementos estiver fora dos parâmetros, em poucas horas uma população inteira de um viveiro pode ser aniquilada. Se você está pensando em entrar para a piscicultura porque acha que o modelo de negócio é só colocar o peixe e dar a ração, é melhor pensar em outra atividade.

A Reportagem do jornal O Presente Rural foi até Palotina, no Oeste do Paraná, e conversou com dois experts no assunto: o doutor em Oceanografia biológica Eduardo Ballester, que é coordenador do Programa de Pós-Graduação em Aquicultura e Desenvolvimento Sustentável da Universidade Federal do Paraná (UFPR), e com a bióloga, pesquisadora e responsável pelo Laboratório de Qualidade de Água e Limnologia da UFPR, Lucíola Thais Baldan. Ela resume: “Para controlar a qualidade da água, a aeração é uma das coisas que resolvem. O papel da aeração na aquicultura é imenso”.

Um dos principais motivos para usar os aeradores é a oxigenação do ambiente aquático. O professor Ballester explica que há três maneiras de oxigenar a água. “No cultivo de peixes ou camarões, a gente tem as seguintes fontes de oxigênio: água de renovação, interface de água com coluna de ar e o fitoplâncton, que são microalgas que produzem oxigênio por meio da fotossíntese. No entanto, é preciso entender o balanço nesse caso do fitoplâncton, pois ele produz durante o dia e consome à noite. Por isso a parte mecânica (aeração) é importante. De maneira geral, promovem interação entre coluna de água e a massa de ar, criando bolhas e oxigenando a água”, explica.

A professora explica qual a dinâmica da oxigenação dentro de um viveiro durante um dia inteiro. “Uma das chaves para o sucesso da aquicultura é o é oxigênio dissolvido. Quando tem a gente faz um acompanhamento ao longo de 24 horas de um viveiro, percebe que a maior produção de oxigênio é entre duas e três da tarde, pois tem mais sol e há uma maior produção pela fotossíntese das algas. No entanto, as mesmas algas que produzem durante o dia consomem a noite, quando elas não produzem. Acabou a luz, para a fotossíntese, mas essas microalgas continuam respirando. Acontece que por volta das 4-5 horas da manhã temos falta de oxigênio, que só vai voltar a ser produzido lá pelas 7-8 horas da manhã. Nesse período de quatro ou cinco horas sem oxigênio o peixe sofrendo, a amônia aumentando, ele vai se intoxicar, etc.”, explica. “Se o aerador está ligado, está promovendo que entre oxigênio por difusão. O oxigênio que está no ar vai para a água. O aerador promove que moléculas da água, que estão juntinhas, se espalhem e o oxigênio consiga entrar na água”.

Mais que oxigênio

Manter a água homogênea, com nutrientes e temperatura ideais em todas as partes do tanque de produção, também é papel da aeração. O professor Ballester destaca que “a aeração não serve só para colocar oxigênio na água, mas também para fazer o processo de desestratificação do viveiro”. Se o tanque estiver estratificado, explica, parte dele vai ter ambiente ideal e parte vai ter um ambiente desafiador, o que causa inúmeros problemas, como adensamento dos animais. Caso a água fique muito tempo parada, cita a professora Lucíola, inúmeros problemas vão aparecer, como aumento de pH, aumento da amônia, entre outros.

“A aeração é importantíssima para fazer a desestratificação da água”, cita o professor. “Se metade do seu tanque está com temperatura baixa, o peixe vai para a outra metade. Ou seja, você está reduzindo em 50% o seu espaço de cultivo e o desempenho está diretamente relacionado com a densidade de cultivo. Quanto maior a densidade, menor o desempenho. Se tem desestratificação, o animal ocupa todo o espaço disponível”, orienta o pesquisador.

Essa desestratificação, no entanto, precisa ser feita de forma suave para não causar ainda mais problemas. “Se misturar a água de maneira bruta, vai haver o crescimento excessivo do fitoplâncton, que vai acabar morrendo em massa e produzir substâncias nocivas aos peixes”, alerta a pesquisadora.

Erros de manejo

Verão, inverno e outono exigem manejos diferentes do viveiro, mas muitas vezes essa mudança não é observada pelos produtores, de acordo com Ballester. “O manejo muda muito entre inverno e verão. No verão é mais complicado”, cita Lucíola. “O metabolismo do animal muda, a dinâmica do fitoplâncton muda, assim tem que mudar o manejo, como os níveis de arraçoamento”, justifica Ballester.

“Quando a temperatura aumenta muito, os níveis de oxigênio diminuem. Com temperatura alta há mais possibilidade de surgimento de bactérias nocivas. No inverno, os maiores problemas são com os fungos. Há também problemas com as variações rápidas de temperatura (amplitude térmica)”, aponta.

“É no verão que o produtor vem pedir ajuda pra gente (UFPR). Isso porque nesse período aumentam os níveis de alguns compostos nitrogenados e, junto com floração de algas, deixa o produtor desesperado porque começa a morrer muito peixe”, cita a professora. “Quando o sol entra na água, temos um metro de luz solar que é transformado em calor. Esse calor vai dissipar. Se você não circula a água no tanque todo, vai ter extratificação térmica”, aponta. Em outras palavras, vai ficar mais calor na parte de cima do tanque e mais frio e com concentração de nutrientes na parte inferior. “Quando a temperatura oscila muito, coloca os nutrientes de baixo para cima onde está a luz, dai o fitoplâncton vai crescer muito, o que não é desejado. O fitoplâncton é fundamental para a produção de oxigênio, é fonte de alimento, vai ter relação com pH, que por sua vez será relacionado com a toxidez da amônia (excretada), com a alcalinidade e com a condutividade. É uma completa interação de parâmetros físicos, químicos e biológicos”, cita Ballester.

Ele alerta para o manejo equivocado, apesar da vasta experiência de alguns piscicultores do Oeste do Paraná. “Apesar de termos produtores com grande experiência, mais de 20 anos de aquicultura, ainda encontramos erros básicos. Um deles é que a água tem capacidade de conservar seu calor, mas quando chega o inverno a água é renovada. Renovou a água, coloca mais agua gelada e desestabiliza a temperatura. O produtor continua com a tática de renovação, que ele deveria ajustar”, comenta.

Entrando numa fria

Mas que problemas a água mais fria pode causar? Inúmeros, inclusive o adoecimento e até morte dos animais. “Se você esfria a água no viveiro, diminui o metabolismo do peixe e, por consequência, diminui o consumo de ração. Se ele come menos, não vai se desenvolver adequadamente”, aponta Ballester.

E pior ainda: “Sobra ração”, aponta a professora. Ballester justifica a preocupação da colega. “Se sobra ração, primeiro efeito imediato é o custo. A ração é responsável por cerca de 40 a 50% dos custos de produção. Se sobrou ração é porque ele não prestou atenção na temperatura da água e não ajustou a taxa de arraçoamento. Em segundo lugar, a ração não consumida vai decompor e gerar amônia, gerando problema de toxidez da amônia na água”, alerta.

Com muita amônia na água, o peixe também deixa de comer porque, como não consegue liberar a amônia de seu corpo porque o ambiente já está cheio dela, para de comer para não se intoxicar. Lucíola explica: “Se tem muita amônia no meio ambiente, não consegue excretar amônia. Então para de comer porque sabe que se comer vai se intoxicar”, aponta. “Para de comer, para de crescer, fica debilitado e abre porta para doenças”, acrescenta o professor da UFPR.

Para evitar tamanha dor de cabeça, segundo a pesquisadora, “basta cuidar com parâmetros mais simples”. “A gente olha o básico, oxigênio dissolvido, pH, turbidez (o quanto a luz consegue atravessar), condutividade (capacidade de transmitir elétrons – agua pura, condutividade zero, alcalinidade e dureza (basicamente vão permitir que pH não oscile tanto)”, cita. Manter o pH estável, entre 6 e 8,5, ajuda a manter estáveis também os níveis de amônia e a condutividade. Para se ter uma ideia, conta, o aumento do pH em 1 ponto eleva em até 10 vezes a toxidez da amônia. Mas o professor alerta que, de maneira geral, os piscicultores “não medem muito esses parâmetros”.

Oxigênio é base para oxidação da amônia

O oxigênio serve como uma espécie de base para oxidação da amônia, segundo Ballester. De acordo com ele, se falta oxigênio, as algas que fariam a decomposição da amônia não conseguem executar o trabalho e o ambiente fica tóxico. “O animal come a ração, que é proteína e tem nitrogênio. Depois de metabolizar, esse nitrogênio se transforma em amônia. Essa amônia vai ser transformada em compostos menos tóxicos (nitrito e o nitrato). Todo esse processo é dependente de oxigênio, pois é uma oxidação. O processo é mediado por bactérias nitrificantes. Na falta de oxigênio, essas bacterias não conseguem oxidar a amônia, que é extremamente tóxica e persiste no meio”, aponta o professor. “A oxigenação da água é geralmente a resposta para todos os problemas”, emenda a professora.

De acordo com eles, níveis altos de amônia afetam diretamente as brânquias do animal, que são responsável pela sua oxigenação, mas também por outras funções. “O resultado é um efeito drástico sobre a brânquia do animal, com uma série de danos. A brânquia faz trocas gasosas (respiração), mas é também responsável por excreção da amônia, pelo equilíbrio osmótico e iônico e pelo controle térmico dos animais. Na hora que afetei a brânquia, eu comprometi todo esse funcionamento da fisiologia do peixe”, diz Ballester. “Isso quer dizer que se um dos parâmetros estiver alterado, prejudica demais porque a brânquia vai sobrecarregar ou trabalhar menos. Então o peixe come menos, cresce menos e assim por diante”, amplia Lucíola.

Ballester refoça a importância do uso correto de aeradores: "Para o produtor evitar os principais problemas, mesmo em cultivo sendo intensivo, um dos principais fatores é o dimensionamento e uso correto dos aeradores. Só assim você vai atingir a produtividade e evitar problemas de qualidade de água e de efluentes”, aponta o pesquisador.

Mais informações você encontra na edição de Suínos e Peixes de maio/junho de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × um =

Suínos / Peixes Nutrição

5 pontos que você precisa saber sobre nutrição de suínos

Diante da proibição do uso de antibióticos como promotores de crescimento, cresce a busca por alternativas, com destaque para os aditivos

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A proibição do uso de antibióticos como promotores de crescimento já é realidade em muitos países e, ano a ano, vem ganhando força no Brasil. Diante deste contexto, cresce a busca por alternativas, com destaque para os aditivos.

De acordo com Silvano Bünzen, gerente de Serviços Técnicos da Wisium, é necessário conhecer e aplicar corretamente os conhecimentos dos nutrientes, e o quanto eles podem contribuir para a saúde intestinal. “O uso adequado de certas fibras, por exemplo, pode ajudar no melhor equilíbrio das bactérias presentes no trato gastrointestinal, aumentando a produção de ácidos locais e melhorando o desempenho dos animais”, observa.

Para que você se prepare melhor para este cenário, o gerente compartilha a seguir cinco pontos fundamentais. Confira:

1 – Planejamento

A substituição ou retirada dos antibióticos promotores de crescimento não pode ser feita simplesmente, sem um planejamento e preparo prévio. Na parte dos ingredientes utilizados, é preciso selecionar corretamente aqueles de alta digestibilidade para que “sobrem menos” frações não digeridas e que vão servir de substrato para crescimento de bactérias indesejáveis.

2 – Aditivos

Os aditivos, que ajudam no aproveitamento dos nutrientes e auxiliam na prevenção de desordens entéricas, são fundamentais para a nutrição de excelente qualidade. Diversos exemplos europeus mostram que o uso de dietas focado em nutrientes funcionais e aditivos específicos reduz a pressão de contaminação por bactérias patogênicas.

3 – Conjunto de estratégias

Um conjunto de estratégias focadas em melhorar o desempenho dos animais pode ser extremamente eficaz, uma vez que ajuda a contemplar o fornecimento adequado dos nutrientes, auxilia o controle mais natural das bactérias indesejáveis e podem ajudar na redução dos fatores que aumentam os desafios entéricos.

4 – Saúde pública

Uma nutrição adequada contribui para uma melhor saúde pública. Ao melhorarmos a digestibilidade e o aproveitamento dos alimentos pelos animais, conseguirmos favorecer a saúde intestinal. Isso é fundamental para reduzir pressões de infecção e, juntamente com a necessidade da melhora da ambiência e manejo, diminuir também o uso de antibióticos que hoje são utilizados na linha humana.

5 – Desempenho zootécnico

Estratégias alternativas ao uso dos antibióticos promotores de crescimento são importantíssimas e fundamentais. Atendem a legislação, somando o conceito de produção sustentável, ao proporcionar a produção de produtos de qualidade com respeito a saúde humana. Na medida que mantém a produtividade, ajudam a garantir o retorno sobre os investimentos.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de julho/agosto de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Suinocultura

Melhoramento genético para máxima eficiência alimentar: uma nova abordagem

O compromisso é produzir um animal com alto ganho de peso diário e ao mesmo tempo com alta eficiência alimentar

Publicado em

em

Divulgação

 Artigo escrito por Mariana Anrain Andreis, Msc. em Melhoramento Genético Animal e geneticista chefe na DNA América do Sul

Na suinocultura tecnificada, a maior parte dos custos de produção estão ligados a alimentação, no Brasil essa participação varia entre 70-80%, dependendo do sistema de produção avaliado. Assim, a redução dos custos via aumento da eficiência em conversão alimentar se tornou essencial em nosso sistema de produção.

Consequentemente, a eficiência alimentar passou a ser uma das grandes preocupações dos programas de melhoramento genético de suínos em todo mundo, e tal característica ganhou grande relevância nos índices de seleção de linhagens. Os resultados foram surpreendentes e, em três décadas, foi possível produzir 1kg de carne suína com 600g a menos de ração.

Mas o que se está selecionando?

Quando o melhoramento genético de suínos passou a incluir a C.A. (Conversão Alimentar) no índice de seleção? Que característica foi essa? A C.A. é a razão entre o consumo de ração e o ganho de peso do animal, dentro de determinado período.

Cabe lembrar que, nos programas de melhoramento, todas as características são avaliadas dentro de intervalos de tempo e sabemos que o consumo e o ganho de peso são características altamente correlacionadas, tanto geneticamente quando fenotipicamente. Esta razão, portanto, que conhecemos como C.A., pode ser alterada de duas formas: reduzindo o numerador (Consumo alimentar) ou aumentando o denominador (Ganho de peso). De que forma isso pode impactar as populações de suínos que estão sendo melhoradas?

Acompanhemos dois exemplos

Na tabela abaixo pode-se notar que dois animais, apesar da mesma C.A., têm desempenhos distintos, entretanto, o Animal 02, com o maior G.P.D (Ganho de Peso Diário), é muito mais rentável, em situações normais de mercado, tanto ao produtor quanto à indústria, por conta do seu maior peso vivo para a mesma idade e, consequentemente, melhor rendimento.

Analisando com um pouco de atenção o modelo biológico, animais de alto GPD alongam seu tempo de crescimento de estrutura óssea e atrasam a deposição de gordura. Essa deposição de gordura tem um custo energético bem superior, fazendo com que a eficiência da conversão de alimento em kg de peso vivo seja pior nesta última fase. Ou seja, “atrasando” o período de deposição de gordura, o animal de maior G.P.D. permanece mais tempo na fase mais eficiente do seu crescimento.

Ao observarmos o Animal 01 na tabela acima, podemos supor que seu baixo G.P.D. pode ter sido consequência de um consumo inferior, falta de apetite ou por outros fatores. Com consumo baixo, mesmo com G.P.D. menor, sua C.A. será adequada, podendo “confundir” processos de seleção altamente pautados nesta variável.

Nesse contexto vale a seguinte reflexão: O que é melhor? Um animal de 160 dias com 110kg e C.A. de 2,0 ou outro com a mesma idade e C.A., porém com 130 kg de peso vivo?

Gráfico 1: modelo biológico de crescimento em animais com perfis de G.P.D. distintos

E como o melhoramento genético pode trabalhar essas características?

De maneira geral, as publicações científicas são consistentes em afirmar que a seleção baseada em um modelo multicaracterístico que inclua as duas características que compõe uma razão é mais eficiente do que a seleção diretamente aplicada sobre a razão. O modelo multicaracterístico é aquele que inclui duas ou mais características e suas correlações e realiza a estimação do valor genético de todas conjuntamente. Isso significa dizer que a seleção direta sobre a proporção – nesta discussão, sobre a C.A. – é complicada pela maneira desproporcional pela qual a pressão de seleção é exercida sobre as características que a compõe, ou seja, o consumo e o ganho de peso. Quando se trabalha com um modelo multicaracterístico usando um índice de seleção, pode-se colocar uma pressão de seleção determinada sobre cada característica, o que deve resultar, portanto, em uma quantidade previsível de ganho genético.

Além disso, usando um modelo multicaracterístico podemos aproveitar a correlação genética existente entre as duas características, aumentando a acurácia da predição do valor genético para as duas variáveis – Ganho de peso e Consumo – assim como das demais características de produção correlacionadas com estas.

Analisando os aspectos biológicos, genéticos e estatísticos, não há maneira mais efetiva de diminuir a C.A. do que se realizar o processo de seleção, dentro de um modelo multicaracterístico, para as duas variáveis que compõe esta razão: Consumo e ganho de peso.

Embasadas nessas análises, alguns programas de melhoramento modernos não fazem seleção direta para Conversão Alimentar. Ao contrário, buscam máxima eficiência alimentar otimizando o ganho genético das variáveis que determinam essa conversão. O compromisso é produzir um animal com alto ganho de peso diário e ao mesmo tempo com alta eficiência alimentar. A seleção individualizada para as variáveis ganho de peso diário e consumo alimentar (ao invés da seleção direta para a CA) é seguramente a melhor forma de alcançar esses objetivos, principalmente em mercados onde se busca alcançar pesos de abate mais elevados com eficiência de conversão e rendimento de carcaça.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de julho/agosto de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Suinocultura

Pisos térmicos são opção para bem-estar na maternidade

Suinocultor utiliza e garante que a diferença sentida é grande; principais benefícios são redução da mortalidade e ganho de peso dos leitões

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Garantir total bem-estar animal conseguindo assim melhores resultados é o que muitos suinocultores vem fazendo ao longo dos anos. A adoção de tecnologias que ajudem isso tem facilitado o trabalho dos produtores. Esse é o caso do suinocultor do Oeste do Paraná César Luis Scherer, que há sete anos adotou em suas granjas pisos térmicos. Pode parecer algo simples, mas os resultados trazidos foram surpreendentes e satisfatórios, garante o suinocultor. Scherer possui duas granjas: a Vô Manzke, com aproximadamente 700 matrizes, e a Granja Tigrinho, com aproximadamente 1,8 mil matrizes, sendo as duas no município de Toledo.

 Nas duas granjas Scherer utiliza exclusivamente piso térmico nos escamoteadores. “Comecei a usar este sistema de aquecimento desde o inverno de 2013, quando instalamos no Granja Vô Manzke. Agora, na construção da Granja Tigrinho, não hesitamos e, em todas as 420 baias, foi instalado o piso térmico”, informa.

De acordo com o suinocultor, as principais diferenças sentidas na granja após a instalação dos pisos térmicos foram a redução da mortalidade e o ganho de peso dos leitões. “O ambiente aquecido dentro do escamoteador faz com que o leitão procure aquele espaço e não fique próximo a matriz. Com isso, reduz a mortalidade por esmagamento. Ele vai até a matriz somente no momento da amamentação. Por outro lado, como não passa frio ele se desenvolve melhor, que resulta em um ganho de peso maior”, explica.

Scherer destaca que o custo da energia diferencia um pouco depois da instalação dos pisos térmicos. “Mas obvio que com o ganho de peso e redução da mortalidade, compensam”, garante. Outro fato citado pelo suinocultor que foi observado na propriedade, comparando com o passado, foi a redução dos chamados leitões de refugo. “Temos a produção de leitões mais uniformes”, afirma. Mais um ponto positivo observado foi quanto ao resultado da mortalidade de leitões nos crechários. “A média dos últimos seis meses foram de 1.27%, que segundo os técnicos é excelente. Demonstra que os animais desmamados estão preparados e com boa saúde”, diz.

Para o suinocultor, é indispensável implementar um sistema que de conforto térmico e bem-estar ao leitão, para alcançar bom desempenho na atividade de produção de leitões desmamados. “Dentre as opções que estão postas (lâmpada incandescente, Resistência Elétrica, lâmpada infravermelha e Piso térmico), o piso térmico em primeiro lugar apresenta baixo custo de manutenção e dificilmente apresenta problemas. Enquanto lâmpadas, mesmo que com certa resistência, acabam quebrando e sempre é necessário desmontar para fazer a limpeza. Outro fator interessante do piso térmico é o controle absoluto da temperatura de forma extremamente simples. Também é fácil fazer a limpeza e não requer desmontagem. Fica um ambiente limpo e bem higienizado”, assegura.

Scherer reconhece que o desempenho da produção de leitões envolve muitas variáveis, como manejo, limpeza, ambiência, alimentação adequada. “Variáveis que se somam. Mas é importante mencionar que temos alcançado excelente resultados e, no último ano, as granjas mencionadas, alcançaram o segundo e o terceiro lugar na premiação de maior número de leitões porca ano, promovido pela Cooperativa Copagril”, conta. Ele comenta que a estimativa é que neste ano as granjas alcancem mais de 32 leitões vendidos porca ano (atualmente no resultado parcial 32,82), com desmame aos 28 dias.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de julho/agosto de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.