Conectado com

Empresas

Adubação à base de cálcio e enxofre turbina produtividade da soja no RS

No noroeste gaúcho, a média na colheita da soja para quem utilizou fertilizante mineral no solo tem sido em torno de 76 sacas por hectare

Publicado em

em

Terceiro maior produtor brasileiro de soja, o Rio Grande do Sul destinou nesta safra 5.700 milhões de hectares plantados para esta cultura, boa parte na região noroeste do estado. O grão se firmou como um dos produtos de maior destaque na agricultura nacional e, consequentemente, na balança comercial, resultando, neste momento, em bons lucros para os produtores.

A soja, embora seja uma planta adaptável a diferentes tipos de solo, necessita de um solo com fertilidade média e que não seja muito ácido ou mal drenado, isso para desenvolver todo seu potencial produtivo. A partir disso, com um plantio bem planejado, adubação feita de maneira correta e ajuda das condições climáticas, a produtividade pode estar garantida.

No Rio Grande do Sul, a região noroeste é uma das principais produtoras de soja, que deve colher boa parte dos 17 milhões de toneladas estimadas pela Emater/RS para todo o estado. Mas, apesar da região apresentar um solo produtivo, ele também é bastante argiloso. Diante disso, para se obter o máximo potencial produtivo do grão na lavoura é preciso que a planta esteja bem nutrida e o solo esteja descompactado, como explica o engenheiro agrônomo e especialista em solo, Eduardo Silva e Silva. “O solo no sul do país é bastante argiloso, especialmente na região noroeste do RS, sendo necessária aplicação de sulfato de cálcio para afrouxar e ajudar a flocular a argila”, explica o agrônomo. 

A partir da ajuda do cálcio e do enxofre, o solo fica mais permeável permitindo que as raízes atinjam os nutrientes encontrados no solo e responsáveis pelo desenvolvimento da soja. Assim, o sulfato de cálcio entra como protagonista na adubação, principalmente onde há plantio direto, sendo aplicados uma parte no inverno e o restante no verão. “O sulfato de cálcio é uma das principais composições para equilibrar o solo, fornecendo cálcio e enxofre desde a raiz até a parte aérea da planta.”,  afirma Silva e Silva, que também é diretor técnico da SulGesso, empresa catarinense líder no fornecimento de sulfato de cálcio no sul do Brasil, e que tem registrado resultados surpreendentes em produtividade junto aos produtores gaúchos. “Tanto os produtores gaúchos quanto catarinenses atingiram resultados excelentes com a utilização do SulfaCal na lavoura de soja. Além disso, esse fertilizante granulado a base de sulfato de cálcio é mais solúvel que o calcário e também mais acessível, comparando o seu custo-benefício”, explica Silva e Silva.

O agrônomo lembra ainda que no noroeste gaúcho, a média na colheita da soja para quem aplicou o SulfaCal tem sido em torno de 76 sacas/ha, isso considerando um mês de estiagem. “Temos um estudo recente em São Sepé, onde foi aplicado o fertilizante mineral num lote com 60 dias de estiagem, dosagem a lanço de 300 a 500 kg, e o resultado foi até 22 sacas a mais que a testemunha; isso é muito expressivo e traz um ânimo muito grande entre os produtores”, destaca Silva e Silva.

Uma boa produção só acontece com uma boa nutrição, e como as plantas retiram muito cálcio e enxofre do solo, o engenheiro agrônomo recomenda a aplicação de pelo menos 300 kg de SulfaCal agora no inverno pra repor o que a soja retirou e ainda deixar um saldo para a planta de cobertura de solo se nutrir. “Por tonelada de soja são extraídos em torno de 20kg de cálcio e 8.8kg de enxofre. Então repor os nutrientes extraídos agora e realizando a manutenção dos níveis adequados de cálcio e enxofre são a garantia de constância nos médios a altos patamares de produtividade”, finaliza o agrônomo.

Fonte: Ass. de Imprensa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 3 =

Empresas Bovinos

Kemin defende cromo como estratégia para eficiência em sistemas produtivos

Empresa defende uso da tecnologia com mais de 20 anos de experiência e diversos estudos de eficácia nos sistemas de produção de carne e leite 

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

Um sistema de produção de bovinos com animais saudáveis é o mais claro sinal de ganho de peso e produção de leite ao final do dia. Para isso, é imprescindível garantir a eficiência produtiva no rebanho e no animal. Entre as soluções e escolhas, os produtores e nutricionistas lançam mão do propionato de cromo, aditivo mineral que aumenta a eficiência da utilização da glicose celular, gerando assim mais energia ao animal, maior desempenho e performance será o resultado desta conta.

“O uso de propionato de cromo, uma fonte de mineral orgânico, em bovinos de corte e leite, potencializa a energia no animal, resultando em maior eficiência produtiva ao rebanho”, menciona o médico veterinário e gerente de Produtos para Ruminantes da Kemin na América do Sul, Fernando Braga. De acordo com o médico veterinário, “o cromo potencializa a energia ao sistema, entregando maiores resultados na reprodução e produção”.

A Kemin possui experiência de longa data com o cromo. “São mais de duas décadas de estudos científicos que comprovam sua segurança e eficiência para os animais e para o produtor”, acentua Braga. O profissional explica que, aliado a boas práticas de manejo e bem-estar animal, o rebanho tem melhores índices zootécnicos em todas as fases de produção. “O cromo pode ser usado em todas as fases com muita segurança. Nosso cromo possui alta biodisponibilidade e é altamente seguro para o animal. Faz parte do Programa de Eficiência Produtiva da Kemin”, menciona.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Bovinos

Por uma pecuária bem nutrida e tecnificada

1º Ciclo Novus de Inovações na Nutrição de Gado de Corte cumpriu seu objetivo levando informações e atualizações técnicas de relevância para profissionais do setor

Publicado em

em

Gerente de Serviços Técnicos Novus®, Rodrigo Gardinal - Foto: Divulgação

Missão cumprida. Este foi o sentimento da NOVUS® pela conclusão do Ciclo Novus de Inovações na Nutrição de Gado de Corte, webinários realizados entre os meses de maio e setembro que, divididos em quatro módulos, abordou diferentes fases da produção da pecuária de corte: cria, recria, engorda e reprodução.

O tema central trouxe os benefícios zootécnicos obtidos com o uso da metionina, aminoácido essencial amplamente utilizado na produção de monogástricos e que vem se consagrando na produção pecuária leiteira e de corte. “Hoje o uso deste aditivo se tornou estratégico e traz resultados extremamente positivos para a suplementação de bovinos”, informa o Gerente de Serviços Técnicos Novus®, Rodrigo Gardinal.

Para ele, o Ciclo de Inovações apresentou para mais de 300 participantes conceitos e resultados de estudos atuais sobre a importância da metionina não só no quesito saúde animal, mas para o desempenho zootécnico e reprodução. “A correta escolha da fonte de metionina a ser utilizada é o diferencial para obter o máximo de desempenho e benefícios na produção de gado de corte”, destaca Rodrigo.

O profissional informa que atualmente o análogo de metionina (HMTBa), devido as suas atribuições, é a fonte mais completa e de melhor custo benefício para ser utilizado em todas as fases do ciclo produtivo da pecuária. “Estudos recentes publicados confirmam sua importância na melhora da reprodução, potencializando índices reprodutivos para gado de corte e de leite, melhoria de desempenho e no status de saúde”, revela Rodrigo.

O profissional destaca que há no mercado diversas fontes de metionina, contudo, o análogo de metionina se diferencia por suas características. “Apresentamos durante todo o Ciclo que o HMTBa é um aditivo inovador devido a sua composição e característica molecular estrutural, com parte de sua ação local no rúmen – aumento de síntese de proteína microbiana e melhora da digestibilidade da dieta – e ação sistêmica como excelente fonte de metionina metabolizável. Isso ocorre devido a sua composição tecnológica, tornando-o um aditivo de nova geração”, insere o Gerente de Serviços Técnicos Novus®.

Os interessados poderão ter acesso a todos os conteúdos apresentados durante os módulos do Ciclo Novus de Inovações na Nutrição de Gado de Corte. “Disponibilizaremos para os interessados vídeos das palestras dos quatro módulos com todo o conceito, benefícios e aplicações desta tecnologia”, insere Rodrigo e adianta: “O setor pode aguardar outros webinários com temas atuais, diferenciais que só a Novus® pode oferecer.”

Todas as etapas foram ministradas pelo Prof. Dr. Reginaldo Nassar Ferreira da Universidade Federal de Goiás (UFG) que há mais de 20 anos estuda os efeitos dos diferentes aditivos na pecuária.

Solicite o material para o e-mail: dac@novusint.com

Ciclo Novus de Inovações na Nutrição de Gado de Corte:
11/05 – Módulo 1 – Metionina e Zinco na terminação; melhorando o rendimento de carcaça e a conversão alimentar;

22/06 – Módulo 2 – Recria potencializada a pasto – Ação do análogo de metionina na modulação ruminal;

03/08 – Módulo 3 – Cria – Análogo de Metionina e Zinco na prevenção de fotossensibilização e impacto na saúde intestinal de bezerros;

14/09 – Módulo 4 – Como aumentar os índices reprodutivos com o uso da metionina?

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Nutrição adequada minimiza efeitos de estresse térmico em aves de corte, recuperando a produtividade

Publicado em

em

Divulgação Auster

As altas temperaturas ambientais são incômodas para as aves de corte, sendo um fator estressante para elas. “A elevação térmica provoca desconforto nesses animais homeotérmicos, gastando sua energia para manter a temperatura interna por volta dos 41°C”, explica a médica veterinária Sibele Lourenço, representante técnica comercial da Auster Nutrição Animal. “Esse incômodo gera reações comportamentais e fisiológicas, pois as aves tentam diminuir a temperatura corporal, podendo até ocasionar desequilíbrios no organismo conforme duração e intensidade do estresse”, explica a especialista.

Entre as reações, destacam-se abertura das asas a fim de aumentar a área de superfície corporal, aumento da procura por locais mais frescos no aviário e maior ingestão de água, além da redução do consumo de ração na tentativa de minimizar o calor corporal produzido pelos processos de digestão, absorção e metabolismo dos nutrientes. “Isso provoca deslocamento do uso da energia que seria destinada à produção para promover perda de calor, desviando os nutrientes para mantença, com consequente redução no ganho de peso e desempenho, queda na imunidade e aumento da taxa de evaporação pelo trato respiratório na tentativa de resfriamento”.

No estresse térmico agudo, podem surgir alterações na morfologia intestinal das aves de corte, visto que as altas temperaturas reduzem a proliferação dos enterócitos, causam redução na profundidade das criptas sem alteração na altura das vilosidades e reduzem a relação vilo:cripta. Já o estresse crônico reduz a altura das vilosidades e o peso do jejuno. Tais alterações afetam a capacidade da ave de digerir e absorver nutrientes para sua manutenção e produção.

A representante técnica da Auster explica que para as aves atingirem o máximo desempenho, utilizando a mínima quantidade de energia para manutenção da temperatura corporal, é necessário que a temperatura ambiente esteja na faixa de conforto térmico – que pode variar conforme a idade e com umidade entre 50% e 70%.

Sibele Lourenço afirma que o estresse térmico pode causar consistentes prejuízos, elevando os custos da produção a partir da necessidade de equipamentos e instalações, além de proporcionar maior ocorrência de doenças devido à queda da imunidade, frequência respiratória elevada e, como consequência, afetando o bem-estar dos animais. “Nos Estados Unidos, as perdas econômicas devido ao estresse térmico variam de US$ 128 a US$ 165 milhões anualmente. É uma referência importante para entender os prejuízos que causa também à avicultura brasileira”, informa.

Para minimizar os efeitos negativos do estresse térmico, a representante técnica da Auster orienta cuidados com o ambiente da granja e as instalações, com adoção de tecnologias e equipamentos que auxiliem no melhor condicionamento térmico ambiental, como ventiladores, exaustores, nebulizadores e placas evaporativas, o que possibilita bom desempenho produtivo das aves. “A instalação precisa ter orientação correta, evitando a incidência da luz solar para evitar o superaquecimento. Porém, a adequação do ambiente não é a única medida recomendada. Os cuidados incluem o bom manejo nutricional, com atenção à formulação das rações para frangos de corte em diferentes instalações, regiões e estações do ano”, explica Sibele Lourenço.

Para melhorar as condições ambientais e diminuir os efeitos do estresse térmico, a Auster Nutrição Animal oferece aditivos que ajudam a revigorar características intestinais, auxiliando no aproveitamento dos nutrientes e amenizando perdas principalmente energéticas, como Econase XT, com atuação na degradação das ligações entre as cadeias de fibras, melhorando a digestão proteica  e a eficiência no crescimento; Novyrate C (butirato de sódio), que contribui para o controle de carga microbiana no trato digestivo, inibe o crescimento de bactérias patogênicas e reduz o pH gástrico; e o suplemento energético em pó Prius Booster Avis, derivado do óleo de soja refinado com 99% de gordura e com complemento de enzimas, que oferece efeitos benéficos, visto que a adição de óleos e gorduras nas rações de animais submetidos ao estresse por calor está associada a modificações na fisiologia gastrointestinal e ao menor incremento calórico.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.