Conectado com

Avicultura

Aditivos fitogênicos para o desempenho do “super frango”

Aditivos fitogênicos de extratos vegetais nutricionais são utilizados na nutrição animal como fonte de nutrientes, tendo objetivos exclusivos na melhora e manutenção do desempenho dos animais

Publicado em

em

Artigo escrito por Giselle D. Gallio, zootecnista da Nutriquest Technofeed

No início dos anos de 1940, obtiveram-se os primeiros dados mostrando a eficiência do uso de antimicrobianos de modo profilático na avicultura. Com essa ferramenta e o desenvolvimento do conhecimento de outras, como ambiência, nutrição e genética, em seis décadas, o frango de corte já atingia quase 40% de peso a mais, ficando menos da metade do tempo a campo. Em 2016, mesmo com as restrições ao uso de antibióticos, tivemos animais a campo com peso vivo de 3kg e conversão alimentar menos da metade do que se tinha há 70 anos. De modo mais didático, os antimicrobianos deram o ponta pé inicial para que o frango que tinha um ganho de peso médio diário de pouco mais de 14 gramas passasse a ostentar, em média, 70 gramas diárias de ganho.

Sendo o Brasil o maior exportador de carne de frango desde 2004 e segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) podendo atingir, em 2017, 38% da exportação mundial e com estimativa de que 45% da carne de frango exportada seja brasileira em 2025, o atendimento da legislação de outros países se faz obrigatório e necessário.

A partir de 1990, houve um grande avanço nas pesquisas envolvendo os estudos químicos e farmacológicos de plantas medicinais, visando a obtenção de novos produtos com propriedades terapêuticas. Quando em 2006 a União Europeia restringiu o uso de antibióticos na produção animal acelerou-se o desenvolvimento de pesquisas de aditivos alternativos fitogênicos.

A legislação

Segundo o FDA (Food and Drug Administration), dos Estados Unidos, aditivos são substâncias adicionadas com a finalidade de melhorar o desempenho do animal, passível de ser utilizada sob determinadas normas e desde que não deixe resíduo no produto de consumo. No Brasil, a legislação vigente (Instrução Normativa 13/04, alterada pela Instrução Normativa n° 44/15) define aditivo como “substância, microorganismo ou produto formulado, adicionado intencionalmente aos produtos, que não é utilizado normalmente como ingrediente, tenha ou não valor nutritivo e que melhore as características dos produtos destinados à alimentação animal dos produtos animais, melhore o desempenho dos animais sadios ou atenda às necessidades nutricionais”.

Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), os aditivos nutricionais podem ser classificados como vitaminas, microminerais, aminoácidos e outros (ureia, nucleotídeos, ácidos graxos, etc.).

Os mais conhecidos e utilizados na produção animal são principalmente os óleos essenciais, que têm características antimicrobianas (altera a permeabilidade da membrana citoplasmática, causando a interrupção dos processos essenciais às células e consequentemente a morte bacteriana), portanto, tratado basicamente como fitoterápico.

Os fitogênicos

Os aditivos convencionais, nutricionais ou não, ocupam aproximadamente 1% do volume da ração, e podem chegar entre 7 e 8% do seu custo. Os aditivos fitogênicos de extratos vegetais nutricionais são utilizados na nutrição animal como fonte de nutrientes, não sendo farmacológicos (fitoterápicos) e tendo objetivos exclusivos na melhora e/ou manutenção de desempenho dos animais.

Segundo Ministério do Desenvolvimento, Industria e Comercio Exterior (MDIC), em 2012, aproximadamente 6% do custo da ração é composto exclusivamente pelos aditivos que a acompanham. Desta forma, pode-se considerar que 8,5% do custo total de produção de aves e suínos pode ser relacionado a este fator.

Aditivos fitogênicos nutricionais

Quando se considera aditivos fitogênicos para nutrição animal, basicamente trata-se de substitutivos de aditivos convencionais, tendo como principais motivos para essa alteração a busca de melhor viabilidade de custos, melhoria de processos de produção e qualidade de produto final. Para esse nicho, encontram-se basicamente algumas vitaminas e aminoácidos disponíveis no mercado.

Vitaminas fitogênicas

Buscando principalmente reduzir os efeitos da instabilidade das vitaminas no formato sintético, o mercado passou a pesquisar algumas vitaminas de necessidades básicas para a produção animal e principalmente para a qualidade de produção de rações. Vitaminas como a Colina, vitamina C e vitamina E possuem dificuldades de apresentação estável. A Colina, quando no formato de Cloreto, interfere diretamente nas demais vitaminas se misturada no premix. Um estudioso cita que é um produto muito instável e que frequentemente apresenta problemas na concentração. Por outro lado, a vitamina C tem como sua característica natural ser sensível ao calor, luz e oxigênio. Este fato também é visto pelo fato de que aves, sob estresse térmico, diminuem sua síntese, sendo necessário seu fornecimento via ração, enquanto que a vitamina E é altamente sensível à oxidação, sendo necessário a esterificação de acetato para torná-la estável.

Todas a vitaminas de origem herbal disponibilizadas no mercado buscam, impreterivelmente, atender a melhor forma de fabricação de rações para que a qualidade do alimento seja mantida conforme preconizado pelo nutricionista, sem interferência deletéria devido ao formato de estabilização da vitamina a ser utilizada.

Aminoácidos fitogênicos

O uso de aminoácidos fitogênicos disponíveis no mercado segue os mesmos critérios de utilização das vitaminas fitogênicas. Deve-se conhecer a bioequivalência em relação aos aminoácidos convencionais utilizados na nutrição animal para que possam ser integrantes da nutrição.

Considerando os aminoácidos Lisina e Metionina de maior impacto na nutrição animal, as fontes disponíveis no mercado buscam ser alternativas principalmente a processos produtivos. No caso da Lisina, alguns autores citam que a forma sintética é passível de menor digestibilidade, já que pode sofrer reação de Maillard quando a ração é processada em altas temperaturas. Referente a Metionina, pesquisadores citam que fontes vegetais podem substituir de maneira efetiva a DL-metionina (sintética).

Sendo o Brasil grande produtor de carnes, o espaço para pesquisas de nutrientes fitogênicos pode e deve ser mais aproveitado nos próximos anos, trazendo alternativas tanto para nutricionistas quanto para gestores de processos, buscando excelência na qualidade do produto final.

Mais informações você encontra na edição de Aves de janeiro/fevereiro de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 + onze =

Avicultura Postura

Novas tecnologias focam bem-estar animal e melhor desempenho nos incubatórios

Novas tecnologias ganham cada vez mais espaço para atender exigências como bem-estar animal, melhor desempenho e eficiência produtiva no campo

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Eduardo Costa, médico veterinário e diretor de Produção de Incubatório da Cobb-Vantress na América do Sul

Todas as pesquisas e novas tecnologias voltadas para os incubatórios seguem o irreversível caminho do atendimento a demandas como bem-estar animal, melhor desempenho e eficiência produtiva no campo. As novas tecnologias ganham cada vez mais espaço para atender essas exigências. Neste artigo listo tendências e mudanças que já estão em curso nos incubatórios.

Um dos entraves na produção de pintinhos de um dia está com os dias contados. Nas chamadas incubadoras de estágio múltiplo, ainda bastante populares no Brasil, a mesma máquina é incubada diversas vezes em dias alternados, apresentando ovos de diferentes idades de incubação dentro do mesmo equipamento, impossibilitando fornecer as condições ideais às distintas necessidades de cada fase do desenvolvimento embrionário. Aos poucos, os equipamentos de estágio múltiplo vêm sendo substituídos pelas incubadoras de estágio único, onde toda a carga é incubada em um mesmo momento. Dessa forma é possível atender por completo as exigências dos embriões em cada fase de desenvolvimento até o nascimento.

Incubadoras de Estágio Único

Essa tecnologia nos permite controlar aspectos como CO2, temperatura ambiental e dos ovos, além de possibilitar trabalhar perfis de incubação fornecendo estímulos desses parâmetros em determinadas fases do desenvolvimento embrionário a fim de produzir pintos com capacidade de expressar todo o seu potencial genético. Essas e outras cinco fronteiras da avicultura começam a ser ultrapassadas por ciência e muita tecnologia empregada desde o início da cadeia produtiva.

Os incubatórios vivem uma fase de migração de incubadoras de estágio múltiplo para incubadoras de estágio único. Esta tecnologia já vem sendo usada com inúmeros benefícios. Ao trabalhar em estágio único as incubadoras estão trabalhando para atender as necessidades de requerimentos do embrião com benefícios como melhor nascimento, principalmente em lotes mais velhos e também melhor qualidade de pintinho, com impacto em melhor performance desta ave no campo.

Sexagem In Ovo

A sexagem in ovo está no campo das novas tendências. Muitas empresas estão investindo bastante no desenvolvimento de diferentes métodos de sexagem in ovo e as primeiras máquinas já começam a aparecer no mercado, focando no segmento de poedeiras comercias com a finalidade de atender a demanda de bem-estar animal, pois com ela se descarta os ovos sem a necessidade de descartar os machos. O avanço dessa tecnologia e o surgimento de novos métodos deve baratear os custos do equipamento, que deve chegar em incubatórios de matrizes pesadas e de frangos de corte em escala comercial. O uso da sexagem in ovo vai trazer uma redução muito relevante de mão-de-obra, além de atender ao bem-estar animal.

Automação

No Brasil estamos passando por uma transformação bastante interessante no que diz respeito a automação dos incubatórios. A automação já atua em diferentes frentes, como na vacinação em ovos. No entanto, ainda há desafios.

Quando uma empresa busca a automação, mais do que a redução do quadro de funcionários, ela procura também aumento da produção, padronização, melhor qualidade, redução de erros, maior produtividade e flexibilidade. No final, esses fatores significam redução do custo de produção, maior eficiência e lucro. Outra grande vantagem dos sistemas automatizados é a melhor ergonomia e satisfação dos colaboradores, ou seja, menor rotatividade, proporcionando melhor especialização da equipe.

Nutrição In Ovo

A nutrição in ovo está no campo das novíssimas tendências. Temos muitas pesquisas em campo, mas nada concreto no mercado. Trata-se da injeção de micronutrientes in ovo para o embrião já começar com aporte de aminoácidos e vitaminas antes de nascer. O objetivo é melhorar o sistema inume das aves e a performance no campo. Estudos demonstram que a técnica se traduz em uma ave mais robusta e com melhor eficiência produtiva no campo. Uma das barreiras é o volume de nutrientes necessários a ser aplicado no ovo e sua capacidade limitada de comportar esses micronutrientes.

Alimentação Precoce ou Early feeding

A alimentação precoce também está em destaque entre as novas tendências. A ave passa a ter acesso a água e ração imediatamente após o nascimento. Em alguns países da Europa isso já uma exigência de clientes (redes de supermercado, fast food, etc) e governos para atender diretrizes de bem-estar animal.

A alimentação precoce também pode trazer benefícios zootécnicos. Com o estímulo precoce, o sistema digestivo tem um melhor desenvolvimento, trazendo melhor performance das aves no campo. O fornecimento de água ou alimentos com altos níveis de umidade também ajudam a prevenir a desidratação das aves, impactando a mortalidade de primeira semana.

Nascimento na granja ou On farm hatching

O nascimento na granja é uma linha de trabalho que vem ao encontro com a essência da nutrição precoce. No caso desta inovadora forma de criação, ao invés de ir para o nascedouro, os ovos vão diretamente para a granja.

Essa prática traz vantagens de biosseguridade para o incubatório por não ter aves ou plumas dentro da unidade, mas também pode ser bastante desafiadora. Ela vai exigir um controle de ambiência muito mais preciso nos caminhões de transporte desses ovos embrionados e nos galpões, além de aumentar o ciclo de cada lote para o produtor e subir o seu custo com dificuldade de realizar a seleção das aves e o controle preciso do número de aves alojadas em cada aviário, entre outros. Essa é uma tendência que ainda pode demorar um pouco a chegar no Brasil, mas deve chegar.

O bem-estar animal tem papel fundamental nos avanços de tecnologias. Nos avanços e pesquisas de todo o setor, basicamente, as novas tecnologias e automações estão buscando redução de custo, melhor produtividade e bem-estar animal, além de melhor desempenho das aves em nível de campo. Somando todas estas tecnologias com os constantes ganhos genéticos, o frango do futuro será um animal mais eficiente, trazendo melhores resultados zootécnicos desde a conversão alimentar no campo até o rendimento das aves no abatedouro.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Avicultura

Comparação de distintas fontes comerciais de metionina

Conhecer o valor nutritivo da MHA em relação à DLM é um pré-requisito importante para tomada de decisão sobre qual fonte de metionina utilizar

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito pela equipe técnica da Evonik

A metionina, um dos principais aminoácidos essenciais para manutenção e crescimento, é o primeiro limitante em aves e segundo para suínos, com principal função de participar da síntese proteica, além da fonte de enxofre que pode ser doado para a síntese de outros componentes químicos. Por sua vez, a metionina atua na síntese de cisteína, que é também utilizada para a síntese da proteína corporal, formação da pele, penas, e importante no estresse e ao status inflamatório. Outro aspecto importante da participação da metionina é no ciclo da transmetilação, formação de S-adenosilmetionina, doador de grupo metil para síntese de creatina, fosfotidilcolina e poliamina, e também é percussor para síntese de proteínas que podem ser incorporados em glutationa ou catabolizado a taurina.

Os aminoácidos de maneira geral são encontrados nas formas isoméricas levogiro (L) e dextrogiro (D), todavia apenas os aminoácidos na configuração L são utilizados na síntese proteica. Dependendo da espécie animal, alguns isômeros D-aminoácido podem ser aproveitados com várias eficácias, como D-metionina que é 100% aproveitada pelas aves e suínos. A utilização do isômero D-metionina é através da desaminação oxidativa do isômero e a segunda a transaminação do cetoácido para a configuração da L-metionina.

Existem diferentes produtos disponíveis no mercado capazes de fornecer metionina nas formulações, como a DL-Metionina 99% (DLM 99%) que é uma mistura racêmica entre os isômeros levogiro e dextrogiro; e seus produtos análogos como a metionina hidróxido análoga (MHA) ou ácido 2 hidroxi4metil-tio-butanoico (HMTBa) como também é chamada, em sua forma líquida conhecida como MHA-FA 88%, e a metionina hidróxido análoga cálcica, na forma pó (MHA-Ca 84%). Para formar a MHA-Ca é realizada uma reação da MHA-FA 88% com di-hidróxido de cálcio, permitindo a formação do produto na forma pó. Os análogos diferenciam-se da metionina por apresentarem um grupamento hidroxila (OH) no lugar do grupamento amina (NH2), localizado no carbono alfa da molécula.

A DLM 99% em sua forma, possui 99% de DL-Metionina e 1% de água. No entanto, a MHA-FA apresenta uma fração de 23% de oligômeros (dímeros e trímeros), 65% de monômeros e 12% de água. Já a MHA-Ca, em sua forma pó, apresenta 2% de água, 12 a 14% de cálcio e 84 a 86% de monômeros. Há controvérsias em relação aos componentes descritos da MHA que pode prejudicar a sua biodisponibilidade, onde existe a necessidade da hidrólise dos dímeros e oligômeros para monômeros, forma em que é absorvida de maneira eficiente. Além disso, tal processo é lento em condições fisiológicas, por sua vez a diferença de absorção da MHA tem sido descrita, e sua baixa efetividade pode ser explicada em partes, devido ao aumento da excreção de oligômeros encontrados nas excretas.

Além disso, a molécula de MHA contém um grupamento hidroxila, ao contrário da molécula de DLM que contém um grupo amino (NH2+). Há necessidade da MHA para transformar-se em uma molécula de metionina, ocorre uma reação no fígado através da substituição do grupo hidroxila pelo amino, tornando-se assim a MHA uma molécula ativa para atender as necessidades biológicas. Tal fato, esboça um esforço fisiológico, incluindo enzimas específicas para que MHA torne-se uma molécula de L-metionina. A DLM também necessita de metabolismo celular para transformar seu D-isômero em L-metionina, no qual, ambos os isômeros de metionina não necessitam receber grupos amino.

Dessa maneira, o valor da biodisponibilidade (bio-eficácia) das fontes de metionina é uma informação muito importante para os departamentos de nutrição e compras. Podemos considerar que a biodisponibilidade é um valor relativo que compara o potencial nutricional ou a eficiência de um nutriente com base em um determinado padrão de nutriente. O método dose-resposta é o método tradicionalmente utilizado para definir as exigências dos monogástricos, no qual é baseado na resposta do animal ao aumento na ingestão de um determinado nutriente. A adição de um nutriente limitante na ração, mantendo os demais níveis de outros nutrientes adequados, promove o crescimento do animal até a exigência ser atendida. Conhecer o valor nutritivo da MHA em relação à DLM é um pré-requisito importante para tomada de decisão sobre qual fonte de metionina utilizar, levando em conta o custo na compra de ingredientes para a formulação de dietas e para a produção animal. Os estudos de bio-disponilbilidade das distintas fontes de metionina têm sido realizados durante muitas décadas. Em 2014, uma publicação apresentou um valor médio de bio-eficácia (BE) entre diferentes artigos de 63, 64 e 59% para ganho de peso (GP), conversão alimentar (CA) e rendimento de peito (RP), como mostra na tabela 1.

Entre os anos 2015 e 2016, mais pesquisas foram desenvolvidas na América Latina para comprovar as hipóteses mencionadas nesse artigo como mostra na tabela 2.

No Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária (INTA) na Argentina, ao avaliar a BE da MHA-Ca, foi adicionado um tratamento com uma DL-Metionina diluída até que a concentração de 65% (DLM65), com resultados encontrados de 73 e 64% aos 28 dias; e 53 e 65% aos 42 dias, respectivamente para MHA e DLM65. A DLM diluída até 65% mostrou um comportamento semelhante a MHA, com valores médios de 63 e 64,5% para as duas fontes testadas. Outros trabalhos, como na Universidade Estadual Paulista (Unesp 2015) com resumo publicado no Poultry Science (New Orleans/EUA 2016), Universidade Federal de Lavras (UFLA 2015) com resumo no Poultry Science no Brasil (Campinas/SP 2016) e Universidade Estadual de Maringá (UEM 2016), apresentaram resultados de BE para MHA conforme relatados na literatura, sustentando a eficiência das dietas com MHA com bio-disponibilidade próxima de 65%. Com base nesses estudos, os valores médios de BE para MHA são de 62 e 66% para conversão alimentar e ganho de peso, respectivamente.

Mais recentemente em 2018 o EFSA (European Food Safety Authority) que é um organismo da União Europeia que visa fornecer à Comissão Europeia e ao público pareceres científicos independentes sobre a segurança alimentar e os riscos possíveis na cadeia alimentar, conduziu uma meta-análise que mostrou que as bioeficácias da MHA foram 71 e 69% dos valores da DL-metionina na base produto para ganho de peso diário (GPD) e conversão alimentar, respectivamente. As principais razões para a baixa bioeficácia são: a microbiota do intestino delgado compete com o animal mais usando MHA do que a DL-metionina; e MHA e seus sais podem conter, além do sal e ácido livres, quantidades de dímeros, trímeros e oligomeros, conhecidos por terem baixa bioeficácia.

Diante do exposto, podemos concluir que o baixo aproveitamento da MHA mencionado por pesquisas, pode ser comprovado com os valores de BE apresentados em estudos recentes, com valores médios próximos de 65%.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Mercado

Venda antecipada dos grãos acende alerta de produtores de proteínas animais

Lideranças do setor têm trabalhado para que não haja desabastecimento, principalmente de milho, devido ao grande volume de vendas antecipadas que ocorre em razão da alta do dólar

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado tem sido cheio de surpresas para o agronegócio brasileiro. Uma delas foi quanto a valorização do dólar, que deixou o preço das commodities bem atrativas para os produtores venderem seus produtos ao mercado externo. Isso tem feito com que muitos produtores, inclusive, já fizessem contratos para a venda de suas safras de soja e milho de 2022. Mas esta euforia em vender a bons preços pode não ser tão positiva para o setor de proteína animal nacional, que vem crescendo e assim demandando cada vez mais milho e farelo de soja para ração animal.

 Segundo a analista de Grãos da StoneX, Ana Luiza Lodi, o momento de Real desvalorizado tem incentivado muito o adiantamento das vendas de grãos, além dos preços domésticos muito elevados. “Para o mercado nacional, o que tem acontecido atualmente é uma restrição de oferta, uma vez que a soja da safra 2019/20 está praticamente toda comercializada e as vendas do milho também estão adiantadas”, comenta. O destino dos grãos é bastante variado, avalia a analista. “A China predomina como principal destino da soja. Enquanto para o milho, os destinos são bem diversificados, lembrando que a maior parte do milho fica no mercado interno”, diz.

Ana Luiza lembra que atualmente existe a preocupação com a oferta mais restrita do milho para o mercado doméstico. De acordo com ela, é um conjunto de fatores que tem sustentado os preços do milho, incluindo o maior uso para fabricação de etanol, impactando os custos de produção de carnes. “Não há uma “falta” de milho, uma vez que, apesar das vendas adiantadas, ainda há cereal para ser negociado, só que os preços estão muito altos. De qualquer forma, o crescimento do uso de milho para etanol é um ponto que deve ganhar cada vez mais relevância, pois está reforçando o consumo interno de milho, principalmente no Mato Grosso, afetando inclusive a dinâmica de preços do Estado”, informa.

A analista explica que podem existir riscos desta venda antecipada tanto para os produtores de proteína animal quanto para os produtores de grãos. “Para os produtores de grãos, o risco de se vender uma parte grande da safra antes do plantio, em meio aos preços elevados, é ocorrer uma quebra de safra e ele não conseguir entregar os volumes acordados, precisando renegociar os contratos. No caso do setor de proteínas, o risco é enfrentar uma oferta restrita de grãos e preços muito elevados para originar, mas o setor de carnes também pode se antecipar mais nas compras de grãos para minorar o risco de enfrentar dificuldades na originação por falta de produto, principalmente em momentos quando as vendas estão muito antecipadas”, avalia.

Como o setor tem reagido

A venda das safras futuras não passou despercebida pelos produtores de proteína animal. Lideranças e associações estão atentas ao comportamento do mercado. Mas, segundo o presidente da Associação Catarinense de Avicultura (Acav), José Antônio Ribas Junior, as disponibilidade e cotações dos grãos são sempre temas impactantes para o setor de produção de proteínas. “Esta reorganização do “modus operandi” deste mercado trouxe novos desafios e aprendizados ao nosso setor. Embora a afirmação de que as safras futuras estejam comercializadas não expressa todo contexto deste mercado. Estamos monitorando e há oportunidades de negócio para aproveitarmos”, comenta.

Mesmo com esta venda antecipada, Ribas não acredita que poderá ocorrer uma falta de abastecimento para o setor de proteína animal. “Há alternativas que estão sendo trabalhadas. Entre elas, por exemplo, a redução de taxas de importação. Ações que ajudam a reequilibrar a conta em relação à oferta e demanda”, diz. Ele explica que outro aspecto importante que vem sendo trabalhado é a participação do setor nestes contratos futuros. “Há muitas frentes sendo debatidas e trabalhadas pelo setor. Lembrando que por se tratar de um setor relevante na geração de valor agregado ao país, gerando emprego e riquezas aos brasileiros, faz todo o sentido que sejam investidos esforços para evitarmos uma “crise”. Os efeitos disso seriam desastrosos para economia e a balança comercial do Brasil”, afirma. Ribas complementa que neste sentido, haverá dias desafiadores à frente, que demandarão esforços conjuntos para evitar os cenários mais críticos.

Mesmo com esta confiança, o presidente da Acav comenta que o aumento dos custos de produção já é real. “O ano de 2020 está sendo um dos grandes ofensores dos resultados do setor. O complexo grãos é um dos maiores custos na produção de aves e suínos, pois a alimentação dos planteis representa algo entre 60 a 70% do custo total. Pelos números citados podemos concluir o tamanho do impacto. Soma-se a isso o momento de crise que a pandemia trouxe às economias de todos os países e aqui no Brasil, fato que dificulta o repasse de custos nas vendas. Todos estes aspectos desafiam o setor. Parte destes cenários é compensado com exportações. Mas não podemos deixar de citar que a maior parte das aves e suínos produzidos são para o mercado interno”, diz.

Além disso, o presidente da Acav lembra que há muitas formas desta venda antecipada prejudicar as proteínas animais. “Afora a elevação de custos já citadas, podemos ter dificuldades qualitativas também. Se a priorização for de atender o mercado exportador, podemos enfrentar este tipo de situação. Também podemos ter desabastecimentos pontuais e locais. Todas estas variáveis, entretanto, estão na agenda de todo o setor e estamos trabalhando na construção de estratégias e alternativas. A elevação de custos pode trazer reduções de produção e consequentemente a redução de postos de trabalho. Já assistimos a este filme e não queremos repetir a história”, afirma.

Lideranças estão atentas ao movimento

De acordo com Ribas, o que vem sendo trabalhado por todas as lideranças do setor é evitar que haja uma crise de desabastecimento, assim como aconteceu em 2016. “Esperamos e trabalhamos para evitar este cenário. É importante compreender que o mundo está se reorganizando quanto ao abastecimento e movimentações de alimentos. Quaisquer prognósticos podem sofrer ainda impactos desconhecidos da crise da Covid e suas consequências – até no comportamento das pessoas. Dito isso, reforço que os debates junto ao governo e estratégias do setor estão sendo trabalhados para estabilizar este contexto”, conta.

A liderança acredita que o setor irá superar este desafio pela sua grandeza. “O agronegócio tem sido ora uma alavanca da recuperação e desenvolvimento econômico, ora a sustentação da economia diante de crises. Mas este patrimônio nacional, frequentemente, sofre ataques injustos. O trabalho feito por toda a cadeia de produção de aves e suínos do Brasil tem na sua base e essência muita responsabilidade ambiental, legal, social e econômica. Os números são ilustrativos disso. Maior gerador de empregos, geração de renda, qualidade de vida e preservação ambiental. Um orgulho aos brasileiros”, frisa.

Ribas acrescenta que este mercado e esta estratégia de negociação não são fatos novos, tampouco uma verdade única e absoluta. “Talvez a situação da economia global e seus reflexos nas economias locais, entre elas, as disparidades de moedas, geraram movimentos mais agressivos e antecipados. As entidades do setor estão atentas e trabalhando junto às empresas e governo. Há uma agenda de debates, onde precisamos reduzir exposição, criar políticas de abastecimento e armazenamento para nossas produções, investir em logística que coloque o grão onde está o consumo (nos últimos anos os investimentos logísticos foram para facilitar exportação), reduzir taxas de importação e ampliar parceiras com países produtores, reordenar os tributos estaduais, incentivar a produção, enfim, ações com impactos imediatos assim como ações de médio e longo prazos”, enumera a liderança.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.