Conectado com
O Presente Rural Youtube

Suínos / Peixes Bem-Estar Animal

Aditivo neuro-sensorial diminui estresse dos animais

O estresse sentido pelo animal torna-se um fator que limita a expressão do seu melhor desempenho

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

 Artigo escrito por Jean-François Gabarrou, PhD, gerente Científico Animal Care, Phodé, França

Sabemos que o potencial genético dos animais de produção aumenta de maneira contínua. No entanto, os indicadores de desempenho na produção animal permanecem inferiores ao potencial indicado, mesmo tendo tanto domínio nos parâmetros de produção: arraçoamento, ambiente, saúde…

De fato para melhorar o desempenho de um animal, frequentemente focamos em seu ambiente (o que é primordial). No entanto, também devemos focar no animal, pois é dele que exigimos cada vez mais um melhor desempenho.

Esta situação gera um aumento do estresse na produção animal, influenciado pelos seus diversos parâmetros de produção. Assim, o estresse sentido pelo animal torna-se um fator que limita a expressão do seu melhor desempenho.

O conceito do Melhor Estar

O conceito do “Melhor Estar”, é usado pelos especialistas em olfação que criam aditivos neuro moduladores para reduzir as consequências do estresse na produção animal moderna. O princípio base é simples:

  • Os animais estão sempre em busca do “Melhor Estar”, cabe a nós oferecer-lhes uma solução para que expressem este ”Melhor Estar”.
  • Algumas moléculas olfativas têm efeitos na percepção do estresse e podem oferecer esta solução.

Embora o conceito seja simples, sua aplicação é mais complexa:

  • A seleção dos extratos vegetais e de seus fornecedores, tornam este produto complexo.
  • O desenvolvimento de uma galênica específica que permita a liberação dos princípios ativos ao longo do tempo, requer uma fabricação única e tecnificada.
  • A determinação do modo de ação de um aditivo neuro sensorial, que atua diretamente no cérebro, necessita complexas ferramentas de investigação e uma pesquisa base de longo prazo.
  • Por último, como prova decisiva, permanece os resultados dos efeitos no animal, sobretudo em diferentes situações de estresse.

Complexo

O aditivo neuro sensorial é um produto complexo, geralmente fabricada à base de extratos vegetais voláteis. Outra particularidade é a sua galênica especial, que permite ao alimento veicular seus princípios ativos, evidentemente até a zona digestiva, mas sobretudo aos órgãos da olfação.

O aditivo neuro sensorial atua no cérebro modulando a percepção do estresse, estimulando o circuito da recompensa e favorecendo assim os comportamentos mais adaptados ao estresse percebido pelo animal.

Assim, após inúmeros teses em diferentes situações de estresse típicas da produção  animal, o aditivo neuro sensorial atua com alta eficiência na redução do estresse térmico, estresse de densidade, estresse de manejo, estresse nutricional e estresse social, por exemplo.

Estresse térmico: baixo desempenho relacionado ao baixo consumo de água?

A resposta comportamental esperada na situação de estresse térmico é o consumo excessivo de água.

Quando o estresse térmico prolonga-se durante o dia, os animais ficam resignados, consumindo menos água e tendo como consequência a desidratação.

Baixo consumo de alimento e perdas de desempenho, são consequências da insuficiência do consumo de água. O mesmo ocorre com o aumento na mortalidade em situação de estresse térmico, estando amplamente relacionado à desidratação.

O uso de aditivo neuro sensorial mostrou em diversos trabalhos que permite manter um alto consumo de água, estimulando o sentido de recompensa durante o comportamento de consumir água. Os animais alimentam-se melhor, crescem mais e a mortalidade é fortemente reduzida. Este exemplo ilustra bem o efeito da busca pelo ”Melhor Estar” no comportamento das aves.

Estresse por alta densidade na produção animal

As altas densidades de produção sempre levam a uma redução do consumo de alimento, acarretando uma dedução dos indicadores de crescimento.

Este fenômeno é amplamente compensado pelo ganho em produtividade por barracão, almejado pelo excesso de densidade.

Na avicultura moderna é obrigatório priorizar o desempenho global em relação ao desempenho individual. Mas isto é realmente contraditório?

Obviamente não se pode voltar atrás e recomendar uma diminuição da densidade dos animais em produção, isto seria negar as realidades do mundo moderno. No entanto, devemos investigar mais para então descobrir a origem desta problemática.

Mais uma vez, priorizamos o ambiente do animal (aqui a densidade pensada economicamente) em relação à consideração do animal como um indivíduo.

A causa é simples e merece grande atenção: o estresse, através da secreção de cortisol induz, a produção de leptina nos mamíferos e de interleucinas nas aves domésticas que por sua vez limitam o consumo de alimento.

O uso de aditivos neuro sensoriais, provocam nos animais uma limitação da percepção deste estresse de densidade, possibilitando recuperar parte do consumo perdido.

O bom desempenho é inteiramento recuperado, mais uma vez, através da diminuição dos efeitos do estresse, como o catabolismo devido ao alto nível de cortisol.

Em galinhas poedeiras muito sensíveis ao estresse por densidade, além do uso de aditivos neuro-sensoriais é extremamente importante melhorar as instalações de produção.

Estresse na uniformização e mistura de lotes

Durante uma uniformização de animais (homogeinização dos lotes de suínos, introdução de porcas em uma baia, transferência de frangas para um local de postura) uma nova hierarquia será implantada.

Isso passa necessariamente por múltiplos confrontos entre os animais. Estas brigas são totalmente naturais, porém podem gerar comportamentos anormais como canibalismo, abrindo as portas aos patôgenos que por sua vez, podem levar o animal à morte.

Além disso, estas agressões repetidas aumentam o estresse no ambiente, propagando estes distúrbios comportamentais como uma epidemia.

O uso do aditivo neuro sensorial não diminui a frequência das brigaas entre animais. Observa-se até um leve aumento logo no início. Mas ao contrário, a duração das brigas é limitada e a intensidade das lesões observadas mais ainda, a ponto que a recuperação dos animais é muito rápida.

Aplicabilidade

Este exemplo nos permite entender que este novo conceito pode se aplicar a qualquer tipo de estresse imposto aos animais. Sabemos que o estresse está presente em toda parte durante as diversas fases da produção animal, desde a chegada até o dia da retirada dos animais. Facilmente podemos imaginar o reflexo positivo, referente ao uso de aditivos neuro sensoriais de maneira contínua, permitindo um aumento de produção significativo, bem como uma espetacular redução da mortalidade causada pelas agressões ou estresse (vacinação, retirada, transporte…).

Os aditivos neuro sensoriais são um conceito único e inovador que permite manter e otimizar o desempenho na produção animal mai exigente, tomando em consideração o ”Better-Being” individual do animal.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de julho/agosto de 2019.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × três =

Suínos / Peixes Segundo ABPA

Mercados Asiáticos e EUA fortalecem embarques de carne suína em 2020

Vendas para o mercado asiático foram principal destaque, representando 80% do total das exportações da suinocultura brasileira

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

No ano em que as exportações brasileiras de carne suína registraram recorde histórico – com 1,02 milhão de toneladas (+36%), número já divulgado pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) – as vendas para o mercado asiático foram o principal destaque, representando 80% do total das exportações da suinocultura brasileira.

Ao todo, a Ásia importou 800,2 mil toneladas em 2020, volume que superou em 66,9% o desempenho registrado ao longo de 2019. A China, líder entre os países importadores (com 50,7% de participação das exportações totais do Brasil) foi destino de 513,5 mil toneladas, volume 106% superior ao exportado em 2019. Vietnã, com 40,3 mil toneladas (+198%), Cingapura, com 52,1 mil toneladas (+50%) e Japão, com 11,5 mil toneladas (+91%) também apresentaram alta nas vendas no ano passado.

Os países da África também se destacaram entre os destinos, com 60,9 mil toneladas (+5,3%). O mercado angolano é o maior destino da região, com 28,4 mil toneladas (+5,6%).

Para os destinos das Américas foram exportadas 128,1 mil toneladas (-5,9%). Os Estados Unidos importaram, no período, 7,9 mil toneladas (+30,4%).

“Os impactos da Peste Suína Africana na Ásia, que determinaram o ritmo das vendas de 2020, devem continuar a influenciar as vendas dos exportadores brasileiros no mercado internacional em 2021”, avalia o diretor de mercados da ABPA, Luís Rua.

Conforme os levantamentos da ABPA, foram habilitadas 15 novas plantas exportadoras de carne suína, para destinos como Chile, Filipinas, Singapura, Vietnã e África do Sul.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo

Suínos / Peixes Segundo Cepea

Setor suinícola pode registrar mais um ano favorável

Para 2021, a expectativa é de que, mesmo com o custo de produção elevado, o balanço positivo se repita

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Apesar das dificuldades provocadas pela pandemia de covid-19, a suinocultura brasileira encerrou o ano de 2020 com preços, abate e embarques recordes. Para 2021, a expectativa é de que, mesmo com o custo de produção elevado, o balanço positivo se repita.

De acordo com pesquisadores do Cepea, a demanda externa por carne suína deve continuar firme, sustentada pelas compras chinesas, ao passo que a procura interna deve ser favorecida pela possível retomada econômica.

Os custos de produção, contudo, devem continuar sendo um grande gargalo ao setor em 2021. Isso porque os valores dos dois principais componentes da ração, o milho e o farelo de soja, devem se manter altos neste ano, tendo em vista as aquecidas demandas interna e externa por esses grãos.

Esse cenário tende a pressionar, por mais um ano, o poder de compra dos suinocultores.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Suínos / Peixes Segundo ABPA

Exportações de carne suína confirmam recorde em 2020

Vendas internacionais de carne suína totalizaram 1,021 milhão de toneladas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O resultado consolidado das exportações brasileiras de carne suína e de carne de frango confirmam as previsões feitas pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) para 2020.

As vendas internacionais de carne suína (incluindo todos os produtos, entre in natura e processados) totalizaram 1,021 milhão de toneladas nos 12 meses, número 36,1% superior ao registrado em 2019, quando foram exportadas 750,3 mil toneladas.

A receita cambial das vendas chegou a US$ 2,270 bilhões, resultado 42,2% maior que o alcançado em 2019, com US$ 1,597 bilhão.

Em carne de frango, as vendas de 2020 alcançaram 4,230 milhões de toneladas, superando em 0,4% o total embarcado em 2019, com 4,214 milhões de toneladas.

A receita das exportações do ano chegou a US$ 6,123 bilhões, desempenho 12,5% menor em relação aos 12 meses de 2019, com 6,994 bilhões.

“Seja pelo recorde de exportações de suínos, superando 1 milhão de toneladas pela primeira vez na história, como pela alta nos embarques de aves, as projeções setoriais estabelecidas pela ABPA e confirmadas nas vendas finais reforçam o bom momento para o Brasil no mercado internacional, a despeito de um ano desafiador em todos os sentidos. A perspectiva é que o ritmo positivo se mantenha em 2021, com a esperada retomada econômica internacional”, avalia Ricardo Santin, presidente da ABPA.

Embarques de dezembro

As exportações de carne suína totalizaram 80,3 mil toneladas em dezembro, volume 5,6% maior em relação às 76 mil toneladas embarcadas no mesmo período de 2019.

Em receita, a alta é de 4,1%, com US$ 191,2 milhões no último mês de 2020, contra US$ 183,6 milhões em dezembro de 2019.

No mesmo período comparativo, as vendas de carne de frango chegaram a 380,8 mil toneladas, volume 2,8% menor em relação ao mesmo período de 2019, com 391,9 mil toneladas. A receita das exportações de dezembro chegou a US$ 579,6 milhões, número 8,9% menor em relação ao saldo do último mês de 2019, com US$ 636,1 milhões.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.