Conectado com
O Presente Rural Youtube

Avicultura Saúde Animal

Ácidos orgânicos via água de bebida são alternativa ao uso de antibióticos promotores de crescimento na produção de frangos

Administração de acidificantes via água de bebida tem se mostrado uma ferramenta bastante eficaz

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Gustavo Paschoalin, zootecnista, Msc. Produção Animal Sustentável e assistente Técnico da Theseo

Todas as cadeias de produção de proteína animal estão cientes da tarefa desafiadora que cada vez mais se aproxima no horizonte: alimentar uma população que deve atingir mais de 9 milhões de pessoas até 2050, atendendo a demanda por proteína animal que deve crescer cerca de 73% neste mesmo período, segundo a FAO.

Porém, os desafios não ficam limitados somente a produzir, mas produzir de forma responsável, visando atender um mercado consumidor cada vez mais exigente e preocupado com os potenciais impactos da produção de alimentos sobre a saúde pública, meio ambiente, bem-estar animal, etc.

Em pesquisa anual, realizada mundialmente com os principais players da indústria de produção avícola, a WATT Global Media divulgou que 36% dos entrevistados, encaram que as restrições a antibióticos são o maior desafio do setor. Ainda, de acordo com 70% dos entrevistados, suas respectivas companhias estão ativamente explorando, testando ou utilizando aditivos nutricionais como alternativas ou substitutos aos AGP’s, ao passo que destes, 69% revelaram ter obtido os melhores resultados através do uso de ácidos orgânicos.

Conforme a Instrução Normativa Nº 13 de 30/11/2014, do MAPA, os acidificantes pertencem a um grupo de aditivos equilibradores da microbiota do trato gastrintestinal, composto por ácidos orgânicos ou inorgânicos, cuja função é a de reduzir o pH do meio, facilitar a digestão dos ingredientes e reduzir a proliferação de microrganismos indesejáveis.

Na produção animal, ácidos orgânicos normalmente referem-se a ácidos fracos de cadeia curta, associados com atividade antimicrobiana, com um a sete átomos de carbono na molécula (C1-C7) e que produzem menor quantidade de prótons por molécula ao se dissociarem.

No Brasil, a utilização de ácidos orgânicos via água de bebida, é comum somente no pré-abate, visando diminuir os riscos de contaminação das carcaças no abatedouro. São vários os estudos que atestam a eficácia dessa prática, devido ao papel predominante que os ácidos orgânicos exercem na redução de microrganismos como E. coli, Campylobacter spp. e, principalmente, a Salmonella spp,. Porém, os efeitos da alteração da microbiota ocorrem em toda extensão do trato intestinal, atestando a importância da adoção estratégica de uso contínuo de acidificantes durante todo o lote.

Sabe-se que uma boa saúde intestinal na indústria avícola é fundamental para se atingir boas taxas de crescimento e eficiência alimentar. Nesse sentido, a administração de acidificantes via água de bebida tem se mostrado uma ferramenta bastante eficaz. Estudos atestam que o uso de acidificantes via água de bebida exerceu efeito benéfico sobre o tamanho das vilosidades e profundidade das criptas intestinais. Os ácidos orgânicos também foram eficientes em estimular a proliferação de células normais das criptas intestinais, melhorando a renovação e manutenção de tecido saudável. Além do efeito morfológico os ácidos orgânicos também contribuem na regulação da microbiota intestinal, estimulando a exclusão competitiva, ao passo que reduz a quantidade de microrganismos patogênicos e aumenta a contagem de microrganismos benéficos como os Lactobacillus.

Dados

Pesquisas atestam que a administração de acidificantes via água de bebida aumentou significativamente os índices de peso corporal, ganho de peso e conversão alimentar durante as fases pré-inicial e inicial em frangos de corte.

Um recente estudo, comparou os efeitos da combinação de acidificantes administrados via ração e via ração e água de bebida com os efeitos da virginiamicina em pintos desafiados com Salmonella pullorum. Os resultados indicaram que os pintos tratados com acidificante via ração e água de bebida tiveram performance estatisticamente semelhante ao grupo tratado com virginiamicina. Além disso, foi observado que a acidificação da água de bebida combinada com a inclusão de ácidos orgânicos na ração poderia modular a perturbação causada pelo desafio aliviando as respostas ao stress, atenuando potencialmente as defesas antioxidantes e imunológicas e modificando o metabolismo da microbiota intestinal. Esses resultados mostram um mecanismo metabólico que pode, em partes, explicar os potenciais benefícios dos ácidos orgânicos nas aves desafiadas, atestando que seu uso pode contribuir para controlar ou reduzir a incidência de S. Pullorum nas aves.

A prática de acidificação da água de bebida também reduz a contagem de microrganismos patógenos na água e pode controlar a formação de biofilme nos sistemas hidráulicos, aumentando o nível de biosseguridade das instalações.

A escolha do acidificante ideal deve-se basear, principalmente, na formulação do produto e nível de inclusão. Cada ácido possui diferentes características químicas e físicas, conduzindo a diferentes efeitos específicos, assim sendo, blends com maior variedade de ácidos na formulação tendem a proporcionar melhores resultados devido ao efeito sinérgico entre eles. A presença de ácidos inorgânicos na formulação, como o ácido fosfórico, também traz benefícios, principalmente devido à sua capacidade de se dissociar em diferentes partes do intestino, aumentando a capacidade acidificante do blend de ácidos utilizado, permitindo reduzir os níveis de inclusão, diminuindo os custos do tratamento.

Estudos ainda são necessários para se atestar e entender todos os mecanismos envolvidos na ação benéfica dos ácidos orgânicos e suas combinações sobre os resultados de performance e imunidade nas aves. No entanto, diante do exposto, fica claro que as práticas de administração de ácidos orgânicos têm mostrado excelentes resultados tanto no campo e em condições experimentais, atestando que seu uso isoladamente ou em conjunto com outros aditivos como prébioticos, probióticos, óleos essenciais e outros, se consolidam, cada vez mais, como ferramentas eficazes na substituição dos AGP’s.

Outras notícias você encontra na edição de Nutrição e Saúde Animal de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 2 =

Avicultura Opinião

Em tempos de pandemia, cuidados com biosseguridade na avicultura se tornam cada dia mais fundamentais

Independente do desafio sanitário, o controle do programa de biosseguridade é feito de acordo com a tendência atual do mercado

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Eduardo Conte, médico veterinário e especialista em Saúde Animal

Nos últimos anos foi possível observar no sistema de produção intensivo de proteína animal, no Brasil e no mundo, um aumento significativo das pressões nos aspectos e desafios sanitários. Um exemplo da história recente é o advento da Influenza Aviária, em 2006, quando o vírus se adaptou ao homem transformando-se em um problema mundial de caráter emergencial e zoonótico.

Esse vírus, em função principalmente da movimentação das aves migratórias da Ásia, assim como dos indivíduos de uma região a outra, causou um risco pandêmico para o mundo, motivo pelo qual as autoridades sanitárias de produção animal adotaram medidas mais rigorosas para controle de pessoas e programas de isolamento. Nesse sentido, o Brasil ganhou destaque.

Isso porque, desde o surgimento do primeiro quadro até hoje, o Brasil não registrou nenhuma incidência da enfermidade, evidenciando a qualidade do sistema de controle de produção e das medidas de biosseguridade e segurança adotadas no país.

Além disso, outras espécies animais, ao longo desses últimos anos, têm sofrido com situações nas quais a pressão viral tem comprometido tanto os aspectos financeiros quanto zootécnicos da produção animal. Recentemente o Senecavírus causou danos no mercado de suinocultura, com perdas econômicas também no Brasil, no entanto, a rápida ação de todas as entidades envolvidas para a execução das medidas de segurança tem surtido efeito, e o controle efetivo na área de produção animal diminuiu o impacto.

Independente do desafio sanitário, o controle do programa de biosseguridade é feito de acordo com a tendência atual do mercado. Por exemplo, o Brasil, um grande exportador de proteína animal, segue principalmente a legislação do mercado Europeu, onde as normas de produção e controle de aditivos, com foco em qualidade, programas de melhorias de trabalho, bem-estar animal e ambiência, buscam oferecer ao consumidor final uma qualidade de proteína com custos competitivos e isentos de contaminantes e micro-organismos, assim como um melhor resultado econômico.

Nesse sentido, a avicultura brasileira cresceu e deve continuar crescendo, não só como um grande produtor global, mas principalmente como um país referência na exportação de carne segura para diversos países do mundo. Parte do sucesso desse trabalho está relacionado aos protocolos de controle de biosseguridade e biossegurança estabelecidos no Brasil.

Biosseguridade e biossegurança no sistema de produção

Dentro do sistema produtivo é importante saber diferenciar a biosseguridade da biossegurança, embora ambas tenham finalidades semelhantes, na prática são bem diferentes.

A biosseguridade engloba tudo o que é desenvolvido em termos de produção animal e vegetal para minimizar os riscos da entrada de patógenos no sistema produtivo. Esse sistema de controle com programas de biosseguridade trazem normas mais flexíveis e tem a premissa de melhorar a saúde animal e das plantas, assumindo alguns riscos no sistema de produção.

O programa de biosseguridade se caracteriza por um conjunto de regras de manejo, protocolos e procedimentos que são destinados à redução de risco de entrada ou a disseminação de doenças. Em produção animal, ele visa uma melhor eficiência na produção, com uma redução de riscos e melhora nos custos de produção.

Quando falamos em programa de biossegurança, ele é direcionado à saúde humana, as normas são permanentes e o risco é zero, ou seja, o indivíduo precisa estar 100% protegido. Esse tipo de protocolo é utilizado comumente em laboratórios de pesquisas com organismos geneticamente modificados, laboratórios de vacinas e medicamentos, sempre por indivíduos que trabalham em áreas de alto desafio sanitário, como é o caso dos profissionais da linha de frente da Covid-19.

Criar barreiras protetivas para a produção animal é o foco de um programa de biosseguridade, a avicultura de corte brasileira é hoje referência em programas dessa categoria. Tanto os mercados de postura comercial e suinocultura apresentaram investimentos nessa área nos últimos anos, assim como a produção de camarão, peixes e agrícola.
Um ponto importante do programa de biosseguridade é, portanto, a redução da pressão de infecção, ou seja, a carga infectiva de um determinado ambiente, de forma que ele consiga obter resultados econômicos e zootécnicos com baixo risco de contaminação.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Avicultura Segundo ABPA

Ásia, África e Europa mantém alta das exportações de carne de frango em 2020

Principal destino das exportações de carne de frango do Brasil, a Ásia importou 1,635 milhão de toneladas nos 12 meses de 2020

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

As vendas de carne de frango para mercados da Ásia, da África e da Europa mantiveram a alta das exportações brasileiras no ano passado, de acordo com a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Principal destino das exportações de carne de frango do Brasil, a Ásia importou 1,635 milhão de toneladas nos 12 meses de 2020, resultado 5,8% superior ao registrado no mesmo período de 2019. Principal destino das exportações brasileiras (destaque entre os maiores destinos) (com 16,3% do total), a China importou 673,2 mil toneladas (+15%). Outros destaques da região, Singapura e Vietnã importaram, respectivamente, 124,2 mil toneladas (+27%) e 53,1 mil toneladas (+105%).

Já para a África foram destinadas 555,7 mil toneladas ao longo do ano, resultado 5,1% maior em relação a 2019. Um dos destaques foi o Egito, com 58,7 mil toneladas (+15%).

Para a União Europeia (sexto principal destino das exportações brasileiras, considerada como um único mercado) foram exportadas 252,2 mil toneladas em 2020, volume 1% superior ao realizado no mesmo período de 2019.

Já para os países Extra-UE foram embarcadas no ano passado 120,3 mil toneladas, número 10,1% maior em relação ao efetivado no mesmo período de 2019. A Rússia é o destaque da região, com 83,9 mil toneladas (+30%).

Para os países do Oriente Médio foram exportadas 1,335 milhão de toneladas nos 12 meses de 2020, número 5,7% menor em relação ao mesmo período de 2019. O Iêmen e a Jordânia importaram, respectivamente, 112,4 mil toneladas (+6,1%) e 56,8 mil toneladas (+18,9%).

Por fim, para os países da América foram embarcadas 225,1 mil toneladas em 2020, número 15,5% menor em relação ao efetivado no ano interior.

“Os bons resultados na maior parte das regiões importadoras de carne de frango mostram a forte capilaridade das exportações brasileiras e reforçam as boas expectativas para os embarques em 2021, com a recuperação dos níveis de importações, em especial, para os principais destinos do Oriente Médio, que registraram melhora nos níveis das importações no último bimestre de 2020”, analisa Ricardo Santin, presidente da ABPA.

Conforme já divulgado pela associação na primeira semana de janeiro, as exportações brasileiras de carne de frango encerraram o ano de 2020 com alta de 0,4% em relação ao ano anterior, com total de 4,23 milhões de toneladas. Segundo a ABPA, ocorreram 67 novas habilitações de plantas exportadoras de carne de frango em 2020, para países como Coreia do Sul, Filipinas, Egito, Bolívia, Peru, Singapura, Vietnã, África do Sul, Japão e Canadá.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo

Avicultura Segundo Cepea

Competitividade da carne de frango pode seguir elevada em 2021

Expectativa é de que a diferença entre os preços da proteína avícola e os das carcaças bovina e suína continue elevada

Publicado em

em

Divulgação/ABPA

Em 2020, a competitividade da carne de frango bateu recorde, e, para 2021, a expectativa é de que a diferença entre os preços da proteína avícola e os das carcaças bovina e suína continue elevada.

De acordo com pesquisadores do Cepea, a retomada do crescimento econômico tende a ocorrer de forma gradual, e, com isso, o poder de compra dos consumidores deve continuar enfraquecido, o que, por sua vez, pode favorecer as vendas de carne de origem avícola, que é negociada a valores mais baixos que os das concorrentes.

Quanto às vendas externas, apesar do empenho da China (maior comprador da carne brasileira) de aumentar a produção interna de frango, em 2021, as exportações brasileiras para esse destino devem continuar crescentes.

Além disso, espera-se que outros países também elevem as aquisições, como é o caso do Japão, o terceiro maior parceiro comercial do Brasil nesse segmento.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.