Conectado com
FACE

Notícias Mercado

Abiove projeta exportação recorde de soja em 2021; mantém safra do Brasil

Caso a projeção se concretize, a exportação de soja do Brasil poderá atingir históricas 83,5 milhões de toneladas em 2021

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

A produção, exportação e processamento de soja do Brasil em 2021 poderão atingir novos patamares recordes, estimou na segunda-feira (14) a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), que considera ainda prematuro revisar para baixo a expectativa de safra apesar do clima irregular.

“Consideramos que ainda é um pouco cedo para fazer qualquer revisão, principalmente para baixo em função do clima. Ainda existe um tempo que precisamos para observar a concretude disso”, afirmou o economista-chefe da Abiove, Daniel Furlan Amaral, durante evento com jornalistas.

Para 2021, a Abiove projeta uma safra de 132,6 milhões de toneladas, estável ante previsão de novembro. Uma pesquisa com analistas, realizada pela Reuters no início do mês, apontou uma média de 131,79 milhões de toneladas para a colheita que começa em janeiro.

O volume de safra previsto pela Abiove superaria em 5,6 milhões de toneladas a previsão revisada para cima de 127 milhões de toneladas de 2020, versus 120,75 milhões de toneladas em 2019.

Caso a projeção se concretize, a exportação de soja do Brasil, maior produtor e exportador global, poderá atingir históricas 83,5 milhões de toneladas em 2021 –uma estimativa estável ante previsão de novembro.

Em divisas, isso resultaria em receita de 41,18 bilhões de dólares em 2021, ante 35 bilhões de dólares em 2020, com a soja respondendo pela maior parte do faturamento com as exportações, com um total de 34,2 bilhões de dólares.

A soja tem sido nos últimos anos o principal produto de exportação do Brasil.

Amaral explicou que, apesar de uma grande safra esperada no Brasil, os Estados Unidos (segundo produtor global) vêm de uma safra afetada pelo clima, enquanto a Argentina (terceiro) também está lidando com questões climáticas, o que tende a dar sustentação aos preços.

Enquanto isso, lembrou ele, a China estará forte no mercado internacional, o que deixará a oferta mais apertada.

O preço médio da soja exportada pelo Brasil deverá atingir 410 dólares por tonelada, ante 350 dólares da média em 2020. A Abiove também projeta cotações de óleo e farelo de soja mais altas em 2021.

O economista da Abiove ressaltou que o processamento de soja também será recorde em 2021, a 45,8 milhões de toneladas, ante 45 milhões em 2020, com impulso da demanda por farelo da indústria de ração animal e de óleo para a produção de biodiesel, principalmente.

“Para o farelo de soja, esperamos um aumento do consumo doméstico, e para o óleo também o mesmo, até mesmo uma redução das exportações, com a entrada do B13 (mistura maior de biodiesel para 13%) em março de 2021”, disse ele.

Da produção total de óleo de 9,2 milhões de toneladas, o biodiesel deverá abocanhar 5,5 milhões de toneladas.

Já a produção de farelo aumentará para 34,9 milhões de toneladas, ante quase 34 milhões em 2020.

Revisão em 2020

A safra de soja do Brasil em 2020 ficou acima das expectativas, o que permitirá uma exportação maior que a esperada do país neste ano, previu ainda nesta segunda-feira Abiove ao revisar seus números.

A Abiove revisou a safra de soja do Brasil de 2020 para um recorde até o momento de 127 milhões de toneladas, ante 126,4 milhões na previsão de novembro.

Já a exportação de soja do Brasil, que reduziu os estoques para níveis mínimos históricos, foi estimada em 82,3 milhões de toneladas em 2020, ante 82 milhões de toneladas em novembro.

O volume previsto de exportação supera as 74 milhões exportadas em 2019.

O recorde anterior da exportação de soja, de 83,26 milhões, foi registrado em 2018, segundo números da Abiove.

Estoques apertados

Com estoques finais projetados em 2020 em mínima de 219 mil toneladas, as importações de soja deverão fechar o ano com 1 milhão de toneladas, enquanto em 2021 continuarão em patamares historicamente elevados, de 800 mil toneladas.

Ainda assim, o Brasil deverá fechar 2021 com estoques relativamente baixos, de 419 mil toneladas.

No caso do óleo de soja, o Brasil deverá terminar 2020 com importação de 250 mil toneladas, forte crescimento ante as 48 mil toneladas de 2019. Para 2021, as compras externas do produto também ficarão relativamente altas, em 200 mil toneladas.

Já as exportações de óleo de soja deverão recuar para 400 mil toneladas em 2021, com o setor buscando atender a mistura maior do biodiesel, ante 1,1 milhão de toneladas em 2020.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 7 =

Notícias Segundo Cepea

Preços internos do milho renovam máximas nominais

Movimento de alta nas cotações do milho segue firme no Brasil

Publicado em

em

Divulgação

O movimento de alta nas cotações do milho segue firme no Brasil. Segundo pesquisadores do Cepea, o impulso vem dos baixos estoques internos de milho, da queda na produção da safra de verão e dos preços elevados nos portos. Diante disso, em muitas regiões consultadas pelo Cepea, os valores atingem novos patamares recordes nominais.

As cotações externas também avançam, influenciadas por estimativas indicando safra e estoques de passagem menores que os previstos anteriormente. Quanto aos negócios no spot nacional, pesquisadores ressaltam que ainda ocorrem apenas quando há maior necessidade.

Enquanto vendedores, atentos à queda na produção, estão à espera de novas valorizações, compradores têm expectativa de que o início da colheita possa pressionar as cotações.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Mercado

Elevação externa e baixo excedente doméstico mantêm preço da soja em alta no Brasil

Preços internos da soja estão em alta, influenciados pela valorização externa e pelo baixo excedente doméstico

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

Os preços internos da soja estão em alta, influenciados pela valorização externa e pelo baixo excedente doméstico. O Indicador ESALQ/BM&FBovespa Paranaguá (PR) subiu 2,45% entre 8 e 15 de janeiro, a R$ 169,66/sc na sexta-feira (15).

O Indicador CEPEA/ESALQ Paraná avançou 3,75% no mesmo comparativo, a R$ 166,97/sc de 60 kg na sexta. No campo, o cultivo de soja está praticamente finalizado no Brasil, e a Conab estima produção nacional em 133,69 milhões de toneladas, pouco acima da esperada pelo USDA, de 133 milhões de toneladas. Agora, as atenções de agentes se voltam à colheita, que já foi iniciada em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e Minas Gerais.

Entretanto, o ritmo das atividades ainda é lento, tendo em vista o cultivo tardio. A expectativa é de que os trabalhos de campo se intensifiquem entre o final de janeiro e o começo de fevereiro. As áreas de cultivo precoce têm registrado baixa produtividade, diante das chuvas tardias.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Postura

Poder de compra do avicultor cai para o menor patamar da história

Em janeiro, os preços dos principais insumos consumidos na avicultura de postura, milho e farelo de soja, voltaram a se elevar

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Em janeiro, os preços dos principais insumos consumidos na avicultura de postura, milho e farelo de soja, voltaram a se elevar.

Esse cenário, somado aos menores preços pagos pela caixa de ovos comerciais, pressionou o poder de compra do avicultor de postura para o menor patamar já registrado na série histórica do Cepea, iniciada em 2013 para esse produto.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.