Conectado com

Notícias Maior volume desde 2014

Abates de bovinos aumentam 3,5% frente a 2017

Produtores investiram na atividade, especialmente em nutrição, genética, pastagem e sanidade

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Em 2018, o volume de animais abatidos no Brasil totalizou 31,86 milhões de cabeças, aumento de 3,48% na comparação com o ano anterior, segundo informações do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Esse volume é o maior desde 2014, quando foi de 33,9 milhões de cabeças – naquele ano, com a forte seca no Brasil, muitos pecuaristas elevaram o volume de animais destinados ao abate.

Após a seca, porém, produtores investiram na atividade, especialmente em nutrição, genética, pastagem e sanidade, o que aumentou o rebanho e a produtividade nacionais. Quanto ao mercado, de acordo com dados do Cepea, o Indicador do boi gordo ESALQ/B3 reagiu 0,53% de 13 a 20 de março, fechando a R$ 152,80 na quarta-feira (20). No mês, o Indicador acumula alta de 1,73%.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze + 20 =

Notícias Tecnologia

Conceito de One Health esteve em discussão na primeira LIVE técnica do NUCLEOVET

Janice Zanella, da Embrapa, ressaltou importância da união de forças em prol da saúde única em LIVE promovida pelo Nucleovet

Publicado em

em

Divulgação

A médica veterinária doutora Janice Zanella, chefe Geral da Embrapa Suínos e Aves, foi a convidada para tratar o tema “One Health, mudanças e oportunidades” na primeira live técnica promovida pelo Nucleovet – Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas, no dia 21 de maio, em seu canal no Youtube. A apresentação online foi mediada pelo médico veterinário Paulo Bennemann, professor e pesquisador da Unoesc Xanxerê, e pela jornalista Eliana Schwarz. A Live que teve a participação do público com perguntas e contribuições de profissionais veterinários sobre o papel da medicina veterinária no controle das zoonoses que contribuem para o conceito de Saúde Única.

Janice, que é PhD. em Virologia Molecular e membro do comitê técnico de programas sanitários de suínos do MAPA e membro de três comitês da OIE, traçou uma cronologia das maiores e mais recentes epidemias mundiais, destacando as enfermidades virais com impactos sanitários e econômicos como SARS, H1N1, PED, MERS, PRRS e finalmente COVID 19. “Entre as doenças emergente no último século, 75% são originarias de animais, como hantavírus, febre amarela, as influenzas, tuberculose entre outras como zicavírus, dengue e peste bubônica, que ainda tem focos na Índia e até nos Estados Unidos. As doenças emergem em todos os continentes”.

“Proteger os animais é proteger o nosso futuro” destacou Janice, sobre a importância do controle das enfermidades em animais e consumo de animais silvestres como alimento (caça) ou animais e companhia, trazendo para perto dos humanos vírus diferentes. A pesquisadora alertou para o volume do transito de pessoas e alimentos ao redor do mundo, com facilidade de cruzar continentes em poucas horas, é um fator facilitador das transmissões.

Sobre a cadeia de produção de proteína, Janice ressaltou o rigor sanitário e a qualidade da proteína animal do Brasil. “Produzimos carne de qualidade, barata e em quantidade”. Esse sistema será cada vez mais essencial num cenário por demanda cada vez maior de proteína animal, principalmente na Ásia, África e América do Sul. “A produção animal é trabalhosa e cara, mas a gente consegue produzir muito e com qualidade”, ressalta.

Por outro lado, a pesquisa veterinária também contribui para mitigar futuros problemas. “Tecnologias aplicadas na reprodução, na microbiologia e virologia, são modelos para muitos estudos em medicações antivirais e antibióticos humanos”, afirmou Janice.

Paulo Bennemann também destacou a importância dos profissionais veterinários em meio à pandemia. “Vivemos um período muito crítico, que pode ter uma interferência futura até na cadeia de produção, como ocorreu nos Estados Unidos com frigoríficos fechando, espero que isso não nos atinja”. Essas situações, argumentou, mostram a importância dos veterinários com relação ao controle da saúde alimentar. Dados mostram que 75% das zoonoses são relacionadas a doenças nos animais. “Isso é prova de que a pesquisa deve ser intensificada, e tudo isso passa pela mão do veterinário com relação à qualidade da proteína animal produzida”.

Para Janice, o próprio conceito de One Health mostra a necessidade dessa interação entre as classes. “Estamos sentindo na carne a necessária integração entre a medicina veterinária e a medicina humana”. Cita ela que, no Brasil, muitos laboratórios veterinários estão dando apoio no diagnóstico molecular da Covid-19. “Na Embrapa Suínos e Aves, temos 15 pessoas trabalhando nisso”. A pedido do Ministério da Saúde, o laboratório da Embrapa dá suporte ao Lacen SC, com análises moleculares do Covid-19 de todo o oeste catarinense. “Neste dia 21 de maio chegamos a mil análises”.

Ainda conforme Janice, faltam insumos, como reagente e IPI’s para dar continuidade ao trabalho. Por isso, ela solicita o apoio de empresas e entidades. “Toda a estrutura da Embrapa tem sido fundamental no suporte à saúde humana. Estamos dando retorno para a sociedade de todo o investimento no laboratório e na capacitação das pessoas”.

Janice Zanella é graduada em medicina veterinária pela Universidade Federal de Minas Gerais. Possui doutorado em virologia molecular pela Universidade de Nebraska, nos Estados Unidos. Também é pesquisadora da Embrapa na área de virologia, representante do Brasil na OIE em Comitês da Peste Suína Clássica, Peste Suína Africana, Influenza e também junto ao Mapa. Atualmente é chefe da Embrapa Suínos e Aves.

Você pode rever a live na íntegra por aqui.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Coronavírus

Frigoríficos catarinenses intensificam medidas em defesa dos trabalhadores

Indústrias de processamento de carne estão adotando um avançado protocolo de controle da higiene e profilaxia para assegurar a saúde dos trabalhadores

Publicado em

em

Divulgação

As indústrias de processamento de carne estão adotando um avançado protocolo de controle da higiene e profilaxia para assegurar a saúde dos trabalhadores durante a pandemia do novo coronavírus. “O que já era rigoroso ficou ainda mais severo”, assinalam os dirigentes do Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados de Santa Catarina (Sindicarne) e da Associação Catarinense de Avicultura (ACAV).

Enquanto aguarda a edição de um protocolo unificado dos Ministérios da Agricultura, Saúde e Economia, as indústrias estão cumprindo um extenso conjunto de medidas definidas no ofício circular SEI 1162/2020, da Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia, expedida em 31 de março deste ano. Trata-se de normativas gerais especialmente direcionadas aos trabalhadores e empregadores do setor de frigoríficos em razão da pandemia da covid-19.

De acordo com o presidente da ACAV, José Antonio Ribas Júnior, toda a cadeia produtiva está engajada no cumprimento das normas de modo a efetivamente enfrentar a emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do novo coronavírus.

Na semana passada, os representantes das agroindústrias se reuniram com o governador Carlos Moisés, deputados da Comissão de Agricultura da Assembleia Legislativa e secretários de Estado da Casa Civil, Agricultura e Saúde. Ficou evidente na reunião que Santa Catarina colocou em curso todas as medidas para enfrentamento da pandemia e proteção dos trabalhadores. Também ficou definido que o Estado adotará o protocolo federal, assim que for editado.

“Vamos superar esse quadro de dificuldades que, agora, exige ações para o achatamento da curva de contágio, de forma aqueles que forem acometidos recebam os cuidados médicos e hospitalares necessários”, declarou Ribas Júnior.  Por isso, os  trabalhadores e as empresas estão observando atentamente todas as medidas, assegurando assim os empregos e a atividade econômica.

Cuidados extremos

As empresas da carne criaram protocolos para identificação e encaminhamento de trabalhadores com suspeita de contaminação pelo novo coronavírus antes de ingressar no ambiente de trabalho. O protocolo inclui o acompanhamento da sintomatologia dos trabalhadores no acesso e durante as atividades nas dependências das empresas. Os trabalhadores são orientados sobre prevenção de contágio e a forma correta de higienização das mãos e demais medidas de prevenção.

As máscaras de proteção respiratória são fornecidas pelas empresas,  utilizadas conforme uso indicado e jamais são compartilhadas. Os trabalhadores pertencentes a grupo de risco (com mais de 60 anos ou com comorbidades de risco) recebem atenção especial, priorizando sua permanência na própria residência em teletrabalho ou trabalho remoto.

O trabalhador que apresenta sintomas da COVID-19 não embarca nos meios de transporte. Foram criados mecanismos para os trabalhadores reportarem se estiverem doentes ou com sintomas ou, ainda, se tiveram contato com pessoa diagnosticada. Os trabalhadores com suspeita de contaminação por COVID-19 são encaminhados ao ambulatório da empresa para avaliação e acompanhamento adequado.

É afastado o colaborador no caso de confirmação do diagnóstico clínico. Procede-se a busca ativa dos trabalhadores que tiveram contato com o trabalhador inicialmente contaminado. O protocolo também define orientações para os trabalhadores terceirizados e as demais pessoas que adentram no estabelecimento.

Foram definidas medidas para diminuir a intensidade e a duração do contato pessoal entre trabalhadores e entre esses e o público externo, evitando ainda a circulação de pessoas de outras cidades na empresa. Foram suspensos os deslocamentos de viagens e reuniões presenciais, utilizando recurso de áudio e/ou videoconferência. Estão sendo reorganizados os postos de trabalho de forma a ampliar o espaçamento entre os trabalhadores.

Todo o paramento de proteção buconasal é fornecido, tais como toucas tipo ninja, capuz, respirador ou máscaras, associado à utilização de vestimentas de trabalho estabelecidas pela vigilância sanitária. A força de trabalho é distribuída ao longo da jornada para evitar a concentração em um turno só. Equipamentos de proteção e higiene são disponibilizados para funcionários de áreas comuns, como profissionais de limpeza, de refeitórios e enfermarias.

As práticas de boa higiene e conduta são incentivadas de forma permanente com disponibilização de material para higienização das mãos nas áreas de circulação de pessoas e nas áreas comuns. Nessa mesma linha de conduta, adotaram-se procedimentos contínuos de higienização das mãos, com utilização de água e sabão em intervalos regulares e, ainda, sanitizante adequado para as mãos, como álcool 70%.

Reiteradas comunicações orientem para evitar contatos muito próximos, como abraços, beijos, apertos de mão. Locais de trabalho e áreas comuns são desinfectadas e limpas no intervalo entre turnos ou sempre que há a designação de um trabalhador para ocupar o posto de trabalho de outro. Sanitário e vestiários recebem prioridade. Superfícies de contato frequente das mãos, como catracas, maçanetas, portas, corrimãos, botões de controle de equipamentos são limpas com grande frequência.

Casos em Santa Catarina

Vale lembrar que algumas agroindústrias do Estado já registraram casos do novo covid-19. A mais recente foi uma fábrica da BFR em Concórdia, que informou que cerca de 340 funcionários testaram positivo para o novo coronavírus e foram submetidos a contraprovas para confirmação da doença.

Refeições

Os trabalhadores que preparam e servem as refeições utilizam máscara cirúrgica e luvas, com rigorosa higiene das mãos. É proibido o compartilhamento de copos, pratos e talheres não higienizados, bem como qualquer outro utensílio de cozinha. As superfícies das mesas são lavadas e desinfectadas após cada utilização. Foi ampliado, nos refeitórios, o espaçamento entre as pessoas na fila, orientadas que sejam evitadas conversas.

Foi ampliado o espaçamento entre as cadeiras para aumentar as distâncias interpessoais. Em muitas empresas tornou-se necessário aumentar o número de turnos em que as refeições são servidas: escalonou-se o horário para entrada nos refeitórios, de forma a reduzir o número de pessoas utilizando o espaço no mesmo tempo.

As comissões internas de prevenção de acidentes (CIPA) se reúnem por meio de videoconferência. Os trabalhadores da saúde, como enfermeiros, auxiliares e médicos, recebem máscaras durante o atendimento, de acordo com as orientações do Ministério da Saúde, e equipamentos de proteção individual (EPIs) definidos para os riscos.

No transporte dos trabalhadores são observadas as seguintes condições: ventilação natural dentro dos veículos através da abertura das janelas, distância segura entre trabalhadores e desinfecção regular entre os assentos e demais superfícies do interior do veículo que são mais frequentemente tocadas pelos trabalhadores. Os motoristas higienizam as mãos e o posto de trabalho, inclusive volantes e maçanetas do veículo.

Setor pujante 

Em Santa Catarina a agroindústria de processamento de carne (aves e suínos) emprega diretamente 60 mil trabalhadores e, indiretamente, 480 mil pessoas. O abate e processamento industrial atinge 34.000 suínos/dia e 3 milhões de aves/dia. O Estado é o maior produtor de suínos e o 2º de aves no Brasil.  Também é o maior exportador das duas proteínas: responde por 57% das exportações de carne suína do Brasil e 28% da exportação nacional de carne de aves. Cerca de 70% das exportações catarinenses são sustentadas pela agroindústria. O setor representa 34% do PIB estadual. Entre integrados e cooperados são mais de 66.000 estabelecimentos rurais envolvidos.

Fonte: O Presente Rural com informações da Assessoria e REUTERS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Semeio da nova safra de trigo segue avançando no Brasil

Se o clima favorecer, a área nacional deve crescer frente à de 2019

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

As atividades de semeio da nova temporada de trigo continuam avançando no Brasil. Se o clima favorecer, a área nacional deve crescer frente à de 2019, porque produtores estão estimulados pela demanda aquecida e pelo câmbio, que eleva a paridade de importação.

Quanto ao mercado doméstico, segundo colaboradores do Cepea, segue operando com volume restrito, e os valores estão firmes. Para os derivados, de 18 a 22 de maio, no comparativo com a média da semana anterior, as cotações de todas as farinhas subiram. Em relação aos farelos, colaboradores do Cepea apontam que a demanda continua alta, devido à procura para ração animal.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
PORK EXPO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.