Conectado com
O Presente Rural Youtube

Empresas Conteúdo completo

A voracidade chinesa e seus efeitos no agro

Alexandre Mendonça de Barros apresentou para os mais de 170 participantes no Web debate Polinutri os movimentos que sustentam a demanda chinesa e seus impactos no mercado agro nacional e internacional

Publicado em

em

Reprodução - Internet

Por Arthur Rodrigo Ribeiro

“Com a disparada das matérias primas e a valorização das proteínas o mercado passa a olhar para um copo d’água meio cheio”. Foi com esta perspectiva que o CEO da Polinutri, Paulo Roberto Andrade, deu as boas-vindas para os mais de 170 profissionais da cadeia de produção de proteína animal presentes no Web Debate Polinutri realizado na manhã de 04 de novembro. “Apesar de lutarmos com os aumentos de mercado impulsionados pelo dólar, vemos as proteínas, em geral, respondendo de maneira positiva e, em partes, absorvendo os custos de produção”, analisa o CEO.

Um evento ímpar, organizado pelo time de marketing da Polinutri e conduzido pelo Diretor Comercial e Marketing da companhia, Otavio Fregonesi, que trouxe conjunturas para diversas cadeias de produtivas apresentadas por um dos mais cotados especialistas de mercado do agronegócio, o Engenheiro Agrônomo e Doutor em Economia Aplicada, Alexandre Mendonça de Barros, da MB Agro.

“Um ano cheio de excepcionalidades”, iniciou o consultor, com destaque para os mercados de soja e milho. Antes de entrar no eixo central da demanda apontada pelos clientes Polinutri, o profissional resumiu o momento atual. “Com a pandemia houve um aumento do ritmo das exportações jamais visto em outras geografias e agora vemos as consequências nas formações dos preços internos”, apontou.

Cenário que contribui com o aumento generalizado dos preços de alimentos em todo o mundo em função da corrida supermercadista – estocagem de alimentos – e em outros casos países que foram penalizados pela deficiência na distribuição. “Com o fechamento do Food Service toda a demanda se voltou para o Varejo que pressionado impulsionou a alta de preços dos alimentos. Setor que se adaptou de forma ágil. Somente os dois grandes varejistas nacionais contrataram 10 mil pessoas para atender a demanda e digitalizaram de forma muito rápida seus processos para otimizar suas operações”, pontuou.

No entanto, o principal canal de consumo de carne ao redor do mundo é o Food Service que impactado negativamente moldou a formação dos preços das carnes. O exemplo dado foi a interrupção de 40% dos abates de suínos e bovinos nos Estados Unidos por causa da Covid-19. “Até recentemente a indústria americana estava perdendo 50 dólares por cabeça, um problema muito sério”, inseriu Alexandre.

Fatores que geraram tendência inequívoca de queda. “Prova disso foram registrados nos últimos dois meses, quando os preços dos grãos passaram a subir em dólar”, alinhou e continuou: “Resultado de uma situação macroeconômica externa e interna. Ou seja, jamais vimos um elevado ritmo de exportações e alta do dólar, mas sem a valorização da nossa moeda, o Real. Não vemos e nem tivemos alívio nesta relação, fato também inédito.”

O movimento interno de tendência de elevação se deu pela depreciação do câmbio e com isso o cenário ideal para as exportações brasileiras. “Temos que ter em mente que isso não está relacionado a elevação dos preços em reais das commodities, mas a do barateamento da logística nacional em dólar. Outro fato nunca visto e que teve um peso na formação de preços das commodities”, incluiu Alexandre.

Na sua avaliação, aos olhos dos chineses, com a soja a US$ 8,40/bushel e milho US$ 3,00/bushel, valores muito abaixo da história recente, e os baixos custos logísticos compuseram a fórmula perfeita para compra de lotes de soja em uma velocidade sem precedentes. “Fato que pegou o mercado doméstico de surpresa em um primeiro momento”, enalteceu e atestou a posição apontando que o Brasil exportou recentemente 45 milhões de toneladas de soja em um período de três meses. “Uma quantia representativa já que este foi o mesmo volume exportado pelos Estados Unidos durante todo o ano de 2019”, lembrou.

Outro elemento que deve ser levado em consideração nesta composição foi o mercado interno. Segundo o consultor, o Auxílio Emergencial foi responsável pela injeção de um montante mensal de 50 bilhões de reais na economia. “Ao compararmos com o Bolsa Família, criado em outra gestão, o programa foi e é responsável pela inserção de 33 bi ao ano. Portanto, estamos vendo uma transferência de renda jamais vista, mesmo com a queda real da massa salarial”, discorreu.

Já os motivos pelos quais não há depreciação do câmbio, na avaliação do consultor, estão amparados em dois fatores: baixa taxa de juros e os preços dos produtos em geral. “A Selic pela primeira vez na história chegou a 2%. Já a inflação ocorre pelo desabastecimento dos estoques. Isso gera desconfiança e ela impacta nos investimentos. Acompanhamos investidores externos deixando de arbitrar devido a Selic, inflação e volatilidade de câmbio. Vimos sair do Brasil quase 40 bilhões de dólares por conta deste cenário”, citou. E por fim, não menos importante, o déficit público, próximo de R$ 800 milhões. Esses são alguns elementos citados pelo consultor que resultam no baixo fluxo de entrada de dólar no Brasil. Uma química que resultou na depreciação do câmbio e na alta dos preços dos produtos em dólares. “Todos ingredientes macroeconômicos que determinam os altos preços dos grãos que estamos vendo”, alinhou.

Já pelo lado fundamentos dos mercados agrícolas, o consultor considerou a Peste Suína Africana (PSA) na China principal responsável pelas altas. Problema sanitário que impactou na drástica redução do rebanho suíno e de matrizes daquele país, mais de 40% do plantel do maior produtor da carne mais consumida do mundo, que de um rebanho de 350 milhões de cabeça, devido aos abates sanitários, mantiveram algo próximo a 200 milhões. Cenário que exigiu estabilização do mercado acarretando em compras descomunais. “Hoje estão virando quase que 40% das importações mundiais de carne suína e 1/3 das importações mundiais de carne vermelha”, informou Alexandre e destacou que este movimento foi o principal responsável pela explosão de preços do suíno e da arroba no mercado doméstico.

Entretanto, tudo indica para uma retomada. “Dados de setembro apontam para uma retomada de 27 milhões de matrizes e o estabelecimento do rebanho próximo de 260 milhões de animais”, discorreu em meio a um recente trabalho realizado pela sua equipe que aponta grandes famílias chinesas investindo na suinocultura chinesa. “Esse retorno revela a dimensão da grande pressão por compra de grãos pela China para um rebanho que com tecnologia embarcada, diferentemente do passado”, enalteceu e sugeriu: “Em caso de 100% de restabelecimento do plantel a China precisará de 25 a 30 milhões de toneladas por ano. Por isso já compraram a safra de 21, 22 e com vistas para 23.”

Uma questão que o consultor deixou no ar foi: “Será que os chineses também demandarão milho”. Isso porque o país possui uma cota de importação 7,2 milhões de milho, mas que nunca foi cumprida. Atualmente, informou Alexandre, o país produz e consome 260 milhões. “Nos últimos dois meses eles compraram dos Estados Unidos mais de 16 milhões de toneladas de milho e sorgo num passo de três semanas”, adiantou o consultor e adicionou: “Há algo diferente acontecendo na China. Não achamos difícil os chineses terem que importar 20 e 30 milhões de toneladas de milho com vistas à 2021. Se assim for haverá um novo comprador, o maior de todos, no mercado mundial do milho que é hoje de aproximadamente 1,2 bilhão de toneladas, podendo gerar disruptura em algum dos países players, no caso Estados Unidos (55 milhões de toneladas), Brasil (42), Ucrânia e Argentina (32 a 34).”

Em riste aos estoques de grãos (soja e milho 20/21) o consultor acredita que os olhos estarão voltados para a América do Sul. “O Brasil teria potencial para colher uma safra de 133 milhões de toneladas de soja e Argentina 54, mas dependerá da força da La Ninã e fatores adicionais – lê-se econômicos –, em especial do nosso vizinho”, projetou baseado em suas análises e expectativas de mercado. Para a oferta e demanda da commodity milho, suas projeções indicam uma safra mundial 2020/21 de 1.159 bilhão. “Embora haja riscos devido as condições climáticas – efeito La Ninã – os preços tendem a seguir elevados”, analisou.

Outro componente que fez puxar a curva ascendente foi a compra de commodities por fundos de investimentos devido a mudança da política monetária americana que passou a aceitar inflação acima da meta de 2% devido a queda do PIB e a alta de desemprego. “Quando o dólar perde valor os grandes fundos optam por compras de ativos cotados em dólar, em geral commodities, em função do seu ciclo de recuperação”, salientou Alexandre Mendonça de Barros.

O que afaga este caldeirão de elementos que vem ditando o cenário mundial, na leitura do consultor, está na recuperação econômica para 2021. Isso pela retomada – ainda que lenta – do Food Service e da normalidade dos demais segmentos econômicos com a chegada da vacina, conjuntura que, na sua avaliação, demandará das cadeias produtivas mais alimentos. “Demanda ainda maior que neste ano e por esta razão projetamos também tendências de alta de preços”, destacou.

Renato Felix, Coordenador de Compras da Polinutri, corrobora as projeções. “Essas commodities balizam a produção de proteína animal e quando avaliamos os coprodutos também percebemos consideráveis altas. Por isso destaco que este é um momento de atenção onde informações de qualidade passam a ser ferramentas valiosas para as melhores tomadas de decisão.”

Todos esses elementos dão elementos para sustentar os negócios de forma mais clara: “Nossas expectativas são de um 2021, mesmo ainda cheio de incertezas, muito mais positivo devido a possibilidade da chegada de uma vacina e por conta da recuperação da economia nacional vista no último trimestre, até mais rápido do que as previsões sugeridas no início da pandemia. Razões pelas quais projetamos ganhos para todo o setor do agro”, encerra Paulo Roberto Andrade.

Para Otavio Fregonesi, o resultado do evento imprimiu o compromisso da Polinutri com seus clientes e fornecedores. “Queremos nossos clientes muito bem embasados, não só com as questões nutricionais, core da nossa companhia, mas com a prosperidade dos seus negócios e por isso trouxemos este Web Debate Polinutri”, finalizou.

Fonte: Ass. de Imprensa Polinutre
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 20 =

Empresas Agricultura.

Bioinoculante eleva a produtividade da soja e do milho

Biofree, desenvolvido pela Biotrop, é o único a combinar a mobilização de fósforo e a fixação biológica de nitrogênio, aumentando em até 25% a eficiência da adubação

Publicado em

em

Divulgação Biotrop

A Biotrop, empresa que desenvolve soluções biológicas e naturais para a agricultura, tem como destaque em seu portfólio o Biofree, um exclusivo bioinoculante promotor de crescimento composto pela combinação das bactérias Pseudomonas fluroscens CCTB03 e Azospirillum brasilense. A tecnologia vem movimentando o mercado com crescimento acima de 60% ao ano. Só na safra 2020/21, a Biotrop tratou com o produto 1 milhão de hectares.

O bioinsumo é capaz de aumentar em até 25% a eficiência da adubação, reequilibrar a biologia do solo e elevar a produtividade de culturas como a soja e o milho.

De acordo com o especialista e gerente de pesquisa e desenvolvimento da Biotrop, Agnelo Vitti, os microrganismos se estabelecem na rizosfera e têm ações complementares. O Azospirillum sp. age por meio da síntese de fitormônio e fixa Nitrogênio (N) aumentando a assimilação do elemento e fazendo com que a raiz cresça mais e explore um volume maior de solo.

A segunda bactéria que compõem o Biofree, Pseudomonas fluroscens CCTB03, tem a capacidade interagir com a planta e mobilizar o Fósforo (P) reduzindo as perdas e disponibilizando frações desse elemento no solo para as plantas. “Estas bactérias se alimentam de exsudados radiculares e excretam substâncias que atuam diretamente sobre o ciclo do fósforo, liberando fósforo fixado e tornando-o disponível para as plantas”, conta o profissional.

Ganhos ao produtor

Na cultura da soja a absorção do Fósforo está ligada diretamente ao aumento da fotossíntese, e como consequência o enchimento do grão. “Por isso o fósforo é extremamente importante para a planta, principalmente nessa fase”, destaca Vitti.

De acordo com o agrônomo, Amélio Belentani Neto, gerente comercial da BIOTROP no norte do Mato Grosso, os resultados na região têm sido muito positivos. Ainda segundo ele, o incremento médio nas lavouras dos produtores que utilizam o Biofree é de três sacas a mais por hectare (ha). “Essa é a média que trabalhamos, mas há casos de produtores que ampliaram até seis sacas por hectare, que é algo excepcional para a realidade de Mato Grosso”, diz.

Outro diferencial que o produto acrescenta aos sojicultores é em relação ao seu custo por hectare. Segundo Neto a média é de 0,5 sacos de soja/ha. “É evidente que o Biofree está trazendo resultados. Os biológicos de modo geral têm tido um crescimento exponencial em todo o Estado”, diz Neto.

Desempenho no milho

O milho é uma cultura que tem uma necessidade enorme de nitrogênio, principalmente nas primeiras fases, pois é este nutriente específico que vai definir os componentes de produtividade. Quando não é fornecido nos estádios iniciais de desenvolvimento, não ocorre margem de absorção.

O fósforo, assim como na soja, também é importante para o cereal, porém este, por sua vez, apresenta um problema de condicionamento e precisa estar disponível na raiz, pois não é móvel no solo. Também tem um problema de fixação. Segundo Vitti, a bactérias Pseudomonas fluroscens fazem uma troca justa, pois elas crescem junto com a raiz e ao mesmo tempo disponibilizam fósforo e isso é muito interessante, principalmente para o milho. “Temos o Azospirillum que está estimulando o crescimento dessa raiz e as Pseudomonas fluroscens que, associadas a isso, estão levando as disponibilidades de fósforo onde essa raiz está. É uma associação muito benéfica, e única no mercado”, destaca.

Demanda aquecida

De acordo com Luiz Fernandes, diretor comercial da Agrológica – distribuidor parceiro da Biotrop em Mato Grosso, que atua nas regiões do Médio Norte e Sul do Estado e na região do Xingu – a demanda por biológicos tem sido crescente. Segundo ele, tem se percebido uma aceitação cada vez maior por parte do agricultor, pois os produtos biológicos estão apresentando tecnologias eficazes, que atendem às suas exigências.

Recentemente a empresa passou a disponibilizar o Biofree aos seus clientes, já com boa perspectiva de comercialização para a próxima safra. “Esta solução tem um grande diferencial para as necessidades do produtor, bem como os demais produtos biológicos dos quais a demanda é crescente, principalmente para o controle de nematoides”, diz Fernandes.

Ainda segundo o diretor, a Agrológica projeta um bom crescimento em participação de biológicos nos próximos anos. “Para isso temos políticas internas voltadas para o mercado de biológicos e ainda direcionando forças para todos os segmentos, aproveitando mercados além dos nematicidas”, finaliza.

Fonte: Assessoria.
Continue Lendo

Empresas

Bayer se compromete globalmente a ter a mesma quantidade de mulheres e homens em cargos de liderança até 2030

No Brasil, a Bayer saiu de 7% de mulheres na alta liderança em 2017 para 50% em 2020. Nos cargos de liderança como um todo, a porcentagem de mulheres atualmente é de 37%

Publicado em

em

Foto: Divulgação

A Bayer está intensificando seus esforços para promover uma cultura e uma força trabalho mais diversa e inclusiva. O primeiro compromisso da empresa é para, até 2025, estabelecer um equilíbrio de gênero 50/50 ao longo de toda baixa e média liderança, que, atualmente, é ocupada 40% por mulheres e 60% por homens. No Círculo de Liderança do Grupo (composto por 540 executivos), a proporção de mulheres deve chegar a pelo menos 33% em 2025 (atualmente está em 23%). Depois disso, até 2030, a Bayer pretende atingir paridade de gênero em todos os níveis de gerência – baixa, média e alta.

“A nossa abordagem para identificar, atrair, desenvolver, promover e reter talentos na nossa liderança criará uma força de trabalho ainda mais inclusiva e diversa, que nos fará uma empresa melhor e mais atrativa como empregadora. O nosso objetivo de garantir paridade de gênero na gerência também está alinhado ao nosso compromisso com os Princípios de Empoderamento das Mulheres da ONU e com o Compromisso EMPOWER do G20”, diz Werner Baumann, CEO Global da Bayer.

“À medida que aceleramos a transformação da Bayer, vamos abraçar o poder da inclusão, da equidade e da diversidade”, afirma Sarena Lin, nova Líder de Transformação e Talentos na Bayer. “As pessoas estão sempre no centro dessa jornada. Estou ansiosa para trabalhar com colegas mundo afora para sofisticar nossa abordagem em gerenciamento de talentos. Ela será aplicada em toda a liderança da Bayer de forma ampla, justa e alinhada a todas as leis e regulações trabalhistas mundo afora”.

 

LIDERANÇA FEMININA NO BRASIL

No Brasil, a Bayer saiu de um índice de apenas 7% de mulheres na alta liderança em 2017 para 50% em 2020. Em posições de liderança como um todo, a porcentagem de mulheres está em 37%. “Ainda temos um longo caminho a trilhar para uma equidade plena de gênero, mas estamos orgulhosos do que já percorremos. Além de buscar um número representativo de mulheres em todos os níveis hierárquicos, entendemos que precisamos garantir um ambiente de trabalho acolhedor para essas profissionais”, afirma Flavia Ramos, Diretora de Inclusão e Diversidade da Bayer Brasil.

Alguns índices e boas práticas demonstram este compromisso: a Bayer reduziu o índice de rotatividade das colaboradoras após o retorno da licença maternidade de 33% em 2016 para 11% atualmente e, para promover uma cultura organizacional de boas práticas com as mulheres, adotou, no fim de 2020, a plataforma Tina, que atua no atendimento, acolhimento e acompanhamento das colaboradoras que sofrem algum tipo de violência, com a implementação de um sistema de fácil acesso e seguro para todas aquelas que precisam de ajuda. Por lá, psicólogas e assistentes sociais estão disponíveis para dar todo o suporte e orientações necessárias a estas colaboradoras.

No mais, a empresa realizou um censo em 2020 para identificar onde precisa focar esforços no que diz respeito a diversidade e inclusão. Seu resultado foi favorável à inclusão de mulheres, “o que reforça o nosso compromisso com o assunto, embora tenhamos consciência de que ainda há muito a fazer para chegarmos a uma equidade de fato. Não basta atrair mais mulheres para a companhia, mas também garantir sua inclusão de forma interseccional – incluindo as mulheres negras, lésbicas, bissexuais, transexuais e portadoras de deficiências”, comenta Flavia Ramos. A Bayer Brasil está desenvolvendo parcerias para garantir uma evolução de carreira equânime para todas essas mulheres.

A Bayer aspira também fortalecer outros elementos de inclusão e diversidade. Por exemplo, a composição da alta liderança deve cada vez mais refletir os contextos nacional e cultural de cada negócio da Bayer. Todas as gerações devem ser apropriadamente representadas na companhia. Os interesses de colaboradores lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros continuarão a ser endereçados pelo Board de Liderança. A empresa continuará seus esforços para avançar na garantia de elementos regionais de diversidade, como etnia e raça, considerando a realidade de cada país em que atua. Ademais, a Bayer busca aumentar a proporção de pessoas com deficiência em sua força de trabalho para mais de 5% em 2030. Na Alemanha, por exemplo, ela está em 4,5%. Recentemente, a empresa se juntou à iniciativa global “The Valuable 500”, que advoga por maior inclusão de pessoas com deficiência no mundo corporativo.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Suínos

Estado de São Paulo recebe a primeira etapa do campeonato OINK em 2021 

Entre os dias 5 e 21 de março, suinocultores paulistas poderão testar seus conhecimentos e receber premiações 

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

Após passar por Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina, o game OINK, um jogo educativo de perguntas e respostas sobre suinocultura, abrirá a temporada de competições para 2021 no Estado de São Paulo. A partir do dia 5 de março, os produtores paulistas poderão se inscrever no campeonato, que premiará três profissionais do Estado. Em formato de aplicativo, o game foi idealizado pela empresa de gestão Agriness e conta com uma competição exclusiva promovida pela MSD Saúde Animal.

Para participar, os suinocultores de São Paulo deverão baixar o aplicativo OINK – disponível para Android e iOS –, e se inscrever no link: materiais.agriness.com/oink-msd para liberar no app o acesso à Trilha de Doenças Entéricas, modalidade exclusiva do Prêmio MSD. A premiação será válida para os três participantes que tiverem o melhor desempenho na competição.

“Quando desenvolvemos o Prêmio MSD, um dos nossos objetivos era ajudar a democratizar o conhecimento a respeito da suinocultura em todo o País. Por isso, em 2020, ficamos bastante contentes com o desempenho positivo dos suinocultores no campeonato, que demonstram aquilo que vemos no dia a dia: a qualidade e conhecimento dos profissionais da suinocultura brasileira. Os produtores de São Paulo certamente iniciarão 2021 com o mesmo sucesso, contribuindo com esse bom resultado”, comenta Brenda Maria Marques, gerente técnica da unidade de Suinocultura da MSD Saúde Animal.

O campeonato é disputado totalmente online, dentro do aplicativo. A etapa São Paulo acontece entre os dias 5 e 21 de março. Ao todo, serão realizados 14 campeonatos em diversas regiões do País. Para saber sobre o anúncio das novas praças, fique atento às redes da MSD Saúde Animal.

Enquanto o OINK não chega na sua região, os interessados podem baixar o aplicativo e treinar seus conhecimentos com os outros jogos disponíveis na plataforma.

Confira as premiações: 

1º lugar: Medalha + Churrasqueira ESM a Bafo + Kit churrasco Bamboo Tábua retangular

2º lugar: Medalha + Caixa de som Bluetooth JBL GO2 Azul Marinho com Potência 3W

3º lugar: Medalha + Conjunto de garrafa térmica inox 1 litro e 2 canecas 180ml em caixa

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.