Conectado com

Suínos / Peixes

A qualidade de carne como diferencial produtivo: é preciso escolher entre qualidade ou produtividade?

O mercado consumidor de produtos de origem animal vem se mostrando mais exigente ao longo do tempo

Publicado em

em

Artigo escrito por Mariana Anrain Andreis, Msc Melhoramento Genético Animal (UFMG), do Departamento de Melhoramento Genético da DB Genética Suína

O trabalho realizado pelas empresas de genética nos últimos anos em características produtivas e reprodutivas, como ganho de peso diário (GPD), conversão alimentar (CA) e tamanho de leitegada (TL) está mostrando os seus resultados. Níveis nunca antes vistos de produtividade estão sendo alcançados e visualiza-se, para os próximos anos, um contínuo crescimento, elevando os níveis produtivos a novos patamares. Com o avanço já realizado nessas etapas, novas características estão sendo incorporadas ao trabalho de melhoramento. É o caso dos esforços empreendidos pelo segmento para responder ao crescente interesse dos diferentes setores da cadeia produtiva de suínos por qualidade de carne. Essa tendência, que está se consolidando no mercado nacional, também tem aparecido nas exportações, já que algumas empresas do setor têm buscado por alternativas para atender mercados específicos, como o japonês.

A busca por qualidade, inclusive, ganha mais força a cada dia. O mercado consumidor de produtos de origem animal vem se mostrando mais exigente ao longo do tempo. Além de preços razoáveis e quantidade, os consumidores demandam produtos de maior qualidade. A definição de “qualidade da carne suína”, por sua vez, é complexa e variável, podendo incluir aspectos de processamento, de conservação, de consumo, de valor nutricional e biológico da carne, e de costumes e de hábitos alimentares dos consumidores.

Mesmo dentro da cadeia produtiva, existem interesses distintos para o processamento na indústria ou para o consumo in natura quando se trata da qualidade da carne. A indústria preza por menor perda de água por gotejamento após cozimento, e por maior rendimento pós-processamento, com carne que absorva os temperos, gerando um produto de qualidade. Para o consumo in natura, preza-se por aspectos como cor, sabor, suculência, firmeza, entre outros relacionados à qualidade sensorial da carne.

De modo geral, tem-se utilizado alguns indicadores para determinar a qualidade da carne, como as medidas indicativas, entre elas o pH inicial (45 minutos a uma hora após o abate) e final (24 horas após o abate), a capacidade de retenção de água, o teor e o perfil dos tipos de gordura, a cor, a maciez, a suculência e o sabor da carne.

Outros Focos

Quando se pensa em melhoria da qualidade de carne em suínos, especialmente para consumo in natura, os focos principais são maciez, cor e a % de gordura intramuscular (GIM), que são alguns dos preditores de qualidade de carne para esse nicho.

Por meio do manejo, a % GIM pode ser manipulada de várias maneiras, incluindo o aumento do peso de abate, as dietas mais ricas em gorduras ou o aumento de lisina na fase final da terminação. Essas estratégias, de maneira geral, trazem algum prejuízo na produtividade dos animais, elevando custos de produção.

As características de qualidade de carne são também passíveis de serem melhoradas por seleção genética. A herdabilidade e o efeito de ambiente permanente para as principais características ligadas à qualidade de carne em suínos. De maneira global, as características têm herdabilidade de moderada à alta, o que indica que a seleção para essas características pode trazer um retorno efetivo em um intervalo médio de tempo. 

Com relação à % de GIM, existem duas estratégias que são possíveis de serem seguidas

  • A primeira considera a seleção para GIM dentro de um plantel já melhorado para características produtivas, como GPD e CA. O resultado da seleção nessa proposta depende em grande parte da variância genética e, portanto, fenotípica que se tem nesses planteis, ou seja, para que haja possibilidade de seleção, tem que haver animais com boa % de GIM presentes nesse plantel. Aqui, pode-se encontrar uma situação desconfortável, pois, com a seleção contínua para redução da espessura de toucinho, houve uma redução da % de GIM em maior ou em menor quantidade, de acordo com a estratégia adotada por cada programa de melhoramento;
  • A segunda estratégia é a incorporação de linhagens cuja qualidade de carne já é diferenciada. É o caso da raça Duroc. Essa raça tem amplos relatos de possuir % GIM maior que as demais raças comumente utilizadas nos cruzamentos comerciais, além de coloração mais avermelhada, o que é desejável especialmente para consumo in natura por despertar maior interesse do consumidor na escolha e na compra do produto. Dentro dessa estratégia, a seleção para as características de produção pode ser feita de maneira focada, para dar destaque e produtividade às linhagens. É exatamente a estratégia que foi seguida com o Duroc em países como a Dinamarca. Nessa região, selecionou-se animais voltados para produtividade e carcaça por, aproximadamente, 40 anos, desenvolvendo linhagens com o desempenho competitivo que se mensura atualmente, sem perder os atributos qualitativos que possuíam.

Ganhos Concomitantes

Algumas discussões foram levantadas em relação ao desempenho de recria e de terminação em animais voltados para qualidade de carne. Havia um temor que a opção por animais com vantagens em relação a esse aspecto traria perdas em desempenho. No entanto, nos últimos anos, o desempenho à campo dessas linhagens tem demonstrado o contrário. Em experimentos conduzidos em ambiente acadêmico, verificou-se que a velocidade de crescimento e a deposição de carne magra na carcaça não foi afetada por maior % de gordura intramuscular na carcaça. Resultados assim foram corroborados por outros estudos, nos quais observou-se que os conteúdos de gordura e de músculos podem ser selecionados de maneira independente. Em observações de campo, tais resultados têm se replicado.

Sendo assim, o que se verifica na prática é que, sendo o trabalho de melhoramento genético bem conduzido, é possível o desenvolvimento de linhagens com qualidade de carne, GPD e CA concomitantemente. Existe a possibilidade de uma dissociação entre essas características a nível genético e, consequentemente, fenotípico, garantindo os ganhos em relação à qualidade de carne e à produtividade.

Resultado depende da estratégia de seleção

Seguindo esse raciocínio, é importante destacar que as características variam fortemente dentro de uma mesma raça, dependendo da estratégia de seleção que foi desenhada por cada empresa de melhoramento. Embora haja informações gerais sobre as raças, como, por exemplo, o fato do Duroc ser melhor em qualidade de carne do que linhagens Pietrain, há, certamente, diferenças em relação à qualidade e à produtividade dentro das populações de Duroc espalhadas pelo mundo. Muitos trabalhos já foram conduzidos nesse sentido, mostrando diferenças em características de crescimento, de rendimento de carcaça e de cortes, ainda que dentro da própria raça Duroc as características ligadas à qualidade de carne estejam presentes em todas as populações e dentro dos padrões estabelecidos como adequados para que a carne seja dita de "qualidade", ou seja, com boa coloração e com boa % de GIM.

Existem oportunidades para se produzir carne suína com qualidade dentro dos atuais pacotes genéticos disponíveis, não havendo nessa escolha, necessariamente, perdas em produtividade, especialmente em GPD e em CA. Isso certamente se deve a um trabalho longo de seleção para essas características dentro dos programas de melhoramento.

Enfim, conclui-se que a qualidade e a produtividade podem andar juntas, trazendo ganhos ao produtor, à indústria e, principalmente, aos consumidores, que podem ter à sua disposição produtos de qualidade, sem custos adicionais.

Mais informações você encontra na edição de Suínos e Peixes de maio/junho de 2018.

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 + dois =

Suínos / Peixes

Suinocultura é mais que suinocultor e agroindústria

A cadeia de valor da suinocultura é formada muito mais do que por suinocultores e agroindústrias. Produtores de grãos, técnicos, médicos veterinários, zootecnistas, empresas de equipamentos para os galpões, caminhoneiros, criadores de softwares, pesquisadores… A própria imprensa especializada, como O Presente Rural. A suinocultura envolve centenas de milhares de pessoas, todos os dias, direta e indiretamente no Brasil.

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A cadeia de valor da suinocultura é formada muito mais do que por suinocultores e agroindústrias. Produtores de grãos, técnicos, médicos veterinários, zootecnistas, empresas de equipamentos para os galpões, caminhoneiros, criadores de softwares, pesquisadores, donos de restaurantes, produtores de aditivos alimentares, fiscais sanitários, estivadores e empresas de transporte marítimo… A própria imprensa especializada, como O Presente Rural. A suinocultura envolve centenas de milhares de pessoas, todos os dias, direta e indiretamente no Brasil.

Diretor do Negócio de Suínos da Seara, Fábio Soares – Foto: Divulgação/Seara

Para entender um pouco mais sobre toda essa cadeia, O Presente Rural entrevistou Fábio Soares, diretor do Negócio de Suínos da Seara. “É um importante setor que movimenta a economia do país, gerando milhares de empregos e renda para toda a cadeia produtiva, que vai do produtor rural ao consumidor”, sustenta o diretor.

A JBS é a líder global em alimentos à base de proteína e a suinocultura representa um importante setor nessa cadeia de valor. No segmento de suínos, a companhia conta, no Brasil, com a Seara, que é uma de suas principais Unidades de Negócios. De acordo com o último balanço, a Seara – que opera na produção de suínos, alimentos preparados e aves – registrou uma receita líquida de R$ 9,6 bilhões no terceiro trimestre 2021, crescendo 38% na comparação anual. Até o final de 2022, a empresa completará investimentos de R$ 3 bilhões, que irão gerar um faturamento adicional de R$ 7 bilhões.

Os números da empresa demonstram a importância da suinocultura para milhares de famílias. “A marca Seara conta, atualmente, com cerca de 86 mil colaboradores, sendo mais de 12 mil dedicados à produção industrial e outros 3,5 mil no campo. Todos os suínos são criados por mais de 2,6 mil produtores em granjas com controle de ambiência, critérios de bem-estar animal, ou seja, com as melhores condições de alimentação, ventilação, umidade, temperatura e biosseguridade. Esses produtores ficam, geralmente, nas mesmas localidades ou regiões próximas das plantas frigoríficas”, destaca Soares.

São oito unidades de processamentos de suínos no Brasil, que estão localizadas nos estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul. A matéria-prima que sai das fazendas percorre um longo caminho até chegar a várias partes do mundo. “Com o desenvolvimento de linhas de valor agregado, baseado sempre em qualidade, os produtos da Seara estão tanto nas prateleiras dos pequenos mercados, quanto nas das grandes redes varejistas, além de serem exportados para cerca de 130 países”, destaca o diretor.

Ele menciona que a suinocultura ajudou a viabilizar financeiramente pequenas propriedades rurais. “A garantia de qualidade da cadeia de produção está baseada na relação diferenciada entre Seara e seus 2,6 mil fornecedores integrados, que produzem com exclusividade para a companhia. É uma parceria em que os produtores recebem todos os insumos – leitões, 100% da ração e assistência técnica. Ao produtor cabe a responsabilidade sobre a mão-de-obra e o cuidado com os animais. Desse modo, formamos uma parceria em que há viabilidade econômica para os integrados e à indústria”, cita.

Investimentos

Na parte de suínos, a Seara tem investido na expansão da produção de algumas de suas unidades e no lançamento de produtos de maior valor agregado e na ampliação da participação no mercado nacional e internacional, diz Soares.

A suinocultura usa cada vez mais tecnologias para ter uma produção de precisão. Isso significa mais gente dentro da cadeia de valor. “A JBS faz investimentos contínuos em pesquisas e tecnologias de ponta. A cultura inovadora da companhia está presente no desenvolvimento de novos produtos, no monitoramento de matérias-primas e nas operações fabris. A Seara, por exemplo, emprega sistemas de rastreabilidade aos seus mais de 2,6 mil produtores integrados para buscar a melhor gestão da cadeia, focada na qualidade, sanidade e bem-estar animal”.

O papel de cada ator do negócio tornam, na opinião de Fábio Soares, a suinocultura “um importante setor que movimenta a economia do país, gerando milhares de empregos e renda para toda a cadeia produtiva, que vai do produtor rural ao consumidor. Isso faz com o que o país produza produtos suínos de qualidade, com marcas conceituadas, como a Seara, que atendem o mercado interno e também enviam seus produtos para todo o mundo. A carne suína brasileira é reconhecida pela qualidade e custo competitivo”.

Futuro

O engajamento cada vez maior de empresas como a Seara em questões relativas a sustentabilidade também expande a cadeia de valor e torna as atividades ainda mais harmônicas entre todos que contribuem para que a carne chegue ao prato do consumidor. “Temos nos dedicado a garantir as condições necessárias para que nós e nossos parceiros da cadeia de valor continuemos prosperando. Temos como missão alimentar o mundo com o que há de melhor. Fizemos da sustentabilidade a nossa estratégia de negócio, promovendo a transição para uma economia de baixo carbono em toda a nossa cadeia de valor. Assim, a JBS tornou-se a primeira grande empresa do nosso setor a assumir o Compromisso Net Zero, comprometendo-se, até 2040, a zerar o balanço das emissões de gases causadores do efeito estufa em toda a nossa cadeia de valor”, destaca Soares.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor suinícola e da piscicultura acesse gratuitamente a edição digital Suínos e Peixes.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Encontro Abraves-PR

PSA pode causar perdas de US$ 15 bilhões caso entre no Brasil

Palestra sobre os riscos e prejuízos para a cadeia suinícola caso a doença reapareça no país aconteceu durante Encontro da regional Paraná da Abraves (Associação Brasileira de Médicos Veterinários Especialistas em Suínos), no mês de março

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O que aconteceria caso uma região com alta concentração de suínos, como o Oeste do Paraná, sofresse com um surto de Peste Suína Africana? Certamente ninguém quer isso, mas esse cenário foi o tema central da palestra do médico veterinário do Serviço de Fiscalização de Insumos Pecuários e Saúde Animal, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Abel Ricieri Guareschi Neto, durante o Encontro Abraves Paraná, que aconteceu nos dias 16 e 17 de março, em Toledo (PR). O evento reuniu médicos veterinários especialistas em suínos.

Desde 2018, quando entrou na China, estima-se que a Peste Suína Africana (PSA) tenha dizimado metade do rebanho suíno”, introduziu, destacando que “em todos os continentes que a PSA atingiu, ele se disseminou e ficou presente, exceto nas Américas.

Médico-veterinário do Mapa, Abel Ricieri Guareschi Neto, em palestra durante o Encontro Abraves Paraná, que reuniu médicos veterinários especialistas em suínos – Foto: Giuliano De Luca/OP Rural

Abel fez um histórico, destacando que nas Américas foram duas entradas do vírus, em 1971, em Cuba, e em 1978, em países do Caribe e no Brasil. Naquela época, lembrou o veterinário, o vírus veio através de comida de uma aeronave que havia saído de Portugal com destino ao Rio de Janeiro. Os restos desses alimentos, ampliou, foram parar em um lixão e, depois, usados para a alimentação de alguns suínos que eram produzidos próximos a esse lixão.

No entanto, o Brasil conseguiu eliminar o vírus. Abel lembra que com essa entrada o Mapa começou a se estruturar melhor para garantir o status sanitário na suinocultura brasileira. “A entrada da PSA foi o que levou o brasil a iniciar um desenvolvimento muito efetivo de sanidade suína”. Desde 1984 o Brasil é considerado livre do vírus da PSA.

Abel destacou que o vírus escapou pela terceira vez da África, a partir de 2007, afetando a Europa e a Ásia. Esse escape foi o precursor da atual crise sanitária de PSA nessas regiões do planeta. “Hoje são cinco continentes afetados e mais de 50 países. Falta Austrália e América (do Sul) para ser uma pandemia. Cerca de 80% do rebanho suíno mundial vive em zonas afetadas”, frisou. Por isso, destacou o palestrante, a PSA é um risco muito sério ao Brasil.

Entre as possíveis portas de entrada, destacou a própria situação global da enfermidade disseminada, grande fluxo de imigrantes e voos humanitários, turismo, ajudas humanitárias de países com PSA para Venezuela e Haiti e até mesmo bioterrorismo. “Tanto o bioterrorismo externo com o fogo amigo, interno”, disse.

Rombo bilionário

Para produzir o cenário de um surto no Brasil, especialmente em regiões com alta concentração de suínos, Abel utilizou como base um estudo semelhante, feito nos Estados Unidos, que mensurou os possíveis impactos da entrada do vírus da PSA em solo estadunidense. Por lá, no melhor cenário, com rápida detecção e erradicação, o prejuízo seria de US$ 15 bilhões, levaria dois anos para recuperar os mercados de exportação e haveria uma pequena perda de empregos ao final de dez anos.

Já no pior cenário, demonstrou Abel, com se a PSA atingisse asselvajados e os Estados Unidos não conseguissem eliminar a doença em dez anos, os prejuízos seriam de US$ 50 bilhões, eles perderiam todos os mercados internacionais e a cadeia suinícola perderia 140 mil empregos em uma década.

Usando esses mesmos dois cenários no Brasil, destacou o médico veterinário do Mapa, causariam uma perda de US$ 5 bilhões, com perda de mercados por dois anos, na melhor das hipóteses, e US$ 15 bilhões e perda de mercados internacionais por dez anos, no pior dos cenários.

Recomendações ao setor privado

Abel destacou as ações realizadas pelo Mapa para evitar a introdução do vírus da PSA no Brasil, mas recomendou ao setor privado intensificar ações para apoiar o governo. “Estabelecer um plano robusto de comunicação demonstrando os riscos, fortalecimento da biosseguridade das granjas, implantar mecanismos de detecção de rumores e sinais para rápida notificação ao Serviço Veterinário Oficial (SVO), exercer apoio político para viabilizar ações demandadas pelo Mapa, se integrar a setores privados de outros países, promover ações visando a continuidade das exportações em casos de ocorrência da PSA”, sustentou. “O momento é grave e é preciso agir rápido e juntos”, enfatizou o palestrante.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor suinícola e da piscicultura acesse gratuitamente a edição digital Suínos e Peixes.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes De 21 a 24 de junho

IPVS 2022 traz conhecimento científico, atualização e networking para a cadeia produtiva mundial de suínos

Para que você conheça um pouco mais sobre o Congresso, o jornal O Presente Rural entrevistou a presidente do evento, a médica-veterinária Fernanda Almeida, que traz mais detalhes sobre o encontro, que retorna ao Brasil após 34 anos e abordará o setor de maneira holística.

Publicado em

em

Fernanda Almeida, presidente do IPVS 2022 - Foto: Divulgação/IPVS

Com uma programação de peso, escolhida para contemplar todos os elos da produção suinícola global, a organização do IPVS 2022 convida os profissionais do setor para participar do encontro que será realizado no RioCentro, cidade do Rio de Janeiro (RJ), entre os dias 21 e 24 de junho. Para que você conheça um pouco mais sobre o Congresso, o jornal O Presente Rural entrevistou a presidente do evento, a médica-veterinária Fernanda Almeida, que traz mais detalhes sobre o encontro, que retorna ao Brasil após 34 anos e abordará o setor de maneira holística. Confira!

O Presente Rural – Como médica-veterinária, como você recebeu o convite para liderar esta edição do evento?

Fernanda Almeida – À época (ano de 2011), eu pertencia à diretoria da Abraves-MG e foi uma mistura de sentimentos: ao mesmo tempo em que me senti super honrada e feliz em representar os meus colegas, percebi que seria uma grande responsabilidade. E lá se vão mais de 10 anos de muita dedicação. O resultado disso tudo vocês terão a oportunidade de ver daqui a poucos dias no IPVS 2022.

O Presente Rural – O que levou a organização do evento a escolher o Rio de Janeiro como sede?

Fernanda Almeida – Além do apelo turístico da cidade maravilhosa do Rio de Janeiro, levamos em conta as questões de biosseguridade, já que não existem granjas de suínos nas proximidades da cidade. Vale ressaltar que o apoio recebido por entidades locais, tais como Superintendência da Agricultura, Secretaria de Turismo e do Convention Bureau do Rio de Janeiro, acolhendo o evento com tanto entusiasmo, foram fundamentais para a decisão final.

O Presente Rural – Quais foram os critérios para a escolha da programação científica da edição 2022?

Fernanda Almeida – Pensando na troca de conhecimentos e experiências entre os profissionais do setor, o comitê científico elaborou o programa baseado nos temas mais relevantes da atualidade, convidando para cada área especifica palestrantes de destaque mundial. Assim, os temas foram escolhidos para promover a discussão dos principais desafios globais enfrentados pela indústria suinícola.

O Presente Rural – “Novas perspectivas para a suinocultura: biosseguridade, produtividade e inovação”, o que esse tema deve trazer para os congressistas?

Fernanda Almeida – Com o objetivo de aliar práticas de biosseguridade a técnicas inovadoras para o melhor controle de enfermidades, levando a maior produtividade, pretendemos proporcionar um grande fórum de discussão sobre temas atuais e de extrema relevância para a suinocultura mundial de forma holística. A aliança entre técnicas inovadoras de produção, traduzindo em maior rendimento, certamente levará o setor suinícola a elevados patamares de excelência.

O Presente Rural – Na sua avaliação, o programa científico do IPVS2022 atende as necessidades do mercado suinícola atual?

Fernanda Almeida – Sim, totalmente. Foi pensando justamente em atender à demanda da cadeia suinícola que convidamos os melhores profissionais de todas as áreas do sistema de produção para poder apresentar dados inéditos, a fim de capacitar os profissionais da suinocultura.

O Presente Rural – Qual o peso dos trabalhos científicos na realização dos congressos da IPVS?

Fernanda Almeida – Os resumos apresentados mostram o desenvolvimento da Ciência por trás de nossas atividades. Assim, os congressos da IPVS são o local de eleição para a divulgação de dados inéditos e muito esperados pela comunidade científica. Foi assim que o Congresso da IPVS se tornou o evento científico mais importante da suinocultura mundial.

O Presente Rural – Como você avalia o apoio dos elos da cadeia suinícola na realização do IPVS2022?

Fernanda Almeida – Como diz o ditado: “Uma andorinha só não faz verão”. Foi com esse pensamento que buscamos organizar o IPVS 2022. Afinal, estamos diante do mais importante evento da suinocultura mundial. É como se o Brasil sediasse a Copa do Mundo ou os Jogos Olímpicos. Temos que valorizar esta grande conquista! Assim, foi com o apoio dos elos do setor que chegamos até aqui e estamos a poucos dias da realização desse grande evento que, certamente, trará benefícios imensuráveis à suinocultura nacional.

Inscreva-se

As inscrições para o IPVS2022 ainda podem ser realizadas. Consulte prazos e valores no site oficial do evento. Acesse ipvs2022.com.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor suinícola e da piscicultura acesse gratuitamente a edição digital Suínos e Peixes.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
EVONIK 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.