Conectado com

Empresas Avicultura

A Germinação e Atividade do Alterion® agora são visíveis dentro das aves

A características únicas desta cepa de Bacillus, somadas à formulação e sua germinação adequada, tornam o Alterion® metabolicamente ativo onde é mais importante: no intestino das aves

Publicado em

em

Foto: Divulgação

O uso de probióticos como os Bacilli aumentou consideravelmente na produção animal nos últimos 25 anos. Probióticos são bactérias vivas que quando administradas em quantidade adequada, conferem efeitos fisiológicos benéficos ao hospedeiro, resultando em melhorias na saúde e no desempenho.

A morfologia dos Bacilli e a germinação dos esporos

Os Bacillus apresentam duas formas distintas: endósporos (esporos) e células vegetativas (germinadas), dependendo das condições ambientais. Os Bacilli são administrados aos animais como esporos na dieta, podendo resistir às condições desafiadoras do processamento da ração e de seu armazenamento prolongado.

Os esporos são metabolicamente inativos e formados em resposta a tensões ambientais, como mecanismo de sobrevivência. São formas não reprodutivas de bactérias, mais duráveis e viáveis já conhecidas. Os esporos são resistentes e podem sobreviver à radiação UV, temperatura e pressão extrema, exposição a produtos químicos tóxicos e acidez.

Após ingestão pelo animal, um esporo precisa germinar e crescer para se tornar metabolicamente ativo e assim, promover seus benefícios ao animal. A germinação ocorrerá na presença de germinantes que se ligam a receptores específicos na membrana interna. Os esporos de Bacillus têm uma variedade desses receptores, permitindo a ligação a vários tipos de germinantes, nutrientes ou não nutrientes, e condições ambientais favoráveis (temperatura, pH…) (Figura 1). Quando um sinal forte o suficiente é gerado, a germinação começa. Os receptores também podem ser inibidos, mas uma vez completamente ativados, o processo de germinação é irreversível.

 

Figura 1: Germinação de esporos de Bacillus

Ao contrário dos esporos, as células vegetativas se dividem, se multiplicam, se comunicam e são móveis. Elas são metabolicamente ativas e produzem metabólitos, proporcionando efeitos completos do probiótico no hospedeiro.

 

Todos os probióticos germinam dentro do trato digestivo dos animais?

Alterion® é o único probiótico disponível no mercado cuja germinação foi demonstrada e visualizada dentro das aves.

Alterion® é uma cepa exclusiva natural de Bacillus subtilis, selecionada especificamente para promover um desempenho consistente em aves. Alterion® é o resultado de uma seleção rigorosa, onde mais de 900 cepas listadas na AAFCO (The Association of American Feed Control Officials) foram rastreadas e testadas em condições in vitro e in vivo.

O Bacillus subtilis 29784 (Alterion®) foi cuidadosamente selecionado para fornecer segurança, estabilidade, eficácia e funcionalidades superiores.

Alterion® não contém genes de resistência aos antibióticos utilizados em medicina humana e é inofensivo às células animais. Ambos são parâmetros essenciais para garantir a segurança do produto e para preservar a saúde e o bem-estar dos animais.

A triagem também foi baseada em vários testes para garantir a seleção da cepa mais estável (em condições adversas de peletização, condições digestivas e armazenamento prolongado) e mais eficiente em termos de características de germinação.

Além disso, os esporos de Alterion® são especialmente “colados” em partículas de carbonato de cálcio. Essa formulação inovadora garante redução da produção de pó, baixa segregação dos esporos, evita problemas de desmistura e favorece uma excelente fluidez e homogeneidade no premix e na ração.

 

A germinação do Alterion® foi comprovada in vitro e, o mais importante, visualizada in vivo.

A capacidade da maioria das cepas de Bacillus de germinar e crescer in vivo é desconhecida. Devido à complexidade do processo de germinação, especialmente em um ambiente muito complexo, ou seja, o conteúdo do lúmen digestivo, a confirmação in vivo da germinação continua sendo uma tarefa desafiadora.

Ao unir seus conhecimentos em produção animal e em soluções biológicas, a Adisseo e a Novozymes conseguiram investigar a germinação e crescimento de Alterion® em profundidade, usando uma variedade de métodos inovadores complementares, como monitoramento in vitro, tecnologias fluorescentes e avaliação metabólica in vivo.

 

Germinação In vitro

A cepa de Alterion® foi selecionada com base em suas capacidades superiores de germinação em condições intestinais e de alimentação (Figura 2).

Figura 2: Germinação do esporo de Alterion® em condições intestinais em 0, 4 e 6 horas

Em um estudo preliminar, Alterion® foi cultivado in vitro juntamente com uma variedade de componentes e aditivos para a alimentação, a fim de avaliar seus impactos na velocidade de germinação por meio da densidade óptica (DO).

O perfil de germinação do Alterion® foi similar ao longo do tempo nas avaliações com trigo, milho e soja (Figura 3). Além disso, a inclusão de ácidos orgânicos, coccidiostáticos e uma variedade de aditivos não mostrou impacto na germinação.

Figura 3: Perfil da Germinação do Alterion® na presença de diferentes componentes da ração

A cinética da germinação do Alterion® também foi comparada in vitro com outras cepas de Bacillus. Comparar outra cepa de Bacillus subtilis e uma de Bacillus licheniformis em condições semelhantes demonstrou claramente que a cinética da germinação varia imensamente entre as cepas, mostrando a superioridade do Alterion® (Figura 4).

Figura 4: Cinética da germinação de diferentes cepas de Bacillus

Visualização da germinação in vivo

A germinação do Alterion® foi observado por meio do desenvolvimento de um sistema único e inovador de dois indicadores fluorescentes que rastreia o processo de germinação no intestino da ave. O primeiro passo consiste na integração de marcadores fluorescentes no genoma do Alterion®, mais especificamente dois genes, um deles codifica a proteína verde fluorescente (PVF) e o outro codifica a proteína fluorescente vermelha (dsRed); assim, emitindo um sinal verde para um esporo dormente e um sinal vermelho após germinação e crescimento, respectivamente.

Após a incorporação dos marcadores, a fluorescência foi verificada por análise microscópica. Uma placa de 96 poços foi inoculada com esporos de Alterion® e a fluorescência foi observada, como mostrado na Figura 5. Os esporos adormecidos de Alterion® podem ser visualizados na cor verde. Após a germinação, a fluorescência verde desapareceu rapidamente e as células germinadas fluoresceram em vermelho.

Figura 5: Fluorescência dos esporos e das células germinadas do Alterion® observada por microscópio em diferentes tempos

O terceiro passo consistiu em visualizar a germinação no intestino da ave.

Para verificar a germinação de Alterion® em condições in vivo, foi realizado um estudo durante 13 dias. As aves foram alimentadas com uma dieta controle ou tratamento, à qual foram adicionados esporos Alterion® com dupla marcação 72 horas antes do abate. No final do estudo, o conteúdo do íleo foi amostrado, analisado e processado pelo InCell Analyzer para verificar a fluorescência nas amostras. A cor vermelha indica que a maioria dos esporos germinou e está crescendo ativamente para produzir os efeitos benéficos à saúde em frangos de corte (Figura 6).

 

 

Células germinadas de   Alterion®

 

 

 

Figura 6: Germinação visualizada por fluorescência vermelha em amostras ileais

Produção de metabólitos in vivo

Uma abordagem complementar para investigar a atividade in vivo de Alterion® após a germinação e crescimento é monitorar sua produção de metabólitos. Os metabólitos de Alterion® foram estudados in vitro e três metabólitos foram identificados como produzidos em quantidades altas e consistentes (niacina, pantotenato, hipoxantina). A concentração desses metabólitos foi então medida no conteúdo digestivo das aves alimentadas com Alterion®. O estudo mostrou claramente que a concentração dos metabólitos estava fortemente relacionada ao número de bacilos detectados (Figura 7).

Figura 7: Percentual relativo de Bacillus spp. e concentração de metabólitos (fezes nmol/g) em aves suplementadas com Alterion® versus aves controle.

Claramente, esses dados confirmam que Alterion® é ativo no intestino das aves.

Favorecendo a resiliência animal em três linhas de defesa

A atividade metabólica do Alterion® no intestino é responsável pelos efeitos benéficos in vivo no desempenho, na saúde e na microbiota do hospedeiro (Jacquier et al., 2019).

Uma vez germinado e ativado, o Alterion® favorece a resiliência animal agindo em três linhas de defesa intimamente conectadas: 1) promovendo um microbioma resiliente, 2) fortalecendo a função de barreira e preservando a integridade intestinal e, finalmente, 3) garantindo um ótimo controle inflamatório e das respostas imunes.

Estudos in vivo mostraram que Alterion® influencia positivamente as populações bacterianas, resultando em um efeito benéfico na atividade microbiana. Por exemplo, Alterion® aumenta as populações que degradam polissacarídeos, bem como as de bactérias produtoras de butirato (Jacquier et al., 2019).

Mostrar que Alterion® é ativo também in vivo nos permite confiar em dados in vitro (Rhayat et al., 2017). Alterion® fortalece a barreira intestinal aumentando a expressão de proteínas das “tight junctions”. Além disso, reforça e controla a resposta inflamatória pela inibição da degradação de IkB, impedindo assim a translocação de NF-κB. Com isso, a expressão de compostos pró-inflamatórios como a IL-8 e a enzima iNOS é controlada (Rhayat et al., 2019).

 

Conclusão

A características únicas desta cepa de Bacillus, somadas à formulação e sua germinação adequada, tornam o Alterion® metabolicamente ativo onde é mais importante: no intestino das aves. Aqui ele produz seus metabólitos e atua nas três linhas de defesa: microbiota,  mucosa intestinal e respostas inflamatórias para promover a resiliência animal.

Este probiótico de eficácia cientificamente comprovada produz melhorias significativas e consistentes na saúde intestinal, no desempenho produtivo e na utilização dos alimentos pelas aves. Dessa forma, podemos utilizar os recursos naturais de uma forma mais responsável para melhorar a sustentabilidade da produção animal.

 

 

Aurélie MOAL – Gerente de Marketing, Saúde através da Nutrição, Adisseo
Estelle DEVILLARD – Gerente de P&D, Saúde através da Nutrição, Adisseo
Karoline SIDELMANN BRINCH – Gerente Científica em Pesquisa Aplicada, Novozymes

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze − 3 =

Empresas Grãos

ConectarAGRO se torna oficialmente uma Associação

Com a mudança de status, novos membros já podem fazer parte da nova entidade

Publicado em

em

Com o objetivo de promover conectividade nas áreas rurais de todo o Brasil, o ConectarAGRO reforça sua iniciativa e se oficializa como uma associação civil sem fins lucrativos. A partir de julho, novas empresas que se identificarem com o propósito do ConectarAGRO podem se associar.

A decisão faz parte da estratégia das oito empresas fundadoras da iniciativa – AGCO, Climate FieldView, CNH Industrial, Jacto, Nokia, Solinftec, TIM e Trimble, com o intuito de permitir a entrada de novos participantes e ter uma formação que fortaleça iniciativas relativas à conectividade. Isso deve ampliar ainda mais as ações e resultados do ConectarAGRO em todo o país.

“Continuamos apoiando uma tecnologia aberta, acessível e simples, que conecta pessoas e máquinas, e que atenda às aplicações no campo da melhor maneira possível. E, a partir de agora, com o lançamento da Associação, poderemos chegar ainda mais longe com o apoio de novas empresas, de variadas áreas e diversos tamanhos, sejam elas multinacionais ou startups”, afirma Gregory Riordan, presidente da Associação ConectarAGRO.

Desde o seu lançamento, na Agrishow de 2019, até dezembro do ano passado, o ConectarAGRO promoveu conectividade via banda larga 4G de 700 MHz para mais de 5,1 milhões de hectares de áreas rurais em todo o Brasil, sendo que mais da metade das propriedades tem até 100 ha. Até o momento, mais de 575 mil pessoas em áreas rurais, 218 cidades e oito estados diferentes se beneficiaram pelo projeto, assim como mais de 24 mil quilômetros de estradas e rodovias.

Outra conquista do ConectarAGRO neste primeiro ano foi a cobertura de mais de 11,5 milhões de hectares com a plataforma Narrow Band IoT (NB-IoT). Habilitadora de soluções de Internet das Coisas, a tecnologia oferecida pela TIM é essencial para a conexão de máquinas e sensores, ferramentas importantes para o desenvolvimento do agronegócio. Por ser um padrão adotado mundialmente, o NB-IoT pode ampliar em mais de 40% a cobertura tradicional em relação ao uso de smartphones, além de consumir menos bateria, o que é fundamental para aplicações de IoT.

Agora, mesmo com as limitações impostas pela Covid-19, a Associação estima ampliar conectividade para 13 milhões de hectares até 2021, incluindo projetos com cooperativas. “Ao mesmo tempo em que esse momento de pandemia traz grandes desafios para nossos planos de expansão, ele também serve como um imenso estímulo à digitalização e às ferramentas digitais, criando uma grande demanda pela conectividade que impulsionará os avanços de forma significativa quando a situação se normalizar”, diz Riordan.

Há também a previsão do desenvolvimento de outras iniciativas que apoiam o crescimento da solução promovida pelo ConectarAGRO, como o projeto educacional, voltado a qualificação das pessoas que vivem e trabalham no campo dentro de uma nova realidade digital.

“Sabemos que a conectividade muda a vida das pessoas. Ela pode transformar a eficiência do agronegócio, promover a inclusão digital para quem vive no campo, propiciar a integração logística nas vias de transporte e alavancar outros setores cujas atividades estão em áreas remotas”, finaliza Riordan.

Com a ampliação dos participantes na Associação, aumenta a possibilidade de apoio às muitas AgTechs que surgem com soluções de melhoria e crescimento para o agronegócio brasileiro. O ConectarAGRO contribui de forma ampla para a transformação das áreas remotas do Brasil e atua para que a conectividade esteja em todo território nacional e não somente nas em áreas urbanas.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Talita Resende, coordenadora de diagnóstico da Sanphar, aborda os efeitos da infecção por Lawsonia intracellularis em diferentes células

Publicado em

em

Talita Resende, coordenadora de diagnóstico da Sanphar

Talita Resende, coordenadora de diagnóstico da Sanphar, aborda os efeitos da infecção pela bactéria Lawsonia intracellularis em diferentes células de mamíferos em live realizada pela SuinoCast, podcast da suinocultura brasileira. A conversa teve como base artigo sobre o tema publicado no periódico Veterinary Microbiology e discutiu como a divulgação de conhecimentos sobre a bactéria ajudam a enfrentá-la na suinocultura. Talita tem doutorado em Medicina Veterinária pela Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos.

“A Lawsonia intracellularis causa a enteropatia proliferativa, doença conhecida popularmente como ileíte. Quando infectados pela Lawsonia intracellularis, os suínos apresentam quadros de diarreia, o que afeta diretamente o ganho de peso. Essa é uma enfermidade relativamente nova, pois apesar das lesões serem relatadas em suínos há muitos anos, a bactéria só foi reconhecida como o agente causador da ileíte na decada de 1990”, destaca a médica veterinária da Sanphar.

Talita Resende informa que, devido às suas especificidades para isolamento e manutenção em laboratório, pouco se sabe como a Lawsonia intracellularis instala-se no intestino dos suínos. “Essa carência de conhecimento dificulta o desenvolvimento de estratégias de prevenção e de controle da doença”, diz.

Durante o seu doutorado, a coordenadora de diagnóstico da Sanphar investigou os efeitos da infecção bacteriana em diferentes células (de suínos, camundongo, rato e ser humano) com diferentes condições de cultivo. O objetivo foi verificar se tais células seriam capazes de reproduzir a proliferação celular induzida pela bactéria no intestino dos animais afetados.

Estudos como esse podem contribuir para o desenvolvimento de vacinas ou de tratamentos que não envolvam antimicrobianos. “Mesmo sem atingir o resultado que esperávamos, pudemos demonstrar que dependemos do avanço das pesquisas de ciência básica para que, a médio e longo prazos, possamos controlar a doença, tal qual como já fazemos com outras bactérias intestinais, como Salmonella e E. Coli”, ressalta Talita Resende.

Fonte: Ass. de Imprensa Sanphar
Continue Lendo

Empresas Topigs Norsvin

Topigs Norsvin anuncia novas contratações

Ampliação da equipe segue compromisso da empresa de manter a entrega de resultados e o melhor atendimento ao cliente

Publicado em

em

Novo coordenador de Território, Bruno Battistel

Focada na qualidade da equipe e na excelência do serviço prestado aos clientes, a Topigs Norsvin, líder mundial em pesquisa e desenvolvimento de genética suína, anuncia três novas contratações que vêm para reforçar o atendimento ao cliente. Passam a integrar o time da empresa os profissionais Bruno Battistel, Guilherme Fernandes e Marcelo Dacas.

“A ampliação da equipe reforça nosso compromisso com o atendimento de qualidade, principalmente em tempos difíceis, como o da pandemia da Covid-19. Precisamos estar prontos para levar aos clientes os melhores produtos e profissionais mais gabaritados, sempre fazendo parte da solução do problema, pois entendemos a importância do setor para o mundo. A suinocultura não pode parar e nós também não”, afirma o diretor de Negócios e Marketing da Topigs Norsvin no Brasil, Adauto Canedo Jr.

Sobre os profissionais

Para o estado do Rio Grande do Sul e litoral de Santa Catarina, o novo coordenador de Território será Bruno Battistel. Formado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Battistel também possui um mestrado pela Universidade Autônoma de Barcelona, na Espanha. “Desejo somar à equipe Topigs Norsvin e desenvolver junto aos clientes e parceiros um grande trabalho”, almeja Battistel, que atuará do departamento comercial.

Graduado em Medicina Veterinária pela Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (UNIDERP), Guilherme Fernandes assume como coordenador de Produção em Goiás, Mato Grosso e São Paulo atuando junto aos multiplicadores, garantindo a qualidade dos animais entregues. “Espero com meu trabalho poder contribuir para o desenvolvimento de uma suinocultura mais forte e eficiente”, afirma Fernandes.

O novo consultor técnico Comercial Marcelo Dacas ficará sediado em Ponta Grossa (PR) e cuidará do atendimento técnico de clientes do leste do Paraná, São Paulo e Sul de Minas Gerais. Ele é técnico agrícola formado pela EAFC e engenheiro agrônomo graduado pela UNIBAVE. “Trago minha experiência de 12 anos de atuação na suinocultura para agregar ao departamento técnico da Topigs Norsvin, atuando no pós venda no acompanhamento dos resultados dos clientes”, explica Dacas.

A empresa de genética suína Topigs Norsvin é reconhecida por sua abordagem inovadora na implementação de novas tecnologias e pelo seu foco contínuo na produção de suínos com a melhor relação custo-benefício possível.

Com uma produção de 11 milhões de doses sêmen/ano, a melhoria contínua e fortalecimento dos produtos permitem que os clientes da Topigs Norsvin obtenham um valor agregado significativo em sua produção. O melhoramento genético da Topigs Norsvin baseia-se em dois pilares fundamentais: sustentabilidade e eficiência, que se traduzem em criação equilibrada e eficiência total na alimentação.

Pesquisa, inovação e disseminação de melhorias genéticas são os pilares da empresa, que investe 22,5 milhões de euros em P&D ao ano.

 

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo
Evonik Biolys

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.