Conectado com

Bovinos / Grãos / Máquinas

Redução das emissões de nitrogênio com suplementação de aminoácidos na nutrição animal

Estratégias nutricionais com a suplementação de aminoácidos para atender a real necessidade dos animais permite reduzir a proteína bruta das dietas, consequentemente a eliminação de determinados nutrientes para o meio ambiente.

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O crescimento da população mundial e aumento da fome impactam o ciclo ambiental natural de diversas maneiras. De acordo com o modelo de fronteiras planetárias proposto por pesquisadores ambientais, a humanidade tem mudado o ciclo do nitrogênio em um grau que poderia desencadear mudanças irreversíveis em grande escala e alterar substancialmente o funcionamento do sistema terrestre. As soluções nutricionais para produção animal podem reduzir a carga sobre o meio ambiente, reduzindo a proteína bruta das dietas e consequentemente a excreção de nitrogênio.

Em 2009, pesquisadores liderados por Johan Rockström, do Centro de Resiliência de Estocolmo, e Will Steffen, da Universidade Nacional Australiana, apontaram os holofotes para o impacto da humanidade nos processos do sistema terrestre, pontos de inflexão e “zonas seguras de operação” dentro das fronteiras ambientais. Desde então, os pesquisadores definiram nove processos-chave como parte do quadro de fronteiras planetárias, incluindo integridade da biosfera, poluição química, mudanças climáticas e uso de água doce. Para cada processo, os pesquisadores definiram um limite, que, se excedido, significa que o funcionamento do “sistema da Terra pode ser substancialmente alterado”, como os pesquisadores expressam.

Interrupção de longo alcance do ciclo de nitrogênio

As mudanças climáticas são frequentemente comunicadas como o desafio ambiental mais urgente de nosso tempo. Portanto, pode ser uma surpresa ver que, de acordo com a estrutura de fronteiras planetárias, o ciclo de nitrogênio – parte da fronteira de fluxos biogeoquímicos – está em território vermelho profundo, muito além da mudança climática.

Figura 1: As fronteiras planetárias. J. Lokrantz/Azote baseado em Steffen W et al. (2015)

O desafio em poucas palavras: Como o nitrogênio é um elemento essencial para o crescimento das plantas, grandes quantidades de nitrogênio são usadas em fertilizantes agrícolas. A necessidade por proteínas de origem animal está crescendo devido a uma combinação de crescimento populacional, aumento da renda per capita e urbanização progressiva, com a OCDE projetando uma expansão de 12% da produção global de carne ao longo da década de 2020-2029. Dessa maneira, o aumento do número de animais requer um número crescente de plantações a serem cultivadas para alimentá-los, o uso adicional de fertilizantes coloca uma carga pesada sobre os fluxos naturais de nitrogênio.

O nitrogênio tomado pelas culturas não é um problema em si. Mas muito disso se perde, explicaram pesquisadores do Centro de Resiliência de Estocolmo: “As atividades humanas agora convertem mais nitrogênio atmosférico em formas reativas do que todos os processos terrestres combinados. Grande parte desse novo nitrogênio reativo é emitido para a atmosfera de várias formas, em vez de aproveitado pelas culturas. Quando chove, polui as vias navegáveis e zonas costeiras ou se acumula na biosfera terrestre”.

Esse excesso de nitrogênio ameaça sistemas marinhos e aquáticos, criando enormes “zonas mortas” onde a maioria dos peixes e mamíferos marinhos não podem mais sobreviver. O Golfo do México, por exemplo, contém uma zona morta que abrange cerca de 5.400 milhas quadradas devido ao escoamento de nitrogênio de fazendas no Centro-Oeste dos EUA. O impacto ambiental não é distribuído uniformemente em todo o mundo, mas particularmente pesado no Centro-Oeste dos EUA, Europa Ocidental e Central, Norte da Índia e grande parte da China.

O Relatório Global de Desenvolvimento Sustentável (RSDA) de 2019 reconhece a importância dos fertilizantes nitrogenados para acabar com a pobreza e a fome, bem como para melhorar a saúde e o bem-estar, mas afirma: “O escoamento e o lixiviação de nitrogênio são responsáveis por flores tóxicas de algas aquáticas, que resultam em níveis de oxigênio esgotados, morte de peixes e perda de biodiversidade. O fertilizante nitrogenado também é responsável por mais de 30% das emissões relacionadas à agricultura, sendo o setor a principal fonte de emissões globais de N2O, ele um dos principais gases de efeito estufa e, portanto, potencial para contribuir para as mudanças climáticas.”

Figura 2: Distribuição geográfica da variável de controle para nitrogênio, destacando grandes zonas agrícolas onde o limite N é transgredido. ​

Emissões de nitrogênio na produção animal

A produção de carne é uma das principais causas da poluição por nitrogênio nos solos e na água. De acordo com uma avaliação recente, “as cadeias de suprimentos de gado global alteraram significativamente os fluxos de nitrogênio (N) nos últimos anos, ameaçando assim a saúde ambiental e humana”. A avaliação conclui que “o setor de proteína animal global atualmente emite equivalente a um terço das atuais emissões de N induzidas pelo homem, suficientes para atingir à fronteira planetária para N. Desse montante, 68% estão associados à produção de ração”.

De acordo com os pesquisadores, as cadeias de fornecimento de leite, carne e coprodutos ruminantes causam 71% das emissões totais de N da produção de proteína animal, enquanto a produção de ovos e carne de frango e suína contribuem com os 29% restantes. A utilização de nitrogênio difere significativamente entre espécies animais, linhas de reprodução e sistema de criação. A avicultura é relativamente eficiente, com eficiência de uso nitrogênio do ciclo de vida para frangos que variam entre 32 e 67%, para frango caipira, entre 6 e 60% e poedeiras, entre 3 e 60%. Os sistemas para produção de carne vermelha (ruminante) são geralmente menos eficientes em média, enquanto exibem uma faixa maior entre 1 e 72%.

Embora uma mudança das proteínas de origem animal para uma dieta mais rica em frutas, legumes, nozes e leguminosas possa aliviar as cargas de nitrogênio, isso não é de se esperar a médio prazo – muito pelo contrário: De acordo com a FAO, a produção animal anual global pode chegar a 455 milhões de toneladas em 2050, em comparação com 258 milhões de toneladas em 2005/2007 e 336 milhões de toneladas em 2018.

As organizações ambientais e de proteção animal promovem o menor consumo de produtos de origem animal, ou o abandono deles na medida do possível, quanto a adoção de uma abordagem de produção mais voltada para o bem-estar animal. Colocar apenas este último em prática, mantendo a produção alta, no entanto, seria contraproducente em relação às emissões de nitrogênio, uma vez que mais espaço e atividade física para os animais acabam diminuindo a eficiência dos nutrientes.

Todavia, temos oportunidades para mitigar o impacto da produção animal nos ciclos naturais de nitrogênio – por exemplo, ajustando a composição da ração: A suplementação com aminoácidos auxilia no balanceamento da ração com dietas de baixa proteína, promovendo uma nutrição eficiente e precisa, reduzindo assim a eliminação do nitrogênio que será mais bem aproveitado na produção animal.

Redução da proteína bruta, suplementação com aminoácidos

Um desafio na produção animal é balancear as dietas com todos os nutrientes necessários. O químico alemão Justus von Liebig (1803-1873) popularizou a “lei do mínimo”, onde o recurso mais escasso (como um nutriente específico) limita o crescimento da cultura. Na metáfora do “barril” amplamente utilizada, réguas de madeira de diferentes comprimentos ilustram essa ideia: Quanto mais curta a régua, mais deficiente um recurso específico. Assim, a menor régua limita a capacidade de enchimento do barril. O barril de Liebig também pode ser aplicado ao potencial nutricional da alimentação animal, onde as réguas representam os aminoácidos essenciais.

Ingredientes comuns de ração, como trigo, milho e soja são “incompletos”, o que significa que são todos baixos em um ou mais aminoácidos essenciais. Para ofertar aos animais todos os aminoácidos necessários, os produtores podem simplesmente fornecer “mais do mesmo” adicionando fontes proteicas à base de plantas, como a soja. No entanto, essa abordagem não seletiva resulta em superalimentação, pois o ingrediente adicional também contém aminoácidos que já são abundantes.

O reflexo de uma nutrição não precisa e eficiente representa maior custo alimentar, grande dependência de matérias primas, baixa eficiência metabólica, além de contribuir com impacto ambiental com excesso de nutrientes não aproveitados. Além de múltiplas desvantagens como o desmatamento para terras agrícolas adicionais, contribuição de emissões com transportes, maior consumo de água por ingestão de uma dieta com alta proteína.

A suplementação com aminoácidos promove uma dieta precisa, que atende as necessidades nutricionais e reduz as excreções para o meio ambiente. Na metáfora do barril, a régua seria um nutriente, e para atender os requisitos nutricionais do animal para uma ótima performance, esse nutriente específico precisa ser suplementado. Dessa forma, elevamos apenas a régua mais curta para atender à necessidade animal.

A nutrição de precisão oferece exatamente isso! Precisão na formulação. Inclusão de fontes proteicas na formulação sem exceder outros nutrientes, podendo assim, a necessidade ser atendida com a suplementação de aminoácidos. Consequente, reduzimos a entrada de ingredientes proteicos como a soja, oferecendo uma nutrição mais eficiente e sustentável, com menor impacto ambiental.

Figura 3: O barril de Liebig ilustra a utilidade da suplementação de aminoácidos direcionados. ​

Para vacas leiteiras, a metionina geralmente é o aminoácido mais deficiente – e, portanto, seria o limitante. A suplementação de metionina protegida que contém moléculas de DL-Metionina revestidas e possui liberação lenta no intestino delgado da vaca alonga a menor régua para combinar com o comprimento do segundo aminoácido limitante. Essa suplementação melhora significativamente a produtividade – ou eficiência alimentar – sem os efeitos prejudiciais da alimentação de mais proteína bruta.

De acordo com uma regra geral na indústria de ração animal, a redução de um ponto percentual no teor de proteína da dieta, associado ao ajuste de seu perfil de aminoácidos, leva a uma redução de 10% da excreção de nitrogênio com o impacto ambiental negativo associado. A redução da proteína bruta também impacta o consumo de água: os animais precisam de água para os processos metabólicos para descartar o nitrogênio excedente derivado da proteína excedente como ureia (suínos) ou ácido úrico (aves) com urina. Além disso, a abordagem ajuda a reduzir a quantidade de ingredientes de ração à base de plantas, aumenta a eficiência de conversão de ração e resulta em uma dieta mais saudável e equilibrada.

Dessa forma, a nutrição de precisão permite atender as necessidades de cada espécie e objetivos de produção animal com dietas de baixo custo, eficiência alimentar e sustentável. Estratégias nutricionais com a suplementação de aminoácidos para atender a real necessidade dos animais permite reduzir a proteína bruta das dietas, consequentemente a eliminação de determinados nutrientes para o meio ambiente. Em particular, uma enorme contribuição para o meio ambiente, reduzindo a poluição de nitrogênio no solo e água, emissão de gases efeito estufa, e, portanto, em última instância, a função do sistema terrestre.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor de bovinocultura, commodities e maquinários agrícolas acesse gratuitamente a edição digital Bovinos, Grãos e Máquinas.

Fonte: Por Equipe técnica da Evonik
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − dezoito =

Bovinos / Grãos / Máquinas Em Marechal Cândido Rondon

Palestra sobre avanços e atual cenário do mercado de lácteos encerra programação do Dia Leite

Realizado pelo Jornal O Presente Rural, em parceria com a Frimesa, no município de Marechal Cândido Rondon (PR), o evento acontece na próxima quarta-feira (1º) no formato híbrido, com participação presencial e transmissão ao vivo pelos canais do O Presente Rural no Facebook e no YouTube.

Publicado em

em

Foto: Ari Dias/AEN

Reflexões sobre o mercado do leite encerra o ciclo de palestras da primeira edição do Dia do Leite, evento que será realizado na próxima quarta-feira (1º) pelo Jornal O Presente Rural, em parceria com a Frimesa, no município de Marechal Cândido Rondon (PR). Promovido no formato híbrido, haverá participação presencial para convidados e transmissão ao vivo pelos canais do O Presente Rural no Facebook e no YouTube.

Engenheiro agrônomo, mestre em Economia Rural, e atual coordenador da Câmara Setorial do Leite, Vicente Nogueira Netto: “A retomada da atividade econômica é ainda a melhor oportunidade para o setor” – Foto: Berrante Comunicação

A palestra de encerramento inicia às 13h30 e será ministrada pelo engenheiro agrônomo, mestre em Economia Rural, e atual coordenador da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (CSLEI/Mapa) pela Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), Vicente Nogueira Netto, que vai trazer informações relevantes sobre a cadeia leiteira para estimular a reflexão dos participantes com relação ao atual cenário do mercado de lácteos.

De acordo com Netto, todos os elos da cadeia produtiva acompanham diariamente diversas informações e indicadores para entender o comportamento do mercado de lácteos e assim identificar as melhores oportunidades do setor, tanto para as cooperativas como para seus cooperados. De encontro a isso, vai abordar em sua palestra como ocorreu a evolução nacional da cadeia leiteira, os desafios existentes no setor, os avanços da produção de leite na região Sul do país, especialmente no Paraná, que hoje é segundo maior produtor nacional, a importância socioeconômica da cadeia leiteira para o desenvolvimento da agropecuária, sua capacidade de gerar emprego e renda, além do atual cenário de preços e custos de produção.

“O momento atual certamente é muito desafiador para todas as cadeias produtivas de proteína animal, especialmente para o mercado de leite que é ainda muito dependente do mercado interno. Assim, em um cenário macroeconômico de estagnação, o mercado de lácteos tende a sentir os efeitos da perda do poder de compra do consumidor. Além disso, há ainda o forte aumento do custo de produção ocorrido nos últimos dois anos e que tende a persistir até o final de 2022”, ressalta Netto.

No entanto, mesmo com todos os desafios, a cadeia produtiva de lácteos tem passado por grandes transformações, otimizando processos e buscando se consolidar no mercado com a adoção de tecnologias e melhor aproveitamento dos insumos e uso mais eficiente dos recursos de produção. “A retomada da atividade econômica é ainda a melhor oportunidade para o setor, por isso toda a atenção aos indicadores macroeconômicos é importante para identificar a retomada e, em sequência, a melhora no consumo por conta do fortalecimento do consumidor. Esse é um cenário que pode trazer muitas oportunidades para as cooperativas, na exploração de novas tendências de consumo, adoção de novas tecnologias para atendimento aos cooperados, na união para fortalecer e otimizar operações e no posicionamento de mercado”, analisa Netto.

De acordo com ele, ainda há incertezas quanto a retomada da economia, especialmente por se tratar de um ano de eleições. Mesmo assim a economia está começando a dar sinais de retomada, o que tende a ser a maior oportunidade para o setor. “Além disso, a valorização das commodities lácteas ao redor do mundo, devido ao aumento da demanda, abriu oportunidades para exportações, que também tende a ser uma oportunidade a ser explorada pelas cooperativas”, enfatizou.

Com uma vasta experiência no setor lácteo nacional, Netto foi chefe do Departamento Econômico da Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e presidente da Federação Pan-Americana de Leite (Fepale), e atualmente é sócio-diretor da Tropical Genética de Embriões.

Ciclo de palestras

A programação engloba três palestras, que vão trazer um panorama geral do cenário atual da bovinocultura leiteira. O credenciamento inicia às 09 horas, em seguida, às 09h30, haverá a abertura com o presidente da Frimesa, Valter Vanzella.

O ciclo de palestras inicia às 10 horas, com o secretário de Agricultura e do Abastecimento do Estado do Paraná (Seab), Norberto Anacleto Ortigara, que vai tratar sobre a “Importância do status sanitário das propriedades leiteiras no Paraná”. Com uma vasta experiência no âmbito da agricultura, Ortigara é técnico agrícola e economista, com especialização em Economia Rural e Segurança Alimentar, e desde 1978 é servidor público da Seab.

Em seguida, às 11 horas, o economista doutor em Economia Aplicada e pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Paulo Martins, abordará o tema “Leite 4.0: desafios e oportunidades”. Professor nos cursos de MBA e mestrado em Administração da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Martins se dedica a estudar a competitividade do setor leiteiro e foi idealizador do Ideas For Milk, o primeiro ecossistema de inovação criado no agronegócio brasileiro.

O encerramento da programação do Dia do Leite está previsto para as 15 horas.

Quem faz acontecer

O Dia do Leite é uma realização do Jornal O Presente Rural, em parceria com a Frimesa. O evento tem patrocínio ouro da Sicredi; prata da Biochem, Imeve e Prado Saúde Animal; e bronze da AB Vista, Anpario e Syntec. E conta ainda com o apoio do Sistema Ocepar, Câmara do Leite, Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa e da Associação Brasileira do Produtores de Leite.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Em 1º de junho

Importância do status sanitário do Paraná abre ciclo de palestras do Dia do Leite

Inédito em Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná, a primeira edição do Dia do Leite acontece em 1º de junho no formato híbrido, com participação presencial para convidados e transmissão ao vivo pelos canais do O Presente Rural no Facebook e no YouTube.

Publicado em

em

Fotos: Divulgação

Segundo maior produtor do país, o Paraná produz por ano cerca de quatro bilhões de litros de leite, ficando atrás apenas de Minas Gerais. Essa cadeia produtiva engloba 86% dos pequenos agricultores familiares do Estado, mas, nos últimos anos, principalmente em decorrência da paralisação dos negócios pela pandemia da Covid-19, os elevados custos de produção e as intempéries climáticas prejudicaram o desenvolvimento de toda a cadeia leiteira, que não cresceu aos níveis projetados e desejados.

Secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento (Seab), Norberto Ortigara: “A moderna tecnologia está chegando ao campo e, onde já é aplicada, os produtores conseguem produtividade média comparada à dos grandes produtores mundiais”

Porém, mesmo com todas as dificuldades, o Estado mantém vivo o desafio de tornar o leite mais uma cadeia vitoriosa, tanto para abastecer o mercado interno com preços mais acessíveis ao consumidor quanto para abocanhar mais fatias do mercado internacional. “É preciso ousadia no setor comercial para não perder mercados conquistados e para prospectar novos. Não se pode mais ficar dependente apenas do incerto mercado doméstico”, afirma o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento (Seab), Norberto Ortigara, que será um dos palestrantes do Dia do Leite, evento realizado pelo Jornal O Presente Rural, em parceria com a Frimesa.

Inédito em Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná, a primeira edição do Dia do Leite acontece em 1º de junho no formato híbrido, com participação presencial para convidados e transmissão ao vivo pelos canais do O Presente Rural no Facebook e no YouTube.

Sob a temática “A importância do status sanitário das propriedades leiteiras do Paraná”, Ortigara vai abrir o ciclo de palestras às 10 horas, após a abertura do evento com o presidente da Frimesa, Valter Vanzella. “O cuidado com a sanidade tem uma história de pelo menos 50 anos, período em que todas as forças do Estado se uniram para cumprir as exigências e seguir as regras estipuladas. Isso culminou com a certificação de livre de febre aftosa sem vacinação, concedida pelo OIE em 27 de maio de 2021. Junto com ela, veio o reconhecimento do Paraná como área livre de peste suína clássica independente. Mas o Estado aprendeu que, ao se vencer um desafio, outros se apresentam, exigindo a mesma força de vontade e a mesma união de todos para serem superados. O mais imediato é manter o status. Para isso, o cadastro de rebanho é fundamental. A campanha termina em 30 de junho”, menciona.

Segundo Ortigara, a cadeia de leite será vitoriosa quando souber mostrar ao mundo a sanidade de excelência e quando refinar ainda mais a visão estratégica para olhar e aproveitar as oportunidades que o mundo oferece. “Poucos ou quase nenhum setor tem a capacidade de mostrar o Brasil competente e competitivo no mundo, que não o agropecuário, que responde por mais de um terço da produção bruta do Paraná. Por isso, abocanhar uma fatia maior do mercado de leite e de alimentos em geral depende de todos e de cada um”, exalta.

Estratégias em conjunto

Secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento (Seab), Norberto Ortigara: “O Estado aprendeu que, ao se vencer um desafio, outros se apresentam, exigindo a mesma força de vontade e a mesma união de todos para serem superados”

De acordo com o gestor da Seab, é necessário estabelecer estratégias em conjunto – produtores e indústria – para que a produção e a renda individuais se mantenham em equilíbrio, ainda que as influências externas tendam a fazer com que penda para um ou outro lado. “E é preciso, também, fortalecer a união para garantir força de pressão quando, por conveniência ou inconveniência, importações inoportunas atrapalharem os negócios. Para isso, o Estado faz valer a expertise e as boas condições de criação, com forragens de qualidade superior, sobretudo nas regiões dos Campos Gerais, Oeste e Sudoeste. A moderna tecnologia está chegando ao campo e, onde já é aplicada, os produtores conseguem produtividade média comparada à dos grandes produtores mundiais. Onde ainda não chegou, é preciso caminhar rápido, pois o mercado acabará excluindo quem não tiver um mínimo de profissionalismo”, expõe.

Melhores pastagens, medições de temperatura inteligentes, umidade controlada, internet das coisas aplicada ao campo estão no limite entre a sustentabilidade do negócio e a competitividade no mercado ou a paralisação no tempo e o sucateamento. “As técnicas de manejo foram aperfeiçoadas ao longo do tempo e hoje possibilitam, inclusive, que se tenha rastreabilidade total, que vai desde o conhecimento profundo da saúde do animal até a entrega ao consumidor na gôndola do mercado”, ressalta Ortigara.

O secretário estadual diz que, cada vez mais, o conceito de conforto e bem-estar animal tem recebido a atenção dos pecuaristas, o que também proporciona um leite de melhor qualidade. Ele também destaca que investimento em equipamentos mais modernos e que reduzam os custos de produção, como o uso de energia renovável ou um bom sistema de irrigação, além da atualização das normas sanitárias de acordo com os modernos conhecimentos, proporcionando garantia de animais saudáveis e de boa qualidade do produto aos consumidores.

Confiança

A confiabilidade que o Estado transmite é retribuída na forma de investimentos. Um deles, segundo o secretário, é o aporte de R$ 500 milhões em uma moderna indústria de queijo pelas cooperativas Frisia, Capal e Castrolanda nas proximidades de Ponta Grossa. “Nas regiões Oeste e Sudoeste, várias agroindústrias de transformação do leite também estão se instalando ou expandindo, como a maior fábrica de queijos do país em São Jorge D´Oeste, muitas delas com o auxílio fundamental do Estado”, exalta.

Esse cenário propicia aumento de geração de empregos, em mais salários e em mais pessoas em condições de consumidor. “É preciso agregar valor e vender pelo preço justo, que é aquele que cobre os custos e dá margem de investimento e de vida digna a quem produz”, salienta Ortigara.

Ciclo de palestras

O Dia do Leite inicia às 09 horas com o credenciamento. Após, às 09h30, está marcada a solenidade de abertura com o presidente da Frimesa, Valter Vanzella.

A partir das 11 horas, o economista doutor em Economia Aplicada e pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Paulo Martins, abordará o tema “Leite 4.0: desafios e oportunidades”. Professor nos cursos de MBA e mestrado em Administração da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Martins se dedica a estudar a competitividade do setor leiteiro e foi idealizador do Ideas For Milk, o primeiro ecossistema de inovação criado no agronegócio brasileiro.

E no período da tarde, a partir das 13h30, o engenheiro agrônomo, mestre em Economia Rural, e atual coordenador da Câmara do Leite da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), Vicente Nogueira Netto, vai ministrar a palestra “Reflexões sobre o mercado do leite”.

O encerramento da programação do Dia do Leite está previsto para as 15 horas.

Quem faz acontecer

O Dia do Leite é uma realização do Jornal O Presente Rural, em parceria com a Frimesa. O evento tem patrocínio ouro da Sicredi; prata da Biochem, Imeve e Prado Saúde Animal; e bronze da AB Vista, Anpario e Syntec. E conta ainda com o apoio do Sistema Ocepar, Câmara do Leite, Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa e da Associação Brasileira do Produtores de Leite.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas

Final das águas: a segunda janela de oportunidade para uma safra bovina produtiva

Uma característica desta fase é a sementeira dos pastos, indicando o fim do ciclo produtivo

Publicado em

em

Foto: Assessoria

Por Lauriston Bertelli

Uma pecuária de corte lucrativa e sustentável é o desejo de todo pecuarista. Para isso, é fundamental criar o conceito de safra bovina, um formato que conduz um plano de trabalho para uma visão do todo, ou seja, com começo, meio e fim.

Considerando o conceito de safra, fica evidente a necessidade de planejar e realizar os processos produtivos respeitando as janelas que compõem o ano pecuário. São quatro momentos distintos e todos com sua devida importância.

Para ficar claro, existem quatro janelas no ciclo pecuário:

 

Janela 1 – período das águas;

Janela 2 – transição 1: saída das águas para o período da seca;

Janela 3 – período da seca;

Janela 4 – transição 2: saída de seca para período das águas.

 

Neste artigo vamos focar na janela 2 ou transição 1, que é o momento onde de fato se consolida ou não a sustentabilidade do ciclo produtivo. Esta é a fase que termina no período chuvoso, o mais produtivo do sistema de produção a pasto, e entra no período da seca, que via de regra é o “fantasma” da pecuária brasileira.

Este período coincide com o inicio do outono, fase de diminuição das chuvas e reduções do fotoperíodo e das temperaturas médias, o que induz a limitação da produtividade das forrageiras, encaminhando para uma fase de crescimento forrageiro praticamente nulo.

Uma característica desta fase é a sementeira dos pastos, indicando o fim do ciclo produtivo. O momento é oportuno para uma avaliação de todos os pastos para verificação do estoque atual de forragens, com o objetivo de enfrentar o período da seca de forma planejada.

Nesta transição, em algumas regiões ainda podem ocorrer chuvas suficientes para algumas práticas zootécnicas, como o pastejo diferido ou até uma possível fertilização nitrogenada, práticas que estendem a produção e a qualidade das pastagens.

Recomenda-se, portanto, a implementação desta rotina em todas as propriedades de produção de bovinos de corte que têm metas produtivas anuais e com o conceito “safra”, com compromisso de efetuar as ações dentro da “janela” correta.

É importante destacar também que neste período existem pastagens que ainda apresentam uma coloração verde e que já estejam sementeadas ou sementeando, nas quais os níveis nutricionais já estão em decréscimo. Este é o momento de virar a chave da suplementação de águas para a suplementação de transição.

Para este período, é possível utilizar três tipos de suplementação, cujos produtos devem ser aditivados preferencialmente com aditivo natural:

 

1- Suplemento na dosagem de 2 a 3 gramas por quilo de peso corporal, contendo 35% de proteína total e bem balanceado com macrominerais e microminerais;

2- Suplemento na dosagem de 4 a 6 gramas por quilo de peso corporal, contendo 18% de proteína total e bem balanceado com macrominerais e microminerais;

3 – Em caso de animais em pré terminação, pode-se iniciar uma terminação intensiva a pasto (TIP).

 

Esta suplementação vai permitir prolongar a fase de ganho de peso por mais 45 a 60 dias, indo ao encontro do máximo ganho por animal.

Se a avaliação das pastagens for feita adequadamente, as práticas zootécnicas vão sustentar a produção por hectare ou por área.

Estas avaliações podem ser feitas utilizando lombo de mulas, cavalos, quadriciclos, drones ou até mesmo por imagens de satélites. Por isso, não existe razão para não fazê-las onde quer que esteja a propriedade.

A utilização desta metodologia é um caminho fundamental para o sucesso na safra bovina.

 

Lauriston Bertelli Fernandes é criador, zootecnista, ex-presidente da ASBRAM e diretor de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da Premix

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
suinfair 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.