Conectado com
O Presente Rural Youtube

Notícias Soja

05 dicas do CESB para obter altas produtividades em soja

Engenheiro agrônomo doutor João Pascoalino selecionou cinco dicas importantes para que o produtor obtenha altas produtividades em soja

Publicado em

em

Divulgação/CESB

“O importe é termos em mente que começar bem a lavoura é pretexto de finalizar bem. Logo, precisamos nos atentar para alguns aspectos iniciais da instalação da lavoura para que a condução dela seja favorecida e eficiente ao mesmo tempo”. A afirmação é do engenheiro agrônomo doutor João Pascoalino, coordenador técnico e de pesquisa do CESB, o Comitê Estratégico Soja Brasil.

Para que o produtor obtenha altas produtividades em soja, Pascoalino selecionou cinco dicas importantes. Confira:

Dica 01: Construção do perfil do solo

A busca por um perfil do solo fisicamente ideal, quimicamente corrigido e biologicamente ativo é a chave para um bom enraizamento das plantas, sendo este o primeiro passo para construir um ambiente altamente produtivo, que permitirá a sustentação e a manutenção das condições ideais para o crescimento, desenvolvimento e produtividade das plantas. Nesse contexto, existem premissas importantes de serem consideradas para iniciar o processo de construção do perfil do solo: evitar o impedimento físico do solo, corrigir a fertilidade química do solo em profundidade, manter o equilíbrio químico e melhorar aspecto biológico do solo, logo tornando-o bioativo.

Dica 02: Escolha do material genético

Atualmente, é possível afirmar que os cultivares super precoce a tardio estão apresentando alto potencial produtivo, logo, conferindo ao produtor o poder de escolha de qual tecnologia trabalhar em seus respectivos campos de produção. Neste contexto, vale destacar que os melhoristas genéticos fizeram um ótimo trabalho, possibilitando este trunfo ao produtor. A escolha do cultivar mais estável e adaptado a região, além de conferir maior possibilidade de altas produtividades, podem proporcionar outros benefícios, tais como tolerância a herbicidas, resistência a déficit hídrico, pragas e doenças, estratégia para escape da ferrugem-asiática em região de maior intensidade da doença, colheita antecipada e mantendo a qualidade dos grãos, cultura da safrinha instaladas em período de chuvas mais frequentes e regulares, diminuição de custo de água e energia em cultivo irrigado e maturação mais uniforme e concentrada permitindo maior eficiência de tecnologia de aplicação e mecanização.

Dica 03: Qualidade das sementes

A qualidade das sementes se resume obedecer a quatro específicos atributos: (i) genético; (ii) físico; (iii) fisiológico e (iv) sanitário. A qualidade da semente faz-se importante no contexto produtivo, uma vez que sementes de alto padrão podem conferir vários benefícios e dentre eles podemos citar melhor qualidade e tecnologias de adaptação em distintas regiões; maior germinação e emergência das plântulas de maneira rápida e uniforme conferindo melhor estabelecimento das plantas; plantas de maior vigor e com desempenho superior no campo, o qual resiste mais a situações de estresse; elevada taxa de crescimento, o qual confere maior índice de área foliar e sistema radicular mais profundo competindo de forma eficiente pelos recursos naturais e maior potencial produtivo, chegando a índices de até 10% de aumento de produtividade.

Dica 04: Implantação da lavoura

O fato de garantir uma correta escolha do cultivar e obter sementes de qualidade não garante o sucesso da lavoura, pois existem outros fatores de importância equivalente, os quais estão associados a implantação, tais como arranjo espacial e população de plantas, época de semeadura, tratamento de sementes e semeadora revisada e regulada, o qual permiti distribuir a sementes de forma equidistantes e em mesma profundidade. Cada prática complementar tem sua particularidade de manejo e soma dentro do aspecto produtivo, a exemplo, o tratamento de sementes cujo a sequência das aplicações dos produtos – fungicidas, inseticidas, micronutrientes e inoculantes – fazem a diferença na eficiência da prática, a definição da população de plantas “não tão poucas, a ponto de sobrar espaço na lavoura e nem muitas a ponto de causar problema de acamamento e competição entre plantas da mesma espécie pelos recursos essenciais”, assim o manejo precisa ser embasado em critérios e não ser realizado ao acaso.

Dica 05: Lavoura de alto potencial

A junção de todas as práticas, e isto associado ao correto manejo técnico delas, amplia as chances de obter uma lavoura de alto potencial, o qual tem como característica estande de plantas desejável e plantas uniformes facilitando e potencializando o manejo nutricional, de proteção de plantas e da colheita, sendo requisitos primordiais para uma lavoura de alta produtividade. Nesse contexto, a estratégia de lavouras bem instaladas é “tudo que adotar de manejo é para potencializar a produtividade” o contrário, para lavouras mal instaladas, é “tudo que adotar de manejo é para amenizar a perda de produtividade”. Essa lógica caracterizará lavoura de alto ou baixa investimento, respectivamente.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − cinco =

Notícias Evento

EuroTier 2021 será digital

Evento terá programação que pode ser acompanhada através de sessões de vídeo e visitas virtuais

Publicado em

em

Foto: Divulgação

A “EuroTier digital” que será realizada no próximo mês, (de 09 a 12 de fevereiro) terá dentro de sua programação, sessões específicas para suinocultura.

A DLG (Sociedade Agrícola Alemã) lançará nessa edição do evento, novas sessões de streaming de vídeo, denominadas DLG-Spotlights “Pig”, que visa oferecer aos criadores e especialistas a oportunidade de ver em detalhes, aspectos práticos na criação de suínos que será mostrada em uma fazenda .

O novo DLG-Spotlights Pig irá oferecer uma ampla gama de informações sobre questões práticas atuais, bem como conhecimento especializado.

O DLG-Spotlights Pig fará parte do programa técnico da DLG que acompanha a EuroTier digital.

Programação técnica

Nessa edição da EuroTier a programação de eventos técnicos acontecerão através de videoconferências interativas na plataforma digital da feira https://eurotier.digital.dlg.org/ na área “Programa Técnico”. Nesse local os visitantes podem participar das discussões com os palestrantes, ao vivo via chat.

Dentro da programação, além de palestras e apresentações especializadas, estão previstas também, conexões ao vivo para “visitas virtuais a fazendas de gado”.

O tema bem-estar animal será o foco de muitos eventos da EuroTier nesse ano. Para quem quiser saber mais, acompanhar ou se inscrever é só acessar www.eurotier.com.  A programação estará disponível em Inglês ou Alemão. Para ver a programação completa acesse o site do evento.

Fonte: O Presente Rural com informações da Assessoria da EuroTier
Continue Lendo

Notícias Mercado

IPC registra alta de 0,86% na segunda semana de janeiro

Alimentos tiveram alta de 1,98% no período

Publicado em

em

Antonio Cruz/ABr

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) na cidade de São Paulo, medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), registrou alta de 0,86% na segunda semana de janeiro.

A inflação da alimentação teve uma elevação de 1,98% no período. Os produtos in natura tiveram uma alta de 5,77%, puxados por alimentos como a banana (8,87%) e o tomate (18,14%). A alimentação fora do domicílio registrou aumento de 1,09% nos preços.

Os gastos com habitação apresentaram uma inflação de 0,8% no período. A energia elétrica subiu 5,26% no período.

As despesas com educação registraram alta de 1,07%, com elevação de 4,61% dos custos com educação infantil.

Em saúde, os gastos tiveram elevação de 0,76%. Os contratos de assistência médica apresentaram uma alta de 0,97%.

Os transportes registram uma inflação de 0,74%. O preço do etanol teve alta de 1,9% no período e o da gasolina de 1,23%.

Fonte: Agência Brasil
Continue Lendo

Notícias Rio Grande do Sul

Tecnologia no reforço da sanidade animal entra em nova fase

Poucos países tem o nível de informações disponíveis no Rio Grande do Sul

Publicado em

em

Divulgação

A análise dos últimos focos de febre aftosa registrados no Rio Grande do Sul, há 20 anos, vai contribuir para a definição dos parâmetros utilizados nos modelos matemáticos que determinam a velocidade e direção da disseminação do vírus em caso de reintrodução da doença. “É possível usar parâmetros descritos da literatura, mas com realidades distantes do que ocorreu no estado. Com essa retrospectiva, poderemos simular – com maior precisão – o tamanho do foco, seus impactos, e a quantidade necessária de vacinas para aplicação emergencial, não só para o RS, mas para todo o país”, explica Diego Viali dos Santos, do Programa Nacional de Vigilância para a Febre Aftosa.

A afirmação ocorreu durante reunião virtual, na terça-feira (19), que marcou o início oficial do trabalho da segunda fase do convênio do Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal do RS com a Universidade da Carolina do Norte (NCSU), o Ministério e a Secretaria da Agricultura. O professor Gustavo Machado, da NCSU, apresentou as temáticas que serão abordadas nesta etapa: a automatização da análise de movimentação animal, o desenvolvimento de modelos matemáticos de espalhamento de doenças exóticas, a implementação de planos de biossegurança nas propriedades com maior número de conexões e o apoio ao Programa Sentinela sobre trânsito de animais e abigeato na fronteira.

Na parte de automatização, os técnicos da Secretaria da Agricultura receberão treinamento para utilizar o “RabApp” (Rapid Access Biosecurity), um aplicativo que permitirá a qualquer servidor realizar a análise de movimentação, democratizando o acesso às informações geradas pelos modelos matemáticos. “Esse aplicativo foi desenvolvido para uso nos Estados Unidos, mas será criada uma versão para o Rio Grande do Sul, trazendo agilidade no uso das informações e permitindo a análise da movimentação retroativa em propriedades suspeitas, para todas as espécies de animais”, afirma Gustavo Machado.

Para o presidente do Fundesa-RS, Rogério Kerber, o convênio com a universidade norte-americana já na primeira etapa mostrou a importância na geração de informação estratégica para a defesa sanitária animal. “O Rio Grande do Sul tornou-se modelo para outros estados brasileiros que vêm buscando a mesma parceria para garantir ferramentas mais modernas e ágeis na análise de risco”, afirma. Gustavo Machado confirma que “poucos países têm o nível de informação sobre movimentação animal de que o RS dispõe hoje”. Com base no sucesso do trabalho que vem sendo realizado no Rio Grande do Sul, o Ministério da Agricultura também firmou acordo com a universidade, para levar a outros estados o que já está dando certo no estado gaúcho.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.