Suinocultura 4.0 - 16.08.2018

Velocidade marca quarta revolução industrial

Hoje, em curso a quarta revolução industrial, o mundo observa a ascensão de Sistemas Cyber Físicos, Internet das Coisas, tecnologias inteligentes, entre outros

- Arquivo/OP Rural

 -  -

Em 1784, a produção mecânica usando vapor d’água mudou o mundo. Era a primeira revolução industrial. Quase um século depois, em 1870, a indústria passou pela sua segunda revolução, ao usar energia elétrica em linhas de produção. Isso perdurou até 1969, quando a terceira revolução industrial colocou nas fábricas a automação, computadores e eletrônica. Hoje, em curso a quarta revolução industrial, o mundo observa a ascensão de Sistemas Cyber Físicos, Internet das Coisas, tecnologias inteligentes que trocam informações entre si e são autônomas para gerir processos produtivos. Calma que o mundo não vai acabar e os robôs não vão substituir os humanos - isso em partes -, mas a empregabilidade desses conceitos é fundamental para quem quer se manter na suinocultura da era da quarta revolução industrial.

Para Arthur Igreja, professor da Fundação Getúlio Vargas, empresário e palestrante, para falar de indústria 4.0 é preciso falar em velocidade. Ele fez palestra durante o Info360, evento que reuniu boa parte dos líderes e maiores produtores da cadeia da suinocultura do Brasil e outros países da América Latina. “Para falar de indústria 4.0 ou suinocultura 4.0 é preciso primeiro falar de velocidade. Nos últimos 15 anos tivemos mais avanço tecnológico do que dois mil anos que os antecederam. O celular, por exemplo, deixou de ser um dispositivo de comunicação há muito tempo. Alguém pensou: posso usar como uma empresa de transporte. Então surgiu a Uber, que é uma tecnologia madura e quase ultrapassada”, cita.

As empresas de tecnologia estão causando uma revolução. Antigamente para uma empresa se tornar de US$ 1 bilhão eram necessários 30 anos. Hoje tem empresa que se torna bilionária em 36 meses, 24 meses, em 250 dias. Caminhão sem piloto não é futuro, é parte do passado. Neste ano, 24 mil carros autônomos vão entrar nas ruas dos Estados Unidos. A Uber já está fabricando drones autônomos. Isso está acontecendo. Há um ano e meio o drone sendo fabricado para o Uber pela Embraer. Em 17 meses vão lançar (no mercado) esse drone”, citou. “A tecnologia sempre evoluiu, sempre foi assim, o que diminuiu foi a velocidade. Por isso é premente a necessidade de se adaptar”, destacou o palestrante. “Não tem novidade, só são as coisas mais rápidas”, menciona.

Muito sensor

Sensor dentro da tubulação para medir a temperatura da água, nas paredes para medir a temperatura, no ar para medir os gases. Não só medir. Cruzar informações em bancos de dados, encontrar soluções e executar mudanças sem mesmo que o homem coloque a mão. Para Igreja, o uso de sensores tende a ser cada vez mais comum. “Daqui cinco anos vocês vão estar usando sensores e vão fazer coisas que nem imaginam hoje, vão fazer melhor o que vocês já fazem”, citou.

O produtor, segundo Igreja, não vai nem mesmo se preocupar em tomar os rumos do processo produtivo. “As decisões serão baseadas em inteligência artificial, com Internet das Coisas, colocando sensores em tudo que é canto, com produtores e fornecedores em conectividade, automação”, pontua. “Vamos usar cada vez mais sensores e softwares ultrainteligentes que pegam todos os dados e tomam decisões. Com certeza isso vai acontecer”, reforça.

Ele ratifica a importância de usar cada vez mais sensores para “ler” a granja em tempo real. “O potencial do sensoriamento é grande no Brasil, pois há muitos consumidores. Quem olha (emprega) essa tecnologia antes sai na frente”, sustenta, garantindo que “essa tecnologia está amadurecendo nesse momento”.

Informações

Big Data é o nome que se dá a um grande número de dados reunidos e que podem ser acessados. Por exemplo, hoje as empresas de genética do Brasil já contam com um Big Data que reúne a informação de nada menos que 250 milhões de animais. Com essas informações, elas podem chegar a resultados cada vez melhores, seja na genética, sanidade, nutrição, etc. Para Igreja, esse compartilhamento de dados é fundamental. “O compartilhamento das informações é muito importante. Informação solta não ajuda em nada”, pontua. “O Big Data nos proporciona comparar um monte de dados para saber como, por exemplo, os melhores produtores chegaram a tal nível. É uma integração de sistemas”, sugere. “Temos uma massa gigantesca de dados para compartilhar. Isso já é suinocultura 4.0”, acrescenta.

De acordo com o professor da FGV, deter informação será decisivo para o sucesso do negócio na quarta revolução industrial. “As empresas mais valiosas do mundo hoje são as que mais têm informações. Posso citar o caso do Waze (aplicativo de trânsito)”, pontua.

Não se encante

Para quem está confuso, Igreja orienta: “Não se encantem pela tecnologia, pois ela é transitória. A tecnologia é só uma ferramenta, ela muda, você precisa entender do seu negócio”, cita. “As pessoas vão sempre continuar a dominar tudo. O que é preciso é saber usar esses conceitos para fazer o que faço violentamente melhor. Um pouco melhor não serve”, comenta.

Para Igreja, “a tecnologia é complementar e tem que somar”. “Inovar é simplificar, gastar menos energia para fazer os processos. A tecnologia é um meio para tornar nossa vida mais simples”, avalia o especialista.

Mais informações você encontra na edição de Suínos e Peixes de maio/junho de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Eurotier

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.

IntercorteSBSB 2018EurotierACSURSFACTA Dez 2018