- 28.12.2017

Tilapicultores cultivam alevinos em ambiente controlado

Sistema de bioflocos em estufas permite produção o ano todo reutilizado a água. Perspectiva de crescimento da tilapicultura estimulou produtores rurais para o novo empreendimento

- Giuliano De Luca/OP Rural

O Paraná é líder nacional na produção de tilápias. No Oeste, polo no Estado, a produtividade e o número de tilapicultores aumenta ano a ano, a ponto de faltar alevino para alojar nos tanques escavados da região. Até o fim deste ano, a Copacol, cooperativa de Nova Aurora líder na produção do Estado, deve abater cerca de 140 mil tilápias por dia. Com a inauguração do novo frigorífico de peixes da C. Vale, em Palotina, até 2018 outras 75 mil devem ser processadas diariamente. Junte isso a outras 20 toneladas produzidas a cada dia por pequenas cooperativas de Toledo para formar um cenário de grande desenvolvimento e oportunidades.

Oportunidade que os piscicultores independentes Eduardo Fritzen e Sandro Augsten não dixaram escapar. Eles produzem cerca de cem toneladas de tilápia por ano, mas viram a chance de aumentar a rentabilidade no negócio de pescados investindo na produção de alevinos. Mais que isso, o projeto inédito no Paraná e um dos poucos do Brasil promete produzir alevinos até 40% maiores, reduzindo em 40% o uso de ração e viabilizando a produção o ano todo, mesmo nos meses frio.

A produção é feita em tanques escavados, com alguns diferenciais importantes. O mais gritante deles é a estufa sob os açudes, que proporciona um ambiente térmico controlado. Mas o grande destaque é o sistema de bioflocos. Além de ração, a água alimenta. Eduardo explica que isso acontece porque na água usada nos tanques são adicionados nutrientes e bactérias que auxiliam a larva no ganho de peso. “É praticamente uma sopa de bactérias e algas que potencializa o crescimento do animal”, comenta. “Produzimos alevinos entre 30 e 40% maiores e gastamos cerca de 40% menos com arraçoamento. É um método novo, que estamos apostando muito”, argumenta.

Como Funciona

O aumento das densidades de estocagem nos tanques causam um acúmulo de nitrogenados proveniente da excreção dos animais e da decomposição da matéria orgânica, como ração não consumida. Para eliminar esses nitrogenados, prejudiciais à produção intensiva, são usados os biogflocos, que são pequenas partículas que ficam suspensas na água ou fixadas nas paredes dos tanques. O Sistema trabalha com a assimilação dos compostos nitrogenados (amônia, nitrito e nitrato) por esse floco com o auxílio da biomassa microbiana formada no próprio ambiente de cultivo.

Depois que as pós-larvas deixam o matrizeiro próprio, elas são alojadas em oito grandes tanques cobertos com uma estufa que mantém a temperatura da água entre 28 e 30º Celsius. Essa temperatura, explica Eduardo, é ideal para o bom desenvolvimento do alevino. O fundo é de lona, evitando o lodo para aproveitar o potencial genético dos alevinos.

A “mágica” acontece com a água, batizada com diversos tipos de bactérias e algas que servem para alimentar e melhorar o desempenho de crescimento dos peixes, reduzindo os níveis de compostos nitrogenados no ambiente. “Esse sistema de bioflocos cria um ambiente ideal para o peixe se alimentar, seja pela água ou com alimento”, destaca o empresário rural. Em 21 dias, o animal está pronto para ser vendido.

A água utilizada em todo o processo passa por filtragem e recirculação, que retira cargas orgânicas e biológicas indesejadas, como amônia, e ganha mais bactérias e algas para o próximo lote. A água recircula entre os tanques cobertos com estufa e um tanque externo. “Tratamos para manter a água com a quantidade ideal de algas. A cada dois dias são feitas análises totais para saber se estamos com a quantidade ideal de macro e micronutrientes. Isso é um ponto muito importante nesse modelo de produção de bioflocos”, revela o produtor.

Por conta disso, praticamente não há renovação de água, tornando o sistema muito mais ambientalmente correto, pois não coloca água com materiais indesejáveis nos rios. Ainda sob esse aspecto, menor renovação de água significa que a sanidade do ambiente em que os animais se desenvolvem é muito mais controlada, evitando a proliferação ou entrada de doenças.

Oportunidade

A propriedade tem capacidade para produzir 38 milhões de alevinos por ano. De acordo com Eduardo, a expectativa é comercializar o grande excedente - já que uma pequena parte vai ser usada para os próprios açudes de engorda dos empresários - para produtores independentes e cooperativas do Paraná e de outros estados. São 2,4 milhões de alevinos prontos para serem levados para a terminação por mês, pesando em média entre 2,5 e 3 gramas.

“Vimos uma boa oportunidade de mercado. Por exemplo: nesse ano de 2017, faltou alevino em nossa região. Há um mercado muito grande a ser explorado”, pontua. “Escolhemos o sistema de bioflocos especialmente para termos peixes de mais vigor e garantir um fluxo de caixa constante, já que posso produzir o ano todo. A gente consegue programar a produção para termos peixe toda semana”, considera o tilapicultor.

Ciclo Completo

As metas dos empresários são bastante ousadas. O projeto não para por ai. A terraplanagem para duplicar a produção de alevinos já está feita. Um novo galpão, idêntico ao primeiro, de 115 metros x 11 metros (1.265 metros quadrados), deve ser construído em breve. De acordo com Eduardo, há mercado para absorver toda a produção já planejada.

Os produtores vão além. Querem não só produzir os alevinos com suas próprias matrizes, mas também ampliar a engorda e fazer o abate e possivelmente a comercialização dos produtos com marca própria. “Queremos chegar das matrizes à industrialização”, aponta Eduardo Fritzen.

Mais informações você encontra na edição de Nutrição e Saúde Animal de novembro/dezembro de 2017 ou online.

Fonte: O Presente Rural

ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.

SINSUI 2018ACSURSIntercorteFACTA 2018PORK EXPO 2018