Nutrição - 26.02.2018

Resistência bacteriana e os novos aditivos como alternativas

Utilização responsável ou prudente não significa eliminação total de antimicrobianos em todas as circunstâncias, mas sim aplicação em situações consideradas relevantes e necessárias

- Arquivo/OP Rural

 -

Artigo escrito por Renata Reis, gerente regional de Produto da Biomin do Brasil

A redução do uso de antibióticos nos animais de produção não está relacionada apenas ao fato da carne, leite e ovos estarem contaminadas com resíduos dos antibióticos, pois seguir o período de carência recomendado para cada medicamento garante que não existam resíduos na cadeia alimentar. O fator mais importante que impulsiona esse movimento de redução de uso de antibióticos nos animais de produção está relacionado com a crescente preocupação em relação às bactérias resistentes a um ou mais medicamentos, juntamente com os potenciais impactos na saúde humana e animal.

Mas o que é uma bactéria resistente? “É aquela que consegue multiplicar na presença de concentrações de antimicrobiano maiores do que uma população bacteriana relacionada” A existência de bactérias com resistência antimicrobiana sempre existiu. “A resistência é tão antiga quanto as próprias bactérias”, observa Nataliya Roth, cientista de uma empresa de nutrição animal. Bactérias intestinais encontradas em múmias com mil anos de idade do Império Inca revelaram ser resistentes aos antibióticos.

Isto se deve ao fato que existe um tipo de resistência que chamamos de inata. Como exemplo podemos citar que micoplasmas são resistentes aos antibióticos beta-lactâmicos, pois não possuem o sítio de ligação no qual essas drogas vão atuar. Além da resistência inata, existe a resistência adquirida, a qual ocorre com o uso de antibióticos fazendo uma pressão seletiva sobre os genes que conferem resistência nas populações de bactérias. A resistência bacteriana vem se agravando com os passar dos anos, pois os antibióticos têm sido utilizados em uma escala muito maior nas últimas décadas tanto em animais quanto em humanos. Ou seja, a seleção por bactérias resistentes é maior.

O assunto do momento é a identificação de bactérias contendo o gene mcr-1 em carne suína, que confere a resistência à colistina, identificado pela primeira vez em novembro de 2015 na China. A colistina é considerada o último recurso para tratamentos de humanos em hospitais. Esse gene é considerado de fácil propagação entre as bactérias, pois é um gene plasmideal. Dessa forma, a transmissão desse gene plasmideal pode ocorrer de forma horizontal, o que potencializa a propagação da resistência. Já foram relatados a identificação desse gene em humanos. Na China foi avaliado 1.322 amostras de pacientes de hospitais, e foi encontrado 16 contendo mcr-1. No final de 2015 cientistas relataram encontrar o mcr-1 na Dinamarca e em seguida na Alemanha, Vietnã, Espanha e Estados Unidos.

No Brasil o gene mcr-1 foi identificado em 16 isolados de amostras de animais provenientes da região Sudeste e Sul. Além disso, esse gene foi isolado em três amostras clínicas de E. Coli provenientes de dois pacientes atendidos em hospitais de São Paulo e uma do Rio Grande do Norte.

Preservar o valor medicinal

Acreditamos na utilização prudente de antibióticos, o que significa preservar o valor terapêutico dos antimicrobianos para o tratamento de doenças. A utilização responsável ou prudente não significa a eliminação total de antimicrobianos em todas as circunstâncias, mas sim a sua aplicação em situações consideradas relevantes e necessárias.

Aditivos naturais e a saúde intestinal

Probióticos, fitogênicos e ácidos orgânicos são diferentes grupos de aditivos naturais que estão sendo utilizados em substituição aos antibióticos promotores de crescimento e que têm demonstrado ter efeito na promoção da saúde intestinal. Apesar do objetivo final ser o mesmo, ou seja, promoção da Eubiose Intestinal, o modo de atuação é distinto, podendo eles ter um efeito aditivo quando utilizados em conjunto.

Mais informações você encontra na edição de Suínos e Peixes de favereiro/março de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

SINSUI 2018

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.

IntercortePORK EXPO 2018ACSURSACAV 2018SINSUI 2018