Sérgio Saud - 06.09.2018

Presidente da Asbia faz panorama das biotecnologias reprodutivas no Brasil

Liderança é um dos entusiastas do setor para melhorar a qualidade da carne e leite produzidos no Brasil, assim como ampliar os índices reprodutivos nas fazendas

- Divulgação/Assessoria

Sérgio de Brito Pietro Saud, presidente da Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia), é um dos entusiastas do setor para melhorar a qualidade da carne e leite produzidos no Brasil, assim como ampliar os índices reprodutivos nas fazendas. Ele está confiante com o aumento no número de produtores que passam a usar a inseminação artificial em substituição à monta. Mas há muito espaço para crescer. De acordo com Saud, só 15% das fêmeas são prenhes por Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF). Atualmente, 68 milhões de fêmeas ainda são acasaladas com touro a pasto. O presidente da Asbia, de Uberaba, MG, faz um panorama sobre a atualidade e as tendências em biotecnologias reprodutivas no país. Boa leitura.

O Presente Rural (OP Rural) - No Brasil, o quanto se aplica de inseminação artificial, IATF e monta na pecuária?

Sérgio de Brito Pietro Saud (SS) - O uso da IATF no Brasil cresce ano a ano, na casa de dois dígitos. No ano 2017, registramos a cifra de 12 milhões de protocolos de IATF comercializados, isso equivale a aproximadamente 15% das fêmeas em idade reprodutiva. Segundo cálculos da Asbia e Cepea, o total de fêmeas em idade reprodutiva é de 80 milhões de cabeças. Ou seja, cerca de 68 milhões de fêmeas em idade reprodutiva ainda são acasaladas com touros a pasto, a maioria deles sem valor genético, o que reduz em muito a produtividade e a qualidade da carne e leite produzidos no Brasil.

OP Rural - Quais são os índices reprodutivos médios em cada uma das situações?

SS - No caso da IATF, já é comum nos depararmos com índices superiores a 60% de prenhez, no primeiro serviço. Muitas fazendas que utilizam a ressincronizacão, ou seja, que repetem a IATF naquelas fêmeas que não emprenharam no primeiro serviço, apresentam índices superiores a 85% de prenhez. Já no caso da monta natural com o uso de touros, o resultado é muito variável. A grande maioria das fazendas utiliza touros com baixíssimo valor genético e muitas vezes em quantidade inferior ao necessário para acasalar todas as vacas. Isso sem contar as inúmeras fazendas que têm em seus rebanhos touros subférteis ou inférteis, o que leva a um baixo índice de fertilidade na fazenda, resultando em muitas vacas vazias. O final dessa estória é prejuízo para o criador. Por isso, a IA é uma excelente ferramenta para melhorar a lucratividade do negócio. Com mais vacas prenhas, teremos mais bezerros e, assim, melhora a produtividade da fazenda.

OP Rural - Quem usa mais. O pecuarista de corte ou o de leite? Por que?

SS - A técnica de IATF foi rapidamente adotada pelo pecuarista de corte. O principal motivo é que o uso desta tecnologia contribui sensivelmente para a melhoria do manejo do rebanho e da fazenda, e de forma rápida, aumenta a quantidade e melhora a qualidade dos bezerros e bezerras nascidos, resultando no aumento da produtividade e lucratividade. Muitos produtores de leite, que já utilizavam a IA, com observação de cio, estão migrando para a técnica de IATF.

OP Rural - Quais as diferenças nos procedimentos da IA e da IATF?

SS - Na técnica de IA tradicional, o momento da inseminação é definido com base na observação de cio. Isto é feito por uma pessoa que tem que observar o comportamento das vacas e identificar os sinais de cio. Quando bem feito, tem bons resultados. A questão é que tudo o que depende de pessoas é passível de erros. Já na IATF, inseminação artificial em tempo fixo, como o nome sugere, a inseminação é realizada em um determinado momento. E, este momento é estabelecido através do uso de medicamentos que simulam os hormônios reprodutivos naturais da fêmea. Ao uso destes medicamentos damos o nome de protocolo de sincronização de cio. O importante é que os protocolos devem ser administrados com a orientação do médico veterinário.

OP Rural - E nos resultados, quais as diferenças?

SS - As diferenças são inúmeras. Maior controle sobre o melhor momento para inseminar, facilidade de manejo, aumento significativo dos índices de prenhez, melhor controle sanitário do rebanho, entre outros. Tudo isso por um custo muito baixo.

OP Rural - Como medimos os índices reprodutivos na fazenda de corte?

SS - Primeiramente, quando se fala de um bom manejo reprodutivo na fazenda, o acompanhamento de um médico veterinário é fundamental para identificar os animais com problemas de fertilidade e definir o melhor programa reprodutivo para cada criador. De forma geral, os índices mais utilizados são: taxa de prenhez, taxa de concepção, intervalo entre partos, idade ao primeiro serviço e idade ao primeiro parto.

OP Rural - Como medimos os índices reprodutivos na fazenda leiteira?

SS - A reprodução é a atividade mais importante numa fazenda leiteira. Sem uma reprodução eficiente, a vaca não emprenha, se não emprenha, não pari, se não pari, não produz leite, se não há produção de leite, a fazenda vai para o buraco. Para obter bons índices reprodutivos, o produtor de leite precisa, antes de tudo, contar com o suporte de um técnico capacitado e manter um bom sistema de controle de todas as ocorrências no rebanho. Assim é possível identificar e corrigir eventuais problemas com a maior rapidez possível. Os índices reprodutivos mais utilizados na produção leiteira são: taxa de detecção de cio, número de dias para o primeiro serviço, taxa de concepção, taxa de prenhez, dias em aberto, dias secos e número de vacas descartadas por falhas reprodutivas.

OP Rural - Como a IA e IATF melhora os índices reprodutivos?

SS - As biotecnologias reprodutivas são as técnicas mais baratas, seguras, simples, eficientes e baratas de promover a melhoria da produtividade e lucratividade da fazenda.

OP Rural - Quais são os índices mais observados pelo melhoramento genético?

SS - Vai depender muito do perfil do rebanho e das intenções do criador, assim como do sistema de produção utilizado e da finalidade do rebanho. Por exemplo, através do melhoramento genético, pode-se aumentar a produção de leite, os índices de sólidos (proteína e gordura) na composição do leite, diminuir a ocorrência de doenças, como infecções de casco, metrites e mastites, aumentar ou diminuir a estatura do rebanho, melhorar a qualidade da carcaça e maciez da carne, com aumento do marmoreio. Ou seja, a tecnologia de melhoramento genético em bovinos está tão avançada que se pode fazer indicações de uso de determinados touros, de forma semelhante a indicação de uso de um medicamento. Basta dizer o que precisa ser melhorado, que há uma solução para isso.

OP Rural - A IA e a IATF são indicadas para qualquer fazenda, grande ou pequena?

SS - Sim. Qualquer fazenda pode e deve utilizar as biotecnologias reprodutivas, como a IA e a IATF.

OP Rural - Quanto a inseminação artificial e IATF representam no custo de produção?

SS - No caso da IA, com observação de cio, o custo se baseia apenas na aquisição da dose de sêmen. No caso da IATF, temos que considerar, além da dose de sêmen, o valor dos medicamentos e o serviço do técnico. De forma geral, o custo vai variar de 0,5% a 3% do custo de produção do bezerro ou bezerra. Ou seja, vale muito a pena inseminar.

OP Rural - Quanto elas podem oferecer a mais de retorno econômico?

SS - Em fazendas leiteiras, há o retorno imediato, com mais vacas prenhas, mais bezerros nascidos e maior produção de leite, e outro a longo prazo, que é a melhoria das fêmeas nascidas com a IA. Estas fêmeas serão vacas mais produtivas, mais longevas e que vão gerar bezerras mais saudáveis e mais produtivas, levando a fazenda a um círculo virtuoso de produtividade.

Nas fazendas de corte, a melhoria da qualidade dos bezerros nascidos e dos índices reprodutivos também é percebida rapidamente. Uma das grandes vantagens das técnicas de IA é a possibilidade de utilizar sêmen de touros importados e de raças que transmitem algumas características não encontradas nos touros locais. Um bom exemplo disso é o cruzamento do touro Angus com a vaca Nelore, gerando um produto com valor superior ao bezerro Nelore comum, filho de touro da fazenda. A diferença de preço obtida na venda do bezerro cruzado Angus x Nelore em relação ao bezerro Nelore comum paga todos os custos da técnica de IATF e ainda sobra um excelente lucro para o criador.

OP Rural - Quais os desafios para a inseminação artificial em bovinos no Brasil?

SS - Levar a informação sobre as vantagens das técnicas de IA e IATF para todos os criadores do país. Aquele criador que passa a conhecer e utilizar as biotecnologias reprodutivas dificilmente deixa de utilizá-las. As vantagens são muito grandes. Tem que conhecer e usar.

OP Rural - Quais as raças mais comercializadas e porquê?

SS - No leite, as principais raças são, por ordem, Holandês, Jersey, Girolando e Gir Leiteiro. No corte, o Angus e Nelore são as raças mais utilizadas, mas existem muitas outras, como Brangus, Senepol, Simental, Hereford, Braford, Caracu, Tabapuã e Charolês. A escolha da raça vai depender, na maioria das vezes, do sistema de produção da fazenda, das condições climáticas da região, da oferta de alimento e da finalidade do negócio.

OP Rural - O que se espera para o futuro da IA e IATF no Brasil?

SS - Sem dúvida, há muito espaço para crescimento do uso das técnicas de IA e IATF. Ainda, há muitas fazendas no Brasil criando gado como no século passado. Isso tem que mudar. A adoção das novas tecnologias é essencial para a sobrevivência dos produtores rurais, sejam eles agricultores ou criadores de gado. Se observarmos a (r)evolução tecnológica que a agricultura brasileira apresentou nos últimos anos, podemos entender a melhoria da produtividade, sem aumento significativo da área plantada. O mesmo vai ocorrer na pecuária de leite e de corte nos próximos anos.

Mais informações você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de agosto/setembro de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Eurotier

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.

ACSURSFACTA Dez 2018IntercorteSBSB 2018Eurotier