Imunização - 26.04.2018

Paraná quer se tornar livre de febre aftosa sem vacinação até 2021

Agentes da cadeia têm discutido ações para tornar Estado livre da obrigatoriedade dois anos antes do calendário proposto pelo Mapa

- Arquivo/OP Rural

Uma discussão que não tem saído da pauta nacional de saúde animal nos últimos meses é a vacinação contra febre aftosa. A imunização de bovinos tem causado certa agitação entre médicos veterinários, pecuaristas e agentes de órgãos estadual e federal de inspeção sanitária. A intenção é que o Brasil, até 2023, se torne completamente livre de febre aftosa sem vacinação. Mas o calendário proposto pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para esta completa retirada - no Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA) - também tem causado discussões. Alguns Estados pretendem antecipar a data prevista para ter o selo de livre de aftosa sem vacinação perante a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

Um deles é o Paraná. Há tempos que agentes da cadeia vêm discutindo a melhor forma para que o Estado adquira o status antes da data prevista. Isso porque o Paraná ficou no último grupo para a retirada da vacinação, juntamente com Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e Santa Catarina - sendo que este último já é reconhecido pela OIE livre sem vacinação. Um dos objetivos em adiantar a retirada da imunização é a possibilidade de alcançar mercados hoje indisponíveis.

O assunto foi discutido durante o Show Rural Coopavel, que aconteceu em Cascavel, PR, em fevereiro. De acordo com o ex-secretário da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, Norberto Ortigara, todos conhecem quais os caminhos que devem ser tomados para alcançar este objetivo. “Nós (o Paraná) estamos perseguindo o melhor status sanitário do mundo”, argumenta. Para ele, é difícil ir para o exterior e falar sobre potencial de exportação e relação comercial quando o Estado ainda vacina contra febre aftosa. “Bons mercados, que pagam bem e têm dinheiro, acabam não comprando da nossa carne por conta disso”, afirma.

Ortigara diz que nos últimos anos o Estado tem melhorado muito na questão de cadastro dos pecuaristas, sanidade, trânsito de animais, monitoramento das fronteiras, entre outros pontos. “Nós temos que começar a usar mais a inteligência e menos a vacina”, encara. A intenção do Paraná é adiantar em dois anos o calendário proposto pelo Mapa, fazendo com que até 2021 seja reconhecido como livre de febre aftosa sem vacinação. “Quem sabe até 2020 o Ministério nos declare livre e chame a OIE para então em maio de 2021 conseguirmos esta declaração internacional”, comenta. Ele acrescenta que pode parecer muito tempo, “mas é melhor do que maio de 2023, 2025 ou mesmo nunca”.

De acordo com o secretário, buscar essa certificação é bom não somente para o pecuarista, mas para todo o país. “O Paraná é o maior polo de proteína animal do Brasil, e esta certificação faz bem para as cooperativas, à indústria, ao produtor e a toda a economia. 75,3% do que foi exportado pelo Estado em 2017 foi agro, isso mostra a densidade e importância fundamental do setor na economia do Paraná. Então, por que não fortalecer isso? Buscar o interesse coletivo? É esse trabalho que estamos fazendo, demonstrando nossa qualidade para chegarmos mais fortes ao mercado internacional”, afirma.

Auditoria

Em janeiro deste ano o Paraná passou por uma auditoria do Mapa, feita justamente para conferir as condições do Estado para a retirada da vacinação até 2023. Segundo o gerente de Saúde Animal da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Rafael Gonçalves Dias, todos os Estados passarão por esta mesma inspeção. “Foi uma semana inteira que passamos com auditores demonstrando todos os quesitos necessários para afirmar nossa competência em retirar a vacinação”, conta. Ele informa que entre os quesitos avaliados estiveram recursos humanos, capacitação dos profissionais, recursos financeiros, fiscalização de fronteira, capacidade técnica operacional, controle de transporte, cadastro, atendimento de suspeitas, legislação e educação sanitária. “Podemos afirmar que em todos os quesitos avaliados nos saímos muito bem”, garante.

Dias destaca que entre os principais pontos vistos pelos auditores foi se o Estado tem independência técnica, administrativa e financeira para lidar com a situação. “Acredito que isto foi muito bem defendido”, assegura. Ele exemplifica que no quesito financeiro o Paraná conta com três fundos diferentes para cobrir emergências sanitárias. “Temos esta autonomia financeira que é importante”, diz. O gerente destaca que o Estado tem uma condição diferenciada, melhor que em anos anteriores.

Cadeias Unidas

Não somente a cadeia da carne bovina seria beneficiada com a retirada da vacinação contra a febre aftosa no Paraná, argumenta o presidente da Adapar, Inácio Kroetz. “O Paraná precisa hoje muito mais do que parar de vacinar contra a febre aftosa. O serviço de defesa agropecuário não pode ficar refém da vacinação. Porque a aftosa se tornou um termômetro para a qualidade do serviço sanitário, e quando volta a aftosa isso repercute em todas as cadeias, não somente na bovina”, afirma. “O mundo do agro é integrado, não podemos nos esquecer da economia do parceiro. As proteínas (animais) são parceiras e não concorrentes”, diz.

O presidente explica esta parceira na economia paranaense. De acordo com ele, no ano passado 88% do VBP do agro veio do frango de corte, 8% do suíno e 4% do bovino. A cadeia suinícola não cresce porque nós continuamos vacinando e o mercado não acessa, não cresce porque o Estado vacina. Esta ainda é uma região onde se tem medo da aftosa e continuamos imunizando”, comenta. Ele conta da quantidade exportada: em 2017 foram embarcadas 28 mil toneladas de carne bovina no Paraná; 96 mil toneladas de carne de suínos e 1,74 milhão de toneladas de carne de frango. “Veja a disparidade entre uma cadeia e outra. Mas, se em uma acontece um deslize, todas elas são afetadas”, informa. E isso é um problema, comenta Kroetz, já que acessar um mercado é fácil, porém, difícil é manter.

Agricultura Envolvida

Não somente as proteínas devem estar unidas, mas também os produtores de grãos devem se preocupar com esta questão. Isso porque se o Estado tem algum problema de febre aftosa, influenza aviária, doença de new castle ou peste suína clássica, também os grãos serão diretamente afetados. “Somente em 2017 o Paraná produziu 19,8 milhões de toneladas de soja e 18 milhões de toneladas de milho. Estes dois grãos, principalmente, fazem diretamente parte da produção de proteína animal. Quando dizemos que exportamos 4,1 milhões de toneladas de frango para o mundo no ano passado, também estamos dizendo que exportamos isso em grão, já que para produzir um quilo de frango, o animal consome 1,72 quilo de ração”, afirma. Kroetz reitera que não existe cadeia isolada.

Outro empecilho que tem feito com que demore mais para o Paraná ser reconhecido como livre de febre aftosa sem vacinação é o desejo de poucos pecuaristas que trazem gado de outros Estados – como o Mato Grosso do Sul, que também ainda vacina – para suas propriedades no Paraná. “Parar de vacinar implica em fechar as fronteiras como fez Santa Catarina há 18 anos”, afirma o presidente. Este, de acordo com ele, não seria um problema, já que somente no ano passado o Paraná exportou 28 mil toneladas de carne de gado. “Então, precisamos mesmo de gado de fora para abastecer o nosso mercado?”, questiona.

Agentes de todo o Estado vêm fazendo ações para alcançar o objetivo de adiantar o calendário e fazer com que o Paraná se torne livre de febre aftosa sem vacinação antes da data prevista. Outros Estados, como o Rio Grande do Sul, também estão trabalhando para adiantar o calendário e, assim como o Paraná, conseguir a certificação em 2021.

Mais informações você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de março/abril de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

SBSB 2018

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.

FACTA Dez 2018IntercorteACAV 2018INTERCONFPORK EXPO 2018SBSB 2018