SBSS - 09.07.2018

Palestra internacional destaca novas estratégias para controle de PRRS

Nove entre os dez maiores países produtores de suínos do mundo foram contaminados por esta doença devastadora e economicamente significativa

- Arquivo/OP Rural

A síndrome reprodutiva e respiratória porcina (PRRS) é considerada a mais importante doença infecciosa que afeta a produção suína em todo o planeta. Para tratar deste relevante tema, o Simpósio Brasil Sul de Suinocultura apresenta o Dr. Fernando Osório, da Universidade de Nebraska, nos Estados Unidos. O evento, organizado pelo Nucleovet – Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas, será realizado de 21 a 23 de agosto, no Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo de Nês, em Chapecó, SC.

Durante o SBSS, o Dr. Fernando Osório integrará o Painel Sanidade e Gestão da Produção de Suínos, com a palestra “Riscos sanitários atuais: Síndrome reprodutiva e respiratória dos suínos. Como esta ameaça sanitária pode nos afetar? Impactos no sistema de produção”. A palestra está programada para iniciar às 9h25min do dia 23 de agosto.

Conforme Osório, nove entre os dez maiores países produtores de suínos do mundo foram contaminados por esta doença devastadora e economicamente significativa. Estudos atuais sobre o impacto econômico da doença indicaram que pode custar anualmente até USD 664.000.000 em perdas de produtividade. Isso se traduz em 9.930.000 menos porcos vendidos ou 1.090.000 toneladas de carne suína comercializada.

“Para entender melhor as razões do impacto fenomenal desta doença na pecuária mundial, é necessário rever algumas das propriedades biológicas peculiares do vírus (PRRSV) que produz PRRS”, explica. “Nas últimas décadas, meu laboratório tem se concentrado na elucidação dos mecanismos da patogênese, imunidade protetora do PRRSV e das estratégias que esse vírus usa para modular as defesas do porco (imunossupressão)”.

Em sua apresentação durante o SBSS, Osório falará sobre a patogênese imune do PRRSV, as novas estratégias que estão sendo implementadas para proteger contra este vírus tão difícil de imunizar e a epidemiologia da infecção sob os atuais métodos propostos para controlá-lo. “Engloba desde novas estratégias de imunização até estratégias para modificação genética de linhagem germinativa buscando a criação de porcos que são refratários a PRRS”, finaliza.

Fonte: Assessoria

Dia do Porco 2018

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.

INTERCONFACAV 2018IntercorteDia do Porco 2018VIII ClanaPORK EXPO 2018