Sanidade - 26.07.2018

Imunossupressão em aves causa dúvidas entre profissionais

Problemas de manejo são principais causas da condição que pode trazer grandes prejuízos para o lote; prevenção deve vir ainda no ovo e se manter no ambiente em que o frango vive

- Giuliano De Luca/OP Rural

 -

Um assunto que ainda gera muitas dúvidas entre profissionais da avicultura é a imunossupressão. Quais as causas, os prejuízos ou o que fazer para evitar são questionamentos frequentes quando este é o assunto. O professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), doutor Luiz Felipe Caron, explicou um pouco sobre a enfermidade que causa tanta incerteza entre profissionais durante o Road Show Aves da Boehringer Ingelheim em Chapecó, SC.

O professor explica que a imunossupressão nada mais é do que um comprometimento no sistema imune da ave, e que as causas podem ser diversas. “O tema imunossupressão às vezes pode criar mais confusão do que clareza, porque a palavra nos remete a uma queda – supressão – do sistema imune. Mas a queda do sistema imune não é necessariamente uma baixa em algum tipo de resposta ou toda a resposta”, comenta. Para ele, aquilo que é a ciência mais moderna deve ser transformado em um modo de vida. “E o modo de vida que interessa para nós é controlar o processo sanitário. Qual a nossa realidade hoje? É manejo de controle de enfermidades por vacina no incubatório”, adiantou.

Brincalhão como sempre, Caron conta que Albert Einstein disse que uma pessoa só consegue entender algo se consegue explicar para a própria avó. “Se ela entender, então você entendeu. O que eu quero dizer com isso? Que às vezes algo parece tão complexo, mas na verdade é simples e as pessoas que complicam. Nós precisamos usar a ciência para explicar o resultado prático, é para isso que ela serve”, afirma. Para ele, é preciso pensar nos resultados que têm relação com o desenvolvimento.

O especialista explica que a imunossupressão é complicada de entender pelo fato de que se subentende que ela irá diminuir o sistema imune, porém, em uma das doenças bem conhecida da avicultura, a Doença de Gumboro, o primeiro sintoma de que algo está errado é a estimulação. “O problema do Gumboro é que é uma doença muito imunoestimulante”, explica. O processo da imunossupressão desta doença é que primeiro ela estimula, tem uma amenizada e somente no final que acontece a supressão.

Para o professor, o grande problema na avicultura são essencialmente dois pontos: a manejite e a manejose. “Por que isso? Porque não cuidamos direito. Não vimos a bactéria, não criamos um ambiente propício para ela não se desenvolver, não investimos na qualidade do hospedeiro – que é o frango. Simples assim”, afirma.

Imunoincompetente

Caron cita que o organismo causa a doença nele mesmo. “Nós matamos células importantes no sistema imune. O que é o Gumboro? Uma enfermidade que mata um monte de células importantes para a resposta imune do animal por um excesso de outras células”, comenta. Ele explica que a realidade é que conforme a genética do frango foi melhorando, ele foi perdendo algo importante: a resposta imune. “Esse animal que temos é artificial, não existe na natureza um animal que ganha quatro gramas por hora. Não tem como um animal evoluir com padrão zootécnico de referência, ou seja, ganhar mais peso, e manter a resposta imune”, conta. Ele reitera que todas as vezes que o desempenho é melhorado, a ave perde na resposta imune.

“Dessa forma o que temos é um animal imunoincompetente. Ele já nasce nessa condição. E se nasceu nas melhores condições possíveis, e ainda é assim, imagina se entrar uma doença?”, indaga. Caron diz que o que foi feito ao longo dos anos para compensar isso, foi o seguro do lote. “E qual é o seguro? A vacina. O nosso seguro teve que evoluir para poder dar evolução de sustentar esse sistema”, diz. Para ele, o que atrapalha nesse caso são as coisas que não vemos. “Tudo que é invisível e silenciosos é um problema”, alerta. “Imaginem um animal nessa realidade: imunoincompetente, em alta densidade, com falta de manejo e um vírus extremamente resistente a tudo”, diz.

Cuidado deve ser com o intestino

Sendo o intestino o maior órgão do sistema imune, é importante que os profissionais da avicultura sempre pensem na sua integridade. “Porque é ali que tudo começa. A bactéria entra via oral, e as células imunes vão pegando esse vírus e levando para outros lados, até chegar no órgão alvo – a Bursa”, esclarece. Caron reitera que é preciso cuidar desse órgão alvo até a data pré-estabelecida, que são os 14 primeiros dias de vida do animal.

O profissional comenta que quando se fala em imunossupressão, o foco deve ser a Bursa. “Quando entra o vírus de Gumboro primeiro ocorre uma estimulação violenta, é a pior fase que tem, porque é de muita inflamação. Passa um tempo e então baixa e vem a imunossupressão. Ela veio bem depois da estimulação. O Gumboro tem esse ponto que é a imunoestimulação, e esse é o problema”, afirma. Caron diz que é preciso aprender a monitorar o efeito para saber em que ponto está acontecendo.

Mais uma vez, o professor diz que a vacina é o ponto chave. “Nós vacinamos o ambiente, o lote, a cama, o galpão, a região, a cidade, não o frango. O frango nada mais é do que o objeto para acessar o ambiente”, explica. Para ele, o ambiente em que o animal vive é que precisa de preocupação. Além do mais, ele afirma ser o tempo a grande questão. “O que é imunossupressão então? A relação entre a idade de infecção e o efeito do vírus. Ela está muito relacionada a essa relação: o momento que a infecção acontece e o efeito dela”, esclarece.

De olho nas inflamações

Caron afirma que se existe inflamação, o corpo está dizendo que vem coisa pela frente. “E se não cuidarmos, vai vir algo pior”, diz. A lógica para a imunossupressão é a mesma, explica o profissional. “Se você não cuidou daquilo que foi avisado, o que tiver em volta vem para cima. Desde algo simples como uma gripe em nós, até algo extremamente complexo, como um frango com baixo sistema imune. O vírus se aproveita disso”, comenta.

Para entender é simples, explica o professor: quanto mais tarde entra um vírus, menor será o prejuízo que ele irá causar no animal. Mas, quanto mais vírus entrar e conseguir se replicar, maior será o prejuízo no ambiente. “É isso que deve interessar nas nossas análises, um ambiente com cada vez menos vírus”, diz.

A atenção do profissional da avicultura deve estar principalmente quanto ao vírus de Gumboro. Para ele, é fundamental proteger a ave, principalmente nos 14 primeiros dias de vida. “Mas vamos entender porquê. Porque o sucesso depende da precocidade, tem a ver com o tempo, ou seja, quando eu começo a pensar em proteger, eu vou vacinar em ovo e podemos ensinar o sistema imune, ainda nos 21 dias de incubação”, afirma.

Como este vírus em específico ataca especialmente a Bursa, Caron informa que existem diferentes tecnologias para colonizar o órgão que podem ajudar. “Mas colonizar é diferente de infectar, porque infectar leva a infecção, já colonizar você coloniza com algo legal”, diz. Dessa forma, a Bursa já está blindada, ficando protegida para a vida toda, explica. O professor diz que a vacina vetorizada é uma solução, já que o anticorpo materno não reconhece este tipo de resposta, e dessa forma não ataca para proteger. “Dessa forma conseguimos proteger a Bursa. As vacinas melhoraram e elas são diferentes porque temos animais que são diferentes. Tudo está evoluindo”, afirma.

Mais informações você encontra na edição de Aves de julho/agosto de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Intercorte

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.

FACTA Dez 2018SBSB 2018ACSURSVIII ClanaEurotierIntercorte