Tecnologia - 21.05.2018

Genética 4.0 promete desmamar 54 leitões por matriz/ano

Avanços ocorridos até aqui tiveram como base seleção genética; nos últimos anos genômica, edição de genes e novas tecnologias da indústria 4.0 permitem avanços contínuos e expressivos

- Arquivo/OP Rural

 -

A meta é ousada e a execução depende de um profundo debate que envolve a indústria suinícola e a sociedade. As empresas de genética que atuam no Brasil dizem que é possível, no ano de 2060, uma matriz desmamar 54 leitões por ano. Parece inimaginável, mas não custa lembrar que em 1994 a meta ousada era chegar a 24 desmamados/fêmea/ano (DFA). Hoje, os melhores criadores já desmamam em torno de 36 leitões. Mas o que isso tem a ver com a indústria 4.0? Tudo.

Os avanços ocorridos até aqui tiveram como base a seleção genética. Nos últimos anos, a genômica, a edição de genes e as novas tecnologias da indústria 4.0, como o Big Data, permitem avanços contínuos e expressivos. Em suma, hoje é possível encontrar os melhores reprodutores entre milhões espelhados pelo mundo todo. O que vem pela frente? Quem faz uma prospecção e sustenta a possibilidade de desmamar tantos leitões por matriz é o presidente da Associação Brasileiras das Empresas de Genética de Suínos, Alexandre Rosa. Ele fez palestra durante a Conferência Info360, que reuniu alguns dos melhores produtores e fornecedores da suinocultura brasileira e de outros países da América do Sul.

Para isso, destacou o palestrante, a genética vai usar cada vez mais tecnologias como Big Data, capaz de selecionar os melhores entre os melhores indivíduos a partir de um número gigantesco de informações, mesmo em grupos com milhões de indivíduos, seleção de genes, que eliminam características negativas do animal, e até células tronco embrionárias dos testículos repassadas dos melhores animais para os inferiores, que passarão a produzir espermatozoides do doador, levando consigo a carga genética mais apurada.

“A tecnologia da informação fez uma revolução no setor de genética. Hoje temos mais de 250 milhões de animais cadastrados em uma data base. Ao mesmo tempo que vêm informações do animal de fora, volta informação daqui, através de relatório das granjas. Assim começa o melhoramento. Essa informação está em nuvem. Tem muita gente de TI (Tecnologia da Informação) processando informação para a genética. Isso faz uma diferença absurda dentro do negócio”, destaca.

54 DFA

Nesse rumo, explica Alexandre Rosa, é possível chegar a 54 DFA em pouco mais de 40 anos, até 2060. A produção de carne mais que dobrar, de acordo com ele, passando de 4 mil quilos em 017 para 8.745 quilos/fêmea/ano. Além disso, o número de desmamados por leitegada também deve aumentar, de 13 animais em 2017 para 21,5 em 2060.

“Do ponto de vista da genética, os profissionais (da área genética) não têm dúvida de que dá para chegar a 64 DFA. Os programas genéticos estão selecionando fêmeas com pelo menos 18 tetos. Se a sociedade vai aceitar a gente não sabe, vai ser preciso um debate. A genética diz que é possível chegar, mas vai depender ainda de capacidade de estruturação e do consumidor. A gente não tem claro até onde vai (o avanço genético)”, pontua.

O que está por vir?

Uma das questões que está ajudando a suinocultura é a queda nos custos para o acesso a técnicas modernas de seleção. “O sequenciamento de genoma está cada vez mais acessível. O custo da avaliação caiu muito. Em 2001 era US$ 100 milhões por um indivíduo humano. Hoje está US$ 750 dólares para fazer sequenciamento completo de um indivíduo”, cita. Assim, o intervalo entre pesquisa e mercado deve cair, na opinião do presidente da Abegs. Queremos deixar acessível (materiais genéticos) para o produtor o mais rápido possível, quebrar o intervalo da ciência para o produtor de 4 para 2 anos, por exemplo”.

Alexandre Rosa explica que a edição de genes está cada vez mais presente. “A edição de genes neutraliza os pontos no cromossomo de aspecto negativo. Por exemplo, um boi sem chifre. Não é transgenia, é cisgenia. Como funciona nos suínos? A PRRS (Síndrome Respiratória e Reprodutiva dos Suínos) dá pra ser controlada com a edição de genes. O animal é infectado, mas não apresenta sintomas”, explica. “Talvez a maior dificuldade vai ser a sociedade aceitar”, emenda.

Machos substitutos

“Isso já existe, deve ser regulamentado e chegar ao mercado em três ou cinco anos”. Alexandre fala da transferência de células tronco dos melhores animais para machos inferiores, que passam a produzir sêmen com as características do doador, ou seja, do melhor animal.

Ele explica que o passo a passo funciona da seguinte forma: primeiro é feito o isolamento das células tronco embrionárias dos testículos dos suínos de altíssimo índice genético na granja núcleo, que pode estar nos Estados Unidos, por exemplo. Em seguida, esse material é enriquecido em lâminas e transportado para outros locais, com o Brasil, por exemplo. Aqui, os machos inferiores, que já estão esterilizados. As células são transferidas para esse macho receptor com de alta libido, que passa a produzir espermatozoides do macho doador, de alto valor genético. A partir daí, cruza com a matriz e tem a progênie do macho doador.

Em sua palestra, Alexandre citou ainda diversos avanços que vão permear a genética e a suinocultura nos próximos anos, com um equipamento para detecção de cio. “Observando o comportamento da fêmea, níveis de substancias, equipamentos vão detectar o cio”, aponta.

“Não temos o suíno perfeito, mas esta simples possibilidade nos motiva e nos direciona. O melhoramento genético está acelerando a uma velocidade nunca antes vista. Tecnologias de ruptura, revolucionárias, irão acelerar cada vez mais esta mudança”, aponta o presidente da Abegs.

Mais informações você encontra na edição de Suínos e Peixes de maio/junho de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

SBSB 2018

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.

FACTA Dez 2018VIII ClanaIntercorteACSURSEurotierSBSB 2018