Opinião - 11.07.2018

Efeito da nutrição materna sob o desempenho dos bezerros

Quando o manejo nutricional da matriz é deficiente, causa uma subnutrição, sendo reportadas complicações na produção animal

- Divulgação

Artigo escrito por Marcos Vinicius Biehl, médico veterinário, doutor em Ciências e coordenador de Cria da Premix

Nos últimos anos, muitas pesquisas têm sido realizadas com o objetivo de entender como a nutrição materna afeta a saúde e a produtividade durante o período pós-natal. Sabe-se que a nutrição materna durante a prenhez desempenha função essencial sob o desenvolvimento fetal e placentário, afetando diretamente a saúde e a produtividade de prole.

Quando o manejo nutricional da matriz é deficiente, causa uma subnutrição, sendo reportadas complicações na produção animal, que incluem o aumento da mortalidade neonatal, disfunções respiratórias e intestinais, crescimento neonatal retardado, diferenças no diâmetro das fibras musculares e reduzida qualidade da carne.

O aumento no suprimento de aminoácidos possui grandes implicações na programação fetal, pois quando a dieta é deficiente em cisteína ou taurina, grande parte da metionina é utilizada para conversão destes dois aminoácidos. Isso gera um débito, já que a deficiência destes aminoácidos acarreta efeitos duradouros sobre o desenvolvimento do feto.

Com a subnutrição das fêmeas ainda durante a placentação e estabelecimento do sistema vascular materno-fetal, se reduz a transmissão das quantidades necessárias de nutrientes e de oxigênio, sendo estes muito exigidos durante o terço final de gestação, período onde ocorre o maior desenvolvimento do feto. Com relação ao desenvolvimento muscular, o período fetal é crítico para o desenvolvimento das fibras musculares, pois, após o nascimento, não há aumento no número de fibras musculares.

Nos estudos realizados por Stalker et al. (2006, 2007) e Funston et al. (2008), o peso à desmama foi influenciado pela suplementação proteica das matrizes, sendo que a variação foi de 6 kg a 12 kg superior, quando comparados a bezerros oriundos de vacas não suplementadas, demonstrando, assim, os efeitos da suplementação sob o peso à desmama.

Um experimento realizado por Greenwood et al. (2007) demonstrou que machos com 30 meses de idade, oriundos de fêmeas submetidas à restrição nutricional durante a gestação, tiveram um peso corporal e peso de carcaça inferior quando comparados à machos oriundos de vacas com nutrição adequada, indicando que o crescimento muscular foi prejudicado.

Além dos efeitos produtivos, ainda são reportados efeitos reprodutivos, onde novilhas oriundas de fêmeas submetidas a um suplemento proteico durante o terço final de gestação obtiveram a taxa de prenhez superior quando comparadas a novilhas oriundas de vacas não suplementadas. Em um segundo estudo, a suplementação proteica das vacas influenciou a puberdade das filhas, pois um número maior de fêmeas atingiu a puberdade, quando comparadas as filhas de vacas não suplementadas.

Os efeitos de uma correta suplementação das matrizes sobre o seu próprio desempenho reprodutivo são notáveis em um experimento realizado por Nepomuceno et al. (2013), onde vacas que foram submetidas a uma suplementação proteica obtiveram um aumento da taxa de retorno à ciclicidade no pós-parto precoce de 24,3% e aumento na taxa de prenhez de 8,7% quando comparadas a vacas não suplementadas em um mesmo escore de condição corporal.

A grande maioria dos estudos sobre programação fetal foram realizados utilizando a suplementação proteica como ponto chave para os benefícios da prole. Porém, Marques et al. 2016, realizaram um experimento utilizando maiores teores de fontes orgânicas de micro elementos (cobalto, cobre, manganês e zinco) em dietas isonitrogenadas (14,4%) na nutrição materna durante a gestação e observaram um aumento de 11 kg no peso à desmama, além de efeitos na terminação destes bezerros, onde os filhos de vacas suplementadas entraram no confinamento com peso superior (10 kg) e, ao final do confinamento, a diferença se elevou para 14 kg, quando comparados à filhos de vacas suplementadas com menores teores de micro elementos.

Um fato potencial associado à subnutrição durante a gestação é o aumento exponencial de substâncias oxidativas no corpo da matriz, sendo que a subnutrição leva à uma redução de substâncias antioxidantes, que por sua vez desempenham consequências negativas para o feto a curto e longo prazo. Assim, a suplementação adequada com Selênio visa prevenir possíveis efeitos deletérios causados pelos radicais livres.

Portanto, é notório o efeito da suplementação mineral e proteica durante a fase gestacional. Assim, com o objetivo de suprir as necessidades de minerais e aminoácidos como já citados, devemos ter em mente a utilização de produtos que contenham em sua formulação fontes e teores adequados de microelementos e proteína verdadeira, para propiciar um maior aporte de nutrientes necessários para o desenvolvimento fetal otimizado, principalmente em situações onde ocorrem restrições na qualidade e quantidade da pastagem, refletindo assim um aumento na produtividade do sistema de cria.

Fonte: Assessoria

Eurotier

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.

VIII ClanaIntercorteINTERCONFACAV 2018PORK EXPO 2018Eurotier