Sanidade - 25.06.2018

De 20 para 400 litros diários e o sonho de chegar a mil

Jornal O Presente Rural vai até Itaquiraí, Em Mato Grosso do Sul, conhecer a história e os desejos do produtor da agricultura familiar

- Giuliano De Luca/OP Rural

 -

A gente costuma mostrar propriedades modelo em nossas reportagens, mas boa parte das áreas rurais no Brasil são pouco tecnificadas. Em pequenos sítios da agricultura familiar, os serviços braçais são mais frequentes, o uso de tecnologias é mais restrito e os resultados econômicos estão longe daquelas cifras bilionárias que o agronegócio nacional sustenta. Mas são produtivas e podem ser exemplo de como o agro se desenvolve no país mesmo nas adversidades.

É assim na propriedade de Amarildo Rodrigues de Oliveira, no município de Itaquiraí, em Mato Grosso do Sul. Pouco maquinário e muita dedicação estão transformando a realidade da família. “Comecei na atividade leiteira no ano de 2000, com 20 litros por dia. Hoje estamos tirando cerca de 400 litros. Meu objetivo, em dois anos, no máximo, é chegar a mil litros por dia. Seria a realização de um sonho”, confidencia o pequeno produtor.

O município de Itaquiraí sofreu uma mudança econômica a partir do surgimento dos assentamentos rurais, em 1985. Até o ano de 2007, foram desapropriadas ou compradas 12 áreas para abrigar agricultores sem-terra. Hoje são 2,7 mil famílias assentadas em 46 mil hectares de terras. Amarildo, a esposa Vanda e os três filhos não estavam na lista de beneficiados, mas acabaram comprando a terra de um assentado, no ano de 2000. Eles ainda aguardam pelo título da propriedade, mas nesse tempo tocam os 17,5 hectares para um futuro promissor. Embora nem sempre tenha sido assim. Amarildo, de 45 anos, conta que pensou em desistir.

“A gente começou bem desanimado. O solo era muito ruim para plantar, não tinha fertilidade. Até 2005 a vontade era pegar as coisas de ir embora. Para você ter uma ideia, a primeira análise de solo me pediu 12 toneladas de calcário por alqueire, muita coisa”, conta, lembrando sempre que os recursos são escassos para esses produtores. “Mas aos poucos a gente foi adubando, foi corrigindo o solo e investimos na vaca de leite. Hoje tudo (recursos) tem que sair do leite”, diz o pecuarista.

São 31 vacas Jersey e Jersolando e quatro Holandesas, 20 delas em lactação. Contando as bezerras e novilhas, são 71 animais. “Começamos bem pequenos, com 20, 30 litros, mas fomos crescendo. Nosso projeto agora é chegar a 50 vacas em lactação. Para isso, eu quero investir para melhorar a propriedade, fazer um semi-confinamento e uma nova sala de ordenha, com canalização para o leite. Mas a gente fica com um pouco de medo. O diesel sobe todo dia, a gente tem que trabalhar com o pé no chão. Esse investimento que pretendo fazer é de R$ 120 mil, mas tenho medo de investir e não conseguir pagar. Acho que vou esperar as coisas se estabilizarem mais no Brasil”, comenta o produtor.

Modesta, mas produtiva

A propriedade é humilde. Uma casa simples, dois açudes para a criação de tilápias para consumo próprio, com destaque para a necessidade de lona, pois o solo arenoso absorve a água. Vários piquetes e uma sala de ordenha modesta, de madeira, com a extração do leite feita com balde ao pé. “A gente ordenha três vacas por vez, duas vezes ao dia. É trabalho pra cinco horas”, explica. As teteiras são inseridas na vaca e o leite é despejado em grandes baldes, que são lacrados e aguardam o caminhão da cooperativa passar recolhendo. Todo o leite é destinado a uma cooperativa do Paraná, a cerca de 180 quilômetros de distância.

Engana-se, no entanto, quem pensa que simplicidade é sinônimo de pouca produtividade. A média diária é de 20 litros por dia com a raça Jersey, que, segundo Amarildo, está dentro de um bom patamar. O bom desempenho, corroborado com 4,32% de gordura, 3,35% de proteína e 290 mil células somáticas, vem com uma série de fatores, cita o produtor, que incluem “manejo, dieta e sanidade”.

“Detalhes”

“O manejo é muito importante. Ele começa com a escolha do animal. Escolhi a Jersey porque é uma vaca mais rústica, ela come menos, dá menos trabalho. Elas são separadas em piquetes, de acordo com o período produtivo. A escolha do pasto também é importante. A gente tem aqui a Tifton e o Manbasso”, lembra o produtor.

Ele cita, ainda, que o balanço nutricional tem que estar equilibrado para que a vaca expresse seu potencial produtivo e para faturar mais com a qualidade da bebida. “A dieta é fundamental para nós. Se cair os níveis (nutricionais) da dieta, a produção da vaca cai também e cai os níveis de gordura e proteína do leite. Com níveis altos, a gente consegue até 12 centavos a mais por litro. Eles (indústria) pagam mais por leite de mais qualidade”, cita. “A nutrição é uma coisa que a gente não pode vacilar. Se faltar trato, cai a produção e a qualidade”, reforça Amarildo. A alimentação na propriedade é à base de pasto e silagem, toda da fazenda. “Planto milho para silagem. Hoje somos autossuficientes”, destaca. Ração também entra no cardápio, tudo orientado por técnicos de uma empresa de nutrição animal e da cooperativa.

A dieta é diferente também no pré-parto, pontua o produtor. “A gente faz uma dieta diferente no pré-parto. O que a vaca come nesse período tem que ser ainda mais balanceado”.

Para crescer com qualidade, apesar das instalações não serem as mais adequadas, Amarildo se preocupa com a sanidade. “A gente faz todos os procedimentos de higiene, como lavar os tetos, desinfetar, enxugar com papel toalha. Tem que fazer isso porque se não, não dá qualidade no leite”, cita, referindo-se à Contagem de Células Somáticas.

Poucas oportunidades e muita esperança

O produtor rural explica que a união em associação permitiu que ele e seus vizinhos conseguissem alguns maquinários para facilitar o trabalho no dia a dia. “Temos a associação dos moradores, que sou presidente. Conseguimos um trator e uma ensiladeira, que já ajuda um bastante. Mas somos em 38 produtores e outros 30 vão se associar. Vamos tentar conseguir mais um trator e duas carretas basculantes par atender todo mundo”, comenta.

As dificuldades são grandes para esses produtores, especialmente no acesso à informação. “Agora, com a internet melhorou um pouco, mas a gente tem pouco conhecimento das novas tecnologias, das coisas que a gente pode colocar na propriedade. A gente depende dos técnicos para ter esse contato com as novidades”, comenta Amarildo. De fato, até o acesso à propriedade é ruim, de chão, cheio de buracos.

Amarildo espera que o mercado do leite melhore nos próximos meses e que consiga o financiamento para a reforma da fazenda. “O mercado do leite estava muito ruim, o preço baixo. Agora começou a dar uma reagida, espero que melhore nos próximos meses, mas tá difícil”, sustenta. “A gente espera que melhore”.

Vaca de 61 litros

Na varanda de casa, Amarildo e o filho Diogo ostentam com orgulho vários troféus e cópias de cheques que ganhou em torneios leiteiros no MS. Em um deles, conta Amarildo, comprou uma vaca só para participar de uma competição, e se deu muito bem. “Fiquei sabendo do torneio e fui comprar uma vaca holandesa que sabia que era bem produtiva. Paguei R$ 4 mil nela, mas acabei ganhando 11 mil de premiação do torneio”, conta, satisfeito com o bom negócio. “Tem gente que não acredita, mas essa vaca produziu 61 litros”, comenta o produtor. O animal ainda está produzindo, mas não emprenha mais e deve ser descartado em breve para dar lugar a uma vaca que garanta a reprodução e o aumento do plantel para Amarildo chegar aos tão sonhados mil litros. O caminho é longo, feito com os pés no chão, como Amarildo mesmo diz, mas alguém duvida que ele vai realizar esse sonho?

Mais informações você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de junho/julho de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Intercorte

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.

FACTA Dez 2018IntercorteACSURS