Dieta - 13.11.2017

As ferramentas para substituição dos AGP estão prontas para entrar em ação

Resultados de mais de duas dezenas de ensaios revelam que inovadores promotores de crescimento podem proporcionar um valor real para a produção avícola moderna

- Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Richard Markus, assistente do Diretor de Desenvolvimento e coordenador Global de Vendas Técnicas da Biomin e Franz Waxenecker, diretor do Departamento de Desenvolvimento da Biomin

A produção industrial mais intensiva apresentou maiores exigências para as aves e deu origem a vários desafios relacionados com a saúde intestinal, incluindo problemas de disbiose não específicos, redução da digestibilidade de nutrientes e função de barreira diminuída. Estes problemas representam uma pressão para a rentabilidade da exploração e explicam, pelo menos em parte, as motivações para a aplicação subterapêutica de antibióticos para a prevenção de doenças e a promoção do crescimento. Um recente estudo científico salienta que, no setor da avicultura, o consumo global de antibióticos promotores de crescimento (AGP) é três vezes superior ao do setor do gado: 45 mg/kg vs 148 mg/kg. Sem indicarem qualquer relacionamento entre o nível de resistência e o uso de antibióticos, estudiosos salientam que a dose subterapêutica de antibióticos recomendada aumentou nos últimos 60 anos, de 10 - 20 g/tonelada no início da década de 1950 para 40 - 50 g/tonelada na década de 1970, e para 30 - 110 g/tonelada na atualidade.

Novas maneiras de promover o crescimento

As experiências nos países que foram pioneiros na erradicação de AGP, tais como a Suécia em 1986 e a Dinamarca em 1998, demonstram que uma mudança para a produção sem antibióticos acarreta desafios a curto prazo, que podem ser ultrapassados, passando o desempenho do lote a atingir níveis ainda mais elevados. A substituição dos AGP depende de uma abordagem holística para melhorar o estado de saúde e o desempenho dos animais através de uma melhor gestão, medidas de biossegurança, programas de vacinação, diagnóstico e estratégia de alimentação. Uma vez que os custos da ração contribuem para uma parte significativa (até 70 %) dos custos de produção total, a estratégia de alimentação é um aspecto crucial. Ácidos orgânicos, aditivos fitogênicos para rações (botânicos ou PFA), probióticos (microbianos de administração direta,) e prebióticos foram identificados como potenciais substitutos dos antibióticos nas rações. Eles atuam de maneiras diferentes (vários modos de ação) para impedir a proliferação de bactérias nocivas, para promover a saúde e o estado imunitário, e para melhorar o desempenho dos animais, por exemplo, influenciando a resposta anti-inflamatória de uma ave.

Resultados semelhantes ou superiores

Foi aplicado um significativo esforço para identificar que aditivos conseguirão reduzir o uso de AGP. Para conseguir a aceitação, em geral, os inovadores promotores de crescimento (NGP) devem ter um desempenho aproximadamente semelhante, bem como em condições práticas. Através da observação de 25 ensaios em frangos de corte realizados em vários países em todo o mundo (fitogênicos, produtos orgânicos à base de ácidos e microbianos) em diversas fases da produção, cada grupo de NGP apresentou resultados semelhantes em média em termos de Conversão Alimentar (CA) e ganho de peso diário (GPD) em comparação com o grupo AGP. Em 14 ensaios, a taxa de conversão alimentar revelou uma melhoria média de 0,05 no grupo suplementado com fitogênicos versus o grupo de AGP (controle). Isso pode dever-se ao fato de os aditivos fitogênicos para rações (PFA) apresentarem uma tendência para melhorar a digestão e o estado anti-inflamatório e anti-oxidativo do animal, direcionando mais energia para o crescimento. O aditivo a base de ácidos orgânicos apresentou uma melhoria de 0,01 FCR versus os grupos de AGP numa média ao longo de cinco ensaios. Uma potencial explicação relaciona-se com o efeito antimicrobiano do aditivo que suporta a higiene da ração e da água, o controle de bactérias gram-negativas, e que reduz a carga bacteriana total. Os microbianos (probióticos) apresentaram uma CA 0,02 superior ao grupo suplementado com AGP em seis ensaios sem desafio. O modo de ação dos microbianos serve para reforçar uma microbiota intestinal saudável, e melhorar a função imunitária do intestino, com um efeito no crescimento, principalmente em condições de produção desafiantes.

Em termos de ganho de peso diário das aves, os valores de gramas por dia dos grupos acidificante e microbiano foram semelhantes aos dos grupos AGP (figura 2). O grupo suplementado com fitogênico apresentou uma ligeira melhoria (1,5%) em comparação com o grupo AGP. O ganho de peso diário pode influenciar maiores rendimentos de carcaça. A mortalidade absoluta nos grupos de NGP foi inferior em média em comparação com os grupos de AGP. A melhoria mais significativa foi observada nos grupos suplementados com microbianos nos seis ensaios onde a mortalidade foi reduzida mais de 30 % versus os grupos de AGP. A mortalidade nos grupos dos produtos à base de fitogênicos e ácido orgânico foi de 12,3 % e 1,3 % mais baixa em comparação com os grupos de AGP, respectivamente.

Identificando a ferramenta certa

Estes resultados sugerem que o desempenho do lote pode ser mantido com promotores de crescimento naturais, os quais podem ser considerados como uma importante ferramenta nas estratégias de redução de antibióticos. Contudo, parece óbvio que vários NGP têm modos de ação diferentes, tendo de ser suplementados no momento certo e/ou na combinação correta, dependendo do desafio específico com que os animais se deparam ao longo da produção. Os objetivos dos NGP devem sempre focar na prevenção da doença e não no tratamento. As espécies, a fase de produção, as condições da exploração, a dosagem do produto e as considerações de ROI influenciam a escolha do aditivo para ração.

Além disso, foi comprovado que combinações de aditivos atuam com sucesso em situações especiais para se atingirem objetivos específicos ou contornar os desafios tais como micotoxinas ou bactérias patogênicas. Isto significa que os produtos orgânicos à base de ácido, os microbianos e os aditivos fitogênicos podem desempenhar um papel na produção do futuro no âmbito de uma solução personalizada para ajudar os produtores a atingir os objetivos de saúde e de desempenho das aves.

Mais informações você encontra na edição de Aves de agosto/setembro de 2017 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Farmácia na Fazenda

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.

Farmácia na Fazenda