Sanidade - 12.07.2018

Artrite por mycoplasma engrossa lista de doenças em suínos pouco diagnosticadas

Condição causa prejuízos como perda no ganho de peso diário e piora na conversão alimentar, além de condenações de carcaça no frigorífico

- Arquivo/OP Rural

 -

Uma enfermidade que tem sido bastante vista nos últimos anos nas granjas brasileiras é a artrite. Mais comum nas fases de recria e terminação, a condição pode causar grandes perdas para o suinocultor, desde a granja até o abate. Ter os cuidados necessários para evitar a doença é fundamental para um maior rendimento. Para falar um pouco mais sobre a condição, especialmente quando causada por um agente específico, o professor doutor Geraldo Alberton, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), falou sobre “Artrite por mycoplasma hyosinoviae em suínos de recria e terminação” durante o Simpósio Internacional de Suinocultura (Sinsui), que aconteceu em maio, em Porto Alegre, RS. O especialista afirma não é possível saber o real tamanho do problema no Brasil e que os casos, apesar de pouco diagnosticados, estão aumentando nos últimos anos.

A artrite causada pelo M. hyosynoviae acomete os leitões, principalmente, nas fases de recria e engorda, explica Alberton. “Este agente pertence à microbiota normal dos suínos, mas em algumas situações ele pode se disseminar no organismo e atingir as articulações”, informa. Ele conta que os animais com artrite apresentam dor e dificuldades de se locomover, gerando perdas no ganho de peso diário e piora na conversão alimentar.

Alberton menciona que a melhor forma de evitar a artrite é permitir que os leitões formem a microbiota com o contato com a porca, já que na microbiota da matriz os agentes com potencial patogênico são transferidos em pequena quantidade e com a patogenicidade reduzida, permitindo que a colonização não desencadeie a doença. “Adicionalmente, nesta fase os leitões estão com a imunidade passiva transferida pelo colostro, favorecendo a colonização sem o surgimento de doença. Para que esta colonização dos leitões seja adequada, nem as porcas e nem os leitões devem receber antibioticoterapia preventiva na fase de maternidade e o desmame deve ser com no mínimo 21 dias de idade”, diz.

Apesar da recria e terminação serem as fases mais afetadas, o professor explica que leitoas de reposição também podem ser acometidas com a doença. Alberton acrescenta que os leitões mais suscetíveis à condição são aqueles que não foram colonizados pelo agente na maternidade e quando se infectam pela primeira vez, já que não possuem mais a imunidade passiva. “Isto ocorre em leitões que receberam muito antibiótico na fase de maternidade ou que foram amamentados por matrizes que receberam muito antibiótico na fase de lactação”, conta.

Perdas

Entre as perdas na artrite, Alberton conta que estão a queda no desempenho, aumento do custo com medicação, redução do bem-estar dos animais e condenações no frigorífico. Este último, em especial, o professor explica: como as articulações afetadas ficam com aumento de volume e reação dos linfonodos, isso pode gerar condenações no abate. “Sem contar que nos casos mais graves, os animais podem ainda apresentar complicações secundárias por não se locomover adequadamente, como por exemplo, a infecção urinária nas leitoas”, informa.

No Brasil a enfermidade tem sido mais relatada nos últimos anos, porém, nem sempre o diagnóstico definitivo é realizado, pois o agente não cresce nos meios de cultivo convencional, informa Alberton. “Portanto, somente nos casos em que o líquido sinovial é submetido a análise por PCR o diagnóstico pode ser conclusivo. Por conta disso, não é possível ter uma noção do tamanho do problema no Brasil, já que sem a identificação do agente por PCR não é possível saber se a artrite era ou não causada pelo M. hyosynoviae”, conta.

O profissional acrescenta que relatos de campo de artrite compatível com as causadas pelo M. hysynoviae têm sido mais frequentes, indicando um aumento na incidência desta doença. Para contornar este quadro, Alberton aconselha que em granjas que estão enfrentando surtos da doença, o tratamento estratégico com drogas via ração sejam priorizados. Já em casos esporádicos, o tratamento injetável é o mais eficiente. “O M. hyosynoviae é sensível a tiamulina, macrolídeos, quinolonas, tetraciclinas e florfenicol”, orienta.

Mais informações você encontra na edição de Suínos e Peixes de maio/junho de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.

FACTA Dez 2018IntercorteACSURS