Suinocultura - 11.07.2018

Após 37 anos, superintendente do SRGS se despede da ABCS

À frente do Serviço de Registro Genealógico de Suínos (SRGS), Valmir Rosa acompanhou de perto os avanços da suinocultura brasileira

- Divulgação/Assessoria

Nos últimos 37 anos, o médico veterinário Valmir Costa da Rosa dedicou sua vida em prol da suinocultura, prestando serviços como superintendente do Serviço de Registro Genealógico de Suínos (SRGS) da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), na unidade de Estrela, RS. Em março deste ano, a entidade se despede do colaborador exemplar que testemunhou fatos marcantes e os avanços da cadeia suinícola brasileira ao longo desse tempo.

Natural do Rio Grande do Sul, Valmir iniciou sua jornada profissional servindo no Exército Brasileiro e, após se formar em medicina veterinária na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), foi trabalhar em um frigorífico em Goiânia, GO. Nesse meio tempo, prestou concurso para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e teve que voltar para seu estado natal, onde assumiu o cargo público na superintendência do MAPA no RS. Esse foi um momento fundamental para direcionar sua carreira e dar início a sua atuação dentro da suinocultura.

Em 1981, Valmir foi designado a coordenar uma inspeção a fim de regularizar o serviço de registro genealógico feito em Estrela, durante quatro anos. “O meu papel, no início, era recolher os registros que foram emitidos indevidamente em alguns estados. Nós transferimos todos os documentos para a ABCS, que era a entidade apontada pelo Ministério como a responsável por esse serviço e, até 1986, eu coordenei essa intervenção”, explica. “Foi uma questão de afinidade. Eu realmente gostei do que fiz, e sei que foi importante para mim e para entidade. Foi bom para os dois lados, pois crescemos juntos”.

O inspetor técnico da ABCS, Gilberto da Silva, esteve lado a lado de Valmir desde o início de sua trajetória e destacou sua capacidade de ouvir, antes de executar qualquer ação, o que agregava ainda mais para o bom relacionamento entre toda a equipe. Ele lembra que a atuação do colega foi fundamental para o avanço técnico da cadeia de suínos de todo o país. “O Valmir sempre atuava em cima do trabalho que se decidia a nível de conselho técnico. Ele providenciava para que as coisas fossem feitas sempre dentro das regras e das condições que se havia. Sempre foi um profissional muito organizado, com uma linha de trabalho muito tranquila, fazendo tudo muito bem organizado, e isso era importante”, destaca.

Tempos depois de acabada a intervenção, o presidente da ABCS à época, Valdomiro Ferreira Júnior, solicitou ao Ministério sua permanência na entidade. “Ele me fez um convite para que eu, embora aposentado do MAPA, continuasse trabalhando no serviço de registro genealógico. Então, a partir de 1994, eu não era mais um funcionário do Ministério e sim um prestador de serviços da ABCS, onde continuei até o final de março desse ano”, recorda Valmir.

Rubens Valentini, presidente da ABCS de 2005 a 2009, afirma que trabalhar com o superintendente da entidade era tranquilo, devido ao seu jeito prestativo e cumpridor de suas responsabilidades. “Como pessoa e como profissional o Valmir é muito competente, amável e prestativo. Além disso, é uma testemunha importantíssima da história da ABCS e da suinocultura brasileira. Ele conhece aspectos da história da instituição que não estão registrados em lugar algum e isso é muito valioso”, salienta o suinocultor.

A evolução da suinocultura brasileira

Em 63 anos de história da ABCS, Valmir foi o 4º a ocupar o cargo de superintendente do SRGS e teve a oportunidade de acompanhar de perto muitas mudanças significativas para o setor, inclusive a abertura do escritório administrativo da entidade na capital do país. Durante seu mandato, Rubens Valentini organizou para que a presidência, a equipe administrativa, de marketing e política fosse transferida para Brasília, enquanto em Estrela permanecia o setor de registro genealógico de suínos.

O médico veterinário enfatiza também os avanços do associativismo dos suinocultores, com alta concentração das granjas; as exigências sanitárias que aumentaram consideravelmente, trazendo mais segurança alimentar; aumento do controle de qualidade feito nas importações, a partir da década de 1990; e também as mudanças estruturais, com os avanços tecnológicos. “O próprio registro genealógico, que era feito com máquina de escrever, foi modernizado e hoje é emitido online nas próprias granjas, com fiscalização da instituição”, pontua.

Além de testemunhar o crescimento técnico do setor, Valmir foi um dos idealizadores do evento que hoje reúne líderes da indústria de insumos, produtores, representantes de entidades estaduais, gestores da agroindústria e executivos do varejo a fim de fortalecer a união do setor na busca por objetivos comuns. O Seminário Nacional de Desenvolvimento da Suinocultura (SNDS), que teve sua primeira edição em 1987, acontece a cada dois anos e hoje está na 18ª edição, em Curitiba (PR), foi pensado para levar informações relevantes para os suinocultores, bem como discutir os desafios da cadeia – tanto problema de comercialização, como sanitário, de melhoramento, até o que é debatido hoje, relacionado à política, questões de mercado e grãos.

O atual presidente da entidade, Marcelo Lopes, reconhece a importância do serviço prestado pelo profissional, com tamanha dedicação e cuidado, para o desenvolvimento da suinocultura brasileira. “Se hoje somos referência em matéria de registro genealógico e somos valorizados pelas diretorias estaduais e empresas parceiras do setor, é graças ao envolvimento de profissionais como o Sr. Valmir, que dedicou 37 anos para o desenvolvimento técnico da suinocultura do nosso país”.

O Sistema ABCS reconhece seu apoio e seu papel na história da ABCS, além da excelência na prestação de serviços em prol da cadeia suinícola brasileira.

Fonte: Assessoria

ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.

IntercorteACSURSFACTA Dez 2018