Perspectivas - 09.04.2018

ABPA e ABCS compartilham “otimismo cauteloso” para a suinocultura em 2018

Presidente da ABPA, Francisco Turra, e presidente da ABCS, Marcelo Lopes, sugerem crescimento para o setor, com “riscos leves” de falta de milho e eleições

- Arquivo/OP Rural

O ano de 2017 foi um pouco turbulento para o produtor de proteína animal. Com imprevistos e altos e baixos, o suinocultor brasileiro teve que ser criativo e colocar tudo na ponta do lápis para não se perder nas contas. Mas, apesar destes detalhes, a suinocultura brasileira venceu as intempéries e terminou o ano com um crescimento de 0,5% em relação a 2016, de acordo com dados apresentados pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

A intenção agora é que 2018 seja inda melhor e supere os números do ano passado. Apesar de certo otimismo, lideranças do setor estão com os pés bem no chão quanto a realidade da cadeia e, principalmente, do país. De acordo com o presidente da ABPA, Francisco Turra, o cenário político deve continuar instável em 2018, especialmente por ser um ano de eleições. “Apesar disso, a economia parece ter se descolado da política e acreditamos que a recuperação econômica deva prosperar”, comenta.

Turra afirma que não é esperado um custo de produção baixo. “Indicadores apontam para uma eventual redução de oferta interna de milho.  De qualquer forma, o setor está preparado - após as lições aprendidas em 2016 - e já tem viabilizadas novas vias de abastecimento, a partir dos campos da Argentina, Paraguai e Estados Unidos”, diz. Outra justificativa citada pelo presidente é que o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Neri Geller, garantiu que não ocorrerão entraves para as importações.

ABCS

O otimismo moderado da liderança é compartilhado pelo presidente da Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS), Marcelo Lopes. “As expectativas para este novo ano são boas. Mas muitas coisas vão depender bastante de como a economia vai reagir e se comportar em 2018. Esperamos que seja um ano tranquilo, principalmente quanto a custos”, aponta. Outro ponto destacado pelo presidente Marcelo Lopes foi quanto à remuneração para o produtor, que, para ele, este ano talvez sofra alguma melhora. Além do mais, Lopes comenta que o cenário mostra para um ano mais tranquilo que 2017, com, inclusive, aumento na produção da suinocultura brasileira. “Um aumento de 2 a 3%”, sugere.

Mercados

O mercado interno, com uma ligeira melhora no final de 2017, ainda é um pouco indefinido sobre como pode se comportar. Para Lopes, a reação deste mercado vai depender bastante de como acontecerão os próximos passos políticos do país, ainda mais por ser um ano de eleição – o que pode interferir.

Turra, da ABPA, complementa, ressaltando que a expectativa é positiva, especialmente com a retomada econômica, o que deve influenciar no consumo per capita de produtos. “No mercado interno, vemos como possível a ampliação do consumo per capita, voltando para o patamar de 15 quilos - 2017 fechou em 14,7 quilos/habitante/ano”, informa.

Já para o mercado externo, as perspectivas das duas lideranças é de que tudo indica para bons resultados. “Deve haver um aumento nas exportações, retomando patamares de 2016, porque no ano passado ficou bastante abaixo”, comenta Lopes. Além do mais, as expectativas para a recuperação de mercados perdidos por conta da Operação Carne Fraca também são bastante positivas. “O ano ainda está no começo, mas estamos bastante confiantes para 2018”, diz o presidente da ABCS.

Mesmo de forma mais moderada, Turra também vê com otimismo o mercado internacional. “Ele continua desafiador, embora o Brasil continue como um dos mais competitivos exportadores globais”, comenta o presidente. Ele acrescenta a expectativa para as exportações é que, em breve, a situação das negociações com a Rússia seja superada, fortalecendo essa importante parceira comercial que gera renda para o Brasil. “São positivas, também, as perspectivas em torno do desempenho das vendas para a Coreia do Sul, assim que concluída a etapa da certificação sanitária. A América do Sul deve seguir como um sólido destino das importações brasileiras, assim como Hong Kong, Singapura e China”, enumera.

Turra acrescenta ainda que nas exportações, as projeções do Boletim Focus apontam para um dólar mais elevado, o que deve favorecer a rentabilidade das exportações. “Nosso trabalho pelo fortalecimento da imagem do Brasil deve contribuir para, enfim, extinguirmos os efeitos negativos gerados pelos equívocos de divulgação da Operação Carne Fraca, apontando para um cenário positivo”, anuncia. Também há expectativa com relação a novas aberturas de mercados que, de acordo com o presidente, ainda devem contribuir para a ampliação dos embatrques da carne suína brasileira. “De qualquer forma, trabalharemos para superar o resultado do ano anterior”, reforça.

Propaganda

Lopes, presidente da ABCS, informa que as ações que estão sendo desenvolvidas nos últimos anos para o aumento do consumo da carne suína em todo o Brasil, além de capacitação de profissionais do setor, continuam acentuadas em 2018. “Vamos continuar com os projetos de incentivo ao consumo, além de aumentar a quantidade de varejos participantes nas nossas ações”, conta. “Também continuaremos com os treinamentos para suinocultores e açougueiros. Vamos concretizar estes projetos”, aponta o presidente da ABCS.

Mais informações você encontra na edição de Suínos e Peixes de fevereiro/março de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

SBSB 2018

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.

VIII ClanaACSURSACAV 2018FACTA Dez 2018EurotierINTERCONF